Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Sociologia
 
Disciplina: FSL0647 - Trabalho, Tecnologia e Inovação
Work, Technology and Innovation

Créditos Aula: 6
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2006 Desativação: 11/03/2014

Objetivos
Esta disciplina tem por objetivo fazer uma reconstrução, a partir de uma abordagem histórica, analítica e conceitual, do desenvolvimento científico e tecnológico desde a emergência do capitalismo industrial até os dias de hoje enfatizando as relações entre progresso técnico e as transformações provocadas no mundo do emprego e do trabalho. A ênfase recai sobre as implicações da aceleração da mudança tecnológica para a conformação do trabalho na indústria e nos serviços, considerando-se um amplo leque de questões: natureza do trabalho, mudanças nos vínculos de emprego, novas formas de associativismo no mercado de trabalho, impacto das novas tecnologias e das novas exigências de qualificação que vão alem do critério da escolaridade. A disciplina se encerra com uma reflexão acerca das respostas que a sociologia do trabalho tem oferecido frente às mudanças associadas ao avanço da tecnologia e da inovação.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2534396 - Nadya Araujo Guimaraes
4994208 - Ruy Gomes Braga Neto
 
Programa Resumido
 
 
 
Programa
Parte I
A Constituição do Campo de Estudos dos Nexos entre Tecnologia, Inovação e Trabalho

I.1 Conceitos de Ciência, Tecnologia e Inovação Tecnológica: o conhecimento científico como socialmente construído.
Pretende-se apresentar os principais conceitos e as interações entre eles, assim como fazer referências aos estudos na área de inovação tecnológica e seus impactos na economia e na sociedade. Como pano de fundo da discussão, pretende-se deixar clara a idéia de não neutralidade da ciência. [seria uma aula de abertura nesse tema]

I.2 As metamorfoses do trabalho na transição ao capitalismo industrial
Recupera-se aqui um período histórico fundamental da consolidação do capitalismo (final do séc. XVIII e início do séc. XIX, fazendo as devidas relações entre o papel da ciência e da tecnologia nesse processo vis-à-vis seus impactos no trabalho industrial. O perfil do trabalhador, nesse período, é aquele que domina o conhecimento empírico.

I.3 Impactos do conhecimento tecnológico na geração de renda: a emergência das novas ocupações científicas
Com o surgimento das grandes empresas capitalistas e a emergência de novas indústrias intensivas em conhecimento científico, discute-se a necessidade de um novo perfil de trabalhador, com formação científica. Em paralelo, há a institucionalização de novas ocupações técnicas e científicas como resposta às demandas do mercado de trabalho e do desenvolvimento econômico e industrial.


Parte II
Progresso Técnico e o Mundo do Trabalho: as mudanças no séc. XX e as interpretações emergentes

II.1 Gerência científica e organização produtiva
Emergência da produção em massa (paradigmas fordista-taylorista) como uma das respostas ao desenvolvimento tecnológico do início do sex. XX. Fazer a relação entre padrão desenvolvimentista predominante (tipo e característica das empresas) e o modos de trabalho que se consolidam.

II.2 Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de organização social do trabalho e da produção
Apresentação do debate sobre a emergência de um novo "paradigma" tecnológico e organizacional. A crise do fordismo e a nova reestruturação produtiva (emergência de novos conceitos de produção: japonês, italiano e sueco, com suas lógicas de organização do trabalho)

II.3 O trabalho em redes: a revolução da tecnologia de informação (TI)
Discussão sobre as novas formas organizacionais que se estabelecem no mundo do trabalho, dado o avanço da TI, e que alteram a lógica tradicional da hierarquização dos mercados e do emprego, com o surgimento de novos conceitos como: trabalho em colaboração, compartilhamento de conhecimentos e valores. Abordagem sobre: trabalho em redes (networks), APL (arranjos produtivos locais), parques tecnológicos.



Parte III
Progresso Técnico e os Desafios para o Mercado de Trabalho : As novas formas da in(ex)clusão social através do trabalho

III.1 Progresso técnico e desemprego
Inovação e impactos sobre a organização social e o emprego. Debate sobre o desemprego tecnológico e desemprego estrutural.

III.2 Mercado de trabalho e a nova relação salarial
Discussão sobre a redução do emprego formalizado e protegido pelas leis trabalhistas, e a emergência de novas relações de trabalho. A popularização do trabalho part time. O desafio que envolve a criação de mais e melhores empregos. O debate sobre o "fim" dos empregos (da forma como a sociedade culturalmente o reconhece) e a questão da crise do trabalho.

III.3 As novas formas da in(ex)clusão e as relações de trabalho no cotidiano das empresas
Problemas de acesso aos postos de trabalho e de mobilidade ocupacional: novas formas de seletividade e exclusão. Racismo e sexismo no trabalho. Novas formas de controle e assédio moral no trabalho.

III.4 A sociologia do trabalho e os novos desafios
O arcabouço conceitual da sociologia do trabalho e os novos desafios que o mercado de trabalho enfrenta nos dias atuais. A sociologia do trabalho tem conseguido dar conta da abrangência de novas questões que o avanço da ciência e da inovação tecnológica tem colocado?
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, seminários e orientação de leituras.
Critério
Dois trabalhos sobre conteúdo do curso.
Norma de Recuperação
Constará de trabalhos escritos e/ou provas individuais que deverão ser entregues, com data a ser estipulada pelo professor, para todo aluno que obtiver freqüência superior a 70% e média final inferior a 5,0 mas superior a 3,0.
 
Bibliografia
     
Aznar, G. (1995) Trabalhar menos para trabalharem todos, Scrita, São Paulo, 1995.
Barnett, H. e Morse, C. (1963) Scarcity and growth, Johns Hopkins University Press, 1963, 288pp.
Bernal (1969), Ciência na História, Vol. 4, Livros Horizonte, Lisboa, 1969.
Braverman (1987) Trabalho e Capital Monopolista, Ed. Guanabara, Rio de Janeiro, 1987.
Castel, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. São Paulo: Vozes, 1998.
Castells, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000, p. 498.
Chesnais, F. (1994) A mundialização do capital. Xamã, 1996.
Coriat, Benjamin. Ohno e a escola japonesa de gestão da produção: um ponto de vista de conjunto. In: Hirata, Helena (Org.). Sobre o modelo japonês. São Paulo: Edusp, 1993.
Coriat, Benjamin. Pensar pelo Avesso.
Dobb, M. (1963) A Evolução do Capitalismo, col. Os Economistas, Abril Cultural, São Paulo, 1983
Freeman, C. (1975) La teoría económica de la innovación industrial, Penguin Alianza, 1975.
Freeman, C. (1995) "Innovation in a new context", STI Review (15) : 49-74, 1995.
Galison, P. (1992) Introduction: the many faces of big science. In Galison, P. & Hevly, B. Big Science: The growth of large scale research. Stanford Univ. Press, Stanford, 1992.
Geller, L. (1998) Mudança tecnológica e emprego. In: Emprego e desenvolvimento tecnológico. Org. Dieese, São Paulo, 1998.
Habermas, J. Técnica e Ciência enquanto Ideologia. In: Benjamin, W. et al. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1975b. (Os Pensadores, 48) pp. 303 - 333.
Hirata, Helena (Org.). Sobre o modelo japonês. São Paulo: Edusp, 1993.
Hirata, Helena. S.; Ferreira, C.G.; Marx, Roberto et al. Alternativas Sueca, Italiana e Japonesa ao paradigma fordista: elementos para uma discussão sobre o caso brasileiro. In: Soares; Rosa M.S.M. (Org.). Gestão da Qualidade: tecnologia e participação. Série Cadernos CODEPLAN. Brasília, 1991.
Hobsbawn, E. (1971) Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo, Forense Universitária, RJ, 1983
Hobsbawn, E. (1995), Era dos Extremos, Ed. Companhia das Letras, São Paulo, 1995.
Landes, D.S. (1969) Prometeu desacorrentado. Nova Fronteira, 1980.
Lastres, H. M. et al. "Globalização e inovação localizada". In Cassiolato, J. E. & Lastres, H. M. (ed.) Globalização e Inovação Localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. IEL/Confederação Nacional da Indústria, Brasília, 1999, p. 39-71.
Latour, B. e Woolgar, S. A Vida de Laboratório. A produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro. Relume Dumará. 1997.
Mantoux, P. (1927) A Revolução Industrial no século XVIII, Hucitec, São Paulo, 1987.
Manual Frascati (1978), Medição de Atividades Científicas e Tecnológicas, CNPq,
Marx, K. (1867), O Capital, col. Os Economistas, Abril Cultural, São Paulo, 1983.
Mattoso, J. (1995), A desordem do trabalho, Coleção Pensieri, Scritta, São Paulo, 1995.
Mowery, D. e Rosenberg, N. (2005) Trajetórias da Inovação.Clássicos da Inovação. Campinas - SP: Ed. da Unicamp230 pg.
Noble, D. F. (1977) America by Design, Alfred A. Knopf, New York.
OECD (1992), Technology/Economy Programme, Technology and Economy - the Key Relationships, OECD, Paris
Petit, P. (1995) "Technology and employment: key questions in a context of high unemployment", STI Review (15) : 13-47, 1995.
Piore, M. J. e Sabel, C. F. (1984), The Second Industrial Divide - Possibilities for Prosperity, Basic Books, EUA, 1984.
Schumpeter, J. A. (1984), Capitalismo, Socialismo e Democracia, Zahar Editores S.A ., Rio de Janeiro
 

Clique para consultar os requisitos para FSL0647

Clique para consultar o oferecimento para FSL0647

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP