Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0649 - História da África
History of Africa

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2018 Desativação:

Objetivos
Objetivo A: Profa. Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez A proposta central deste programa é a de problematizar temas de História da África desde os anos de 1870 até as independências, criando possibilidades para o desenvolvimento do espírito crítico e o interesse pela pesquisa, por meio de aulas dialogadas, debates e seminários direcionados à análise de leituras programadas e de fontes documentais. Tem como alvo compreender as resistências e conexões frente às práticas administrativas coloniais, a itinerância das idéias e as formas plurais do pensamento social africano questionadores da estrutura discursiva eurocêntrica. Trabalharemos com uma perspectiva de estudos comparativa, da qual decorrem os objetivos centrais desta disciplina, quais sejam: compreender a complexa dinâmica estabelecida por interdependências mútuas da história da África, Américas e Europa; identificar processos históricos, dinâmicas sociais e culturas em movimento; discutir a itinerância, a afiliação crítica de ideias e as formas plurais do pensamento social africano. Objetivo B: Profa. Maria Cristina Cortez Wissenbach e Profa. Marina de Mello e Souza A proposta central do curso é a de problematizar temas de História da África no largo espectro temporal e espacial de sua história, desde o período compreendido entre os séculos XI ao XIX até os processos de independência, criando possibilidades para o desenvolvimento do espírito crítico e o interesse pela pesquisa na matéria. Tem como alvo romper com as visões estáticas sobre a história do continente, recuperar sua historicidade, entender os processos de inserção das sociedades africanas em processos mais amplos, bem como compreender as resistências e conexões frente às práticas administrativas coloniais, a itinerância das ideias e as formas plurais do pensamento social africano questionadores da estrutura discursiva eurocêntrica. Atendendo, sobretudo, os dispositivos da Lei 10639/2003, alterados pela lei 11.645/2008, o intuito é de contribuir para a formação de professores no Ensino Médio e Fundamental na área de História da África, considerando os conteúdos de temas específicos, bem como as implicações dos mesmos na formação da sociedade brasileira e nas suas expressões culturais e religiosas. A intenção é a de acompanhar a revisão das propostas curriculares, instrumentalizando os alunos no desenvolvimento dos conteúdos que dizem respeito à disciplina, na criação e uso de recursos didáticos apropriados, na construção de procedimentos de análise documental relacionados tanto à diversidade de fontes em suas diferentes linguagens (imagéticas, textuais, orais, patrimoniais), quanto a crítica aos discursos e visões imperiais e eurocêntricas. O curso se dará por meio de aulas dialogadas, debates e seminários direcionados à análise de leituras programadas e fontes documentais. Estão previstas também atividades extraclasses: estudos de meio junto a comunidades afrodescendentes e organização de visitas a museus e outras instituições que dispõem de acervos relativos aos temas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
806930 - Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez
1496166 - Maria Cristina Cortez Wissenbach
1326930 - Marina de Mello e Souza
 
Programa Resumido
A disciplina História da África aborda os períodos da África pré-colonial (séculos XIV a XIX) e os períodos da África colonial (final do século XIX e primeira metade do século XX) e pós-independência (a partir da segunda metade do século XX). Os cursos em suas diferentes abordagens procuram romper com visões estáticas, com as pré-noções e lacunas do conhecimento criadas pela história colonialista e não raro pelos nacionalismos independentistas. Procura compreender as sociedades africanas em suas dinâmicas internas e em suas formas de inserção em contextos históricos mais amplos. Para o desenvolvimento dos temas específicos são utilizadas uma bibliografia de caráter geral e fontes diversificadas. Aspecto importante da disciplina é a preocupação em aparelhar os alunos que se tornarão professores para ministrarem História da África e da Cultura Afro-brasileira em todos os níveis do ensino. Além dos conteúdos próprios da História da África, discussões metodológicas e análises de fontes são importantes para a formação tanto dos pesquisadores quanto dos professores, havendo espaço dedicado à apresentação das possibilidades didáticas de fontes diversas. Dessa forma buscamos contribuir para a consolidação da aplicação da lei 10.639/2003, alterada pela lei 11.645/2008. Crédito-trabalho: a disciplina desenvolverá pelo menos uma das seguintes atividades ao longo do semestre: a) planejamento, execução e avaliação de pesquisa b) trabalho de campo, estágio supervisionado ou equivalente c) leituras programadas d) trabalhos especiais e) excursões programadas
 
 
 
Programa
Programa A: 1) Os olhares africanos sobre a ideia de África. 2) As fontes manuscritas e as fontes orais. 3) Os viajantes e as imagens de África. 4) Do expansionismo ao imperialismo capitalista colonial. Os significados da Conferência de Berlim. 3) Os viajantes e as imagens de África. 4) Do expansionismo ao imperialismo capitalista colonial. Os significados da Conferência de Berlim. 5) A situação colonial: resistências e conexões. 6) A prática administrativa colonial : a centralização e a descentralização da violência. 7) A natureza e os sentidos do Pan-africanismo como movimento cultural e politico. 8) A natureza e o significado histórico do não alinhamento: da Conferência de Bandung à Tricontinental de Havana. 9) Os nacionalismos autonomistas e independentistas. 10) A itinerância das ideias e o pensamento social africano. 11) O pós-independência: avanços e recuos na formação dos Estados e das Nações. Programa B: 1.Historia e historiografia da África: periodização, fontes e novas abordagens. Natureza interdisciplinar da área de estudos. Formas africanas de lidar com o passado: oralidade, mitos, ritos, tradições. 2.Panorama da África saheliana antes da inserção atlântica; sociedades, rotas e comércio. A difusão do islamismo a partir do norte da África. 3. África Ocidental: região compreendida entre os rios Senegal e Níger. Diversidade de povos. Poderes centralizados e descentralizados. A instalação do comércio atlântico e as transformações dele decorrentes. 4. África Central: Congo, Angola e a Zambézia/Moçambique. Organização social, política e aspectos culturais das populações da região. A presença de portugueses e outros estrangeiros. Constituição de sociedades mestiças. 5. A África e a formação do mundo atlântico. Os portugueses nos Rios da Guiné, na Costa do Ouro, Costa dos Escravos, em Angola e Moçambique; fortes, feitorias, conquistas, prazos e populações miscigenadas. 6. O tráfico de escravos e as sociedades africanas. O escravo na África. Dinâmicas e organização do tráfico; zonas de fornecimento de escravizados e os portos de embarque. 7. As sociedades africanas e as transformações do século XIX. A transição do tráfico de escravos para o comércio de matérias-primas. Mudança dos interesses europeus na África. Da religião à ciência, da cristianização à civilidade: o prenuncio do Imperialismo.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação será feita por meio de provas e trabalhos escritos, seminários, participação das discussões em aula e atividades de campo. Serão avaliadas a capacidade de compreensão das aulas e dos textos, a capacidade de articulação de temas e ideais presentes em um mesmo autor e em autores diversos, a capacidade de expressão verbal e escrita.
Critério
Os alunos serão avaliados em sua capacidade de absorver a matéria ensinada, entender os textos e documentos, participar das discussões, refletir sobre os temas abordados, e redigir textos que demonstrem suas habilidades de compreensão e transmissão dos assuntos abordados.
Norma de Recuperação
Para recuperação serão observados os critérios previstos na Resolução COG 3583/1989. Terão direito à recuperação os alunos que tiverem alcançado frequência mínima regimental (70%) e nota mínima três (3,0). A atividade a ser realizada para efeito de avaliação será definida em cada curso, podendo ser uma prova ou trabalho versando sobre a matéria dada.
 
Bibliografia
     
ACHEBE, Chinua. “An Image of Africa: Racism in Conrad's ‘Heart of Darkness’” Massachusetts Review. 18. 1977. ACHEBE, Chinua. O mundo se despedaça. Tradução. São Paulo, Cia das Letras, 2010. ADU, A (coord.). História geral da África - A África sob dominação colonial. São Paulo, UNESCO/Ática, vol. VII, l992. AJAYI, J. F. Ade e CROWDER, Michael, Atlas historique de l'Afrique. Adaptation Française, dir. Catherine Coquery-Vidrovitch; Georges Laclavère. s. l., Éditions du Jaguar, D.L. 1988. ALENCASTRO, Luis Felipe de. O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do nacionalismo africano – continuidade e ruptura nos movimentos unitários emergentes da luta contra a dominação colonial portuguesa: 1911-1961. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997. APPIAH, Kwame Antony. Na casa de meu pai: A África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. BASTOS, Cristina (org.) O colonialismo português-novos rumos da historiografia dos PALOP. Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto e Instituto de Investigação Científica Tropical, Lisboa: Edições Húmus, 2013. BIRMINGHAM, David. Portugal e África. Tradução. Lisboa: Vega Editora, 2003. BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de Historia: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. BOAHEN, Adu A. (coord.). História Geral da África. SP, Ática/UNESCO, vol. VII, 1991. CANDIDO, Mariana. An African Slaving Port and the Atlantic World. Benguela and Its Hinterland. Cambridge: Cambridge University Press, 2013. CAPELA, José. “Como as aringas de Moçambique se transformaram em quilombos”, Revista Tempo, 20, p. 72-97. COELHO, João Carlos Borges. “Abrir a fábula: questões de política do passado em Moçambique”. Conferência proferida em Coimbra, 1 de junho de 2011. CONRAD, Joseph. Corações das Trevas. Tradução Sérgio Flackman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. COOPER, Frederick. “Conflito e Conexão: Repensando a História Colonial na África”. In Anos 90. Revista de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. V.15, n.27, 2008, p.21-53. COQUERY-VIDROVICH, C; MONIOT, H. Africa negra de 1800 a nuestros dias. Tradução. Barcelona, Editorial Labor, 1976. CUNHA, Manuela Carneiro da. Negros estrangeiros: os escravos libertos e sua volta a África. São Paulo: Brasiliense, 1985. CURTIN, Philip; FEIERMAN, S; THOMPSON, L; VANSINA, Jan. African History – from earliest times to independence. Nova York; Londres, Longman, 1995, 2ª ed. DIAS, Jill R. “Angola nas vésperas da abolição do tráfico de escravos (1820-1845)”. In: ALEXANDRE, Valentim; DIAS, Jill (org). Nova história da expansão portuguesa. O império africano 1825-1890. Lisboa: Editorial Estampa, 1998, pp. 320-378. DIAS, Jill R. O Kabuku Kambilu (c.1850-1900): uma identidade política ambígua. In: Actas do Seminário Encontro de Povos e Culturas em Angola. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997. DIAS, Jill. “Novas identidades africanas em Angola no contexto do comércio atlântico”. In: BASTOS, Cristiana et alii. Trânsitos coloniais – diálogos críticos luso-brasileiros. Campinas (SP), Ed. Unicamp, 2007 (1ª. ed. Lisboa, 2002). FAGE, J. D. História da África. Lisboa: Edições 70, 2010. FALOLA, Toyin. Nacionalizar a África, culturalizar o Ocidente e reformular as humanidades na África, Afro-Ásia, 36 (2007), 9-38. FARIAS, Paulo de Morais. Silent Trade: Myth and Historical Evidence. History in Africa – Journal of Method (David Henige ed.). Madison, vol. 1, n. 1, 1974, 9-24. FAUVELLE-AYMAR, François-Xavier. Le Rhinocéros d´Or. Histoires du Moyen Age Africain. Paris: Alma Editeur, 2013, 13-28. FEIERMAN, Steven. “African Histories and the Dissolution of World History”. In: BATES, Robert; MUDIMBE, V. Y. e O´BARR, Jean. Africa and the Disciplines. Chicago; London, University of Chicago Press, 1984. FERREIRA, Roquinaldo. “Abolicionismo versus colonialismo: rupturas e continuidades em Angola (séc. XIX)”. In: GUEDES, Roberto (ed.). África: brasileiros e portugueses (Séculos XVI a XIX). Rio de Janeiro: Maud, 2013, 95-113. FERREIRA, Roquinaldo. Cross-Cultural Exchange in the Atlantic World. Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade. Cambridge; Nova York: Cambridge University Press, 2012. GILROY, Paul. O Atlântico negro. Modernidade e a dupla consciência. Tradução. Rio de Janeiro, UCAM; Editora 34, 2001. HAMPATÉ BÂ, Amadou. “A tradição viva”. In: KI-ZERBO, J. (coord.) História Geral da África. I. Metodologia e Pré-História da África. São Paulo, UNESCO; Ática; 1980. HAVIK, Philip J. “Comerciantes e concubinas: sócios estratégicos no comércio Atlântico na costa da Guiné”. In: A dimensão atlântica da África, Atas da IIa. Reunião Internacional de História da África, Rio de Janeiro, CEA-USP/SDG-Marinha/CAPES, 1997, 161-179. HEINTZE, Beatrix. Angola nos séculos XVI e XVII. Estudo sobre fontes, métodos e história. Tradução. Luanda: Kilombelombe, 2007. HEINTZE, Beatrix; JONES, Adam (eds). European Sources for Sub-Saharian Africa Before 1900: Use and Abuse. Paideuma, 33, 1987. HENRIQUES, Isabel Castro. O pássaro do mel. Estudos de história africana. Lisboa: Edições Colibri, 2003. HENRIQUES, Isabel de Castro. Os pilares da diferença: relações Portugal–África séc. XV-XX. Lisboa: Caleidoscópio, 2004, 363-391. HERNANDEZ, Leila Leite. “A itinerância as ideias e o pensamento social africano”, Revista Anos 90, UFRS, dez. 2014. HERNANDEZ, Leila Leite. “Elites africanas, a circulação de ideias e o nacionalismo anticolonial”. In: RIBEIRO A, GEBARA A, BITENCOURT, M. II Encontro de Estudos Africanos da UFF. África: passado e presente. Niterói: Ed. PPGHISTÓRIA-UFF, 2010, p.20-29. HERNANDEZ, Leila Leite.- A África na sala de aula - visita à história contemporânea. Ed. Selo Negro/Summus, 4a ed., 2011. HERNANDEZ, Leila Leite. Os filhos da terra do sol – a formação do estado-nação em Cabo Verde. São Paulo: Ed. Selo Negro/Summus, 2003. HORTA, José da Silva; MARK, Peter. “Duas comunidades sefarditas na costa norte do Senegal no inicio do século XVII: Porto de Ale e Joala”. In: BARRETO, Luís Filipe et. alii. Inquisição portuguesa. Tempo, razão e circunstância. Lisboa; São Paulo: Prefácio, 2007, 277-304.s/d. HOUNTONDJI, Paulin J. “Conhecimento de África, conhecimento de Africanos: duas perspectivas sobre os Estudos Africanos”, Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra: Centro de Estudos Sociais. Laboratório Associado da Universidade de Coimbra, 2008, p.149-160. HOUNTONDJI, Paulin J. “Producing Knowledge in Africa Today. The Second Bashorun M.K.O. Abiola Distinguished Lecture”, African Studies Review, vol. 38, 3, Dec. 1995. HOUNTONDJI, Paulin J. “Tempting traditions. International Debate in Traditional Cultures”. COMPAS Magazine, March 2001, 12-13. ILIFFE, John. Os Africanos - história dum continente. Tradução, Lisboa, Terramar, 1999, 1993. INIKORI, Joseph E.; Engerman, Stanley E. (eds.) The Atlantic Slave Trade. Effects on Economies, Societies, and Peoples in Africa, Americas, and Europe. Durhan: Duke University Press, 1994. ISAACMAN, Allen F. A tradição de resistência em Moçambique: o Vale do Zambeze, 1850-1921. Porto, Afrontamento, 1979. ISAACMAN, Allen. Mozambique. The Africanization of a European Institution. The Zambesian Prazos. Madison: Univ. Wisconsin Press, 1972. ISICHEI, Elizabeth. A History of African Societies to 1870. Cambridge: C. University Press, 1997. KI-ZERBO, Joseph. História da África Negra. Tradução, Lisboa, Publicações Europa-América, 1979. KLIEMAN, Kairn A. “The Pygmies Were Our Compass”. Bantu and Batwa in the History of West Central Africa. Portsmouth, NH, Heinermann, 2003. Tradução para o curso. LAW, Robin. Dahomey and the Slave Trade – Reflections on the Historiography of the Rise of Dahomey. The Journal of African History, 27, 1986. LAW, Robin. The Transition from the Slave Trade to the Legitimate Commerce. Studies in the World History of Slavery, Abolition and Emancipation, I, 1, 1996. LAW, Robin; MANN, Kristin. “West Africa in the Atlantic Community: the Case of the Slave Coast”. William and Mary Quarterly, 3a. serie, v. LVI, 1999, 304-334. LÉPINE, Claude. Os dois reis do Danxomé. Varíola e monarquia na África Ocidental, 1650-1800. Marília: UNESP, São Paulo: FAPESP, Ed. Cultura Acadêmica, 2000. LOPES. Claudivan Sanches e PONTUSCHKA, Nidia Naciv. “Estudo de meio: teoria e prática”. Geografia (Londrina), vol. 18, n. 2, 2009. LOVEJOY, Paul E. A escravidão na África. Uma história e suas transformações. Tradução. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. M’BEMBE, Achille. “As formas africanas de auto inscrição”, Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, no. 1, 2001, p.171-209. M’BOKOLO, Elikia. África negra. História e civilizações. Tomo I (Até o século XVIII). Tradução, Salvador/São Paulo: EDUFBA/Casa das Áfricas, 2009. M’BOKOLO, Elikia. África Negra. História e colonizações. Tomo II (Do século XIX aos nossos dias). Tradução, Lisboa: Ed. Colibri, 2007. MABEKO-TALI, Jean-Michel. “Considerações sobre o despotismo colonial, e a gestão centralizada da violência no Império colonial francês”, Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 29, nº 51, set/dez, 2013,745-770. MARANDINO, Martha (org.) Educação em museus: a mediação em foco. São Paulo: Geenf; FEUSP, 2008. MARGARIDO, Alfredo. Algumas formas de hegemonia africana nas relações com os europeus. Actas da 1ª Reunião Internacional de História da África. Lisboa, IICT, 1998. MARKER, Chris e RESNAIS, Alain. Documentário As estátuas também morrem, 1954. MARQUES, Oliveira e PAULO, João Carlos. Introdução. In: MARQUES, A.H. de Oliveira (coord.) Nova história da expansão portuguesa. Volume XI, O Império Africano (1890-1930). Lisboa: Editorial Estampa, 2001, p.19-94. MATORY, Lorand. “Jeje: repensando nações e transnacionalismos”. Mana 5(1):57-80, 1999 MATORY, Lorand. “The English Professors of Brazil: On the Diasporic Roots of Yorùbá Nation”. Comparative Studies in Society and History, 41 (1) 1999, 72-103 MAZRUI, A.A e WONDJI, Christophe.(coord.) História Geral da África VIII – África desde 1935. Brasília: UNESCO. 2010. MEILLASSOUX, Claude. O ventre de ferro e dinheiro. Antropologia da escravidão. Tradução. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1995. MENESES, Maria Paula G. “O indígena africano e o colono ‘europeu’: a construção da diferença por processos legais”, E-Cadernos CES: Identidades, Cidadania e Estado, no. 7, 2010. MENEZES, Ulpiano Bezerra de. Para que serve um museu histórico? In: Como explorar um museu histórico. São Paulo: Museu Paulista, USP, 1995. MIERS, Suzanne; KOPYTOFF, Igor. Slavery in Africa. Historical and Anthropological Perspectives. Madison, University of Wisconsin Press, 1977. MILLER, Joseph C. “África Central durante a era do comércio de escravizados de 1490 a 1850”. In: HEYWOOD, Linda M. (org.),Diáspora negra no Brasil, Tradução, São Paulo: Ed. Contexto, 2008. MILLER, Joseph C. Poder político e parentesco. Os antigos estados Mbundu em Angola. Tradução. Luanda: Arquivo Histórico Nacional, Ministério da Cultura, 1995. MILLER, Joseph. Way of Death – Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade (1730-1830). Madison, The Wisconsin University Press, 1988. MUDIMBE, V. Y. The Idea of Africa. Bloomington: Indiana University Press, 1994. MUDIMBE, V. Y. The Invention of Africa – Gnosis, Philosophy, and the Order of Knowledge. Bloomington: Indiana University Press, 1988. MUDIMBE, V.Y. A Ideia de África. Tradução. Lisboa: Edições Pedagogo, 2014. NASCIMENTO, Augusto e ROCHA, Aurélio (0rg.). Em torno dos nacionalismos em África. Maputo: Alcance Ed, 2013. NEWITT, Malyn. História de Moçambique. Lisboa: Publicações Europa-América, 1997. OLIVER, Roland. A experiência africana. Tradução. Rio de Janeiro, Zahar Ed., 1994. PANTOJA, Selma; Saraiva, José Flávio (org.). Angola e o Brasil nas rotas do Atlântico Sul. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1999. PINSKY, Carla B; LUCA, Tânia de (org.) O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009. PRATT, Marie Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Tradução, Bauru/São Paulo: EDUSC, 1999. RANGER,Terence. “A invenção da tradição na África colonial”. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Tradução. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2ª. ed.,1997, 219-269. RODNEY, Walter. De como Europa subdesarrolló a África. Trad. México; Madrid, Siglo XXI, 1982. RODRIGUES, Eugênia. “E viesse outro amo que lhes soubesse criar melhor”. Negociar o trabalho escravo em Moçambique no século XVIII. Africana Studia, 14, 2010, p. 53-71. SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. Tradução, São Paulo: Cia. das Letras, 1995. SANCHES, Manuela (org.). As malhas que os Impérios tecem: textos anticoloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2011. SILVA, Alberto da Costa e. “O Brasil, a África e o Atlântico no século XIX”. Revista de Estudos Avançados. São Paulo, USP, 8(21), 1994. SILVA, Alberto da Costa e. A manilha e o libambo. A África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro, Nova Fronteira: Fundação Biblioteca Nacional, 2002. SILVA, Alberto da Costa e. Francisco Félix de Souza, mercador de escravos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: EdUERJ, 2004. SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado atlântico. A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira/Ed. UFRJ, 2003. SOUMONNI, Elisée. Daomé e o mundo atlântico. Rio de Janeiro: SEPHIS, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, Universidade Candido Mendes, 2001. SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil africano. São Paulo: Ática, 3a edição, 2013. SOUZA, Marina de Mello e. “A rainha Jinga de Matamba e o catolicismo – África Central, século XVII”. In: MEYER, Marlyse Meyer, FERREIRA, Jerusa e AREAS, Vilma. Nos Caminhos do Imaginário. São Paulo: EDUSP, 2009, 153-182. SOUZA, Marina de Mello e. “Catolicismo e comércio na região do Congo e de Angola, séculos XVI e XVII”. In: FRAGOSO, João et alii. Nas rotas do império. Vitória: EDUFES, 2006, p.279-297. SOUZA, Marina de Mello e. “Religião e poder no Congo e Angola, séculos XVI e XVII: universo mental e organização social”. In: SOUZA, Laura de Melo et Alii. O governo dos povos. São Paulo: Alameda, 2009, 263-279. SOUZA, Marina de Mello e. Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte: UFMG, 2002. THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800. Tradução. Rio de Janeiro: Editora Campus/Elsevier, 2004. TURNER, J. Michael. “Identidade étnica na África Ocidental: o caso especial dos afro-brasileiros no Benin, na Nigéria, no Togo e em Gana nos séculos XIX e XX”. Estudos Afro-Asiáticos 28, outubro de 1995, 85-99. VANSINA, Jan. How Societies Are Born. Governance in West Central Africa befor 1600. Charlottesville: University of Virginia Press, 2004. VANSINA, Jan. Living with Africa. Madison: The University of Wisconsin Press, s/d. WISSENBACH, Maria Cristina C. “As feitorias de urzela e o tráfico de escravos: Georg Tams, José Ribeiro dos Santos e os negócios na África centro-ocidental na década de 1840”. Afro-Ásia, CEAO, 43, 10 – 52. Reedição em REIS, João José; SILVA JUNIOR, Carlos Francisco (org.). Atlântico de dor: faces do tráfico de escravos. Belo Horizonte; Fino Trato; Salvador: Editora da Universidade Federal do Recôncavo, 2017. WISSENBACH, Maria Cristina C. “Dinâmicas históricas de um porto centro-africano. Ambriz e o Baixo Congo nos finais do tráfico atlântico de escravos”. Revista de História, 171, 165-177, 2015. WISSENBACH, Maria Cristina C. “Teodora Dias da Cunha: Constructing a Place for Herself in the World of Writing and Slavery”. In: XAVIER, G.; FARIAS, J. B. e GOMES, F. Black Women of Brazil in Slavery and Post-Emancipation. New York: Diasporic Africa Press, 301-322. WISSENBACH, Maria Cristina C. Sonhos africanos, vivências ladinas. Escravos e forros em São Paulo no século XIX. São Paulo: Hucitec, 1ª. Edição 1998; 2º edição 2010.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0649

Clique para consultar o oferecimento para FLH0649

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2018 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP