Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0448 - Teoria Política Normativa
Normative Political Theory

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
Introduzir os alunos nas principais vertentes da teoria política normativa contemporânea, sobretudo aquela que floresceu, no contexto intelectual anglo-americano, após a publicação de Uma teoria da justiça, de John Rawls, em 1971. A ênfase será colocada na discussão de teorias da justiça distributiva, na reflexão normativa sobre questões de desigualdade e pobreza, no exame do debate liberalismo-comunitarismo na teoria política recente e nas relações (tal como isso é tematizado na teoria política) entre democracia e justiça social.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2086403 - Alvaro de Vita
 
Programa Resumido
A suposição básica da disciplina é a de que todas as questões políticas controversas do mundo contemporâneo têm uma dimensão normativa que pode ser objeto de um exame e de uma discussão sistemáticas. Como parte da complementação da formação na área da teoria política, a disciplina examina a reflexão normativa que se desenvolve na teoria política contemporânea, em particular nos campos da teoria da justiça e da teoria da democracia.
 
 
 
Programa
1. O utilitarismo.
Kymlicka 2006, cap. 2 (“Utilitarismo”).

2. O liberalismo igualitário (1).
Texto: Rawls 2008, seções 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 39, 42 e 43.

3. O liberalismo igualitário (2).
Texto: Rawls 2000, Conferência VI [FFLCH/320.157^S471rjP].

4. O liberalismo igualitário (3)
Texto: Rawls 2000, Conferência IV.

5. O comunitarismo
Textos: Walzer 2003, cap. 1, 2, 4, 12 e 13 [FFLCH/320.1^W242sP].
Gargarella 1999, cap. 5.

6. O liberalismo igualitário (4).
Textos: Sen 2000, cap. 1, 2, 3, 4, 6 e 8. [FFLCH/330.122^S474dP];
Rawls 2000, Conferência V, seções 3 e 4.

7. Democracia e justiça social.
Textos: Vita 2008, cap. 4.
Shapiro 2006, cap. 7.

 
 
 
Avaliação
     
Método

1. Uma prova escrita, sem consulta;
2. Trabalho escrito final (sobre uma das questões que serão apresentadas até o final
do mês de maio, de 5-10 páginas (máximo de 10 páginas).

Critério
A nota do semestre (a primeira nota, para o Sistema Júpiter da USP) resultará da média aritmética das notas obtidas nas duas avaliações. Para aqueles que, por motivo justificado, não puderem comparecer à primeira prova, haverá uma prova substitutiva, no dia 28/6, às 19:30. A segunda nota, para aqueles que fizerem a recuperação, resultará de uma média aritmética entre a nota obtida na prova de recuperação (que ocorrerá, em data a ser marcada, no mês de julho) e a primeira nota.

Norma de Recuperação
A segunda nota, para aqueles que fizerem a recuperação, resultará de uma média aritmética entre a nota obtida na prova de recuperação (que ocorrerá, em data a ser marcada, no mês de julho) e a primeira nota.

 
Bibliografia
     
Barry, Brian (1989), Theories of Justice, Berkeley e Los Angeles, University of California Press.
Barry, Brian (1995). Justice as Impartiality. Oxford: Clarendon Press.
Dahl, Robert (2000). La democracia y sus críticos. Barcelona: Paidós.
Dahl, Robert (2006). On Political Equality. New Haven: Yale University Press.
Daniels, Norman, org., (1975), Reading Rawls, New York, Basic Books.
Gargarella, Roberto (1999). Las teorías de la justicia después de Rawls. Um breve manual de filosofía política. Buenos Aires: Paidós. (Há uma tradução deste livro para o português, publicada pela Martins Fontes.)
Kolm, Serge-Christophe (2000), Teorias modernas da justiça, São Paulo, Martins Fontes.
Kymlicka, Will (2006), Filosofia Política Contemporânea. São Paulo: Martins Fontes.
MacIntyre, Alasdair (2001), Depois da virtude. Florianópolis: Edusc.
Mill, John Stuart ( 1984 [1861]), El utilitarismo, tradução de Esperanza Guisán, Madrid, Alianza Editorial.
Nozick, Robert (1991). Anarquia, estado e utopia. São Paulo: Jorge Zahar.
Pateman, Caorle (1992). Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Pogge, Thomas (1989), Realizing Rawls. Ithaca: Cornell University Press.
Rawls, John (2008), Uma teoria da justiça. Prefácio e revisão da tradução de Álvaro de Vita. São Paulo: Martins Fontes.
Rawls, John (2000), O liberalismo político São Paulo: Ática.
Sandel, Michael (1989), Liberalism and the Limits of Justice. Cambridge: Cambridge University Press.
Sandel, Michael (1995), El liberalismo y los limites de la justicia. Barcelona: Gedisa Editorial.
Shaprio, Ian (2006). Os fundamentos morais da política. São Paulo: Martins Fontes.
Schumpeter, Joseph (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.
Sen, Amartya (1992), Inequality Reexamined, Cambridge-Mass., Harvard University Press.
Sen, Amartya (2000), Desenvolvimento como liberdade São Paulo: Companhia das Letras.
Taylor, Charles (1995), "Cross-Purposes: The Liberal-Communitarian Debate", in Philosophical Arguments, Cambridge-Mass., Harvard University Press, pp. 181-203. (Há uma edição deste livro em português, da Editora Loyola.)
Van Parijs, Philippe (1997), O que é uma sociedade justa? São Paulo, Ática.
Vita, Álvaro de (1993), Justiça liberal: argumentos liberais contra o neoliberalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Vita, Álvaro de (2007), A justiça igualitária e seus críticos. São Paulo: Martins Fontes.
Vita, Álvaro de (2008), O liberalismo igualitário. Sociedade democrática e justiça internacional. São Paulo: Martins Fontes.
Walzer, Michael (2003). Esferas da justiça. São Paulo: Martins Fontes.

 

Clique para consultar os requisitos para FLP0448

Clique para consultar o oferecimento para FLP0448

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP