Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0130 - A Economia nas Sociedades Pré-modernas
The Economy in Pre-Modern Societies

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
A pertinência da utilização do termo “economia" para o estudo das sociedades pré-modernas é objeto de intensa polêmica. K. Polanyi, em sua obra A grande transformação, afirmava que a noção de “economia” é o fruto de uma evolução histórica recente, de uma “grande transformação” ao final da qual os fenômenos econômicos foram dissociados da sociedade e, ao mesmo tempo, passaram a constituir um sistema distinto em relação ao qual os outros domínios da vida social deviam estar submetidos. Como mostrou M. Godelier, coube a Polanyi o mérito de ter mostrado que o “econômico” não ocupa, nas sociedades e na história, os mesmos espaços e as mesmas relações sociais, mas pode assumir formas distintas se está ou não “encrustrado” no funcionamento das relações de parentesco ou nas relações político-religiosas. Por outro lado, a perspectiva de Polanyi foi utilizada, muitas vezes, para negar a existência de uma economia nas sociedades pré-modernas. No entanto, estudos recentes têm mostrado que, na Idade Média, os comportamentos em relação à riqueza, à sua produção e à sua transmissão, podem também ser analisados em termos de comportamentos racionais, quer seja em termos de finalidade, quer seja em termos de valor.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
4873631 - Marcelo Candido da Silva
 
Programa Resumido
A disciplina tratará de temas como: O "econômico" nas sociedades pré-modernas, problematizado nas sociedades pós-romanas: estagnação ou crescimento, o paradigma do Grande Domínio, as comunidades camponesas e aristocracias, mutacionistas e anti-mutacionistas, o Feudalismo na historiografia e a conjuntura de 1300: qual crise.
 
 
 
Programa
- O "econômico" nas sociedades pré-modernas

- As sociedades pós-romanas: estagnação ou crescimento?

- O paradigma do Grande Domínio

- Comunidades camponesas e aristocracias

- Mutacionistas e anti-mutacionistas

- O Feudalismo na historiografia

- A conjuntura de 1300: qual crise?
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, análise de documentos e discussões em sala.
Critério
Prova em sala e trabalho final.

Média aritmética simples das atividades acima.
Norma de Recuperação
Os alunos em recuperação deverão fazer uma prova oral em data a ser definida.
 
Bibliografia
     
M. BARCELÓ, P. TOUBERT (ed.). L’ “Incastellamento”. Roma, 1998.
M. BLOCH. A sociedade feudal. Lisboa, 1987 (1a ed. franc., 1939).
G. BOIS, “Sur les crises économiques médiévales”, Acta Historica et Archaeologica Mediaevalia,16-17, 1995-1996, p. 61-69.
P. BOISSONADE. Life and Work in Medieval Europe. The Evolution of Medieval Economy from
the Fifth to the Fifteenth Centuries. New York, 1964.
P. BONNASSIE. La Catalogne du milieu du Xe à la fin du XIe siècle. Croissance et mutation
d’une société. Toulouse, 1975/1976, 2 vols.
M. BOURIN, S. CAROCCI, F. MENANT, L. TO FIGUERAS, “Les campagnes de la méditerranée
occidentale autour de 1300: tensions destructrices, tensions novatrices”, Annales HSS, juilletseptembre 2011, n° 3, pp. 663-704.
M. BOURIN, J. DRENDEL, F. MENANT (dir.), Les Disettes dans la conjoncture de 1300 en Méditerranée occidentale, actes du colloque de Rome (27-28 février 2004), Roma, 2012.
M. CÂNDIDO DA SILVA, “A economia moral e o combate à fome na Alta Idade Média”, Anos 90, n.20, v. 38, 2013, p. 43-74.
Ph. CONTAMINE, M. BOMPAIRE, S. LEBECQ, J.-L. SARRAZIN. L’économie médiévale. 3ed., 2003.
J.-P. DEVROEY, Puissants et misérables. Système social et monde paysan dans l’Europe des
Francs, VIe-IXe siècles, Bruxelas, 2006.
J.-P. DEVROEY, “The economy”. In: R. McKitterick, The Early Middle Ages, Oxford, 2001, pp.
97-129.
J.-P. DEVROEY, L. FELLER, R. LE JAN (dir.), Les élites et la richesse au haut Moyen Âge, Turnholt, 2010.
P. DOCKÈS. La libération medieval. México, 1995 (1ª ed., 1979).
G. DUBY, L’économie rurale et la vie des campagnes dans l’Occident médiéval: France,
Angleterre, Empire, IXe-XVe siècles, Paris, 1962, 2 vols.
L. FELLER, “Sur la formation des prix dans l’économie du haut Moyen Âge”, Annales HSS, 2011, n.3, p. 627-661.
R. FOSSIER. “Les tendances de l’économie: stagnation ou croissance?”. In: Nascità dell’Europa ed Europa Carolingia, Settimane di Studio del Centro Italiano di Studi sull’Alto Medioevo, 27, Spoleto, 1981, p. 261-274.
R. FOSSIER. La société médiévale. Paris, 1994 (1a ed., 1991).
G. FOURQUIN. Senhorio e feudalidade na Idade Média. Lisboa, 1978.
G. JEHEL, Ph. RACINET. La Ciudad Medieval. Del Occidente cristiano al Oriente musulmán
(siglos V-XV). Barcelona, 2000.
M. LOMBARD. “Les bases monétaires d’une suprématie économique. L’or musulman du VIIe au XIe siècle”. Annales. Économies-Sociétés-Civilisations 2 (1947), pp.143-160.
M. LOMBARD. L’Islam dans as première grandeur (VIIIe-XIe siècle). Paris, 1971.
M. LOMBARD. Espaces et réseaux du haut Moyen Âge. Paris, 1972.
M. MONTANARI, La faim et l’abondance. Histoire de l’alimentation en Europe, Paris, 1995.
E. PERROY, “À l’origine d’une économie contractée: les crises du XIV siècle”, Annales E.S.C., IV, 1, 1949, p. 167-182.
Ch. PICARD. La mer et les musulmans d’Occident au Moyen Âge (VIIIe-XIIIe siècle). Paris,
1997.
H. PIRENNE. Historia de Europa. Desde las invasiones al siglo XVI. México, 1993.
J.-P. POLY, E. BOURMAZEL. La mutation féodale, Xe-XIIe siècles. Paris, 1991.
S. REYNOLDS. Fiefs and Vassals. The Medieval Evidence reinterpreted. Oxford, 1994.
A. SEN, Poverty and Famines. An Essay on Entitlement and Deprivation, Oxford, 1981.
G. TODESCHINI, Il prezzo della salvezza. Lessici medievali del pensiero economico, Roma,
1994.
P. TOUBERT. Les structures du Latium médiéval. Roma-Paris, 1973, 2 vols.
P. TOUBERT, L’Europe dans sa première croissance. De Charlemagne à l’an mil, Paris, 2004.
A. VERHULST (dir.). Le Grand Domaine aux époques mérovingienne et carolingienne. Actes du colloque international de Gand (1983), Gand, 1985.
A. VERHULST. The Carolingian Economy. Cambridge, 2002.
C. WICKHAM, Framing the early Middle Ages: Europe and the Mediterranean, 400-800,
Oxford, 2005.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0130

Clique para consultar o oferecimento para FLH0130

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP