Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Ciência Política
 
Disciplina: FLP0470 - Análise de Política Externa
ANALYSIS OF FOREIGN POLICY

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2019 Desativação:

Objetivos
O curso tem por objetivo apresentar uma introdução aos estudos de Análise de Política Externa (APE). O curso está estruturado em função das principais abordagens analíticas e metodológicas da área, seguindo as principais variáveis explicativas para o comportamento internacional de um Estado. Serão apresentados ainda processos substantivos, casos e comparações que tenham sido analisados por meio dessas abordagens, ofertando panorama amplo acerca da disciplina na área de relações internacionais
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2112930 - João Paulo Candia Veiga
 
Programa Resumido
ANÁLISE DE POLÍTICA EXTERNA O curso tem por objetivo apresentar uma introdução aos estudos de Análise de Política Externa (APE). O curso está estruturado em função das principais abordagens analíticas e metodológicas da área, seguindo as principais variáveis explicativas para o comportamento internacional de um Estado. Serão apresentados ainda processos substantivos, casos e comparações que tenham sido analisados por meio dessas abordagens, ofertando panorama amplo acerca da disciplina na área de relações internacionais.
 
 
 
Programa
Aula 1 – Teorias de Política Externa – Delimitação e Tipologia Aula 2 – Análise de Política Externa e a Teoria da Escolha Racional Aula 3 – Comparative Foreign Policy Analysis (CFPA) Aula 4 – Política Externa e Opinião Pública Aula 5 – Abordagem cognitiva: o perfil de líderes Aula 6 – Análise político-burocrática: unidades de decisão e mudança em política externa Aula 7 – Instituições e processo decisório em política externa Aula 8 – Interesses organizados e política externa Aula 9 – Abordagem estruturalista da Política Externa Aula 10 – Política externa e construtivismo: a construção da identidade internacional Aula 11 – Teoria crítica e Análise de Política Externa Aula 12 – Novas Abordagens da Análise de Política Externa Aula 13 – Novas Abordagens da Análise de Política Externa II Aulas 14 e 15 – Orientação do trabalho final – resultado de pesquisa
 
 
 
Avaliação
     
Método
Ensino Ativo (debates), Aulas Expositivas, Recursos audiovisuais
Critério
A avaliação será feita a partir da apresentação das atividades regulares em sala de aula (50%) e de um trabalho final escrito (50%) advindo de uma pesquisa em grupo estruturada desde o início do curso.
Norma de Recuperação
A recuperação é destinada aos alunos que alcançaram a frequência (70%) e a nota (3,0) mínimas obrigatórias. A nota de recuperação será somada à nota final do período regular e dividida por 2 para a obtenção da média final.
 
Bibliografia
     
Rose, G. (1998). Neoclassical realism and theories of foreign policy. World politics, 51(01), 144-172 Waltz, K. N. (1996). International politics is not foreign policy. Security Studies, 6(1), 54-57. Feng, L., & Ruizhuang, Z. (2006). The typologies of realism. The Chinese Journal of International Politics, 1(1), 109-134. De Mesquita, B. B. (2009). Foreign Policy Analysis and Rational Choice Models. International Studies Association Compendium Project Paper Tayfur, M. F. (1994). Main approaches to the study of foreign policy: A review. METU Studies in Development, 21(1), 113-141. Todd, L. (2003). Issues and Methods in Comparative Politics: An Introduction. Capítulo 12: International relations and comparative politics, pp: 266-279 Rosenau, James (1968). Comparative Foreign Policy: Fad, Fantasy, or Field? International Studies Quarterly, 12(3), 296-329. Holsti, O. R. (1992). Public opinion and foreign policy: Challenges to the Almond-Lippmann consensus. International studies quarterly, 36(4), 439-466. Soroka, S. N. (2003). Media, public opinion, and foreign policy. The International Journal of Press/Politics, 8(1), 27-48. Chan, Steve and William Safran (2006). Public Opinion as a Constraint against War: Democracies’ Responses to Operation Iraqi Freedom. Foreign Policy Analysis, 2, pp. 137–156. Hermann, M. G., Preston, T., Korany, B., & Shaw, T. M. (2001). Who leads matters: The effects of powerful individuals. International Studies Review,3(2), 83-131. Mercer, Jonathan (2005). Rationality and Psychology in International Politics. International Organization, 59(1), pp. 77-106. Dyson, Stephen Benedict (2006), Personality and Foreign Policy: Tony Blair’s Iraq Decisions. Foreign Policy Analysis, 2(3), pp. 289-306. Hermann, Margaret G. and Hermann, Charles (1989). Who Makes Foreign Policy Decisions and How: An Empirical Inquiry. International Studies Quarterly, 33, pp. 361-387. Krasner, Stephen D. (1972). Are Burocracies Important? (Or Allison Wonderland). Foreign Policy, nº 7, pp. 159-179. Drezner, Daniel W. (2000). Ideas, bureaucratic politics, and the crafting of foreign policy. American Journal of Political Science, vol. 44, nº 4, pp. 733-749. Allison, G. T. (1969). Conceptual models and the Cuban missile crisis. American political science review, 63(03), 689-718 Mack, W.R., Karl DeRouen y David Lanoue. 2011. “Foreign Policy and Presidential Support in Congress”. Foreign Policy Analysis 9(1): 79-102. Canes-Wrone, Brandice, William Howell y David Lewis. 2008. “Toward a Broader Understanding of Presidential Power: A Reevaluation of the Two Presidencies Thesis”. The Journal of Politics 70(1): 1-16..
 

Clique para consultar os requisitos para FLP0470

Clique para consultar o oferecimento para FLP0470

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP