Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0456 - Globalização, Instituições Internacionais, e Relações de Trabalho
Globalization, International Institutions and Labor Relations

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2010 Desativação:

Objetivos
A partir de recorte eclético das abordagens teóricas de economia internacional (microeconômica, estruturalista), de sociologia do trabalho (reestruturação produtiva no âmbito da mudança de paradigma Fordista e Pós-fordista), de relações internacionais (institucionalismo, neorealismo), a disciplina tem como objetivos trazer à discussão as grandes questões que circundam o tema das relações de trabalho de uma perspectiva global.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2112930 - João Paulo Candia Veiga
 
Programa Resumido
Um dos temas mais controversos a respeito do processo de globalização (política, econômica e social) diz respeito aos impactos sobre os mercados de trabalho (nível de emprego e renda), as relações de trabalho (processos e atores “globais” – empresas, governos e sindicatos), a dinâmica das redes de produção transnacionais (deslocalização a partir dos conceitos de Cadeia Produtiva, Cadeia de Valor, Redes de Produção Globais), a dimensão estratégica dos atores envolvidos (a negociação, a cooperação e o conflito), o papel das Instituições Internacionais (o perfil institucional, as regras e normas “globais”, os mecanismos de “controle” sobre as multinacionais e o seu enforcement), e as diferentes abordagens teóricas para a mudança social e econômica dos sistemas de produção (Fordismo, Pós-fordismo).

 
 
 
Programa
I – Diferentes Abordagens para a Teoria da Firma e o paradigma Tecnológico
II – O Sistema de Relações Industriais – Abordagem Histórica
III – A Globalização e Seus Fundamentos Teóricos e Empíricos
IV – A Dimensão Financeira da Globalização – Qual Regulação?
V – A Dimensão Produtiva da Globalização – Cadeias Globais e seus Impactos
VI – Empresas Multinacionais e Trabalho – Emprego, Renda e Informalidade
VII – Organizações Internacionais e Padrões Trabalhistas
VIII – Padrões Trabalhistas e Comércio Internacional – Entre a OIT e a OMC
IX – A Agenda Multilateral de Comércio e a Negociação de Padrões Trabalhistas
X – Standards Internacionais para o tema Trabalho e sua Implementação
XI – Modelos para a Análise do Comportamento Social e Trabalhista de Empresas Multinacionais
XII – Sociedade Civil Transnacional: Sindicatos, ONGs e Redes Sociais são Atores Globais?
 
 
 
Avaliação
     
Método
Os estudantes serão avaliados pela participação em aula (exercícios), as provas dissertativas (sem consulta), e pelo trabalho final (opcional). O programa é ministrado através de textos eletrônicos, o que dispensa a prática de fotocopiagem dos textos sugeridos (obrigatórios e complementares). Cada aluno receberá os textos junto com o programa, no primeiro dia de aula, e através de e-mail. Para isso, queira, por gentileza, disponibilizar o seu e-mail na lista de presença. O aluno que obtiver nota inferior a 5,0 (cinco) na primeira prova terá que, necessariamente, fazer a segunda prova (sem consulta) no último dia de aula.
Critério
Participação - exercícios - ao longo do curso - % complementar. Provas: meados e final do semestre, 100%; Trabalho (opcional) - para quem obteve nota igual ou superior a 5 na primeira prova, último dia de aula, 50%. Um trabalho individual opcional deverá ser entregue até o final do semestre, em data a ser combinada com o professor.
Norma de Recuperação
Prova ou trabalho sobre todo o programa da disciplina.
 
Bibliografia
     
AGLIETTA, M. (2007). Désordres dan le Capitalisme Mondial. Paris. Odile Jacob.

ARRIGHI, G., SILVER, B. and Brewer, B. (2001). Industrial Convergence, Globalization and the Persistence of the North-South Divide, in: American Sociological Association Meeting, Anabaeim, august.

BOYER, R. (2004). Théorie de la Regulation. Les fodamentaux. Paris. La Decouvert.

CASTELLS, M and A. PORTES (1989). World Underneath: the Origins, Dynamics and Effects of the Informal Economy, in: The Informal Economy: Studies in Advanced and Less Developed Countries, A. Portes, M. Castells and L. Benton. orgs. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

CHANDLER Jr., A. (1990). Scale and Scope. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. Introdução, Capítulos 1 e 2.

CHANG, H. (2002). Kicking Away the Ladder: Development Strategy in Historical Perspective. London: Anthem Press.Capítulo 4.

DAVID, P. (1985). Clio and the Economics of QWERTY. American Economic Review (Papers and Proceedings), vol. 75, nº 2, May.

DICKEN, P. (2003) Global Shift: Reshaping the Global Economic in the 21st Century. London: Sage, 4th edition. Capítulos 3, 7, 8 e 9.

DUNLOP, J. Industrial relations systems. Harward Business School Press Classis, 1993 (edição revisada).

EVANS, P. (1995). Embedded Autonomy: Sates and Industrial Transformation. Princeton: Princeton University Press. Capítulos 3 e 8.

GILPIN, R. (2002). The Challenge of Global Capitalism: the World Economy in the 21st Century. Princeton: Princeton University Press. 5th printing. Capítulos 1 e 10.

GRAHAM, E. (1996). Global Corporations and National Governments”, Institute of International Economics, Washington, Capítulo 3.

GRAY. J. (1998). False Dawn. New York: the New Press. Capítulos 1 e 3.

HARVEY, D (1990). The Condition of PostModernity: an Enquiry into the Origins of Cultural Change. Cambridge: Blackwell. Parte II.

HOBSBAWM, E. (1995). The Age of Extremes: a History of the World, 1914-1991. New York: Pantheon Books. Introdução.

HYMAN, R (1979). The politics of workplace trade unionism: recent tendencies and some problems for theory, Nova Iorque.

LALL, S. (2004). Reinventing Industrial Strategy: The Role of Government Policy in Building Industrial Competitiveness. Discussion Paper, n. 28. Geneva: Unctad.
UNCTAD, Developing Countries in World Trade, in: Trade and Development Report 2002, Genebra: Unctad, 2002.

LEVY, D.L. & NEWELL, P.J. (2005). “A Neo-Gramscian Approach to Business in International Environmental Politics: An Interdisciplinary, Multilevel Framework” in The Business of Environmental Governance, MIT Press, USA, Capítulo 3.

LIPIETZ, A. (1987). Mirages and Miracles: The Crises of Global Fordism. London: Verso. Capítulos 2,3 e 4.

LIPIETZ, A. (2001)The Fortunes and Misfortunes of Post-Fordism, in Phases of Capitalist Development: Booms, Crisis and Globalizations, R. Albritton, M. Itoh, R. Westra and A. Zuege, orgs. Toronto: Palgrave.

NYE Jr. (2004). Power in the Global Information Age – From Realism to Globalization,
Routledge, London, capítulos 5, 6.

PENROSE, E. (1959). The Theory of the Growth of the Firm. Oxford: Basil Blackwell. Capítulos 2 e 3.

RAMSAY, H. (2000). “Know Thine Enemy: Understanding Multinational Corporations as a Requirement for Strategic International Laborism”, in Transnational Cooperation among Trade Unions, Cornell University Press, Ithaca

RICHARDSON, G. B. (1972). The Organization of Industry. The Economic Journal, Sept.

RODIN, D. (2005). “The Ownership Model of Business Ethics” in Global Institutions and Responsibilities – Achieving Global Justice. Blackwell Publishing, London, Capítulo 11.

RODRIK, D. (2006). Goodbye Wahington Consensus: Hello Washington Confusion?, Harvard University, Janeiro.

SCHUMPETER, J. (1942). Capitalism, Socialism and Democracy. HarperPerennial. Capítulos 7 e 8.

STIGLITZ, J. (2002). Globalization and its Discontents. London; Penguin Books. Capítulo 1.

STIGLITZ, J. and CHARTON, A. (2005). Fair Trade for All: How Trade can Promote Development. Oxford: Oxford University Press. Capítulo 2.

TIGRE, P. B. (2005). Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação. v. 4, nº 1, jan./jul. p. 187-224.

UNCTAD, Capital Accumulation, Growth and Structural Change, in: Trade and Development Report 2003, Genebra: Unctad, 2003.

WILKINSON, Rorden (2006).The WTO: crisis and governance of global trade.
Field guide to the global economy. Anderson, Sarah; Cavanagh, John and Lee, Thea (1999).

WILSON, D. and PURUSHOTHAMAN, R. (2003). Dreaming with BRICs: The Path to 2050. Global Economics Paper, n. 99, Goldman Sachs, outubro.

 

Clique para consultar os requisitos para FLP0456

Clique para consultar o oferecimento para FLP0456

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP