Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0436 - Tópicos de Moralidade Política
Topics of political morality

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
PROGRAMA A Embora grande parte da Ciência Política contemporânea esteja voltada para a análise institucional, uma abordagem que leve em conta o vocabulário moral com que os atores interagem no interior das instituições políticas continua sendo muito relevante. A suposição é que, na medida em que os atores são considerados membros de uma comunidade política, esta lhes exerce uma variedade de pressões normativas (e vice-versa) expressas naquele vocabulário. Compartilhando instituições e esse vocabulário moral, os filiados à comunidade têm de conduzir seus conflitos dentro e fora dela, e refletir criticamente sobre esses conflitos, com base num ideal de convivência civil. Qual o conteúdo desse ideal? Quais os termos básicos daquele vocabulário e que carga semântica carregam? O curso é uma proposta de discutir tópicos relacionados a essas questões. PROGRAMA B O curso tem como objetivo central investigar algumas vertentes teóricas em voga na segunda metade do século XVII na Inglaterra, enfatizando as diferentes linguagens ou idiomas políticos em que foram formuladas: lei natural, direito de natureza, república e constitucionalismo. Partindo de uma discussão sobre método contextualista de análise de texto, a proposta é mostrar que os discursos políticos visam finalidades práticas e se articulam num embate nem sempre pacífico de idéias. O objetivo secundário é proporcionar aos alunos uma abordagem mais densa de algumas questões teóricas apresentadas no curso de Política II.

 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
466233 - Cicero Romao Resende de Araujo
361574 - Eunice Ostrensky
 
Programa Resumido
PROGRAMA A Embora grande parte da Ciência Política contemporânea esteja voltada para a análise institucional, uma abordagem que leve em conta o vocabulário moral com que os atores interagem no interior das instituições políticas continua sendo muito relevante. A suposição é que, na medida em que os atores são considerados membros de uma comunidade política, esta lhes exerce uma variedade de pressões normativas (e vice-versa) expressas naquele vocabulário. Compartilhando instituições e esse vocabulário moral, os filiados à comunidade têm de conduzir seus conflitos dentro e fora dela, e refletir criticamente sobre esses conflitos, com base num ideal de convivência civil. Qual o conteúdo desse ideal? Quais os termos básicos daquele vocabulário e que carga semântica carregam? O curso é uma proposta de discutir tópicos relacionados a essas questões. PROGRAMA B
O curso tem como objetivo central investigar algumas vertentes teóricas em voga na segunda metade do século XVII na Inglaterra, enfatizando as diferentes linguagens ou idiomas políticos em que foram formuladas: lei natural, direito de natureza, república e constitucionalismo. Partindo de uma discussão sobre método contextualista de análise de texto, a proposta é mostrar que os discursos políticos visam finalidades práticas e se articulam num embate nem sempre pacífico de idéias. O objetivo secundário é proporcionar aos alunos uma abordagem mais densa de algumas questões teóricas apresentadas no curso de Política II.

 
 
 
Programa
PROGRAMA A
1 – O que significa pertencer a uma comunidade política?
2 – Viver bem e conviver
3 – Autoridade
4 – Representação
5 – O que é a igualdade política?
6 – A decisão coletiva: a) procedimentos formais e substância; b) por que participar e por que obedecer a uma decisão coletiva?
7 – Ritos e significados do debate público
8 – Cargo oficial e responsabilidade
9 – Civilidade: a) boas maneiras; b) respeito, auto-estima e auto-respeito.

PROGRAMA B
Parte I: Discussão preliminar:
1. Breve análise do período histórico (1640-1704).
2. Exame de um método de investigação histórica em teoria política moderna.
Parte II: República e Protetorado:
3. Levellers: igualdade e liberdade .
4. John Milton e a justificação do regicídio.
5. O Leviatã, de Thomas Hobbes, como alternativa constitucional.
6. História, propriedade e república na obra de James Harrington .
Parte III: Restauração e absolutismo monárquico:
7. John Locke: autoridade e liberdade
 
 
 
Avaliação
     
Método
PROGRAMA A
Aulas expositivas, seminários dos estudantes sobre a bibliografia, apresentação e discussão de filmes, documentários e crônicas da imprensa.

PROGRAMA B
O curso será desenvolvido na forma de aulas expositivas, análises, leituras e discussão dos textos obrigatórios.
Critério
PROGRAMA A
Participação em seminários e provas escritas.

PROGRAMA B
O curso terá três formas complementares de avaliação:
1. Exposição oral dos textos;
2. Prova dissertativa sobre temas a serem divulgados durante o curso;
3. Trabalho escrito.
Não haverá prova substitutiva.

Norma de Recuperação
PROGRAMAS A e B Prova sem consulta sobre todo o conteúdo da dsciplina em data a ser divulgada no final do semestre.
 
Bibliografia
     
PROGRAMA A
Arendt, H. (1979). "O que é autoridade?", in Entre o Passado e o Futuro. SP: Perspectiva.
Berlin, I. (2002). O Estudo da Humanidade. SP: Cia das Letras.
Cicero, M. T. (1999). Dos Deveres. SP: Martins Fontes.
Dahl, R. (1989). Democracy and Its Critics. New Haven: Yale Univ Press.
Dworkin, R. (2003). Virtude Soberana. SP: Martins Fontes.
Hofstadter, R. (1989). "Abraham Lincoln and the Myth...", in The American Political Tradition and the Men Who Made It. NY: Vintage Books.
Hume, D. (1985). "Of Eloquence" e "Of Refinement in the Arts", in Essays Moral, Political and Literary. Indianapolis: Liberty Fund.
Kant, I. (1992). A Paz Perpétua e outros Opúsculos. Lisboa: Edições 70.
Oakeshott, M. (1991). "Talking politics" e "Political Discourse", in Rationalism in Politics. Indianapolis: Liberty Fund.
Pitkin, H. (1989). "Representation", in J. Farr, T. Ball e R. L. Hanson (orgs.), Political Innovation and Conceptual Change. Cambridge: Cambridge Univ Press.
Rawls, J. (1998). Uma Teoria da Justiça. SP: Martins Fontes
Rousseau, JJ. (1988). "Discurse on Political Economy", in The Basic Poltical Writings. Indianapolis: Hackett Pub.
Sandel, M. (1982). Liberalism and the Limits of Justice. Cambridge: Cambridge Univ Press.
Skinner, Q. (1989). "The State", in J. Farr, T. Ball e R. L. Hanson (orgs.), Political Innovation and Conceptual Change. Cambridge: Cambridge Univ Press.
Smith, A . (1999). Teoria dos Sentimentos Morais. SP: Martins Fontes.
Stuart Mill, J. (1993). Utilitarianism and other Essays. Londres: Everyman.
Taylor, A. J. P. (2000). "David Lloyd George", in British Prime Ministers and Other Essays. Londres: Penguin.
Walzer, M. (2003). Esferas da Justiça. SP: Martins Fontes.

PROGRAMA B
Fontes primárias:
HARRINGTON, James (1996), The Commonwealth of Oceana & A System of Politics, ed. J. G. A. Pocock, Cambridge University Press.
_________________ (1986), The art of lawgiving, IN: Wooton, David (ed.) Divine Right and Democracy, Penguin Classics.
HOBBES, Thomas (2003), Leviatã, trad. J. P. Monteiro e M. B. Nizza da Silva, São Paulo, Martins Fontes;
KENYON, John. P. (1993), The Stuart Constitution, 1603-1688, Documents and Commentary, Cambridge University Press.
LOCKE, John (1998), Dois Tratados sobre o governo, trad. Júlio Fisher, São Paulo, Martins Fontes.
__________ (2007), Ensaios políticos, ed. Mark Goldie, trad. Eunice Ostrensky, São Paulo, Martins Fontes.
MILTON, John (2005), A tenência de reis e magistrados, IN: Escritos políticos, ed. Martin Dzelsainis, trad. Eunice Ostrensky, São Paulo, Martins Fontes.
SHARP, Andrew (ed.) (1998), The English Levellers, Cambridge University Press.
WOODHOUSE, Arthur S.P. (ed.) (1992), Puritanism and Liberty, Everyman’s Library.
WOOTON, David (ed.) (1986), Divine Right and Democracy, Penguin Classics.

Fontes secundárias:
ARMITAGE, David, HIMY, Armand & SKINNER, Quentin (ed.) (1995), Milton and Republicanism, CUP.
DUNN, John (1965), The Political Thought of John Locke, CUP.
HILL, Christopher (1980), The century of Revolution, Nova York, Norton.
MENDLE, Michael (ed.) (2001), The Putney Debates of 1647, CUP.
POCOCK, John G. A. (1975), The Machiavellian Moment, Princeton University Press.
________________ (2003), Linguagens do ideário político, trad. Fábio Fernandez, São Paulo, Edusp.
SCOTT, Jonathan (2004), Commonwealth Principles: CUP.
SKINNER, Quentin. (2002a), “Hobbes and the purely artificial person of the state”, IN: Visions of Politics, vol. 3, CUP; pp. 177-208.
________ (2002b), “From the state of princes to the person of the state”, IN: Visions of Politics, vol. 2, CUP; pp. 368-413.
________ (2003), “El nascimiento del Estado”, trad. Mariana Gainza, Buenos Aires, Editorial Gorla.
_________(2007), “Hobbes on Persons, Authors and Representatives”, IN: The Cambridge Companion to Hobbes’s Leviathan, CUP; pp. 157-180.
_________ (2008), Hobbes and republican liberty, CUP.
Tuck, Richard (1979), Natural Rights Theories, CUP.
____________ (1993), Philosophy and Government, CUP.
TULLY, James (1979), A Discourse on Property, CUP.
__________ (1993), An Approach to Political Philosophy: Locke in Contexts, CUP.
WOOTTON, David (1994), Republicanism, Liberty, and Commercial Society, 1649, 1676: Stanford University Press.

 

Clique para consultar os requisitos para FLP0436

Clique para consultar o oferecimento para FLP0436

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP