Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Sociologia
 
Disciplina: FSL0107 - Introdução à Sociologia (p/ Escola de Enfermagem)
Introduction to Sociology for Nursing Faculty

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
A disciplina objetiva dar tratamento sociológico a temas e problemas do campo da enfermagem e da saúde em geral, ou seja, tentar mostrar que a sociologia pode contribuir para que as/os estudantes de enfermagem ganhem uma visão e compreensão mais matizada de seus temas e problemas.
Almeja-se evidenciar às/aos alunas/os as dimensões e aspectos culturais, sociais, simbólicos e históricos envolvidos na prática profissional da enfermagem.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
810397 - Leopoldo Garcia Pinto Waizbort
 
Programa Resumido
O programa da disciplina "Introdução à Sociologia" tem por objetivo desenvolver um enfoque sociológico para temas e problemas do campo da enfermagem e da saúde em geral. Com essa diretriz em vista, selecionou-se uma série de temas e/ou complexos temáticos, que são tratados a partir da perspectiva das Ciências Sociais em geral e da Sociologia em particular.
 
 
 
Programa
O programa da disciplina "Introdução à Sociologia" tem por objetivo desenvolver um enfoque sociológico para temas e problemas do campo da enfermagem e da saúde em geral. Com essa diretriz em vista, selecionou-se uma série de temas e/ou complexos temáticos, que são tratados a partir da perspectiva das Ciências Sociais em geral e da Sociologia em particular. São eles:

• A questão da profissão das/os enfermeiras/os.
• Diferenciação, especialização e transformação da profissão da/o enfermeira/o.
• Enfermagem: o campo profissional em sua diferenciação e em suas tensões.
• Processos saúde/doença em suas dimensões simbólicas e como contruções social-históricas.
• Sociologia dos medicamentos.
• O problema do "care".
• O aborto como problema social e sociológico.
• Parto natural, parto cultural, parto biomédico, cesariana.
• Sociologia da tuberculose.
• Estigma e doença.
• Sociologia das doenças mentais.
• Contrução social da "cura".
• Aids: sociologia dos riscos.
• Saúde em suas relações com a estratificação e a morfologia sociais (renda, status, escolarização, gênero, idade, família, raça).
• Drogas, alcoolismo, tabagismo.
• Indústria farmacêutica.
• Novas tecnologias reprodutivas.
• Enfermagem e transformações tecnológicas.
• Cidade, saúde e doença.
• Enfermagem como campo de tensões bio-sócio-éticas.
• Saúde global em perspectiva sociológica: desafios e enfoques.
• Saúde em perspectiva comparativa.
• Sociologia do hospital e das instituições de saúde, prevenção e cuidado.
• Doente, paciente, enfermeira/o, médico/a: formas de interação.
• Estilos de vida, saúde e doença.
• O papel do doente.
• Preconceito e saúde/doença.
• A enfermagem face às transformações sociais.
• Sociologia do corpo.
• Sociologia da morte e dos moribundos.
• Pobreza, desigualdade e saúde/doença.
• Movimentos sociais, ativismo e saúde.

Na impossibilidade do tratamento de todos estes pontos em um único semestre, a cada vez o docente realizará uma seleção, com vistas a uma interação otimizada com as disciplinas concomitantes e subsequentes do Módulo Enfermagem como Prática Social e do Curso de Enfermagem como um todo.
Esse conjunto de pontos, e a disciplina como um todo, almeja oferecer um quadro para se pensar os desafios com que a enfermagem se vê confrontada no século XXI, pensados em perspectiva sociológica.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Seminários e discussões de textos selecionados de acordo com a Ementa do Programa acima e ajustados ao nível das/os alunas/os iniciantes no Curso de Enfermagem, manejados e analisados pelas/os alunas/os, sob orientação do professor. Esse trabalho é complementado pelo professor com vistas a um balanço da compreensão dos textos. Exercícios e trabalhos escritos poderão ser exigidos.
Critério
A média final será obtida através da participação nos seminários e das atividades realizadas em sala de aula. Outras formas de avaliação poderão ser desenvolvidas.
Estará aprovada/o a/o aluna/o que obtiver nota final, resultante da média dessas duas modalidades de avaliação, não inferior a 5,0 (cinco) e possuir frequência mínima regimental de 70%.
Norma de Recuperação
Poderão submeter-se à reavaliação os alunos regularmente matriculados que não tenham alcançado nota final de aprovação, mas que tenham tido frequência mínima regimental e nota final não inferior a 3,0 (três).
 
Bibliografia
     
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

Azize, Rogério L. e Araújo, Emanuelle S. "A pílula azul: uma análise de representação sobre masculinidade em face do Viagra" in Antropolítica, no. 14, 2003, pp. 133-151.
Biehl, João. "Antropologia no campo da saúde global" in Horizontes antropológicos, ano 17, no. 35, 2011, pp. 257-296.
Desclaux, Alice. "O medicamento, um objeto de futuro na antropologia da saúde" in Mediações, vol. 11, no. 2, 2006, pp. 113-130.
Diniz, Debora e Medeiros, Marcelo. "Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras" in Ciência & saúde coletiva, vol. 17, n. 7, 2012, pp. 1671-1681.
Fiore, Maurício. "O lugar do estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas" in Novos estudos, no. 92, 2012, pp. 9-21.
Fleischer, Soraya. "Treinamentos de deus e treinamentos da terra: parteiras e cursos de capacitação em Melgaço, Pará" in Mediações, vol. 11, no. 2, 2006, pp. 225-246.
Geest, Sjaak v.d. e Whyte, Susan R. "O encanto dos medicamentos: metáforas e metonímias" in Sociedade e cultura, vol. 14, no. 2, 2011, pp. 457-472.
Grisotti, Márcia. "Sistemas médicos: percepção e comportamento em relação ao processo saúde-doença em uma comunidade de Florianópolis (SC)" in Política & trabalho, n. 20, 2004, pp. 117-139.
Guimarães, Nadya et. allii. "Cuidado e cuidadoras: o trabalho de care no Brasil, França e Japão" in Sociologia & antropologia, vol. 1, no. 1, 2011, pp. 151-180.
Haak, Hildebrando. "Padrões de consumo de medicamentos em dois povoados da Bahia (Brasil)" in Revista de saúde pública, vol. 23, no. 2, 1989, pp. 145-151.
Heilborn, Maria L. et. allii. "Gravidez imprevista e aborto no Rio de Janeiro, Brasil: gênero e geração nos processos decisórios" in Sexualidad, salud y sociedad, n. 12, 2012, pp. 224-257.
Herzlich, Claudine. "Saúde e doença no início do século XXI: entre a experiência privada e a esfera pública" in Physis, vol. 14, n. 2, 2004, pp. 383-394.
Langdon, Esther J. e Wiik, Flávio B. "Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde" in Revista Latino-Americana de Enfermagem, V. 18, Nr. 3, 2010, pp. 450-466.
Lopes, Andréia A.F. "O gênero do cuidado de si: as implicações da dieta alimentar na comensalidade de diabéticos" in Cadernos Pagu, no. 36, 2011, pp. 345-374.
Lopes, Marta J.M. e Leal, Sandra M.C. "A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira" in Cadernos Pagu, no. 24, 2005, pp. 105-125.
Luna, Naara. "Maternidade desnaturada: uma análise da barriga de aluguel e da doação de óvulos" in Cadernos Pagu, no. 19, 2002, pp. 233-278.
Luna, Naara. "Embriões geneticamente selecionados: usos do diagnóstico genético pré-implantação e o debate antropológico sobre a condição de pessoa" in Política & trabalho, n. 20, 2004, pp. 61-79.
Nogueira, Oracy. Vozes de Campos do Jordão. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2009.
Perrusi, Artur e Franch, Mónica. "Carne com carne. Gestão do risco e HIV/Aids em casais sorodiscordantes no Estado da Paraíba" in Política & trabalho, n. 37, 2012, pp. 179-200.
Rabelo, M. C. "Religião e cura: algumas reflexões sobre a experiência religiosa das classes populares urbanas" in Cadernos Saúde Pública, vol. 9, n. 3, 1993, pp. 316-325.
Santos, Luiz A.C. e Faria, Lina. "As ocupações supostamente subalternas: o exemplo da enfermagem brasileira" in Saúde e sociedade, v. 17, n. 2, 2008, pp. 35-44.
Santos, Maria Clara B.G. e Pinho, Marcelo. "Estratégias tecnológicas em transformação: um estudo da indústria farmacêutica brasileira" in Gestão & produção, vol. 19, no. 2, 2012, pp. 405-418. [www.scielo.br]


NOTA: A bibliografia obrigatória será indicada pelo professor no cronograma fornecido no respectivo semestre.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ADAM, Philippe; HERZLICH, Claudine. Sociologia da Doença e da Medicina. Bauru: EDUSC, 2001.
ALMEIDA FILHO, N. "Transdisciplinaridade e o Paradigma Pós-Disciplinar na Saúde" in Saúde e Sociedade, Vol. 14, n. 03, 2005, pp. 30-50.
ALVES, Paulo C. "A experiência da enfermidade: considerações teóricas" in Cadernos de Saúde Pública, vol. 9, n. 3, 1993, pp. 263-271.
AYRES, J. R. C. M. 2005. Hermenêutica e Humanização das Praticas de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, nº 10, vol. 03, p. 549-560.
BARRY, Anne-Marie & YUILL, Chris. Understanding the Sociology of Health: An Introduction. London, Sage, 2002.
BIEHL, João. "Antropologia do devir: psicofármacos – abandono social – desejo" in Revista de Antropologia, v.51,n.2, 2008, pp. 413-449.
BIEHL, João e PETRYNA, Adriana. “Bodies of Rights and Therapeutic Markets” in Social Research, Vol. 78 : No. 2, 2011, pp.359-386.
BIRD, Chloe E. etc. Handbook of Medical Sociology. 6th. ed., Nashville, Vanderbilt UP, 2010.
BOLTANSKI, Luc. As classes sociais e o corpo. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
BRADBY, Hannah. Medical Sociology. An Introduction. Los angeles etc., Sage, 2009.
BROWN, Phil. Perspectives in Medical Sociology. 4th. ed., Waveland, 2007.
BURY, Michael & GABE, Jonathan (Eds.). The Sociology of Health and Illness: A Reader (Routledge Student Readers) Abington. Routledge, 2004.
CANESQUI, A. M. 2003. "Os estudos de antropologia da saúde/doença no Brasil da década de 1990" in Ciência & Saúde Coletiva, nº 08, vol. 01, pp. 109-124.
CAPRARA, A. "Uma abordagem hermenêutica da relação saúde-doença." in Cadernos de Saúde Pública, nº 19, Vol. 04, 2003, pp. 923-931.
CARVALHAES, Flavio A.O. Ciclo de vida e posição socioeconômica: contribuições sociológicas para o entendimentos da relação entre desigualdade social e saúde no Brasil. Tese de doutoramento, UERJ, 2013.
COCKERHAM, William C. Medical Sociology. 12th Ed., Boston etc., Prentice Hall, 2012.
COCKERHAM, William C. (Ed.). The New Blackwell Companion to Medical Sociology.(Blackwell Companions to Sociology) Chichester, Wiley-Blackwell, 2010.
COOKE, Hannah & PHILPIN, Susan. Sociology in Nursing and Healthcare. Edinburgh etc., Elsevier, 2008.
DENNY, Elaine & EARLY, Sarah (Eds.). Sociology for Nurses. Cambridge, Polity, 2009.
DUARTE, L. F. D. "Indivíduo e Pessoa na Experiência da saúde e da doença." in Ciência & Saúde Coletiva, nº 08, vol. 01, 2003, pp. 173-183.
ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro, Zahar, 2001.
EPSTEIN, S. Impure Science: AIDS, activism, and the politics of knowledge. Berkeley, California UP, 1996.
FARMER, Paul et. ellii. Reimagining Global Health. Berkeley etc. Caifornia UP, 2013.
FINKLER, Kaja. “The Kin in the Gene: The Medicalization of Family and Kinship in American Society” in Current Anthropology, vol. 42(2), 2001, pp.235-249.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, Graal, 1982.
GABE, Jonathan et. allii. Key Concepts in Medical Sociology. London etc., Sage, 2004.
GAZZINELLI, M. F. "Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença" in Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, nº 21, vol. 01, 2005, pp. 200-206.
GEOVANINNI, T. e MOREIRA, A. História da enfermagem: versões e interpretações. Rio de Janeiro, Revinter, 2010.
GIBBON, Sahra. “Re-examinando a 'genetização': árvores familiares na genética do câncer de mama” in Política e Trabalho, no. 20, 2004, pp. 35-60.
GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. As características das instituições totais. São Paulo, Perspectiva, 1974.
KLAWITER, Maren. The Biopolitics of Breast Cancer: Changing Cultures of Disease and Activism. Minnesota, Minnesota UP, 2008.
LANGDON, J. "Dialogando sobre o processo saúde-doença com a antropologia" in Revista Brasileira de Enfermagem, nº 62, Vol. 02, 2009.
LANGDON, E. J., WIIK, Flávio B. "Aspectos Socio-Antropológicos da Saúde e da Doença: Uma breve introdução ao conceito de cultura aplicada as ciencias de Saúde" in Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 18, 2010, pp. 450-466.
LANGDON, E. J. ; FOLLER, Maj-Lis ; MALUF, Sonia Weidner. "Um balanço da antropologia da saúde no Brasil e seus diálogos com as antropologias mundiais" in Anuário Antropológico, v. 2011-12, 2012, pp. 51-89.
LINDBERG, Claire etc. On The Edge: Nursing In The Age Of Complexity. Bordentown, Plexus, 2008.
MANICA, Daniela Tonelli. “A desnaturalização da menstruação: hormônios contraceptivos e tecnociência” in Horizontes Antropológicos, v. 17, n. 35, 2011, p. 197- 226.
NELSON, Sioban & GORDON, Suzanne (Eds.). The Complexities of Care: Nursing Reconsidered. Ithaca, Cornell UP, 2006.
PORTER, Roy. The Greatest Benefit to Mankind: A Medical History of Humanity from Antiquity to Present. London, Fontana, 1999.
RAYNAUT, C. "Interfaces entre a antropologia e a saúde: em busca de novas abordagens conceituais" in Revista Gaúcha de Enfermagem, no. 27, vol. 02, 2006, pp. 149-165.
 

Clique para consultar os requisitos para FSL0107

Clique para consultar o oferecimento para FSL0107

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP