Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Sociologia
 
Disciplina: FSL0653 - Moralidade, Opinião Pública e Marcadores Sociais da Diferença
Morality, Public Opinion and Social Markers of Difference

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
A disciplina visa oferecer aos alunos/as de Ciências Sociais elementos teóricos e empíricos para
uma reflexão crítica sobre a reprodução social de preconceitos e discriminações com base em
marcadores sociais da diferença, e sobre a moralidade de valores e atitudes que sustentam a
misoginia, o racismo e a homofobia no Brasil contemporâneo. Com foco em questões de gênero,
“raça” e sexualidade, irá abordar o processo de constituição e mensuração de percepções da
opinião pública, problematizando a tensão entre os ideais universalistas de igualdade e
dignidade, expressos na noção clássica de Direitos Humanos, e a demanda multiculturalista e de
reconhecimento de identidades sexuais e raciais que afloram na modernidade tardia. Visa ainda
exercitar os/as alunos/as em práticas de pesquisa empírica, orientando-os para a construção
e/ou para a manipulação de dados quantitativos e qualitativos já produzidos.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2339505 - Gustavo Venturi Junior
 
Programa Resumido
A disciplina visa oferecer aos alunos/as de Ciências Sociais elementos teóricos e empíricos para
uma reflexão crítica sobre a reprodução social de preconceitos e discriminações com base em
marcadores sociais da diferença, e sobre a moralidade de valores e atitudes que sustentam a
misoginia, o racismo e a homofobia no Brasil contemporâneo. Com foco em questões de gênero,
“raça” e sexualidade, irá abordar o processo de constituição e mensuração de percepções da
opinião pública, problematizando a tensão entre os ideais universalistas de igualdade e
dignidade, expressos na noção clássica de Direitos Humanos, e a demanda multiculturalista e de
reconhecimento de identidades sexuais e raciais que afloram na modernidade tardia. Visa ainda
exercitar os/as alunos/as em práticas de pesquisa empírica, orientando-os para a construção
e/ou para a manipulação de dados quantitativos e qualitativos já produzidos.
 
 
 
Programa
- Direitos humanos e a filogênese da moralidade na ótica de J. Piaget e L. Kohlberg
- Patriarcado, machismo, sexismo e misoginia; o feminismo e suas ondas
- Racismo “científico”, interpessoal e institucional
- Identidades x orientações sexuais; preconceito x discriminação homofóbica
- Insterseccionalidades entre gênero, “raça” e orientação sexual: desigualdades objetivas e
subjetividades
- Percepções e expressões da opinião pública sobre discriminação de gênero, “raça” e
Sexualidades
- Produção e uso de surveys, de dados secundários quantitativos e qualitativos sobre o
conteúdo focado.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Discussão teórica: aulas expositivas, seminários e orientação de leituras. Prática de pesquisa: coleta de dados primários e/ou secundários, análise e elaboração de relatório de pesquisa.
Critério
Prova individual em sala de aula.
Planejamento e realização do exercício de pesquisa, individual ou em grupo.
Norma de Recuperação
Prova individual escrita sobre a matéria dada, ao final de semestre (segundo o calendário letivo vigente), aos que, tendo tido frequência mínima de 70%, atingirem média 3,0 (três) nas avaliações [(prova + exercício de pesquisa) /2].
 
Bibliografia
     
BOURDIEU, Pierre. “A Dominação Masculina”. Educação e Realidade, n.20, vol. 2, 1995.
BRAH, Avtar: “Diferença, diversidade, diferenciação”, Cad. Pagu, 26, 2006, pp. 329-376
BUTLER, J. “Sujeitos do sexo/gênero/desejo”. In: Problemas de gênero. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003, cap. 1.
CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade – vol. II RJ: Paz e Terra, 1999. pp. 20 – 29.
COLBY, A. & KOHLBERG. L. (1987). The Measurement of Moral Judgment , vols. 1 e 2. Cambridge: Cambridge.
CORRÊA, Mariza. “Fantasias corporais”. In: Adriana PISCITELLI, Maria Filomena Gregori e Sergio Carrara, org. Sexualidade e
saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p. 173-182.
FERNANDES, Florestan - A Integração do Negro na Sociedade de Classes, Dominus/Edusp, S. Paulo, 1965.
FOUCAULT, M. “Soberania e disciplina”; “Sobre a história da sexualidade. In: Microfísica do poder, Rio de Janeiro: Graal,
________. História da Sexualidade 1 – A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2003.
FRASER, Nancy: “Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era ‘pós-socialista’”, Cadernos de Campo, n.14/15,
ano 15, 2006.
FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala - formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro:
Record Ed., 1992.
FRY Peter, “Da hierarquia à igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil”. In: Para inglês ver: identidade e
política na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. Cap.4.
GRUSKY, David. Social Stratification: class, race and gender in sociological perspective. Westview Press, 1994.
GUIMARÃES, Antonio S. "A desigualdade que anula a desigualdade: notas sobre a ação afirmativa no Brasil". Multiculturalismo e
racismo: uma comparação Brasil - Estados Unidos. Jessé Souza. Brasília, Paralelo 15: 233-243, 1997.
HABERMAS, Jürgen. “Para o conceito de opinião pública”. In: Habermas, J. Mudança estrutura da esfera pública, Tempo Brasileiro,
Rio de Janeiro, 1984 (pp. 274-290).
HALL Stwart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. 10ª ed. – Rio de Janeiro: DP&A, 2005 – pp 7 -22.
______ “Que ‘negro’ é esse na cultura negra?” in: Da Diáspora: identidades e mediações culturais, Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2003
HEILBORN, Maria Luiza. “Ser ou estar homossexual: dilemas da construção da identidade social”. In: PARKER, Richard e
BARBOSA, Regina Maria, org. Sexualidades brasileiras. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1996, p. 136-145.
HERINGER, Rosana. "Desigualdades raciais no Brasil: síntese de indicadores e desafios no campo das políticas públicas". Cad. de
Saúde Pública, 2002, vol.18 supl, p.57-65.
MOORE, Henrietta: "Compreendendo Sexo e Gênero". In- T. Ingold (org.) Companion Encyclopedia of Anthropology, London,
Routledge, 1997. (tradução de Júlio Assis Simões).
MOUTINHO, Laura. Negociando com a Adversidade: reflexões sobre raça, (homos)sexualidade e desigualdade social no Rio de
Janeiro. Rev.Estud. Fem., abril 2006, vol.14, pp.103-116.
MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte,
Autêntica, 2004 – pp. 121 – 141.
NADER, Laura: “Num Espelho de Mulher: Cegueira normativa e questões de direitos humanos não resolvidas”, Horizontes
Antropológicos, ano 5, n.10, 1999
NOGUEIRA, Oracy. "Preconceito Racial de Marca, Preconceito Racial de Origem" in: Tanto Quanto Branco: Estudos de Relações
Raciais. SP, T.A.Queiroz Editora, 1985
PIAGET, J. (1977). O Julgamento Moral na Criança. (Ed. orig. 1932). Mestre Jou.
PIERUCCI, A. F. (1999). Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34.
PISCITELLI, Adriana. “Nas fronteiras do natural. Perspectivas feministas, gênero e parentesco”. ‘ Revista Estudos Feministas, Rio de
Janeiro, v. 6, n. 2, p. 305-323, 1998.
REIS, Eneida de Almeida dos. Mulato: Negro–Não Negro e/ou Branco-Não Branco. São Paulo: Editora Altana,2002. pp.38-92.
ROSALDO, Michelle. “O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural”. Horizontes
Antropológicos, nº.1. 1995, p.11-36.
RUBIN, Gayle com BUTLER, Judith. “Tráfico sexual – entrevista”. cadernos pagu, n º 21, 2003, p.157-209.
SANTOS, Gislene Aparecida dos. A Invenção do Ser Negro. Rio de Janeiro: Pallas, 2002. pp.43-61.
SCHWARCZ, Lilia Moritz & QUEIROZ, Renato da Silva (orgs.) Raças e diversidade. São Paulo, Edusp, 1996, pp. 83-95.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. São Paulo, Cia. das Letras, 1993, pp. 43- 66.
SCOTT, Joan: “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”, Educação e Realidade, Porto Alegre, 16 (2), jul-dez 1990, pp. 5-22
SKIDMORE, T. E. - Preto no Branco, Raça e Nacionalidade no Pensamento Brasileiro, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.
STOLCKE, Verena. O enigma das interseções: classe, "raça", sexo, sexualidade: a formação dos impérios transatlânticos do século
XVI ao XIX. Revista Estudos Feministas, 2006, vol.14, no.1, pp.15-42
TURRA, Cleusa e VENTURI, G. (orgs.) Folha de S. Paulo - Racismo Cordial, São Paulo, ed. Folha de S. Paulo, São Paulo, 1995.
VANCE, Carole. “A antropologia redescobre a sexualidade: um comentário teórico”. Physis – Revista de Saúde Coletiva, v. 5 (1995),
° 1, p. 7-31.
VENTURI, G. . Democracia e Autonomia Moral- universalismo moral e relativismo ético em teorias normativas da democracia. Tese
de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2003.
VENTURI, G. . Masculinidades e violências de gênero: machismo e monogamia em cena. In: BLAY, Eva Alterman. (Org.).
Feminismos e masculinidades - novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêminca,
2014, v. , p. 149-173.
VENTURI, G. (Org.) ; GODINHO, T. (Org.) . Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado - uma década de
mudanças na opinião pública. 1a.. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo e Editora SESC SP, 2013.
VENTURI, G. . Da construção dos dados à cultura da intolerância às diferenças. In: G. Venturi, Vilma Bokany. (Org.). Diversidade
Sexual e Homofobia no Brasil. 1ed.São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2011, v. 1, p. 175-188.
VENTURI, G. . O potencial emancipatório e a irreversibilidade dos Direitos Humanos. In: VENTURI, G.. (Org.). Direitos Humanos:
percepções da opinião pública. 1ed.Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2010, v. , p. 9-31.
VENTURI, G. ; BOKANY, V. . Pesquisando discriminação institucional e identidade racial. In: Santos, Gevanilda; Silva, M. Palmira.
(Org.). Racismo no Brasil: percepções da discriminação e do preconceito racial no século XXI. São Paulo: EFPA, 2005 p17- 36.
 

Clique para consultar os requisitos para FSL0653

Clique para consultar o oferecimento para FSL0653

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP