Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0447 - História da Cultura I
Cultural History I

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2016 Desativação:

Objetivos
Programa A (Docente responsável: Júlio César Pimentel Pinto Filho). História da Cultura I: Literatura e história no XX: o século do desassossego. O tema do desassossego, de óbvia origem pessoana, recebeu, nas duas últimas décadas do século XX, tratamento detalhado da crítica cultural e passou a ser considerado um eixo não apenas para compreender os mecanismos internos da obra do escritor português, mas também uma categoria que ajuda a analisar os dilemas que envolvem a relação entre ficção e história. Tomado genericamente como uma demonstração de incômodo perante o mundo, o desassossego, em suas representações, ofereceria, segundo palavras do escritor toscano Antonio Tabucchi, uma maneira de significar criticamente a história vivida, atrelando-a à experiência estética e extraindo dela repertório formal e temático para a produção literária no XX. Programa B (Docente responsável: Eduardo Natalino dos Santos). História da Cultura I: Os usos da escrita e do calendário na Mesoamérica: poder político e hierarquia social em tempos pré-hispânicos e coloniais. Uma das principais características que definem a Mesoamérica como macrorregião histórico-cultural é a presença concomitante e integrada de sistemas de escrituras pictoglíficas e de um certo tipo de calendário, plasmados em suportes materiais variados: gravados em pedra e madeira, pinturas murais e pinturas sobre cerâmica, pele de animais, tecidos e papéis, entre outros. Esses sistemas de calendário e de escritura eram utilizados predominantemente pelas elites dirigentes mesoamericanas para o registro e a difusão de temas estreitamente vinculados às suas próprias atuações, papéis e objetivos políticos. O objetivo central da disciplina é apresentar e analisar os usos sociopolíticos da escrita e do calendário pelas elites mesoamericanas nos períodos Pré-hispânico e Colonial Inicial (ou seja, entre os séculos VI a.C. e XVI d.C.). Pretende-se atingir esse objetivo central e geral por meio dos seguintes objetivos particulares e correlatos: a) apresentar os princípios básicos de funcionamento dos sistemas de calendário e das escrituras pictoglíficas; b) mapear suas principais formas de expressão, seus principais temas e seus principais usos políticos c) apresentar os mais importantes tipos de fontes escritas pré-hispânicas e coloniais ameríndias produzidas nesta região da América Indígena, bem como os principais problemas relacionados à sua leitura, compreensão e análise; d) propiciar o contato com as concepções cosmológicas e históricas das tradições mesoamericanas de pensamento e escrita; e) exercitar a prática de analisar fontes escritas e figurativas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
307878 - Eduardo Natalino dos Santos
2110581 - Julio Cesar Pimentel Pinto Filho
 
Programa Resumido
Programa A A disciplina propõe investigar, por meio de textos literários associados à perspectiva do desassossego, alguns diálogos entre literatura e história no século XX. Programa B Apresentar e analisar os usos sociopolíticos da escrita e do calendário pelas elites mesoamericanas nos períodos pré-hispânico e colonial inicial, abrangendo as seguintes culturas e períodos históricos da Mesoamérica: olmecas, zapotecas e teotihuacanos (períodos pré-clássico e clássico); maias (períodos clássico, pós-clássico e colonial); mixtecos e nahuas (período pós-clássico e colonial.
 
 
 
Programa
Programa A 1. O que é o desassossego: Fernando Pessoa 2. Itinerários da memória: Marcel Proust 3. Trauma: Primo Levi 4. Exílio e estranhamento: W. G. Sebald e V. S. Naipaul 5. Consciência e alienação: Antonio Tabucchi 6. Tensões do feminino: Natalia Ginzburg 7. Guerra total: Massimo Carlotto 8. Submissão e resistência: Ricardo Lísias e Julián Fuks 9. Origens e caminhos: Milton Hatoum Programa B Módulo I – Introdução 1. Os horizontes histórico-culturais mesoamericanos 2. Representações do mundo presente e passado na Mesoamérica: a centralidade do calendário e da cosmografia nos escritos pictoglíficos Módulo II – Os períodos Pré-clássico e Clássico: olmecas, zapotecas e teotihuacanos 3. As inscrições zapotecas e olmecas do período Pré-clássico: relações entre escrita, calendário, arquitetura monumental e hierarquia social 4. O governo multiétnico e o uso da escrita em Teotihuacan: o que define um sistema de escritura? Módulo III – As escritas maias nos períodos Clássico, Pós-clássico e Colonial: sistemas pictoglíficos e fonéticos 5. A escrita maia no período Clássico: as elites dirigentes dos centros hegemônicos em disputa bélica e político-comercial 6. Os códices do período Pós-clássico e os textos alfabéticos do período Colonial: continuidades e transformações nas concepções maias de tempo, espaço, poder político e história Módulo IV – Os escritos mixteco-nahuas do período Pós-clássico 7. A escrita pictoglífica mixteco-nahua: involução em relação aos sistemas anteriores? 8. As linhagens dirigentes e as fundações de novos centros de poder nos códices mixtecos: continuidades e transformações nos usos da escrita e do calendário 9. Os códices nahuas e chichimecas: novos valores políticos em antigos meios de expressão Módulo V – Os mexicas e nahuas na passagem do período pré-hispânico ao colonial 10. Os livros mexicas de história e de tributos: consolidação ideológica e material da hegemonia de México-Tenochtitlan 11. A chegada dos castelhanos e a conquista de México-Tenochtitlan nos códices coloniais e textos alfabéticos nahuas: interesses políticos divergentes e convergentes 12. O trabalho missionário cristão e nahua de trasvase, transcrição e tradução: novas funções para a antiga escrita pictoglífica 13. As elites nahuas coloniais e a manutenção do poder: antigas funções para a nova escrita alfabética
 
 
 
Avaliação
     
Método
Programa A. Duas resenhas escritas. Programa B. Prova escrita e relatórios de preparação dos seminários.
Critério
Programa A. Frequência às aulas; leituras e participação nas discussões em sala; capacidade de leitura, análise e interpretação de texto. Programa B. 1 – prova escrita, individual e com consulta, que valerá de 0 a 10 pontos, sobre as aulas expositivas, as leituras programadas e os seminários gerais sobre as fontes; 2 – relatórios de preparação dos seminários gerais sobre as fontes, a ser entregues em todas as aulas, previamente à realização dos seminários, que resultarão em uma nota de 0 a 10 pontos; 3 – a nota final será a média simples entre a nota da prova e a nota dos relatórios de preparação dos seminários gerais de fontes.
Norma de Recuperação
Programa A. Prova escrita ou resenha sobre obra discutida no curso. Programa B. Realização de nova prova escrita ou entrevista sobre os seminários gerais de análise de fontes, dependendo da atividade em que o estudante apresentou o desempenho menos satisfatório. A nova nota substituirá apenas uma das notas anteriores (a mais baixa) e entrará em composição com a nota anterior remanescente para a composição da média final, conforme os critérios expostos no item V.
 
Bibliografia
     
Programa A. ALTAMIRANO, Carlos e SARLO, Beatriz. Literatura/sociedad. Buenos Aires, Hachette, 1983 ARASSE, Daniel. Le détail. Pour une histoire rapprochée de la peinture. Paris, Flammarion, 1996 ARRIGUCCI Junior, Davi. Enigma e comentário. Ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo, Companhia das Letras, 1987 ARRIGUCCI Junior, Davi. Outros achados e perdidos. São Paulo, Companhia das Letras, 1999 BAL, Mieke. Travelling Concepts in the Humanities. A Rough Guide. Toronto, University of Toronto Press, 2002 BHABHA, Homi. Nation and Narration. New York, Routledge, 1990 BURKE, Peter (org.). A escrita da história. Novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992 CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro, Forense-Universitária, 1982 CHARTIER, Roger. A história cultural. Entre práticas e representações. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1990 CHARTIER, Roger. Au bord de la falaise. L’histoire entre certitudes et inquiétudes. Paris, Albin Michel, 1998 ECO, Umberto. Obra aberta. Forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo, Perspectiva, 1968. ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo, Companhia das Letras, 1994 ECO, Umberto. Sobre a literatura. Rio de Janeiro, Record, 2003 FRYE, Northrop. Anatomia da crítica. São Paulo, Cultrix, 1973 FUENTES, Carlos. Geografía de la novela. México, Fondo de Cultura Económica, 1993 GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais. São Paulo, Companhia das Letras, 1989 GINZBURG, Carlo. “Apontar e citar. A verdade da história”, in Dossiê História-Narrativa. RH. Revista de História. n° 2, Campinas, IFCH-Unicamp, 1991, pp. 91-106 GINZBURG, Carlo. Nessuna isola è una isola. Quattro sguardi sulla letteratura inglese. Milão, Feltrinelli, 2000 GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira. Nove reflexões sobre a distância. São Paulo, Companhia das Letras, 2001 GINZBURG, Carlo. Relações de força. São Paulo, Companhia das Letras, 2002 HUNT, Lynn (org.). A nova história cultural. São Paulo, Martins Fontes, 1992 KOSELLECK, Reinhart. Futuro pasado. Para una semántica de los tiempos históricos. Barcelona, Paidós, 1993 JAMESON, Fredric. The Political Unconscious. Narrative as a Socially Simbolic Act. Ithaca, Cornell University Press, 1981. JITRIK, Noé. La vibración del presente. México, Fondo de Cultura Económica, 1987 JOURDE, Pierre. Géographies imaginaires de quelques inventeurs de monde au XXè siècle. Paris, José Corti, 1991 LACAPRA, Dominick e KAPLAN, Steven (orgs.). Modern European Intellectual History. Reappraisals & New Perspectives. Ithaca, Cornell University Press, 1982 LACAPRA, Dominick. History and Criticism. Ithaca, Cornell University Press, 1985 LACAPRA, Dominick. Soundings in Critical Theory. Ithaca, Cornell University Press, 1989 LIMA, Luiz Costa. Mimesis e modernidade. Formas das sombras. Rio de Janeiro, Graal, 1980 LIMA, Luiz Costa. Sociedade e discurso ficcional. Rio de Janeiro, Guanabara, 1986 LIMA, Luiz Costa. A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro, Rocco, 1989 LIMA, Luiz Costa. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro, Rocco, 1991 LIMA, Luiz Costa. O redemunho do horror. As margens do Ocidente. São Paulo, Planeta, 2003 LOWENTHAL, David. The Past is a Foreign Country. Cambridge, Cambridge University Press, 1985 PAZ, Octavio. Los hijos del limo. Barcelona, Seix Barral, 1989 PERROT, Michele. Os excluídos da História. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988 PIGLIA, Ricardo. O laboratório do escritor. São Paulo, Iluminuras, 1994 PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo, Companhia das Letras, 2004 SAER, Juan José. El concepto de ficción. Buenos Aires, Ariel, 1997 SAID, Edward. The World, the Text and the Critic. Cambridge, Harvard, 1983 SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1995 SARLO, Beatriz. Paisagens imaginárias. São Paulo, Edusp, 1997 SCHNEIDER, Michel. Ladrões de palavras. Campinas, Editora da Unicamp, 1990 STONE, Lawrence. “O ressurgimento da narrativa. Reflexões sobre uma velha história”, in Dossiê História-Narrativa. RH. Revista de História. n° 2, Campinas, IFCH-Unicamp, 1991, pp. 13-37 TABUCCHI, Antonio. Un baule pieno di gente. Scritti su Fernando Pessoa. Milão, Feltrinelli, 1990 WHITE, Hayden. The Content of the Form. Narrative Discourse and Historical Representation. Baltimore, Johns Hopkins University Press, 1987 WHITE, Hayden. Meta-história. A imaginação histórica do século XIX. São Paulo, Edusp, 1992 WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo, Edusp, 1994 WILLIAMS, Raymond. Marxismo y literatura. Barcelona, Península, 1980 Programa B 1 – Fontes Anales de Cuauhtitlan. In: Códice Chimalpopoca: Anales de Cuauhtitlan y Leyenda de los soles. Tradução do nahuatl e comentários Primo Feliciano Velázquez, México: Instituto de Historia – UNAM, 1945 (Publicaciones del Instituto de Historia, primeira série, nº. 1). pp. 03-118. CASTILLO, Cristóbal del. Historia de la venida de los mexicanos y otros pueblos / Historia de la conquista. Tradução do nahuatl e introdução Federico Navarrete Linares, México: CONACULTA, 2001 (Serie Cien de México). CHIMALPAHIN CUAUHTLEHUANITZIN, Domingo Francisco de San Antón Muñón. Las ocho relaciones y el memorial de Colhuacan, 2 volúmenes. Paleografia e tradução do nahuatl Rafael Tena, México: CONACULTA, 1998 (Cien de México). CHIMALPAHIN CUAUHTLEHUANITZIN, Domingo Francisco de San Antón Muñón. Primera, segunda, cuarta, quinta y sexta relaciones de las différentes histoires originales. Apresentação Silvia Limón. Edição Josefina Garcia Quintana e outros. Tradução Taller de Estudios y Traducción de Textos Nahuas do IIH da UNAM. México: IIH – UNAM, 2003, p. 32-55 (Serie de Cultura Náhuatl – Fuentes 11). Codex telleriano-rememsis. Ritual, divination, and history in a pictorial Aztec manuscript. Estudo de Eloise Quiñones Keber e prefácio de Emmanuel le Roy Ladurie. Austin, Texas: UTP, 1995. Códice borbónico. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Áustria: ADV / México: FCE, 1991 (Códices Mexicanos III). Códice Borgia. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Espanha: Sociedad Estatal Quinto Centenario / Áustria: ADV / México: FCE, 1993 (Códices Mexicanos V). Códice Boturini – Tira de la peregrinación. México: Secretaría de Educación Pública – Dirección General de Educación Primaria en el DF Núm. 2, 1975 (Colección de documentos conmemorativos del DCL aniversario de la fundación de Tenochtitlan, Documento nº. 1). Códice Cospi. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Áustria: ADV / México: FCE, 1994 (Códices Mexicanos VIII). Códice de Dresde. Introdução e explicação J. Eric S. Thompson, tradução Jorge Ferreiro Santana, 1a. edição em espanhol. México: FCE, 1988 (Sección de Obras de Antropología). Códice Fejérváry-Mayer. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Áustria: ADV / México: FCE, 1994 (Códices Mexicanos VII). Códice Madrid. In: Los códices mayas. Introdução e bibliografia Thomas A. Lee Jr., Tuxtla Gutiérrez: Universidad Autónoma de Chiapas, 1985. Códice Vaticano A. Introdução e explicação Ferdinand Anders e Maarten Jansen, Áustria: ADV / México: FCE, 1996 (Códices Mexicanos XII). Códice Vaticano B. Introdução e explicação Ferdinand Anders e Maarten Jansen, Áustria: ADV / México: FCE / Madri: Sociedad Estatal Quinto Centenario, 1993 (Códices Mexicanos IV). Códice vindobonensis. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Áustria: ADV / México: FCE / Madri: Sociedad Estatal Quinto Centenario, 1992 (Códices Mexicanos I). Códice Zouche-Nuttall. Introdução e explicação Ferdinand Anders e outros, Áustria: ADV / México: FCE / Madri: Sociedad Estatal Quinto Centenario, 1992 (Códices Mexicanos II). Historia de los mexicanos por sus pinturas. In: Mitos e historias de los antiguos nahuas. Paleografia e modernização do texto Rafael Tena, México: CONACULTA, 2002 (Cien de México). pp. 23-111. Historia tolteca-chichimeca. Introdução e estudo Paul Kirchhoff e outros. 2a. edicão, México: CIESAS / Gobierno del Estado de Puebla / FCE, 1989 (Colección Puebla). History and mitology of the Aztecs. The codex Chimalpopoca. Edição John Bierhorst. Tucson e Londres: The University of Arizona Press, 1992. IXTLILXOCHITL, Fernando de Alva. Historia de la nación chichimeca. Edição Germán Vázquez Chamorro. Madri: Dastin, 2003 (Crónicas de América). IXTLILXOCHITL, Fernando de Alva. Obras históricas. Incluyen el texto completo de las llamadas Relaciones e Historia de la nación chichimeca en una nueva versión establecida con el cotejo de los manuscritos más antiguos que se conocen. 2 volumes. Estudo, introdução e apêndices Edmundo O’Gorman, prólogo Miguel León-Portilla. 3a. edição, México: Instituto Mexiquense de Cultura / Intituto de Investigaciones Históricas – UNAM, 1997 (Biblioteca Nezahualcóyotl). Leyenda de los soles. In: Códice Chimalpopoca: Anales de Cuauhtitlan y Leyenda de los soles. Tradução do nahuatl e comentários Primo Feliciano Velázquez, México: Instituto de História – UNAM, 1945. (Publicaciones del Instituto de Historia, primeira série, nº. 1) pp. 119-142. Libro de chilam balam de Chumayel. Tradução do maia Antonio Mediz Bolio, prólogo introdução e notas Mercedez de la Garza, 1a. reimpressão da 2a. edição. México: CONACULTA, 2001 (Cien de México). Lienzo de Tlaxcala. La conquista de México. Introdução e explicação Alfredo Chavero. México: Artes de México, 1892. Literatura maya. Popol vuh, Memorial de Sololá, Libro de Chilam Balam de Chumayel, Rabinal Achí, Libro de los cantares de Dzitbalché, Título de los señores de Totonicapán, Las historias de los Xpantzay, Códice de Calkiní. Compilação e prólogo Mercedez de la Garza; Cronologia Miguel León Portilla; Estudos introdutórios e traduções Adrián Recinos, Antonio Médiz Bolio, Alfredo Barrera Vásquez, Dionisio José Chonay. Caracas: Editorial Galaxis, 1980 (Biblioteca Ayacucho, 57). Matrícula de tributos. Museo de Antropología, México (Col. 35 – 52). Introdução e explicação Frances F. Berdan e Jacqueline de Durand-Forest, Graz, Áustria: ADV, 1980. Memorial de Sololá / Anales de los Cakchiqueles. Tradução, introdução e notas Adrián Recinos. México & Buenos Aires: FCE, 1948. Mitos e historias de los antiguos nahuas. Edição Rafael Tena. México: CONACULTA, 2002 (Cien de México). MUÑOZ CAMARGO, Diego. Historia de Tlaxcala. México, Gobierno del Estado de Tlaxcala & Ciesas & Universidad de Tlaxcala, 1998. Poesía náhuatl. Romances de los señores de la Nueva España e Cantares Mexicanos. 2a. edição, México: UNAM, 2000. Popol vuh - Las antiguas historias del Quiché. Tradução do maia, introdução e notas Adrián Recinos, 26a. edição, México: FCE, 1996 (Colección Popular, nº. 11). Primeros memoriales by fray Bernardino de Sahagún. Facsimile edition – Part I. Fotografia de Ferdinand Anders. Norman: University of Oklahoma Press, 1993 (Civilization of the American Indian Series, 200). SAHAGÚN, Bernardino de. Historia general de las cosas de Nueva España. Versión íntegra del texto castellano del manuscrito conocido como Códice florentino. 3 volumes. Introdução, paleografia, glossário e notas Alfredo López Austin e Josefina Garcia Quintana, 1a. reimpressão da 3a. edição, México: CONACULTA, 2002 (Cien de México). The essential Codex Mendoza. Introdução, descrição e estudo Frances F. Berdan e Patricia Rieff Anawalt, Berkeley, Los Ángeles e Londres: University of California Press, 1997. The Selden roll – An ancient Mexican picture manuscript in the Bodleian Library at Oxford. Comentários Cottie A. Burland e bibliografia Gerdt Kutscher, Berlim: Verlag Gebr. Mann, 1955 (Monumenta Americana II). Títulos de los señores de Totonicapán. Tradução Dionisio José Chonay; Introdução e notas Adrián Recinos. México & Buenos Aires: FCE, 1948. 2 – Obras de referência ADAMS, R. E. W. & MACLEOD, Murdo (editores). The Cambridge history of the native peoples of the Americas. Volume II. Mesoamerica. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. ALCINA FRANCH, José. Códices mexicanos. Madri: Editorial Mapfre, 1992 (Colección Lenguas y Literaturas Indígenas / Colecciones Mapfre 1992). Arqueología Mexicana. Atlas del México Prehispánico. Direção científica Joaquín García-Bárcena e outros, México: Editorial Raíces & INAH & CONACULTA, número especial 5, julho de 2000. Arqueología Mexicana. Tiempo Mesoamericano (2500 a.C. – 1521 d.C.). Direção científica Ann Cyphers e outros, México: Editorial Raíces & INAH & CONACULTA, número especial 11, setembro de 2002. BOONE, Elizabeth Hill. Stories in red and black – pictorial histories of the Aztecs and Mixtecs. Austin: University of Texas Press, 2000. BROTHERSTON, Gordon. La América indígena en su literatura: los libros del cuarto mundo. Tradução de Teresa Ortega Guerrero e Mónica Utrilla, México: FCE, 1997 (Sección de Obras de Historia). CASO, Alfonso. Los calendarios prehispánicos. México: IIH – UNAM, 1967 (Serie de Cultura Náhuatl – Monografías, 6). COE, Michael D. & KERR, Justin. The art of the maya scribe. Londres: Thames and Hudson, 1997. DUVERGER, Christian. Mesoamérica. Arte y Antropología. México e Paris: CONACULTA & Américo Arte & Lamducci, 2000. EDMONSON, Munro S. Sistemas calendáricos mesoamericanos. Tradução Pablo García Cisneros, México: IIH – UNAM, 1995 (Serie de Culturas Mesoamericanas 4). GARCÍA ICAZBALCETA, Joaquín. Bibliografia mexicana del siglo XVI. Organização Augustín Millares Carlo, 2a. edição, México: FCE, 1981 (Biblioteca Americana). GARIBAY K., Ángel María. Historia de la literatura náhuatl. México: Editorial Porrúa, 1992 (Colección Sepan Cuantos, nº. 626). GONZÁLEZ TORRES, Yolotl. Diccionario de mitología y religión de Mesoamérica. Madri, México, Paris, Buenos Aires: Ediciones Larousse, 1991. MANZANILLA, Linda & LÓPEZ LUJÁN, Leonardo (coordenadores). Historia antigua de México. 4 volumes. 2a. edição, México: INAH & IIA – UNAM & Miguel Ángel Porrúa, 2001. MARCUS, Joyce. Mesoamerican writing systems. Propaganda, myth, and history in four ancient civilizations. Princeton: Princeton University Press, 1992. MILLER, Mary & TAUBE, Karl. The gods and symbols of Ancient Mexico and the Maya. An illustrated dictionary of Mesoamerican religion. Londres & Nova Iorque: Thames and Hudson, 1993. ROBERTSON, Donald. Mexican manuscript painting of the Early Colonial period. The metropolitan schools. Norman & Londres: University of Oklahoma Press, 1994. WAUCHOPE, Robert (editor). Handbook of Middle American Indians – vol. 14-15. Austin: University of Texas Press, 1975.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0447

Clique para consultar o oferecimento para FLH0447

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP