Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Lingüística
 
Disciplina: FLL0319 - Língua Não-indoeuropéia I
Non Indo-European languages I

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 60 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2018 Desativação:

Objetivos
Língua Africana: Proporcionar ao estudante o conhecimento das estruturas fonológicas e morfossintáticas das línguas africanas, buscando examinar a contribuição que a descrição dessas línguas pode trazer para o esclarecimento de alguns problemas da linguística geral. Língua Tupi: Proporcionar ao estudante o conhecimento das estruturas fonológicas e morfossintáticas das línguas Tupi (famílias Arikém, Aweti, Juruna, Mawé, Mondé, Munduruku, Puruborá, Ramarama, Tupari, e Tupi-Guarani), buscando examinar a contribuição que a descrição dessas línguas pode trazer para o esclarecimento de alguns problemas da linguística geral. O curso de língua não indo-europeia contribui para a formação do futuro professor por meio de análises linguísticas e discussão de textos sobre a história e cultura afro-brasileira e indígena, atendendo ao que determinam as leis 10639/2003 e 11645/2008, que tornam obrigatório o estudo desses conteúdos.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
10824683 - Alexander Yao Cobbinah
4867450 - Luciana Raccanello Storto
 
Programa Resumido
Classificação atual das línguas africanas; Fonologia: estudo dos segmentos e suprassegmentos; Morfologia nominal e verbal; Morfossintaxe: constituinte nominal e esquemas de predicação verbal e não verbal.
 
 
 
Programa
Língua Africana: Estado atual da classificação das línguas negro-africanas; Fonologia: sistemas vocálicos e consonantais; harmonia vocálica, nasalidade e alternância consonantal; Tonologia: entoação, acento e tom. Tons pontuais e tons modulados. Sistema tonal e gramática; Morfossintaxe: constituinte nominal e determinação, sistema de classes nominais.Tonologia: entoação, acento e tom. Tons pontuais e tons modulados. Sistema tonal e gramática; Morfossintaxe: constituinte nominal e determinação, sistema de classes nominais. Pronome. Verbo: esquemas de predicação verbal e não verbal. Língua Tupi: Estado atual da classificação das línguas Tupi; reconstrução do Proto-Tupi; Fonologia: sistemas vocálicos e consonantais; nasalidade; padrão silábico; Tonologia: definição de acento e tom; exemplos de línguas tonais e acentuais; Morfossintaxe: critérios para a definição de constituintes; ordem de constituintes, concordância de pessoa versus pronomes cliticizados, movimento de constituintes, movimento QU-, focalização, relativização e subordinação.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas; exercícios de aplicação e análise
Critério
Provas escritas e exercícios de análise de dados lingüísticos.
Norma de Recuperação
A atividade de recuperação será feita, em data a ser definida pelo professor, mediante trabalho ou prova escrita, também a critério do professor da disciplina. Para a aprovação, o aluno deverá obter nota maior ou igual a 5,0 (cinco) nessa atividade.
 
Bibliografia
     
ALEXANDRE, P. 1967. Langues et langage en Afrique Noire. Pris: Payot.
ALEXANDRE, P. 1981. Les langues bantu: tableau d’ensemble. Les Langues dans le monde ancien et moderne. PERROT, Jean (org.) Paris: Editions du CNRS.
AUROUX, S. 1994. La révolution technologique de la grammatisation, Liège, Margaga.
BATTESTINI, S. 1997. Écriture et Texte: contribution africaine. Québec: Les Presses de l’Université Laval, Paris: Présence Africaine.
BENDER, M. L. 1996-7. The Nilo-Saharan Languages: An Essay in Classification. (LINCOM handbooks in Linguistics 06) Munich: LINCOM Europa.
BENDER, M. L. 2000. Nilo-Saharan. HEINE, Bernd & NURSE, Derek (orgs.) 2000. African Languages : an Introduction. Cambridge: Cambridge University Press.
BENDOR-SAMUEL, J. (org.) The Niger-Congo languages: A Classification and Description of Africa’s Largest Language Family. Lanham, New York, London: University Press of America
BENNET, P. & STERK, J. P. 1977. South Central Niger-Congo: a reclassification. Studies in African Linguistics 8: 241-73.
BLENCH, R. 1995. Is Niger-Congo simply a branch of Nilo-Sahanran? NICOLAÏ, R. & Rottland, Franz (org.) Proceedings of the 5th Nilo-Saharan Linguistic Colloquim, Nice 1992. Nilo-Saharan Linguistic Analyses and Documentation. 10. Colônia: Köppe.
BONVINI, E. 1996. Repères pour une histoire des connaissances linguistiques des langues africaines. In Du XVIe au XVIII e siècle: dans le sillage des explorations. Histoire, Epistémologie, Langage, 18(2): 127-148.
BONVINI, E. e PETTER, M. M. Taddoni (1998). Portugais du Brésil et langues africaines. Langages. Paris: 130: 68-83.
CHILDS, T. 2003. An Introduction to African Languages. Amsterdã: John Benjamins.
CLEMENTS, G. N. & GOLDSMITH, J. A. 1984. Autosegmental Studies in Bantu Tonology. Dordrecht, Holanda e Cinnaminson, NJ: Foris.
CREISSELS, D. 1994. Aperçu sur les structures phonologiques des langues négro-africaines. Grenoble: ELLUG.
DOLE, D.T. 1971. The history of African linguistics to 1945. In Sebeok, T.A.(ed.) Current trends in Linguistics, The Hague-Paris, Mouton, 1-29.
DWYER, D. J. 1989. Mande. In BENDOR-SAMUEL, J. (org.) The Niger-Congo languages: A Classification and Description of Africa’s Largest Language Family. Lanham, New York, London: University Press of America.
FIORIN, J. L. e PETTER, M. (orgs.). (2008) África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto.
GOLDSMITH, J. A. 1976. Autosegmental Phonology. Cambridge, MA e Oxford, UK: Blackwell.
LEWIS, M. P. (ed.) 2009. Ethnologue: Languages of the World. 16.ed. Dallas (Texas): SIL International. Online version:
HEINE, B. & NURSE, D. (orgs.) 2000. African Languages: an Introduction. Cambridge: Cambridge University Press.
HOUIS, M. 1971. Anthropologie Linguistique de l’Afrique Noire. Paris: Presses Universitaires de France.
KOELLE, S. W. 1854. Polyglotta Africana. London: Church Missionary House.
KI-ZERBO, J. Théories relatives aux “races” et histoire de l’Afrique. Ki-Zerbo, J. (org.) Histoire générale de l’Afrique, I, Méthodologie et préhistoire africaine. Edition abreégée. Présence Africaine/Edicef/ Unesco.
LADEFOGED, P. 1964. A Phonetic Study of West African Languages. Cambridge: Cambridge, 1973
STEWART, J. M. 1967. Tongue root position in Akan vowel harmony. Phonetica 16: 185-204.
WESTERMANN, D. 1911. Die Sudansprachen. Hamburg: Friederichsen.
WESTERMANN, D. 1927. Die westlichen Sudansprachen und ihrer Beziehungen zum Bantu. Hamburg: Reimer.
WILLIAMSON, K. 1989. Niger-Congo Overview. BENDOR-SAMUEL, J.(org.) The Niger-Congo languages: A Classification and Description of Africa’s Largest Language Family. Lanham, New York, London: University Press of America.
WILLIAMSON, K. & BLENCH, R. Niger-Congo. HEINE, Bernd & NURSE, Derek (orgs.) 2000. African Languages: an Introduction. Cambridge: Cambridge University Press.
WILSON, W. A. A. 1989. Atlantic. BENDOR-SAMUEL, John (org.) The Niger-Congo languages: A Classification and Description of Africa’s Largest Language Family. Lanham, New York, London: University Press of America.
CONSELHO DA EUROPA (2001). Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas - Aprendizagem, ensino, avaliação. Porto, Edições ASA, 2001.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais – Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental – Língua Estrangeira. Brasília: Imprensa Oficial.
 

Clique para consultar os requisitos para FLL0319

Clique para consultar o oferecimento para FLL0319

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP