Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Letras Modernas
 
Disciplina: FLM0644 - Políticas Linguísticas na América Latina
Linguistic Politics in Latin America

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
Abordar aspectos relativos ao espaço geográfico, político, linguístico e social dentro do que se designa como América Latina
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1018717 - Fátima Aparecida Teves Cabral Bruno
 
Programa Resumido
A disciplina aborda aspectos relativos ao espaço geográfico, político, linguístico e social dentro do que se designa como América Latina – inclusive, em suas várias possíveis delimitações: Ibero-América, Hispano-América, Luso-América. Nesse espaço, focaliza o estudo das relações entre as línguas que o habitam, propiciando uma reflexão específica acerca dos processos de formação dos Estados nacionais, da constituição das “línguas nacionais” e do impacto que tais aspectos supõem sobre os sujeitos falantes. Desse modo, visa a formação de pesquisadores e de docentes nos diversos níveis de ensino.
 
 
 
Programa
- América Latina: um conceito.
- Processos de conquista e colonização – o caso português e o caso espanhol.
- As políticas linguísticas e o político na língua.
- Processos de formação dos Estados nacionais: as Constituições e as línguas; língua nacional, língua oficial, língua materna. Inmigrações: períodos – modalidades.
- Processos de gramatização – instrumentos linguísticos – conceito de norma.
- As línguas em situações de bilinguismo e diglossia.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Indutivo-dedutivo, interativo e expositivo (docente e discente)
Critério
Provas orais e escritas, seminários, trabalhos fora da aula.
Norma de Recuperação
Critérios e datas de recuperação serão informados pelo respectivo professor.
 
Bibliografia
     
Dicionários monolíngues e especiais

Diccionario del español de México. (2010). disponível em http://dem.colmex.mx/
Diccionario integral del español de la Argentina, (2008) disponível em http://www.clarin.com/diccionario
RAE. (2001). Diccionario de la lengua española, 22a. edição. Disponível em www.rae.es
RAE e ASALE. (2005). Diccionario panhispánico de dudas. Disponível em www.rae.es
ASALE. (2013). Diccionario de americanismos. Disponível em http://lema.rae.es/damer/

Dicionários bilingues (espanhol-português / português-espanhol)

MORENO, F. e MAIA GONZÁLEZ, N. (dirs.) (2003). Diccionario Bilingüe de Uso Español-Portugués / Português-Espanhol. Madri: Arco / Libros.

Textos teóricos
ARNOUX, E. e DEL VALLE, J. (2010). “Las representaciones ideológicas del lenguaje. Discurso glotopolítico y panhispanismo.” John Benjamins Publishing Company.
____. e BEIN, R. (org.) (1999). Prácticas y representaciones del lenguaje. Buenos Aires: Ed. EUDEBA.
AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. (Trad. Eni Orlandi.) Campinas: Unicamp.
BAGNO, M. (2001) Português ou Brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Loyola.
BARRIOS, G. (2008). Discursos hegemónicos y representaciones lingüísticas sobre lenguas en contacto y de contacto: español, portugués y portuñol fronterizos. Em: DA HORA, D. e MARQUES de LUCENA, R. (orgs.) (2008). Política Lingüística na América Latina. Joăo Pessoa: Idéia/Editora Universitária, pp. 79-103.
CALVET, L. J. (2002). Sociolingüística: Uma introdução crítica. São Paulo: Parábola.
CELADA, M.T., FANJUL, A. e NOTHSTEIN, S. (2010). Lenguas en un espacio de enunciación. Acontecimientos, acciones, representaciones. Buenos Aires: Biblos.
DEL VALLE, J. (2007). La lengua, patria común: La Hispanofonía y el nacionalismo panhispánico. In: ____. (ed.). La lengua, ¿patria común? Ideas e ideologías del español. Frankfurt/Madri: Verveurt/Iberoamericana, pp. 31-96 [public. originalmente em 2005].
____. e GABRIEL-STHEEMAN, L. (eds.). (2004). La batalla del idioma. La intelectualidad hispánica ante la lengua. Frankfurt/Madri: Verveurt/Iberoamericana.
DI TULLIO, A. (2003). Políticas lingüísticas e inmigración: el caso argentino. Buenos Aires: Eudeba.
ECKERT-HOFF, B.M. (2010). (Dis)sabores da língua ma(e)terna: os conflitos de um entre-lugar. In: ____ e CORACINI, M.J. Escrit(ur)a de si e alteridade no espaço papel-tela. Alfabetização, formação de profesores, línguas materna e estrangeiras. Campinas: Mercado de Letras, pp. 79-106.
Enciclopédia das línguas no Brasil. Disponível em http://www.labeurb.unicamp.br/elb2/pages/artigos/lerArtigo.lab?id=1
ELLIOT, J. H. (1998). “A conquista Espanhola e a Colonização da América.” In: BETHEL, Leslie. (org). América Latina Colonial. Volume I e II. São Paulo: Edusp.
FERGUSON, CH. (1984). Diglosia. Em: GARVIN, P. L. e LASICA de SUÀREZ, Y. Antología de estudios de etnolingüística y sociolingüística. México: UNAM, 1984, pp. 247-265 (Trad. Joaquín Herrero, or. em inglês: 1959).
FERNÀNDEZ MORENO, C. (1979). “Introdução”. Em: _____. América Latina em sua literatura. São Paulo: Perspectiva, pp. XV-XXIX.
FISHMAN, J. (1967). “Bilingualism with ant without Diglossia, Diglossia with and without Bilingualism.”. Em: Journal of Social Issues, 23, pp. 29-38.
GUIMARÃES, E. (2002). Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes.
LAGARES, X.C. e BAGNO, M. (2011). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola.
LARA, L.F. (2013). Historia mínima de la lengua española. El Colegio de México: México, 2013, 580 pp. e DVD (com mapas e ilustrações).
LIPSKY, J. (1998). El español de América. Madri: Cátedra.
LUDMER, J. (2010). “El imperio.”. Em: ____. Aquí América Latina. Una especulación. Buenos Aires: Eterna Cadencia, p. 179-215. (Há tradução ao portugués pela UFMG, 2013.)
Revista abehache (Associação Brasileira de Hispanistas), núm. temáticos 1, 2 e 3. Disponível em http://www.hispanistas.org.br/abh/index.php?option=com_content&view=article&id=16&Itemid=4
Revista Letras (UFSM), núm. temático, 42: “Políticas lingüísticas: espaços, agendas e questões”. Disponível em: http://w3.ufsm.br/revistaletras/letras47.html
MALMBERG, B. (1966). La América Hispanohablante. Unidad y diferenciación del castellano. Madrid: Istmo.
MELIÁ, B. (1997). Problemas de bilingüismo en el Paraguay. Em: Políticas linguisticas para América Latina. Actas del Congreso Internacional. Buenos Aires, 26 a 29 de novembro, p. 161-175.
____. (2011). “Historia de la lengua guaraní.”. Em: TELESCA, T. (coord.). Historia del Paraguay. Paraguay: Taurus, pp. 425-445.
MORSE, R. (1990). “A linguagem na América”. Em: ____. A volta de McLuhanaíma. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 23-86.
ORLANDI, E. P. (2002). “A língua Brasileira.” Em: _____Língua e conhecimento lingüístico. Para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, pp. 21-32.
____. (org). (1988) Política lingüística na América latina. Campinas: Pontes.
____. (org). (2007). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes.
PALACIOS, A. (coord.). (2008). El español en América. Contactos lingüísticos en Hispanoamérica. Barcelona: Ariel.
SEDYCIAS, J. O ensino do español no Brasil. São Paulo: Parábola, 1ª ed., pp. 71-96.
SENZ. S. e ALBERTE M. (eds.). (2011). El dardo en la Academia. Esencia y vigencia de las academias de la lengua española. España: Melusina, 2 v.
ZARRATEA, T. (2011). La ley de lenguas del Paraguay. Asunción: Servilibro.
ZOPPI-FONTANA, M.G. (org.) (2009). O portugués do Brasil como Língua Transnacional. Campinas: Capes/RG.
ZUCOLILLO, G. (2002). “Lengua y nación: el rol de las élites morales en la oficialización del guaraní (Paraguay 1992)”. Em: Suplemento antropológico (Revista del Centro de Estudios Antropológicos), vol. XXXVII, nro. 2, Asunción, Universidad Católica, pp. 9-308.
 

Clique para consultar os requisitos para FLM0644

Clique para consultar o oferecimento para FLM0644

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP