Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0426 - História da África e dos Afrodescendentes no Brasil: Conteúdos e Ferramentas Didáticas para a Formação de Professores do Ensino Médio e Fundamental
History of Africa and Afro-Descendents in Brazil: Content and Didactic Tools for the Formation of Elementary and Secondary School Teachers

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011

Objetivos
A disciplina pretende fornecer aos alunos conteúdos e instrumentos conceituais e didáticos capazes de referenciar o ensino da história das culturas afro-americanas, destacando a importância da história da África para essa compreensão, conforme as exigências da Lei 10.639/03 de 09/01/2003
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
806930 - Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez
1496166 - Maria Cristina Cortez Wissenbach
1326930 - Marina de Mello e Souza
 
Programa Resumido
Na seqüência de três tópicos centrais - A África na História, a História do Brasil Africano e das Culturas Afro-Americanas, o Africano e o Negro no Mundo Contemporâneo - procurar-se-á enfatizar a dimensão histórica dos temas. Na formação do mundo moderno, a preocupação do curso é de estabelecer a conexão entre a história das sociedades africanas pré-coloniais e o processo de constituição das sociedades escravistas americanas e as experiências de africanos e afrodescendentes entre os séculos XVI e XIX. Na época contemporânea, a ênfase se direciona ao entendimento do colonialismo na África e de suas implicações, dos movimentos de resistência e de independência e de formação da identidade ampla do pan-africanismo. Na sociedade brasileira contemporânea, o tema se remete às clivagens impostas às populações afrodescendentes pela sociedade de classes, pelo racismo e pela exclusão, bem como ao entendimento dos movimentos de articulação da consciência negra e de suas lutas.
 
 
 
Programa
Programa 1 Conectando histórias: as sociedades africanas, o mundo atlântico e a escravidão entre os séculos XVI e XIX Docente Maria Cristina Cortez Wissenbach Objetivos Tendo como objetivo fornecer aos alunos instrumentos para a efetivação das determinações da Lei 10.639/03, a ênfase do curso é historicizar as relações entre as sociedades africanas e as sociedades americanas ao longo dos séculos de formação e de funcionamento do mundo Atlântico. No desenvolvimento dos conteúdos, a idéia de conexões - dos fluxos e dos refluxos, no dizer de Pierre Verger - é essencial. Por meio do estudo das dinâmicas históricas que envolveram as sociedades de ambos os lados do oceano, buscar-se-a entender a formação de comunidades mestiças (afro-euro-americanas) e diferentes aspectos da história dos africanos e dos afro-descentes nas Américas e de suas experiências no mundo da escravidão: as características de seus movimentos políticos (quilombos e revoltas), aspectos da vida religiosa, da sociabilidade e de suas manifestações culturais. Na medida do possível procurar-se-a ampliar essas discussões para a história das sociedades escravistas nas Américas espanhola e portuguesa, bem como no Caribe. O conteúdo, acompanhado pela leitura e discussão de uma historiografia renovada, será desenvolvido na seqüência dos seguintes tópicos: • A África na formação do mundo atlântico: o processo de expansão marítima e a inserção das sociedades africanas (séculos XVI e XVII) • As comunidades atlânticas na África Ocidental e na África Índica: populações hifenizadas, sociedades mestiças e portos do tráfico (Rios da Guiné, Costa dos Escravos, Angola e Moçambique). • Dinâmicas do tráfico e as nações africanas diaspóricas no Novo Mundo (Caribe, América Portuguesa e América Espanhola). • Revoltas e quilombos: sentidos e direções africanas nos movimentos políticos de escravos e de homens livres (Palmares, a Revolução do Haiti, os Malês na Bahia e a revolta de Demerara). • Religiões e sociabilidades: a presença do Islã, as confrarias e corporações de negros e pardos, os cultos religiosos (Voodoo no Haiti, a Santeria em Cuba e o Candomblé e a Macumba no Brasil). • Culturas afro-americanas e competências africanas na sociedade escravista e no mundo do pós-Abolição Programa 2 Culturas afro-americanas: conexões africanas e criações brasileiras Docente Marina de Mello e Souza Objetivos O curso discutirá algumas manifestações da cultura afro-brasileira de forma a articulá-las com suas matrizes africanas, considerando diversas possibilidades de abordagem do problema, como as que destacam as continuidades entre as manifestações americanas e as africanas, e as que defendem a originalidade das criações afro-americanas. Programa: 1. Introdução ao continente africano: história das sociedades que forneceram escravos para o Brasil. 2. Conexões afro-americanas: as rotas do tráfico de escravos dirigido para o Brasil e aspectos das culturas às quais pertenciam as pessoas escravizadas. 3. Formação de culturas afro-americanas: a presença do africano e seus descendentes nas sociedades escravistas coloniais americanas. Sincretismo, miscigenação, crioulização, encontro de culturas, traduções e transportes: várias maneiras de ver a questão. 4. Criações brasileiras - identidades, integração e resistência: algumas das diferentes manifestações culturais afro-brasileiras vistas a partir da articulação entre os diferentes sistemas simbólicos em contato e considerando as características das práticas e cosmogonias africanas. Situações de integração ou resistência nos processos de inserção dos africanos e seus descendentes na sociedade brasileira e de constituição de novas identidades. a. Cultos e crenças de fundo africano no Brasil colonial: adivinhações, calundus e bolsas de mandinga. b. O islamismo e os malês: presença no século XIX. c. Candomblés e umbandas: formação e disseminação. d. Irmandades católicas: catolicismo negro, integração e formação de identidades. e. Línguas afro-brasileiras: expressão de identidades particulares. f. Festas e danças: contribuições para a cultura popular brasileira e construção de uma identidade nacional. 5. Usos e não-usos da África: a relação que as comunidades negras mantiveram com seus passados africanos foi diversa conforme a época e o lugar, oscilando entre a busca de uma maior proximidade ou um maior afastamento do que era tido como universo de origem. Na consideração desses movimentos é significativo o peso das relações de dominação e dos interesses políticos. 6. Identidade nacional e segregação racial: o ideal de branqueamento e a aceitação da mestiçagem. Os lugares dos afro-descendentes na sociedade brasileira após a abolição da escravidão até os dias de hoje.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, discussão de textos, orientação no uso de mapas e material iconográficos, e elaboração de material didático.
Critério
Provas escritas individuais, seminários de grupos e desempenho em projetos de elaboração de material didático.
Norma de Recuperação
Trabalhos escritos ou avaliação oral.
 
Bibliografia
     
1. Docente Maria Cristina Cortez Wissenbach:
Bibliografia Básica
ALENCASTRO, Luis Felipe de. O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul, séculos XVI e XVII. São Paulo: Cia das Letras, 2000.
CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia — um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Topbooks; Academia Brasileira de Letras, 2001.
COSTA, Emilia Viotti da. Coroas de glória, lágrimas de sangue. A rebelião dos escravos de Demerara em 1823. Tradução, São Paulo: Cia das Letras, 1998, 204-243.
CUNHA, Manuela Carneiro da. Negros estrangeiros. Os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.
CUNHA, Marianno Carneiro da. Da senzala ao sobrado – arquitetura brasileira na Nigéria e na república do Benin. São Paulo: Nobel; EDUSP, 1985.
ELTIS, David; RICHARDSON, David; BEHRENDT, Stephen; KLEIN, Herbert. The Trans-Atlantic Slave Trade: A Database on CD Rom. Cambridge, CUP; W. E. B. Du Bois Institute for Afro-American Research, 1999.
FERREIRA, Roquinaldo. Dinâmica do comércio intracolonial: geribitas, panos asiáticos e guerras no tráfico angolano de escravos (século XVIII). In: FRAGOSO, João et al. (org.). O Antigo Regime nos trópicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, 339-378.
FICK, Carolyn. Camponeses e soldados negros na Revolução de Saint-Domingue: reações iniciais à liberdade na Província do Sul (1793-1794). In: KRANTZ, Frederick (org). A outra história. Ideologia e protesto popular nos séculos XVII a XIX. Tradução. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1990, 211-226.
FICK, Carolyn. The French Revolution in Saint Domingue: a Triunf or a Failure. In: BARRY, David Gaspar; GEGGUS, David Patrick. A Turbulent Time — The French Revolution and the Greater Caribe. Indianopolis: Indiana Univ. Press, 1997, 51-77.
FLORENTINO, Manolo. Em costas negras — uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: Cia das Letras, 1997.
GILROY, Paul. O Atlântico negro. Modernidade e a dupla consciência. Rio de Janeiro: UCAM; Editora 34, 2001.
HAVIK, Philip J. Comerciantes e concubinas: sócios estratégicos no comércio atlântico na costa da Guiné. In: A dimensão atlântica da África. São Paulo: CEA/USP; CAPES, 1999, 161-179.
HENRIQUES, Isabel de Castro. L´Atlantique de la modernité: le part de l´Afrique. In: Le Portugal et l´Atlantique. Lisboa; Paris: Arquivos do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, volume XLII, 2001. (texto traduzido).
HEYWOOD, Linda M. (Ed.). Central Africans and Cultural Transformations in the American Diaspora. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 2002.
KARASH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro — 1808/1850. Tradução. São Paulo: Cia das Letras, 2000.
LARA, Silvia H. Linguagem, domínio senhorial e identidade étnica nas Minas Gerais de meados do século XVIII. In: BASTOS, Cristina et al. Trânsitos coloniais — diálogos críticos luso-brasileiros. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2002, 205-225.
LAW, Robin. A comunidade brasileira de Uidá e os últimos anos do tráfico atlântico de escravos. Afro-Ásia, 27, 2002, 41-78.
LAW, Robin; MANN, Kristin. West Africa in the Atlantic Community: the Case of the Slave Coast. William and Mary Quarterly, 56, 2, 1999, 304-334 (traduzido).
LINEBAUGH, Peter. Todas as montanhas atlânticas estremeceram. Revista Brasileira de História, 6, 1983, 7-46.
LOVEJOY, Paul. Identidade e a miragem da etnicidade. A jornada de Mahommah Gardo Baquaqua para as Américas. Afro-Ásia, 27, 2002, 9-39.
MATORY, James Lorand. Jeje: repensando nações e transnacionalismo. Mana — Estudos de Antropologia Social, 5, 1, 1999, 57-80.
MATORY, James Lorand. Jeje: repensando nações e transnacionalismo. Mana — Estudos de Antropologia Social, 5, 1, 1999, 57-80.
MATORY, James Lorand. Yorubá: as rotas e as raízes da nação transatlântica, 1830-1950. Horizontes antropológicos, 4, 9, 1998, 263-292.
MILLER, Joseph. Way of Death – Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade (1730-1830). Madison: The Wisconsin Univ. Press, 1988.
MINTZ, Sidney; PRICE, Richard. O nascimento da cultura afro-americana. Uma perspectiva antropológica. Tradução. Rio de Janeiro: Pallas, UCAM, 2003.
OLIVEIRA, Maria Inês Cortês de. Quem eram os negros da Guiné — origens dos africanos da Bahia. Afro-Ásia, 19/20, 1997, 37-74.
PANTOJA, Selma (Ed.). Entre Áfricas e Brasil. São Paulo: Marco Zero; Brasília: Paralelo 15, 2001.
PANTOJA, Selma; SARAIVA, José Flávio (Org.). Angola e o Brasil nas rotas do Atlântico Sul. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
REIS, João José. Identidade e diversidade étnicas nas irmandades negras no tempo da escravidão. Tempo, 2, 3, 1997, 7-33.
REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil — a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Cia das Letras, 2ª edição revista, 2003, 307-349.
REIS, João José; GOMES, Flávio (eds.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1997.
RODRIGUES, Jaime. De costa a costa — escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Cia das Letras, 2005.
RUSSELL-WOOD, A. J. R. Através de um prisma africano: uma nova abordagem ao estudo da diáspora africana no Brasil colonial. Tempo, 12, 2001, 11-50.
RUSSELL-WOOD, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil colonial. Tradução. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
SARRACINO, Rodolfo. Los que volvieram a África. Havana: Ed. de Ciencias Sociales, 1988.
SCHWARTZ, Stuart. Escravos, roceiros e rebeldes. Tradução. Bauru (SP): Edusc, 2001.
SILVA, Alberto da Costa e Silva. A manilha e o libambo ? a África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, FBN, 2002, 79-132.
SILVA, Alberto da Costa e Silva. Um rio chamado Atlântico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003, 52-83.
SILVA, Alberto da Costa e. Os estudos da História da África e sua importância para a História do Brasil. In: A dimensão atlântica da África. São Paulo: CEA/USP; CAPES, 1999, 13-20.
SILVA, Luis Geraldo. Da festa à sedição. Sociabilidades, etnia e controle social na América portuguesa. In: JANCSÓ, István; KANTOR, Iris (Orgs.) Festa: cultura e sociabilidade na América portuguesa.São Paulo: Edusp, 2001, v.1, 313-335.
SLENES, Robert W. Malungo, Ngoma vem! África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP, 12, 1991/1992, 48-67.
SOARES, Carlos Eugênio Libano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas, Cecult; Editora Unicamp, 2001.
SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor — identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro: século XVIII. Rio de Janeiro: Civ. Brasileira, 2000.
SOUZA, Marina de Mello e. Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
THORNTON, John. Africa e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800 Tradução. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2004.
THORNTON, John. African Soldiers in the Haitian Revolution. Journal of Caribbean History, 25, 1991.
THORNTON, John. On the Trail of Voodoo: African Christianity in Africa and the Americas. The Americas, XLIV, 3, 1988, 261-278.
TROUILLOT, Michel-Rolph. Silencing the Past. Power and the Production of History. Boston, Baeacon Press, 1995.
VANHEE, Hein. Central African Popular Christianity and the Making of Haitian Vodoo Religion. In: HEYWOOD, Linda M. (ed.). Central Africans and Cultural Transformations in the American Diaspora. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.
VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos, dos séculos XVII a XIX. Tradução. São Paulo: Currupio, 3ª edição, 1987.
VERGER, Pierre. Os libertos — sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX. São Paulo: Currupio, 1992.
VOGT, Carlos; FRY, Peter. A África no Brasil — Cafundó. São Paulo: Cia das Letras, 1996.
WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Da escravidão à liberdade: dimensões de uma privacidade possível. In: SVECENCO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998, 50-130.
YAI, Olabiyi. Fon and Yoruba Vocabulaires from Eighteenth and Nineteenth Century Brazil. In: Lovejoy, Paul (Ed.) Identity in the Shadow of Slavery. New York; Londres. Continuum, 2000, 102-136.

2. Docente Marina de Mello e Souza:
Adékóyà, Olúmúyiwá Anthony. Yorubá. tradição oral e história. São Paulo:
Terceira Margem, 1999.
Appiah, Kwame Anthony. Na casa de meu pai. A África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
Bastide, Roger. O candomblé da Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
-------------------- As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras,
------------------- O encontro entre deuses africanos e espírítos índígenas, In O sagrado selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, pp. 218-235.
Calainho, Daniela. Jambacousses e Gangazambes: feiticeiros negros em Portugal. Afro-Ásia 25-26, 2001.
Capone, Stefania. A busca da África no candomblé. Tradição e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa, Palias, 2004.
Castro, Yeda Pessoa de Castro. Falares africanos na Bahia. Um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Topbooks , Academia Brasileira de Letras, 2001.
Dantas, Beatriz Góis. Vovô nagô e papai branco. Usos e abusos da África no Brasil. Rio de Janeiro, Graal, 1988.
Fage, J. D .. História da África. Lisboa: Edições 70, s/d.
Geertz, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1989.
Gomes, Tiago de Meio. Para além da casa da tia Ciata; outras experiências no universo cultural carioca, 1830-1930, Afro-Ásia, 29/30, 2003.

Guimarães, Antonio Sérgio. Notas sobre raça, cultura e identidade na imprensa negra de São Paulo e Rio de Janeiro, 1925-1950. Afro-Ásia, 29/30, 2003.
---------------------------------.Classes, raças e democracia. São Paulo: Editora 34, 2002.
Laraia, Roque de Barros. Cultura, um conceito antropológico. 17- edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004. (1" edição 1986)
Lovejoy, Paul E .. A escravidão na África. Uma história e suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.
M'Bokolo, Elikia. África negra. História e civilizações. Lisboa: Editora Vulgata, 2003.
Mintz e Price, Sidney e Richard. O Nascimento da cultura afro-americana. Uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro: Palias, 2003.
Moura, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. 2¬edição. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.
Newitt, Malyn. História de Moçambique. Portugal: Publicações Europa-¬América, 1997.
Oliver, Roland. A experiência africana. Da pré-história aos dias atuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
Queiroz, Sônia. Pé preto no barro branco. A língua dos negros de Tabatinga Belo Horizonte, Editora UFMG, 1998.
Ramos, Artur.As culturas negras no Novo Mundo. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1979.
Reis, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
---------------------Identidade e diversidade étnicas nas irmandades negras do tempo da escravidão. Tempo 3, junho de 1997, pp 7-33.
-----------------------. Magia jeje na Bahia: a invasão do calundu do Pasto de Cachoeira, 1785. Revista Brasileira de História, São Paulo:
ANPUH/Editora Marco Zero, v.8, n.16, p. 57-81, mar./ago.1988.
Reis e Silva, João José e Eduardo. Negociação e conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
Reis, Letícia Vidor de Souza. Mestre Bimba e Mestre Pastinha: a capoeira em dois estilos. In Vagner Gonçalves da Silva, organizador, Memória afro¬-brasileira. Artes do corpo. São Paulo: Selo Negro, 2004, pp. 189-223.

Rodrigues, Nina. Os africanos no Brasil, 8" edição. Brasília, Editora UnB, 2004. (1" edição, 1906)
Scarano, Julita. Devoção e escravidão. A irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no século XVIII. São Paulo:
Cia Editora Nacional, 1978.
Serra, Ordep. No caminho de Aruanda: a umbanda candanga revisitada. Afro-Ásia, 25-26, 2001.
Silva, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico. A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Ed. UFRJ, 2003. --------------------------------- A manilha e o libambo. A África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Fundação Biblioteca Nacional, 2002.
--------------------------------- A enxada e a lança. A África antes dos portugueses. São Paulo: EDUSP, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992. Silva, Vagner Gonçalves da. Candomblé e umbanda. Caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2005.
Slenes, Robert. "Malungu, ngoma veml" África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP n.12, dez/jan/fev 1991-1992, pp. 48 a 67.
--------------------- Na senzala uma flor. As esperanças e as recordações da família escrava - Brasil sudeste, século XIX Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
Soares, Mariza de Carvalho. O Império de Santo Elesbão na cidade do Rio de Janeiro, século XVIII. Topoi, n. 4, 2002.
----------------------------------- Devotos da cor. Identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
Souza, Laura de Mello e. O Diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
--------------------------------- Revisitando o calundu, In Ensaios sobre a intolerância, Una Gorenstein e Maria Luiza Tucci Carneiro, organizadoras. São Paulo: Humanitas, FAPESP, 2002.
Souza, Marina de Mello e. África e Brasil africano. São Paulo: Ática, 2006.
----------------------------------. Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
------------------------------- Catolicismo negro no Brasil: santos e minkisi, uma reflexão sobre miscigenação cultural. Afro-Ásia 28 - 2002.
----------------------------------- Santo Antonio de nó de pinho e o catolicismo afro-brasileiro, Tempo 11, jul. 2001, pp. 171-188.

Thornton, John K. - A África e os africanos na construção do mundo atlântico, 1400 - 1800. Rio de Janeiro: Campus, Elsevier, 2004.
Vogel, Mello e Barros, Arno, Marco Antonio da Silva, e José Flávio Pessoa de. Galinha d'Angola. Iniciação e identidade na cultura afro¬-brasileira. 3a edição. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.
Vogt e Fry, Carlos e Peter. Cafundó. A África no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, Editora da Unicamp, 1996.

 

Clique para consultar os requisitos para FLH0426

Clique para consultar o oferecimento para FLH0426

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP