Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0452 - História Social da Arte
Social History of Art

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2016

Objetivos
Programa A (Docente responsável: Francisco Cabral Alambert Junior) Procurar traçar um panorama das artes visuais (artes plásticas e cinema) no Brasil recente através da crítica de obras, da crítica especializada e da historiografia (usando também recursos da crítica literária), aproximando e cruzando linhas de reflexão que toquem simultaneamente as formas de representação simbólica e cultural e as representações político-historiográficas sobre os sentidos e as definições das formas artísticas no contexto brasileiro. Com isso poderemos estudar não apenas os sentidos das formas criadas pelos agentes, mas, ao mesmo tempo, quais foram (ou ainda são) os pressupostos usados para interpretar historicamente as artes visuais no Brasil. Programa B (Docente responsável: Maria Cristina Correia L. Pereira) O curso tem como objetivo o estudo da produção artística medieval entre os séculos XI e XV, abarcando os períodos românico e gótico. Considerando que os estudos sobre a arte medieval têm se renovado nas últimas décadas, tornando-se cada vez mais objeto de interesse dos historiadores, e não somente dos historiadores da arte, esta disciplina optativa tem por objetivo propiciar aos alunos uma introdução ao tema, discutindo questões teóricas e analisando exemplos práticos. Busca-se, assim, demonstrar a complexidade do pensamento figurativo medieval, em lugar do simplismo da conhecida fórmula "Bíblia dos iletrados". É desejável que os alunos tenham cursado as disciplinas obrigatórias História Medieval I e História Medieval II. Programa C (Docente responsável: Gildo Magalhães dos Santos Filho) Analisar criticamente as representações de ciência e técnica na arte, em especial na pintura, discutindo-as como produtos de relações históricas e sociais.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
898576 - Francisco Cabral Alambert Junior
943979 - Gildo Magalhães dos Santos Filho
7310217 - Maria Cristina Correia Leandro Pereira
 
Programa Resumido
Programa A Apresentação da proposta e discussão sobre os temas: a) Desde quando somos "modernos"? b) O lugar da crítica de arte e de cultura na formação do Brasil Moderno. c) Momentos decisivos e formação da cultura moderna no Brasil. Programa B O programa é dividido em dois grandes blocos. No primeiro, serão discutidas questões de cunho mais explicitamente teórico, a exemplo dos conceitos fundamentais para a compreensão da disciplina; e no segundo, serão analisadas diferentes séries de imagens medievais, organizadas por suporte e por período. Programa C Analisar criticamente as representações de ciência e técnica na arte, discutindo-as como produtos de relações sociais, econômicas e culturais.
 
 
 
Programa
Programa A 1. Apresentação da proposta; discussão sobre os temas: a)Desde quando somos “modernos”? b)O lugar da crítica de arte e de cultura na formação do Brasil Moderno. c)Momentos decisivos e formação da cultura moderna no Brasil. 2.O Lugar das idéias no Brasil ou Sobre atraso e deslocamento. 3. A crítica moderna e o século XIX 4. Modernismo e Modernidade nos anos 20. a)Artes Plásticas, política e cultura no Modernismo. b)Cinema 5.Mário Pedrosa e a política das artes: desenvolvimentismo, abstracionismo e Bienais (anos 50 e 60). 6.Anos 60/70 ou Terra em Transe. 7.Tropicalismo e Marginalismo diante da ditadura: 8. Da crise dos anos 80 ao Brasil pós-real Programa B 1- Questões de historiografia: a criação do românico e do gótico e suas apropriações 2- Escritos medievais sobre arte e imagens 3- Artistas, comitentes e espectadores 4- O mundo românico I: arquitetura 5- O mundo românico II: escultura 6- O mundo românico III: pintura mural 7- O mundo românico IV: manuscritos 8- O mundo gótico I: arquitetura 9- O mundo gótico II: escultura 10- O mundo gótico III: pintura mural e de cavalete 11- O mundo gótico IV: vitrais 12- O mundo gótico V: manuscritos 13- O mundo dos objetos 14- Arte das margens Programa C 1. Introdução ao curso: por que ciência e arte na sociedade? 2. Arte, ciência e cultura: fronteiras e passaportes 3. História das idéias nas pinturas 4. Idéias científicas, técnica e a história da arte 5. Arte, técnica e o espectador 6. Arte como comentário político 7. A criação da natureza pela técnica 8. Iluminismo, industrialização e as artes 9. Modernismo e a história da técnica 10. Arte e trabalho 11. Modernismo no Brasil
 
 
 
Avaliação
     
Método
Programa A. Aulas expositivas, discussões abertas em torno de textos e documentos propostos; debates sobre os temas e os textos, análises de documentação individual e em grupo. Programa B. Prova escrita, trabalho escrito e seminários. Programa C. Seminários e monografia.
Critério
Programa A. Participação nas discussões em sala de aula; avaliação dos trabalhos e dos seminários. Programa B. Frequência às aulas; participação nas discussões em sala; capacidade de argumentação crítica e de problematização; articulação entre ideias e leituras; consistência teórica e historiográfica; clareza, coerência e correção na expressão oral e escrita. Programa C. Média ponderada entre seminário - peso 1; monografia - peso 2
Norma de Recuperação
Programa A. Terão acesso à recuperação os alunos que cumprirem a freqüência mínima exigida. Neste caso, deverão apresentar trabalho adicional a ser combinado com o professor. Programa B. Os alunos em recuperação deverão fazer uma prova escrita ou trabalho escrito. Programa C. Prova oral.
 
Bibliografia
     
Programa A ADORNO, T. W. “Sociologia da arte e da música”, in Temas Básicos da Sociologia (Adorno e Horkheimer, orgs.), São Paulo: Cultrix, 1978. ______________ Minima Moralia. São Paulo: Ática, 1989. ADORNO, T. W. e HORKHEIMER, M. “A Indústria Cultural: O Esclarecimento como Mistificação das Massas”, in Dialética do Esclarecimento, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. ANDERSON, Perry. Afinidades seletivas. São Paulo: Boitempo, 2002. ALAMBERT, F. e CANHÊTE, P. Bienais de São Paulo: da era do Museu à era dos curadores. São Paulo: Boitempo, 2004. ARANTES, Otilia e Paulo E. Sentido da formação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. ARANTES, Paulo E. Sentimento da dialética. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994. ________________ “Sofística da assimilação”, in praga: estudos marxistas. São Paulo: HUCITEC, n° 8, agosto de 1999. ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. __________________ Arte e crítica de arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1995. BENJAMIN, Walter: Obras Escolhidas, v.1, 2 e 3. São Paulo: Brasiliense, 1989. BERMAN, Marshall. Aventuras no marxismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. BERNARDET, Jean Claude. Brasil em tempo de cinema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967. CANDIDO, Antonio: Literatura e Sociedade, São Paulo: Publifolha, 2000. CEVASCO, M. Elisa. Dez lições sobre Estudos Culturais. São Paulo: Boitempo, 2003. _________________ Para ler Raymond Williams. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001. CHARNEY, Leo e SCHWARTZ, Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2001. GODARD, Jean-Luc. Introdução a uma verdadeira história do cinema. São Paulo: Martins Fontes, 1989. GREENBERG, Clement. Arte e cultura: ensaios críticos. São Paulo: Ática, 1996. GULLAR, Ferreira. Cultura posta em questão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. HAUSER, Arnold: “A Era do Filme”, in História social da literatura e da arte, São Paulo: Martins Fontes, 2000. JAMESON, Fredric. Cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis: Vozes, 2001. ________________ Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2002. MACHADO, Rubens. São Paulo em movimento: a representação cinematográfica da metrópole nos anos 20. São Paulo: dissertação de mestrado, ECA-USP, 1989. MARCUSE, Herbert. A dimensão estética. São Paulo: Martins Fontes, 1981. MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira. São Paulo: Ática, 1985. SCHAPIRO, Meyer: A Arte Moderna, séculos XIX e XX, São Paulo: Edusp, 1996. SCHORSKE, Carl: Viena Fin-de-siècle, São Paulo: Cia das Letras, 1989. WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. XAVIER, I. Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal. São Paulo: Brasiliense, 1991. __________ O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001, col. Leituras. __________ Sertão Mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Brasiliense/EMBRAFILME, 1983. Programa B AUBERT, Eduardo Henrik. Intento sensu et vigilanti mente: esboço de uma problemática histórica do som no Ocidente medieval. Dissertação de Mestrado, USP, 2007. _______. “Mediação e medialização. O cartulário do Colégio de Hubant e a teoria do laço social”. Revista de História 165, 2011, p.151-191. BARRAL I ALTET, Xavier. (dir). Artistes, artisans et production artistique au Moyen Âge. Paris: Picard, 1990, 3 v. BARTHOLEYNS, Gil; DITTMAR, P. O.; JOLIVET, Vincent. Image et transgression au Moyen Âge. Paris: PUF, 2008. BASCHET, Jérôme. Lieu sacré, lieu d'images. Fresques de Bominaco (Abruzzes, 1263). Thèmes, parcours, fontions. Roma/Paris: École Française de Rome/La Découverte, 1991. _____ et SCHMITT, Jean-Claude (Dir). L’image. Fonctions et usages des images dans l’Occident médiéval. Paris : Le Léopard d’Or, 1996. ______. L’iconographie médiévale. Paris: Gallimard, 2008. ______ et al. “ ‘Iter’ et ‘locus’. Lieu rituel et agencement du décor sculpté dans les églises romanes d'Auvergne”. Images revues. Histoire, Anthropologie et Théorie de l’Art. Hors-série 3, 2012. Disponível em: http://imagesrevues.revues.org/1579. BELTING, Hans. Semelhança e presença. A história da imagem antes da era da arte. Rio de Janeiro: Ars Urbe, 2010. BONNE, Jean-Claude. L'art roman de face et de profil. Le tympan de Conques. Paris: Le Sycomore, 1984. ______. “Entre ambiguité et ambivalence. Problématique de la sculpture romane”. La part de l'oeil 8, 1992, p. 147-164. ______. “Arte e environemment. Entre arte medieval e arte contemporânea”. Tradução: Maria Eurydice de Barros Ribeiro. In: Anais da VII Semana de Estudos Medievais. Brasília: PEM/UnB, 2009, p. 39-57. CAMILLE, Michael. Gothic art. Visions and revelations of the medieval world. London: Calmann and King, 1996. ______. Images dans les marges. Aux limites de l'art médiéval. Paris: Gallimard, 1997. ______. The gargoyles of Notre Dame. Medievalism and the monsters of Modernity. Chicago: Univ. of Chicago Press, 2009. CARRUTHERS, Mary. A técnica do pensamento. Meditação, retórica e construção de imagens (400-1200). Campinas: Edunicamp, 2011. CASTELNUOVO, Enrico. “O artista”. In: LE GOFF, Jacques (Dir). O homem medieval. Lisboa: Presença, 1989. p. 145-162. CORDEZ, Philippe. “O jogo de xadrez: imagem, poder e Igreja (fim do século X-início do século XII)”. Revista de História 165, 2011, p. 93-119. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/165/RH_165_-_06_-_Philipe_Cordez.pdf DAMISCH, Hubert. “História da arte”. In: LE GOFF, Jacques (Org.). A Nova História. Lisboa: Almedina, 1990, p. 68-77. DIDI-HUBERMAN, Georges. “Poderes da figura. Exegese e visualidade na Arte Cristã”. Revista de Comunicação e Linguagens 20, 1994, p. 159-177. DUBY, Georges (Org). A Idade Média. São Paulo: Paz e Terra, 1997, 2 v. (Coleção História Artística da Europa). DUNAUD, François; SPIESER, Jean-Michel; WIRTH, Jean (Dir.). L'image et la production du sacré. Actes du Colloque de Strasbourg (20-21 jan. 1988). Paris: Klincksieck, 1991. DUPEUX, Cécile et al (org). Iconoclasme. Vie et mort de l’image médiévale. Catalogue de l’exposition. Musée d’histoire de Berne, Musée de l’Oeuvre Notre-Dame, Musées de Strasbourg, 2001. Paris/Berne: Somogy, 2001. ECO, Umberto. Arte e Beleza na Estética Medieval. Rio de Janeiro: Globo, 1993. ______. História da beleza. Rio de Janeiro: Record, 2004. FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. São Paulo: Perspectiva, 1982. FRANCO Jr., Hilário. A Eva barbada. Ensaios de mitologia medieval. São Paulo: Edusp, 1996. GLÉNISSON, Jean (Ed.). Le livre au Moyen Âge. Paris: CNRS, 1988. GOLSENNE, Thomas (Org.). La performance des images. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 2010. HAGEMAN, Mariëlle et MOSTERT, Marco (ed). Medieval images and texts as forms of communication. Papers from the third Utrecht Symposium on Medieval Literacy, Utrecht, 7-9 december 2000. HAMBURGER, Jeffrey F. Peindre au couvent. La culture visuelle d’un couvent médiéval. Paris: Gérard Monfort, 2000. HAMEL, Christopher de. Une histoire des manuscrits enluminés. Paris: Phaidon, 2001. HUYS-CLAVEL, Viviane. Image et discours au XIIe siècle. Les chapiteaux de la basilique Sainte-Marie Madeleine à Vézelay. Paris: L’Harmattan, 2009. IOGNA-PRAT, Dominique. La Maison-Dieu. Une histoire monumentale de l’Église au Moyen Âge (v.800-v1200). Paris: Seuil, 2006. KESSLER, Herbert L. “On the State of Medieval Art History”. The Art Bulletin, 70/2, 1988, p. 166-187. ______. Studies in pictorial narrative. London: Pindar, 1994. ______. Spiritual seeing. Picturing God’s invisibility in medieval art. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2000. ______. “ ‘Contra os judeus, hereges e sarracenos que dizem que nós adoramos ídolos’: a arte como ortodoxia”. Revista de História 165, 2011, p. 21-36. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/165/RH_165_-_03_-_Herbert_L._Kessler.pdf. KLEIN, Peter K. (Org.). Der mittelalterliche Kreuzgang. Regensburg: Schnell und Steiner, 2003. LE GOFF, Jacques et SCHMITT, Jean-Claude (Dir.). Dicionário temático do Ocidente Medieval. Bauru: EDUSC, 2002. 2 v. _______ et al. Le sacre royal à l’époque de Saint Louis d’après le manuscrit latin 1246 de la BNF. Paris: Gallimard, 2001. LEMOINE, Michel (org). L’image dans la pensée et l’art du Moyen Âge. Actes du Colloque organisé à l’Institut de France le vendredi 2 décembre 2005. Paris: Brepols, 2006. MENESES, Ulpiano Bezerra de. “Fontes visuais, cultura visual, História visual. Balanço provisório, propostas cautelares”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11-36, 2003. NORDENFALK, Carl. L’enluminure médiévale. Genève: Skira/Flammarion, 1988. PACHT, Otto. La miniatura medieval. Madrid: Alianza, 1987. PANOFSKY, Erwin. Arquitetura gótica e Escolástica. Sobre a analogia entre arte, filosofia e teologia na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1991. PASTOUREAU, Michel. O pano do diabo. Uma história das listras e dos tecidos listrados. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. ______. Una historia simbólica de la Edad Media occidental. Buenos Aires: Katz, 2006. ______. Preto, história de uma cor. São Paulo: Senac, 2011. PEREIRA, Maria Cristina C. L. “Da queda para o alto: vícios e virtude em uma miniatura românica”. In: Actas del I Simposio sobre religiosidad, Cultura y Poder. Buenos Aires: GERE-UBA, 2006. ______. “À margem da página: imagens medievais nas margens de manuscritos”. In: Processo de criação e interações. A crítica genética em debate nas artes performáticas e visuais. Belo Horizonte: C/Arte, 2008. v.2, p. 216-222. ______. “La letra y la hoja: las iniciales ornamentadas de la Biblia de Saint-Bénigne de Dijon (BM Dijon 2)”. In: FOGELMAN, Patricia (org). Religiosidad, cultura y poder. Temas y problemas de la historiografía reciente. Buenos Aires: Lumière, 2010, p. 47-59. ______. “Dos detalhes nas imagens: dois afrescos do ciclo franciscano da basílica superior de Assis”. In: Anais do VIII Encontro Internacional de Estudos Medievais (Vitória, 2009). Cuiabá: EDUFMS, 2011, 2v., v. 2, p. 115-120. Disponível em: http://www.revistamirabilia.com/nova/images/VIIIEIEM/ANAIS.VIIIEIEM.VOL2.pdf. ______. “O Revivalismo medieval e a invenção do neogótico: sobre anacronismos e obsessões”. Anais da XXVI Simpósio Nacional de História. ANPUH. São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300848807_ARQUIVO_MARIACRISTINAPEREIRA-anpuh-2011.pdf ______. “Montagens topo-lógicas: as imagens nos capitéis e pilares do claustro de Moissac”. Revista de História 165, 2011, p. 73-91. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/165/RH_165_-_05_-_Maria_Cristina_Pereira.pdf. PETZOLD, Andreas. Le monde roman. Paris: Flammarion, 1995. RÉAU, Louis. Iconographie de l'art chrétien. Paris: PUF, 1958, 3t. RUDOLPH, Conrad (Ed). A Companion to Medieval Art: Romanesque and Gothic in Northern Europe. Oxford: Blackwell, 2006. RUSSO, Daniel. “O altar, a igreja. Reflexões acerca da temática do altar na iconografia cristã”. Signum 6, 2004, p. 89-103. ______(Dir). Peintures murales médiévales, XIIe-XVIe siècles. Regards comparés. Dijon: EUD, 2005. ______. “O conceito de imagem-presença na arte da Idade Média”. Revista de História 165, 2011, p. 37-72. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/165/RH_165_-_04_-_Daniel_Russo.pdf SANSTERRE, Jean-Marie et SCHMITT, Jean-Claude (Org.). Les images dans les sociétés médiévales. Pour une histoire comparée. Actes du Colloque international (Rome, Academia Belgica, 19-20 juin 1998). Bulletin de l'Institut Historique Belge de Rome 69, 1999. SCHAPIRO, Meyer. Estudios sobre el románico. Madrid: Alianza, 1984. SCHILLER, Gertrude. Ikonographie der christlichen Kunst. Gütersloh: Gerd Mohn, 1991, 5v. SCHMITT, Jean-Claude. O corpo das imagens. Ensaios sobre a cultura visual na Idade Média. Bauru: Edusc, 2007. SEBASTIÁN LÓPEZ, Santiago. Iconografía medieval. San Sebastian: Etor, 1988. SKUBISZEWSKI, Piotr. “L'intellectuel et l'artiste face à l'oeuvre à l'époque romane”. In: Le travail au Moyen Âge. Une approche interdisciplinaire. Actes du Colloque International de Louvain-la-Neuve, 21-23 mai 1987. Louvain-la-Neuve: Institut d'études médiévales de l'Université Catholique de Louvain, 1990. p. 263-321. TESTO e immagine nell'alto medioevo. 15-21 aprile 1993. Spoleto: Centro italiano di studio sull'alto medioevo, 1994 (Settimane di studio del centro italiano di studi sull'alto medioevo, 41). TOMAN, Rolf (Ed). O românico. Lisboa: Könemann, 2000. WILLIAMSON, Paul. Escultura gótica. 1140-1300. São Paulo: Cosac & Naify, 1998. WIRTH, Jean. L'image médiévale. Naissance et développements (VIe-XVe siècle). Paris: Klincksieck, 1989. ______. L'image à l'époque romane. Paris: Cerf, 1999. ______. La datation de la sculpture médiévale. Genève: Droz, 2004. Programa C Bibliografia dos Seminários Baxandall, Michael. Padrões de intenção. S. Paulo: Cia. das Letras, 2006 Bronowski, J.O olho visionário, ensaios s/arte, literatura e ciência. Brasília: Unb, 1998 Cardoso, Rafael. Arte brasileira em 25 quadros. R. Janeiro: Record, 2008 Casati, Roberto. A descoberta da sombra. S. Paulo: Cia. das Letras, 2001 Clark, T.J.. A pintura da vida moderna. S.Paulo: Cia. das Letras, 2004 Fer, Briony et al. Realismo, racionalismo, surrealismo. S. Paulo: Cosac&Naify, 1998 Frascina, Francis et al. Modernidade e modernismo. S. Paulo: Cosac & Naify, 1998 Gay, Peter. Modernismo. O fascínio da heresia. S. Paulo: Cia. das Letras, 2009 Harrison, Charles et al. Primitivismo, cubismo, abstração. S. Paulo: Cosac&Naify, 1998 Henderson, Wiliam. A revolução industrial. S. Paulo: Edusp, 1979 Kemp, Martin. Leonardo da Vinci. R. Janeiro: Jorge Zahar, 2005 Lobo, Huertas. A arte e a revolução industrial - séc. XVIII/XIX. Lisboa: Horizonte, 1985 Manguel, Alberto. Lendo imagens. S. Paulo: Cia das Letras, 2001 Ortega y Gasset. A desumanização da arte. S. Paulo: Cortez, 1991 Palhares, Taísa (org.). Arte brasileira na Pinacoteca. S. Paulo: Cosac&Naify, 2009 Schama, Simon. Paisagem e memória. S. Paulo: Cia. das Letras, 1996 Schama, Simon. O poder da arte. S. Paulo: Cia. das Letras, 2010 Thuillier, Pierre. De Arquimedes a Einstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994 Wagensberg, Jorge. La rebelión de las formas. Barcelona: Tusquets, 2004 Wolheim, Richard. A pintura como arte. S. Paulo: Cosac & Naify, 2002 Bibliografia Adicional Alpers, Svetlana. O projeto de Rembrandt. S. Paulo: Cia. das Letras, 2010 Argan, Giulio. Clássico e anticlássico. S. Paulo: Cia. das Letras, 1999 Argan, Giulio. Clássico e anticlássico. S. Paulo: Cia. das Letras, 1999 Braudel, Fernand. O modelo italiano. S. Paulo: Cia. das Letras, 2007 Castelnuovo, Enrico. Retrato e sociedade na arte italiana. S. Paulo: Cia. Letras, 2006 Cumming, Robert. Para entender a arte. S. Paulo: Ática, 1996 Cumming, Robert. Para entender os grandes pintores. S. Paulo: Ática, 1998 Duby, George. História artística da Europa. Idade Média. R. Janeiro: Paz&Terra, 2002 Eco, Umberto. Arte e beleza na estética medieval. R. Janeiro: Record, 2010 Fischer, Ernst - A necessidade da arte. São Paulo: LTC, 2007 Hagen, Rose-Marie e Reiner. What great paintings say, 3 v. Köln: Taschen, 1997 Liechtenstein, Jacqueline (org.) – A pintura. Vol. 4: o Belo. São Paulo: 34, 2004 Magalhães, Gildo. Introdução à metodologia da pesquisa. S. Paulo: Ática, 2005 Read, Herbert – Arte e alienação. Rio de Janeiro: Zahar, 1968 Salgueiro, Heliana. Paisagem e arte. S. Paulo: ECA/USP, 2000 Schneider, Norbert. Still life. Köln: Taschen, 1990 Schneider, Norbert. The portrait. Köln: Taschen, 1994 Snow, Charles P. As duas culturas. S.Paulo: Edusp, 1995 Sites (gratuitos): www.wga.hu e www.artcyclopaedia.com
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0452

Clique para consultar o oferecimento para FLH0452

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP