Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0203 - Política III - Teoria Política Moderna
Policy III - Modern Political Theory

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
O objetivo central do curso é a apresentação de algumas obras fundadoras das correntes centrais do pensamento político moderno - aquele que nasce como reflexão sobre a nova ordem política e social criada pelas revoluções burguesas e acompanha a ascensão da democracia representativa à condição de principal forma de governo no Ocidente. Com vistas à formação de professores, o curso tem como objetivos específicos a) aprimorar competências e habilidades relacionadas à expressão em língua portuguesa por meio da realização de atividades de interpretação e análise de textos, imagens e vídeos, bem como de produção textual (verbal e escrita); b) explorar questões, conteúdos, materiais (textos de divulgação, filmes – documentários e ficções –, ensaios fotográficos, reportagens etc.) relacionados ao curso de forma a instrumentalizá-los na capacitação dos alunos como docentes c) estabelecer como rotina o acesso às tecnologias de informação e comunicação na interface do ensino-aprendizagem (por exemplo, uso da plataforma moodle, disponibilização de materiais em nuvem e a exposição de conteúdos com apoio de recursos multimídia
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
498969 - Bernardo Ricupero
361574 - Eunice Ostrensky
 
Programa Resumido
O objetivo central do curso é a apresentação de algumas das obras fundadoras das principais correntes do pensamento político moderno, aquele que nasce como reflexão sobre a nova ordem política e social criada pelas revoluções burguesas e acompanha a ascensão da democracia à condição de principal forma de organização política no Ocidente.
 
 
 
Programa
1. Montesquieu: a teoria da política como teoria da sociedade.
2. O Federalista: a república contra a democracia.
3. Burke: as “liberdades civis” contra a revolução.
4. A liberdade dos antigos e a liberdade dos modernos.
4. Igualdade e liberdade no pensamento de Tocqueville.
6. Marx: entre a revolução política e a emancipação humana.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, seminários, leituras supervisionadas, proposição de exercícios de expressão escrita e verbal, interação virtual e estudos dirigidos via moodle ou outra plataforma, etc.
Critério
A avaliação do aproveitamento individual do aluno será feita com base em cinco resenhas de textos selecionados (nota de 0 a 3) e uma prova escrita final (nota de 0 a 7). As resenhas deverão ter no máximo 100 linhas e deverão ser sobre textos de O Federalista, Tocqueville, Stuart Mill, Marx e Michels.
Norma de Recuperação
Prova escrita sobre todo o programa da disciplina.
 
Bibliografia
     
PROGRAMAÇÃO DAS AULAS

Início das aulas:. Apresentação e organização do curso.


Unidade I. O liberalismo antes da Revolução Francesa:

Aula 2 Montesquieu: formas de governo como formas de organização da vida social.
Leitura: Do Espírito das Leis, Prefácio e Livros I a IV (cap. 5), V e VIII, IX (caps. 1-5), XI (cap. 1 a 7), XII (cap. 1 a 3).

Aula 3 . Montesquieu: formas de governo e o espírito geral da nação.
Leitura: Do Espírito das Leis, Livros XIV (caps. 1 a 3, 5 e 6), XV (caps. 1, 2, 6, 7, 9, 13), XVI (caps. 2, 4 e 12), XVII (caps. 1, 2 e 6), XVIII (caps. 1 a 9), XIX (caps. 1 a 7, 10, 11, 14, 15, 16, 21-27), XX (caps. 1-4), XXIV (caps. 1, 7 e 19), XXVI (caps. 1, 2, 9 e 15), e XXIX (caps. 1, 2-6, 13).

Aula 4 – O Federalista e a República em larga escala.
Leitura: O Federalista, caps. 1 a 11; 14; 35; 39; 46 a 49; 51; 62; 64; 85.


Unidade II - A reação intelectual à Revolução Francesa:

Aula 5 . Burke e a fundação do conservadorismo moderno.
Leitura: Reflexões sobre a Revolução em França (completo).

Aula 6 .
Leitura: Reflexões sobre a Revolução em França (completo).

Aula 7 Benjamin Constant sobre a liberdade.
Leitura: “Da liberdade dos antigos comparada à liberdade dos modernos”.


Aula 8. PROVA .


Aula 9 . Tocqueville e a democracia na América.
Leitura: A Democracia na América, Livro I: Introdução; 1a parte, caps. 1 a 5; 2a parte, caps. 1, 3, 4, 6 e 8.

Aula 10 . Tocqueville e a sociedade democrática.
Leitura: A Democracia na América, Livro II: 1ª parte, caps. 2, 5, 13; 2a parte, caps. 1 a 5, 7, 8, 13, 14, 16, 17; 3a parte, caps. 4 e 5; 4a parte (toda).

Aula 11 . Tocqueville e a revolução na França.
Leitura: O Antigo Regime e a Revolução, Prefácio; Livro I: caps. 1, 3e 5; Livro II: caps. 2, 5, 6 e 9; Livro III: caps. 1, 3 e 8.


Unidade III – A política e o Estado em Marx

Aula 12 . Marx: revolução política e emancipação humana.
Leitura: Marx, A Questão Judaica.

Aula 14 . Marx: Estado, poder político e classes sociais.
Leitura: Marx, O 18 Brumário de Luiz Bonaparte.

Aula 15 . Marx e Engels: Revolução e democracia.
Leitura: Marx, O 18 Brumário de Luiz Bonaparte (cont.).
Engels. “Introdução a Lutas de classe na França” (optativo).


Aula 16. PROVA .



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

1. Robert A. Nisbet. The Sociological Tradition. New York: Basic Books, 1966
2. Raymond Aron. As Etapas do Pensamento Sociológico. Trad. bras. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
3. Michelangelo Bovero, “O modelo hegelo-marxista” in Norberto Bobbio e Michelangelo Bovero. Sociedade e Estado na filosofia política moderna. Trad. Bras. São Paulo: Brasilense, 1987.
4. Leo Strauss e Joseph Cropsey. Historia de la filosofía política. Trad. Espanhola. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1993.
5. Harold J. Laski. O Liberalismo Europeu. Trad. bras. São Paulo: Mestre Jou, 1973
6. Norberto Bobbio. Liberalismo e democracia. Trad. Brás. São Paulo: Brasiliense, 1990.


POR AUTOR:

MONTESQUIEU

1. Célia Galvão Quirino e Maria Tereza Sadek (orgs.). O Pensamento Político Clássico. São Paulo: Martins Fontes, 2003, 2ª. ed., especificamente os textos de:
- Emile Durkheim, “Como Montesquieu classifica as sociedades por tipos e espécies”
- Joseph Didieu, “As idéias políticas e morais de Montesquieu”
- Bernard Groethyssen, “Montesquieu - a razão construtiva”
2. Louis Althusser. Montesquieu, a Política e a História. Trad. port. Lisboa: Presença, 1972
3. Raymond Aron. “Marx e Montesquieu”, in Dezoito Lições sobre a Sociedade Industrial. Trad. bras. São Paulo: Martins Fontes, 1981
4. Norberto Bobbio. A Teoria das Formas de Governo. Trad. bras. Brasília: Editora da UnB, 1980, especialmente os capítulos X, XI e XII
5. Thomas L. Pangle. Montesquieu’s Philosophy of Liberalism - A Commentary on The Spirit of the Laws. Chicago: University of Chicago Press, 1989
6. Jean Starobinski. Montesquieu. Trad. bras. São Paulo: Companhia das Letras, 1990


FEDERALISTAS

1. Benjamin Fletcher Wright. “Introdução do editor” à Alexander Hamilton, James Madison e John Jay, O Federalista. Trad. bras. Brasília: Editora da UnB, 1984, p. 11-97
2. Isaac Kramnick. “Apresentação”, in James Madison, Alexander Hamilton e John Jay, Os artigos federalistas 1787-1788. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
3. Douglass Adair. Fame and the Founding Fathers. Indianapolis: Liberty Fund, 1998, especialmente os capítulos:
- “The authorship of the disputed Federalist Papers”, p. 37-105
- “The Tenth Federalist revisited”, p. 106-131
- “’That politics may be reduced to a science’ - David Hume, James Madison and the Tenth Federalist”, p. 132-151
4. David Epstein. The Political Theory of the Federalist. Chicago: University of Chicago Press, 1984
5. Richard Hofstadter. The American Political Tradition. New York: Vantage Books, 1976, especialmente os capítulos:
- “The Founding Fathers: an age of realism”, p. 3-21
- “Thomas Jefferson: the aristocrat as democrat”, p. 23-56
6. Bernard Grofman e Donald Wittman (eds.). The Federalist Papers and the New Institutionalism. New York: Agathon Press, 1989


BURKE

1. Thomas Paine. Os Direitos do Homem - uma resposta ao ataque do sr. Burke à Revolução Francesa. Trad. bras. Petrópolis: Vozes, 1989
2. C. B. Macpherson. Burke. Trad. Esp. Madrid: Alianza Editorial, 1980
3. Karl Mannheim, “O pensamento conservador” in José de Sousa Martins. Introdução crítica à sociologia rural. São Paulo: HUCITEC, 1986.
4. Robert A. Nisbet. O conservadorismo. Lisboa: Editorial Estampa, 1987.
5. J. G. A. Pocock. “Burke and the Ancient Constitution: a problem of the history of ideas”, in Politics, Language and Time. Chicago: University of Chicago Press, 1989, p. 202-223
6. Modesto Florenzano. Reflexões sobre a Revolução em França de Edmund Burke: uma revisão bibliográfica. Tese de doutoramento. Departamento de História da USP, 1993, mineo., especialmente o cap. 3, p. 282-430

BENJAMIN CONSTANT

1. Biancamaria Fontana. Benjamin Constant and The Post-Revolutionary Mind. New Haven: Yale University Press, 1991, especialmente o cap. 2
2. Célia Galvão Quirino, “Introdução” à Benjamin Constant, Escritos de Política. Trad. bras. São Paulo: Martins Fontes, 2005, pp. VII-XLVIII
3. Isaiah Berlin, “Dois conceitos de liberdade”, in Quatro Ensaios sobre a Liberdade. Trad. bras. Brasília: Editora da UnB, 1981, pp. 133-175


TOCQUEVILLE

6. André Jardin. Alexis de Tocqueville (1805-1859). Trad. esp., México: Fondo de Cultura Económica, 1988, especialmente o cap. II, “De NorteAmérica a ‘La Démocratie’” e o V. Un Exilado en su proprio país”
7. Célia Galvão Quirino. Dos Infortúnios da Igualdade ao Gozo da Liberdade. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2001
8. Marcelo Jasmin. Alexis de Tocqueville - A Historiografia como Ciência da Política. Rio de Janeiro: Acess Editora, 1997
9. Hanna Arendt. On Revolution. New York: Penguin Books, 1983 (há tradução brasileira)
10. Luiz Werneck Vianna. “O americanismo em Tocqueville”, in A Revolução Passiva - iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997.
11. François Furet. Pensando a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.


MARX

1. Georg Lukács. “O jovem Marx. Sua evolução filosófica de 1840 a 1844”, in O Jovem Marx e outros escritos de filosofia. Trad. bras. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2997, pp. 121-202
2. Florestan Fernandes. “Introdução” à Karl Marx e Friedrich Engels - História. São Paulo: Ática, col. Grandes Cientistas Sociais, 1989
3. Francisco Fernández Buey. Marx (sem ismos). Trad. bras. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2004
4. Isaiah Berlin. Karl Marx. Trad. bras. São Paulo: Siciliano, 1991
5. Norberto Bobbio. Nem com Marx, nem contra Marx. Trad. bras. São Paulo: Editora Unesp, 2006.
6. François Furet. Marx e a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.
 

Clique para consultar os requisitos para FLP0203

Clique para consultar o oferecimento para FLP0203

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP