Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0465 - Teoria Crítica da Democracia: Lutas por Reconhecimento
Critical theory of democracy: struggles for recognition.

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
Introduzir os alunos nas questões acerca da identidade e da diferença, da desigualdade e da discriminação que são analisadas à luz da teoria política contemporânea. Procura-se articular as demandas atuais dos movimentos sociais, cada vez mais voltados às lutas por reconhecimento nas democracias contemporâneas, com a preocupação da teoria crítica em diagnosticar adequadamente tais fenômenos, avaliando-os de acordo com os limites e as potencialidades que a própria categoria do reconhecimento seria capaz de demonstrar. Deste modo, será possível avaliar criticamente a centralidade dada à categoria de reconhecimento e considerar ainda seu entrelaçamento com questões de justiça redistributiva.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3225708 - Rurion Soares Melo
 
Programa Resumido
As lutas por reconhecimento fazem parte do vocabulário teórico e prático dos fenômenos políticos mais centrais que marcam a vida democrática nos dias de hoje. O aprofundamento da democracia e da cidadania está intimamente vinculado aos conflitos sociais, políticos, culturais e jurídicos caracterizados de alguma forma pelas lutas por reconhecimento (como consequência do pluralismo de formas de vida, do multiculturalismo e das experiências negativas de desrespeito ligadas, por exemplo, à sexualidade, gênero e raça). O presente curso está dividido em duas unidades: na primeira, serão apresentadas as principais abordagens teóricas a respeito da luta por reconhecimento (com Honneth, Habermas, Taylor e Fraser); na segunda, debates, críticas e confrontações teóricas em torno de certos aspectos da questão do reconhecimento, privilegiando principalmente discussões concernentes à discriminação sexual, de gênero e de raça bem como suas intersecções (com autores como Fraser, Cohen, Benhabib, Kerner, Gilroy, Pateman).
 
 
 
Programa
As lutas por reconhecimento fazem parte do vocabulário teórico e prático dos fenômenos políticos mais centrais que marcam a vida democrática nos dias de hoje. O aprofundamento da democracia e da cidadania está intimamente vinculado aos conflitos sociais, políticos, culturais e jurídicos caracterizados de alguma forma pelas lutas por reconhecimento (como consequência do pluralismo de formas de vida, do multiculturalismo e das experiências negativas de desrespeito ligadas, por exemplo, à sexualidade, gênero e raça). O presente curso está dividido em duas unidades: na primeira, serão apresentadas as principais abordagens teóricas a respeito da luta por reconhecimento (com Honneth, Habermas, Taylor e Fraser); na segunda, debates, críticas e confrontações teóricas em torno de certos aspectos da questão do reconhecimento, privilegiando principalmente discussões concernentes à discriminação sexual, de gênero e de raça bem como suas intersecções (com autores como Fraser, Cohen, Benhabib, Kerner, Gilroy, Pateman).
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas e seminários.
Critério
Provas e trabalhos.
Norma de Recuperação
Prova ou trabalho.
 
Bibliografia
     
Andreson, J.; Honneth, A. “Autonomia, vulnerabilidade, reconhecimento e justiça”. Cadernos de filosofia alemã: Crítica e modernidade, 17, 2011.

Benhabib, S. Situating the Self. Gender, Community, and Postmodernism in Contemporary Ethics. New York: Routledge, 1992.

Benhabib, S. The Claims of Culture: Equality and Diversity in the Global Era. Princeton University Press, 2002.

Biroli, F.; Miguel, L. F. (orgs.). Teoria política feminista: Textos centrais. Vinhedo: Editora Horizonte, 2013.

Biroli, F.; Miguel, L. F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.
Butler, J. “Desdiagnosticando o gênero”. Revista de Saúde Coletiva, 19, 2009.

Butler, J. “Relações de gênero”. Cadernos Pagu, 42, 2014.

Cohen, J. “Repensando a privacidade: Autonomia, identidade e a controvérsia sobre o aborto”. Revista Brasileira de Ciência Política, 7, 2012.

Costa, S. Dois atlânticos: Teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

Costa, S.; Melo, R. et al. “Para além da inefetividade da lei? Estado de direito, esfera pública e anti-racismo”. In: Lavalle, A. (Org.). O horizonte da política: Questões emergentes e agendas de pesquisa. Sao Paulo: UNESP, 2012.

Dworkin, A. Pronography: Men Possessing Women. Plume, 1989.

Fanon, F. Pele negra, mascaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

Fanon, F. Os condenados da terra. UFJF, 2006.

Forst. R. Contextos da justiça: Filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo. São Paulo: Boitempo, 2010.

Fraser, N. “Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista”. In: Souza, J. (org.). Democracia hoje: Novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: UNB, 2001.

Fraser, N. “Mapeando a imaginação feminista: Da redistribuição ao reconhecimento e à representação”. Estudos feministas, 15, 2007.

Fraser, N. “O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história”. Mediações, 14, 2009.

Fraser, N. “Mercantilização, proteção social e emancipação: As ambivalências do feminismo na crise do capitalismo”. Revista Direito GV, 7, 2011.

Fraser, N. “Para além do modelo senhor/serva: sobre O contrato sexual, de Carole Pateman”. In: Biroli, F.; Miguel, L. F. (orgs.). Teoria política feminista: Textos centrais. Vinhedo: Editora Horizonte, 2013.

Fraser, N.; Honneth, A. Redistribution or recognition? London/New York: Verso, 2003.

Gilroy, P. O atlântico negro. São Paulo: Ed. 34, 2001.

Habermas, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

Habermas, J. Direito e democracia. 2 vols. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

Habermas, J. “A luta por reconhecimento no Estado democrático de direito”. In: Habermas, J. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.

Habermas, J. “Sobre a coesão interna entre Estado de direito e democracia”. In: Habermas, J. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.

Habermas, J. Mudança estrutural da esfera pública. São Paulo: Unesp, 2014.

Habermas, J. “Trabalho e interação”. In: Habermas, J. Técnica e ciência como ‘ideologia’. São Paulo: Unesp, 2014.

Hall, S. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

Hall, S. A identidade cultural na pós-modernidade. DP&A, 2006.

Haraway, D. “‘Gênero’ para um dicionário marxista: A política sexual de uma palavra”. Cadernos Pagu, 22, 2004.

Honneth, A. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

Honneth, A. Sofrimento de indeterminação: Uma reatualização da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Esfera Pública, 2007.

Honneth, A. “Lo outro da la justicia. Habermas y el desafio ético del posmodernismo”. In: Honneth, A. Crítica del agravio moral: Patologías de la sociedad contemporânea. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

Honneth, A. “Entre Aristóteles y Kant. Esbozo de uma moral del reconocimiento”. In: Honneth, A. Crítica del agravio moral: Patologías de la sociedad contemporânea. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

Honneth, A. El derecho de la liberdad. Esbozo de uma eticidad democrática. Madrid: Clave Intelectual, 2014.

Kerner, I. “Tudo é interseccional? Sobre a relação entre racismo e sexismo”. Novos Estudos CEBRAP, 93, 2012.

MacIntyre, A. Depois da virtude. Bauru: Edusc, 2001.

Mattos, P. A sociologia política do reconhecimento: As contribuições de Charles Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser. São Paulo: Annablume, 2009.

Meehan, J. (org.). Feminists read Habermas: Gendering the Subject of Discourse. New York: Routledge, 1995.

Melo, R.; Werle, D. L. “Reconhecimento e justiça na teoria crítica da sociedade de Axel Honneth”. In: In: Habermas, J. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.
Melo, R. O uso público da razão: Pluralismo e democracia em Jürgen Habermas. São Paulo: Loyola, 2011.
Melo, R. A teoria crítica de Axel Honneth: Reconhecimento, liberdade e justiça. São Paulo: Saraiva, 2013.
Melo, R. Marx e Habermas: Teoria crítica e os sentidos da emancipação. São Paulo: Saraiva, 2013.
Melo, R. “Da teoria à práxis? Axel Honneth e as lutas por reconhecimento na teoria política contemporânea”. Revista Brasileira de Ciência Política. N. 15, 2014.
Pateman, C. “Críticas feministas à dicotomia público/privado”. In: Biroli, F.; Miguel, L. F. (orgs.). Teoria política feminista: Textos centrais. Vinhedo: Editora Horizonte, 2013.

Rawls, J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
Rawls, J. O liberalismo político. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
Silva, F. G. “Iris Young, Nancy Fraser e Seyla Benhabib: Uma disputa entre modelos críticos”. In: Nobre, M. (org.). Curso livre de teoria crítica. Campinas: Papirus, 2008.
Silva, F. G. “Intersubjetividade e conflito: o reconhecimento e seus usos no pensamento político contemporâneo”. In: Melo, R.; Frateschi, Y.; Ramos, F. C. (orgs.). Manual de filosofia política. São Paulo: Saraiva, 2012.
Souza, J. “Uma teoria crítica do reconhecimento”. Lua Nova, 50, 2000.
Taylor, C. “A política do reconhecimento”. In: Taylor, C. Argumentos filosóficos. São Paulo: Loyola, 2000.
Young, I. “Representação política, identidade e minorias”. Lua Nova, 67, 2006.
Young, I. “Desafios ativistas à democracia deliberativa”. Revista Brasileira de Ciência Política, 13, 2014.
Zurn, C. F; Busch, S; Christoph, H. (orgs). The Philosophy of Recognition. New York: Lexington Books, 2010.
 

Clique para consultar os requisitos para FLP0465

Clique para consultar o oferecimento para FLP0465

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP