Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0649 - História da África
History of Africa

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
Objetivo A: Profa. Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez

A proposta central deste programa é a de problematizar temas de História da África desde os anos de 1870 até as independências, criando possibilidades para o desenvolvimento do espírito crítico e o interesse pela pesquisa, por meio de aulas dialogadas, debates e seminários direcionados à análise de leituras programadas e de fontes documentais. Tem como alvo compreender as resistências e conexões frente às práticas administrativas coloniais, a itinerância das idéias e as formas plurais do pensamento social africano questionadores da estrutura discursiva eurocêntrica.
Trabalharemos com uma perspectiva de estudos comparativa, da qual decorrem os objetivos centrais desta disciplina, quais sejam: compreender a complexa dinâmica estabelecida por interdependências mútuas da história da África, Américas e Europa; identificar processos históricos, dinâmicas sociais e culturas em movimento; discutir a itinerância, a afiliação crítica de ideias e as formas plurais do pensamento social africano.

Objetivo B: Profa. Maria Cristina Cortez Wissenbach e Profa. Marina de Mello e Souza

A proposta central do programa é abordar temas de história da África pré-colonial, período compreendidos entre os séculos XIV e XIX, com o objetivo amplo de colocar o aluno em contato com as principais dinâmicas históricas das sociedades africanas subsaarianas, discutindo suas estruturas políticas e econômicas, bem como as relações com outros universos e povos. Rompendo com visões estáticas e com imagens impressas pela história colonialista, procurar-se-á abordar a história de povos africanos a partir de suas determinações internas, assim como avaliar a inserção das sociedades africanas em contextos amplos, sobretudo a partir de eixos comerciais: as rotas do Saara, direcionadas ao Mediterrâneo; as relações articuladas pelo Oceano Índico, as interações atlânticas e as relações com parceiros de várias procedências, que se intensificaram a partir do século XV. Por meio do desenvolvimento de conteúdos históricos específicos ao período chamado de pré-colonial até o advento do imperialismo, a intenção é acompanhar as revisões oferecidas pela historiografia nas últimas décadas referentes ao lugar da África no mundo atlântico, aos efeitos do comércio de escravos nas sociedades subsaarianas e as profundas alterações ocorridas a partir do século XIX.Com o desenvolvimento dos conteúdos assinalados e buscando novos enfoques que instituem historicidade às sociedades africanas, pretende-se contribuir para a instrumentalização de professores dedicados às exigências temáticas colocadas pela Lei 10.639/2003. Romper com a ideia de que os africanos vieram de um vazio histórico é ponto de partida para a revalorização de seu passado e a reconsideração dos sentidos mais profundos de suas expressões sociais, culturais, religiosas e festivas. A metodologia adotada, tanto nas aulas quanto nas demais atividades, busca capacitar os alunos, seja trabalhando conteúdos pertinentes à compreensão geral do tema, seja instruindo, por meio de seminários, estudos dirigidos e contato com recursos pedagógicos atualizados as inúmeras possibilidades de transmissão dos temas. Acompanhando as várias atividades e sempre que possível, objetiva-se a realização de estudos de meio que coloquem os alunos em contato com as comunidades de remanescentes de quilombos, com as agremiações religiosas e culturais próprias à população negra, com visitas às instituições destinadas à salvaguarda da arte afro-americana e africana em São Paulo, sobretudo seus museus.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
806930 - Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez
1496166 - Maria Cristina Cortez Wissenbach
1326930 - Marina de Mello e Souza
 
Programa Resumido
A disciplina História da África aborda os períodos da África pré-colonial (séculos XIV a XIX) e os períodos da África colonial (final do século XIX e primeira metade do século XX) e pós-independência (a partir da segunda metade do século XX). Os cursos em suas diferentes abordagens procuram romper com visões estáticas, com as pré-noções e lacunas do conhecimento criadas pela história colonialista e não raro pelos nacionalismos independentistas. Procura compreender as sociedades africanas em suas dinâmicas internas e em suas formas de inserção em contextos históricos mais amplos. Para o desenvolvimento dos temas específicos são utilizadas uma bibliografia de caráter geral e fontes diversificadas. Aspecto importante da disciplina é a preocupação em aparelhar os alunos que se tornarão professores para ministrarem História da África e da Cultura Afro-brasileira em todos os níveis do ensino. Além dos conteúdos próprios da História da África, discussões metodológicas e análises de fontes são importantes para a formação tanto dos pesquisadores quanto dos professores, havendo espaço dedicado à apresentação das possibilidades didáticas de fontes diversas. Dessa forma buscamos contribuir para a consolidação da aplicação da lei 10.639/2003, alterada pela lei 11.645/2008.

Crédito-trabalho: a disciplina desenvolverá pelo menos uma das seguintes atividades ao longo do semestre:
a) planejamento, execução e avaliação de pesquisa
b) trabalho de campo, estágio supervisionado ou equivalente
c) leituras programadas
d) trabalhos especiais
e) excursões programadas
 
 
 
Programa
Programa A:
1) Os olhares africanos sobre a ideia de África.
2) As fontes manuscritas e as fontes orais.
3) Os viajantes e as imagens de África.
4) Do expansionismo ao imperialismo capitalista colonial. Os significados da Conferência de Berlim.
3) Os viajantes e as imagens de África.
4) Do expansionismo ao imperialismo capitalista colonial. Os significados da Conferência de Berlim.
5) A situação colonial: resistências e conexões.
6) A prática administrativa colonial : a centralização e a descentralização da violência.
7) A natureza e os sentidos do Pan-africanismo como movimento cultural e politico.
8) A natureza e o significado histórico do não alinhamento: da Conferência de Bandung à Tricontinental de Havana.
9) Os nacionalismos autonomistas e independentistas.
10) A itinerância das ideias e o pensamento social africano.

11) O pós-independência: avanços e recuos na formação dos Estados e das Nações.


Programa B:
1.Historia e historiografia da África: periodização, fontes e novas abordagens. Natureza interdisciplinar da área de estudos. Formas africanas de lidar com o passado: oralidade, mitos, ritos, tradições.
2.Panorama da África saheliana antes da inserção atlântica; sociedades, rotas e comércio. A difusão do islamismo a partir do norte da África.
3. África Ocidental: região compreendida entre os rios Senegal e Níger. Diversidade de povos. Poderes centralizados e descentralizados. A instalação do comércio atlântico e as transformações dele decorrentes.
4. África Central: Congo, Angola e a Zambézia/Moçambique. Organização social, política e aspectos culturais das populações da região. A presença de portugueses e outros estrangeiros. Constituição de sociedades mestiças.
5. A África e a formação do mundo atlântico. Os portugueses nos Rios da Guiné, na Costa do Ouro, Costa dos Escravos, em Angola e Moçambique; fortes, feitorias, conquistas, prazos e populações miscigenadas.
6. O tráfico de escravos e as sociedades africanas. O escravo na África. Dinâmicas e organização do tráfico; zonas de fornecimento de escravizados e os portos de embarque.
7. As sociedades africanas e as transformações do século XIX. A transição do tráfico de escravos para o comércio de matérias-primas. Mudança dos interesses europeus na África. Da religião à ciência, da cristianização à civilidade: o prenuncio do Imperialismo.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação será feita por meio de provas e trabalhos escritos, seminários, participação das discussões em aula e atividades de campo. Serão avaliadas a capacidade de compreensão das aulas e dos textos, a capacidade de articulação de temas e ideais presentes em um mesmo autor e em autores diversos, a capacidade de expressão verbal e escrita.
Critério
Os alunos serão avaliados em sua capacidade de absorver a matéria ensinada, entender os textos e documentos, participar das discussões, refletir sobre os temas abordados, e redigir textos que demonstrem suas habilidades de compreensão e transmissão dos assuntos abordados.
Norma de Recuperação
Para recuperação serão observados os critérios previstos na Resolução COG 3583/1989. Terão direito à recuperação os alunos que tiverem alcançado frequência mínima regimental (70%) e nota mínima três (3,0). A atividade a ser realizada para efeito de avaliação será definida em cada curso, podendo ser uma prova ou trabalho versando sobre a matéria dada.
 
Bibliografia
     
ADU, A (coord.) - História geral da África - A África sob dominação colonial. S.P., UNESCO/Ática, vol. VII, l992.
ALENCASTRO, Luis Felipe de – O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do nacionalismo africano – continuidade e ruptura nos movimentos unitários emergentes da luta contra a dominação colonial portuguesa: 1911-1961. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

APPIAH, Kwame Antony - Na casa de meu pai: A África na filosofia da cultura. R.J., Contraponto, 1997.
BASTOS, Cristina (org.) O colonialismo português-novos rumos da historiografia dos PALOP. Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto e Instituto de Investigação Científica Tropical, PT: Edições Húmus, 2013.
BIRMINGHAM, David – Portugal e África. Tradução e apresentação de Arlindo Barbeitos. Lisboa: Vega Editora, 2003.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de Historia: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.
BOAHEN, Adu A. (coord.) - História geral da África. SP, Ática/UNESCO, vol. VII, 1991.
COELHO, João Carlos Borges. “Abrir a fábula: questões de política do passado em Moçambique”. Conferência proferida em Coimbra, 1 de junho de 2011.
COOPER, Frederick. “Conflito e Conexão: Repensando a História Colonial na África”. In Anos 90.

COOPER, Frederick. “Conflito e Conexão: Repensando a História Colonial na África”. In Anos 90. Revista de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. V.15, n.27, 2008, p.21-53.

DIAS, Jill R.– Angola nas vésperas da abolição do tráfico de escravos (1820-1845), em Nova História da Expansão Portuguesa. O império africano 1825-1890, coordenação de Valentim Alexandre e Jill Dias. Lisboa: Editorial Estampa, 1998, pp. 320-378.
- O Kabuku Kambilu (c.1850-1900): uma identidade política ambígua, em Actas do Seminário Encontro de Povos e Culturas em Angola. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997, pp 13-53.

FAGE, J. D. - História da África, Lisboa, Edições 70, 2010.
FALOLA, Toyin – Nacionalizar a África, culturalizar o Ocidente e reformular as humanidades na África, Afro-Ásia 36 (2007), 9-38.

HEINTZE, Beatrix - Angola nos séculos XVI e XVII. Estudo sobre fontes, métodos e história. Tradução de Marina Santos. Luanda: Kilombelombe, 2007.
HENRIQUES, Isabel Castro – O pássaro do mel. Estudos de história africana. Lisboa: Edições Colibri, 2003.
HERNANDEZ, Leila Leite. Os filhos da terra do sol – a formação do estado-nação em Cabo Verde. Ed. Selo Negro/Summus, 2003.
- A África na sala de aula - visita à história contemporânea. Ed. Selo Negro/Summus, 4a ed., 2011.
- “Elites africanas, a circulação de ideias e o nacionalismo anticolonial”. In RIBEIRO A, GEBARA A, BITENCOURT, M. II Encontro de Estudos Africanos da UFF. África: passado e presente. Niterói: Ed. PPGHISTÓRIA-UFF, 2010, p.20-29.
- “A itinerância as ideias e o pensamento social africano”. In: Revista anos 90, UFRS, dez. 2014.
HAVIK, Philip J. - "Comerciantes e concubinas: sócios estratégicos no comércio Atlântico na costa da Guiné", A dimensão atlântica da África, II Reunião Internacional de História da África, Rio de Janeiro, CEA-USP/SDG-Marinha/CAPES, 1997, pgs 161-179.
HOUNTONDJI, Paulin J. “Conhecimento de África, conhecimento de Africanos: Duas perspectivas sobre os Estudos Africanos”. In Revista Crítica de Ciências Sociais. Centro de Estudos Sociais. Laboratório Associado da Universidade de Coimbra, Março 2008, p149-160.
- “Tempting traditions. International debate in traditional cultures”. COMPAS Magazine. March 2001, p.12-13.
- “Producing Knowledge in Africa Today the second Bashorun M.K.O.Abiola distinguished lecture”. African Studies Review, vol.38, 3, Dec. 1995.

KI-ZERBO, Joseph (coord.) - História geral da África (Metodologia e Pré-História da África). SP, Ática/UNESCO, 1982. http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190249POR.pdf
LÉPINE, Claude – Os dois reis do Danxomé. Varíola e monarquia na África Ocidental, 1650-1800. Marília: UNESP, São Paulo: FAPESP, Ed. Cultura Acadêmica, 2000.

LOVEJOY, Paul E. – A escravidão na África. Uma história e suas transformações, tradução Regina Bhering e Luiz Guilherme Chaves. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MABEKO-TALI, Jean-Michel. Considerações sobre o despotismo colonial, e a gestão centralizada da violência no Império colonial francês. Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 29, nº 51, set/dez, 2013,745-770.

MARQUES, Oliveira e PAULO, João Carlos. Introdução (1. Aspectos de política geral; 2.Cultura e ideologia colonial). In MARQUES, A.H. de Oliveira (coord.) Nova história da expansão portuguesa (volume XI). O Império Africano (1890-1930). Lisboa: Editorial Estampa 2001, p.19-94.

MAZRUI, A.A e Wondji, Christophe.(coord.) História Geral da África VIII – África desde 1935. Brasília: UNESCO. 2010.

M’BEMBE, Achille. “As formas africanas de auto inscrição”. In Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, no. 1, 2001, p.171-209.

MUDIMBE, V.Y. A Ideia de África. PT: Edições Pedagogo, 2014.

M’BOKOLO, Elikia – África negra. História e civilizações. Tomo I (até o século XVIII). Salvador / São Paulo: EDUFBA / Casa das Áfricas, 2009.
- África Negra, História e Colonizações. Tomo II - Do século XIX aos nossos dias. Lisboa: Ed. Colibri, vol.2, 2007.
MEILLASSOUX, Claude – O ventre de ferro e dinheiro. Antropologia da escravidão. R.J., Jorge Zahar Ed., 1995.

MENESES, Maria Paula G. O indígena africano e o colono ‘europeu’: a construção da diferença por processos legais. In E-Cadernos CES: Identidades, Cidadania e Estado, no. 7, 2010.

MILLER, Joseph C. – Poder político e parentesco. Os antigos estados Mbundu em Angola. Tradução Maria da Conceição Neto. Luanda: Arquivo Histórico Nacional, Ministério da Cultura, 1995.
– África Central durante a era do comércio de escravizados de 1490 a 1850, em Diáspora negra no Brasil, HEYWOOD, Linda M. (org.), São Paulo: Ed. Contexto, 2008.

NASCIMENTO, Augusto e ROCHA, Aurélio (0rg.). Em torno dos nacionalismos em África. Maputo: Alcance Ed, 2013.

NEWITT, Malyn, História de Moçambique, Portugal, Publicações Europa-América, 1997.

NIANE, D. T. (coord.) - História Geral da África. S.P., Ática/UNESCO, 1985.
OGOT, Bethwell Allan (org.) – História Geral da África vol. V. www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000322.pdf
OLIVER, Roland - A experiência africana. R.J., Zahar Ed., 1994.
PRATT, Marie Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru/São Paulo: EDUSC, 1999.

Revista História Hoje – ANPUH – Dossiê Ensino de História da África e Cultura Afro-Brasileira, V. I, n. 1, 2012. (http://rhhj.anpuh.org/ojs/index.php/RHHJ/issue/view/novaserie/showToc).
RYDER, Allan Frederick Charles - "Do rio Volta aos Camarões", História Geral da África IV. A África do século XII ao século XVI, São Paulo, Ática / Unesco, ? - pgs 353-384.

SAID, Edward W. - Cultura e imperialismo. S.P., Cia. das Letras, 1995.
SANCHES, Manuela (org.).As malhas que os Impérios tecem: textos anticoloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2011.

SILVA, Alberto da Costa e – A manilha e o libambo. A África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro, Nova Fronteira: Fundação Biblioteca Nacional, 2002.
- Um rio chamado atlântico. A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira / Ed. UFRJ, 2003.
- Francisco Félix de Souza, mercador de escravos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: EdUERJ, 2004.
-"O Brasil, a África e o Atlântico no século XIX". Revista de Estudos Avançados. SP, USP, 8(21), 1994.

SOUMONNI, Elisée - Daomé e o mundo atlântico, Rio de Janeiro, SEPHIS, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, Universidade Candido Mendes, 2001.
SOUZA, Marina de Mello e – A rainha Jinga de Matamba e o catolicismo – África Central, século XVII, em Marlyse Meyer nos Caminhos do Imaginário, organizadoras: Jerusa Pires Ferreira e Vilma Arêas. São Paulo: EDUSP, 2009, pp. 153-182.
- Religião e poder no Congo e Angola, séculos XVI e XVII: universo mental e organização social, em O governo dos povos, org. Laura de Mello e Souza et alii. São Paulo: Alameda, 2009, pp. 263-279.
- Catolicismo e comércio na região do Congo e de Angola, séculos XVI e XVII, em Nas rotas do império, organizadores: João Fragoso, Manolo Florentino e outros. Ilha de Vitória: EDUFES, 2006, pp.279-297.
- Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte: UFMG, 2002.
- África e Brasil africano. São Paulo: Ática, 3a edição, 2013.

THORNTON, John – A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800, Tradução Marisa Rocha Motta. Rio de Janeiro: Editora Campus/Elsevier, 2004.

TURNER, J. Michael - "Identidade étnica na África Ocidental: o caso especial dos afro-brasileiros no Benin, na Nigéria, no Togo e em Gana nos séculos XIX e XX", Estudos Afro-Asiáticos 28, outubro de 1995, pgs 85-99.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0649

Clique para consultar o oferecimento para FLH0649

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP