Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Sociologia
 
Disciplina: FSL0660 - Sociologia e feminismo
Sociology and feminism

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
O objetivo da disciplina é permitir que os alunos conheçam e problematizem alguns dos principais conceitos e algumas das principais questões que o feminismo trouxe para os debates sociológicos: os conceitos de patriarcado e opressão feminina; o conceito de gênero, divisão sexual do trabalho, interseccionalidade e o debate sobre os impactos do feminismo na sociologia.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5829160 - Paula Regina Pereira Marcelino
 
Programa Resumido
O objetivo da disciplina é permitir que os alunos conheçam e problematizem alguns dos principais conceitos e algumas das principais questões que o feminismo trouxe para os debates sociológicos: os conceitos de patriarcado e opressão feminina; o conceito de gênero, divisão sexual do trabalho, interseccionalidade e o debate sobre os impactos do feminismo na sociologia.
 
 
 
Programa
Unidade I: Conceitos de patriarcado O conceito de patriarcado numa perspectiva feminista surge no bojo da segunda onda feminista. O objetivo dessa unidade é revisitar a gênese desse conceito, algumas das suas múltiplas acepções, o debate sobre sua autonomia em relação ao modo de produção capitalista assim como algumas das críticas que o conceito recebeu. Unidade II: Sexo, gênero e sexualidade Partiremos das primeiras conceituações sobre gênero no contexto anglófilo e outras elaboradas em contextos teóricos diversos como o conceito de relações sociais de sexo. Quais são os principais debates em torno da utilização dos conceitos de gênero e sexo? Como foi pensada a relação entre gênero e sexualidade? Unidade III: O conceito de divisão sexual do trabalho Como a divisão sexual do trabalho se relaciona com a divisão social do trabalho? A divisão sexual do trabalho é útil ao capitalismo? Do ponto de vista teórico, sua manutenção é fundamental para o modo de produção capitalista? Unidade IV: Gênero, raça, classe e interseccionalidade Como o feminismo tematizou outras formas de dominação? Como foi pensada a interconexão entre gênero e classe e quais foram os debates que conduziram ao conceito de interseccionalidade e consubstancialidade. Quais são as diferenças, semelhanças entre esses dois conceitos? Quais são as possíveis consequências políticas do uso dos mesmos? Unidade V: Impactos do feminismo na sociologia O objetivo dessa unidade é refletir sobre alguns dos impactos do feminismo na discussão sociológica clássica e contemporânea. O tema da epistemologia feminista e do conhecimento situado também serão abordados nesse momento da disciplina.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, discussões de textos em sala de aula, uso do Moodle Stoa USP, filmes, documentários e seminários.
Critério
Qualidade dos exercícios propostos de avaliação em cada semestre de oferecimento da disciplina.
Norma de Recuperação
A recuperação é destinada aos alunos que alcançarem a frequência (70%) e a nota (3,0) mínimas obrigatórias. A nota da recuperação será somada à nota final do período regular e dividida por 2 para a obtenção da média final.
 
Bibliografia
     
ABRAMO, Lais (2008). Trabajo, género y raza: un tema presente en la agenda brasileña. revista Nueva Sociedad No 218, noviembre-diciembre de 2008, pp.87-106. ANZALDÚA, Gloria. La Prieta. Debate Feminista, Mexico, Año 12. Vol. 24. Octubre 2001, 129-41. ÁVILA, M. Betânia. "Divisão sexual do trabalho e emprego doméstico no Brasil", in A. Costa, M.B. Ávila, R. Silva, V. Soares e V. Ferreira (orgs) Divisão sexual do Trabalho, Estado e Crise do Capitalismo. Recife: Edições SOS Corpo, 2010. BARRÈRE Unzueta, M.ª Ángeles (2010). La interseccionalidad como desafío al mainstreaming de género en las politicas públicas. Revista Vasca de Administración Pública, Nº 87-88, 2010. págs. 225-252. BARRET, Michèle. Some conceptual problems in marxist feminist analysis. In: BARRET, Michèle. Women’s oppression today. https://genderstudiesgroupdu.files.wordpress. com/2014/07/womens-oppression-today-barrett.pdf BARSTED, Leila de Andrade Linhares. Em Busca do Tempo Perdido: Mulher e Políticas Públicas no Brasil. Florianópolis: Revista Estudos Feministas, v2 número especial, 1994. BEECHEY, Veronica. On patriarchy. Feminist review, n. 3, 1979, p 66–82. BERENI, Laure; CHAVIN, Sébastien, JAUNAIT, Alexandre, REVILLARD, Anne. Introduction aux études sur le genre. 2ª ediação, Paris, DeBoeck, 2012, 357 p. BILGE, Sirma. “Intersectionality Undone; Saving Intersectionality from Feminist Intersectionality Studies”. Du Bois Review: Social Science Research on Race, Volume 10, Issue 2 , Fall 2013 , pp. 405-424. BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, 2006, p. 239-76. BURAWOY, Michel. “As antinomias do feminismo: Beauvoir encontra Bourdieu. In: ____. O marxismo encontra Bourdieu. Campinas, Unicamp, 2010, pp. 131-157. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ : Civilização Brasileira, 2014. CLAIR, Isabelle. Sociologie du genre. Paris, Armand Colin, 2015. CHABAUD-RYCHTER, Danièlle; DESCOUTURES, Virginie et. al. O gênero nas ciências sociais. Releituras críticas de Max Weber a Bruno Latour. São Paulo: Editora Unesp; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2014. COMBAHEE RIVER COLLECTIVE. “The Combahee River Collective Statement”. In: EISENSTEIN, Zillah. Capitalist Patriarchy and the Case for Socialist Feminism. New York: Monthly Review Press, 1979. [traduzido para o francês e publicado no Cahiers du CEDREF, n.14, 2006]. COLLINS, Patricia Hill “Toward a New Vision: Race, Class, and Gender as Categories of Analysis and Connection”, Race, Sex, and Class 1(1), 1993, pp. 25-45. CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Estudos Feministas, ano 10, 1º semestre 2002, p. 171-88. CRENSHAW, Kimberlé W. (1991) “Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color”. Stanford Law Review, vol. 43, Julho de 1991, pp. 1241-1299 (Republicado em: Albertson Fineman, Martha; MYKITIUK, Roxanne (eds.) The Public Nature of Private Violence, New York: ROUTLEDGE, 1994, pp. 93-118. Disponível também em francês: Cahiers du Genre,n° 39, 2005, pp. 51-82). CROW, Bárbara (org.). Radical Feminism: A Documentary Reader. New York: NYU Press, 2000. DELPHY, Christine. Patriarcado. In : HIRATA, Helena. Et. al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, Editora UNESP, 2009. DELPHY, Christine. Rethinking sex and gender. In: LEONARD, Diana; ADKINS, Lisa (Eds) Sex in question: French materialist feminism. Oxon: Taylor&Fancis, 1996. [texto disponível em francês] DUPONT, Christine. O inimigo principal. In : DURAND, Emanuelle et. al. Liberação da mulher. Belo Horizonte: Interlivros, 1978. GONZALES, Lélia. Racismo e Sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244. GUILLAUMIN, Colette. Enquanto Tivermos Mulheres para nos Darem Filhos” A respeito da raça e do sexo. Revista Estudos Feministas. Numero especial, 1994. GUILLAUMIN, Colette. “Prática do poder e ideia de natureza”. In: Ferreira, Verônica; Ávila, Maria Betânia; Falquet, Jules; Abreu, Maira (org.). O Patriarcado Desvendado: teorias de três feministas materialistas. Colette Guillaumin, Paola Tabet e Nicole-Claude Mathieu. Recife : Edições SOS Corpo, 2016. HARAWAY, Donna. “Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra”. Cadernos Pagu, nº 22, 2004, p. 201-246 . HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n.5, 1995, pp. 07-41. HARTSOCK, Nancy. “The Feminist Standpoint: Developing the Ground for a Specifically Feminist Historical Materialism”. In: HARDING, Sandra; HINTIKKA, Merrill (org.). Discovering Reality, pp. 283-310. Dordrecht: Reidel, 1983. HARTMANN, Haidi. The unhappy marriage of marxism and feminism. In: SARGENT, L.(org.) Woman and Revolution: the unhappy marriage of Marxism and feminism. Boston: South and Press, 1981. [existe uma tradução não publicada disponível] HARDING, Sandra. Is there a feminist method? In: __ (Ed.). Feminism and Methodology. Indiana University Press, 1987, p. 1-14. (existe uma versão em espanhol). HARDING, Sandra. Conclusion: epistemological questions. In: __ (Ed.). Feminism and Methodology. Indiana University Press, 1987, p. 181-190. HARDING., sANDRA. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos feministas, n.7, 1993. HEILBORN, Maria; SORJ, Bila. Estudos de gênero no Brasil. In: MICELI, Sérgio. O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). Sociologia (volume II). São Paulo: Editora Sumaré: ANPOCS; Brasílio: CAPES, 1999. HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social, São Paulo,v. 26, n. 1, 2014. HIRATA, Helena.Divisão sexual do trabalho: o Estado das artes”. In: Nova Divisão Sexual do Trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo, Boitempo, pp. 273-289. HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. A divisão sexual do trabalho revisitada. In: MARUANI, Margaret; HIRATA, Helena. (org.) As novas fronteiras da desigualdade. São Paulo: SENAI, 1998. ________________________________. Paradigmas sociológicos e categoria de gênero. Que renovação aponta a epistemologia do Trabalho? Novos Cadernos NAEA, vol. 11, n.1, 2008. ________________________________. A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos Feministas, n. 1, 1994. KERGOAT, Danièle. Se battre, disent-elles. Paris: La Dispute, 2012. _________________. Em defesa de uma sociologia das relações sociais. In: KARTCHEVSKY, André et. al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. _________________. Divisão Sexual do Trabalho e Relações sociais de sexo. In: HIRATA, H. et. al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora da Unesp, 2009. KERGOAT, Daniele. Consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos (84), 2010, p.93-103. HOOKS, Bell. Black women: shaping feminist theory. In: HOOKS, Bell. Feminist theory: from margin to center. Cambridge: South End Press Classics, 2000, p. 1-18. LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro. Relume-Dumará, 2001. MATHIEU, Nicole-Claude. “Sexo e gênero”. In: HIRATA, Helena; laborie, Françoise, et. al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo : Editora Unesp, 2009. MATHIEU, Nicole-Claude. “Identicidade sexual/sexuada/de sexo? Três modos de conceitualização da relação entre sexo e gênero”. In: FERREIRA, Verônica; ÁVILA, Maria Betânia; FALQUET, Jules; ABREU, Maira (org.) O Patriarcado Desvendado: teorias de três feministas materialistas. Colette Guillaumin, Paola Tabet e Nicole-Claude Mathieu. Recife: Edições SOS Corpo, 2016. MILLET, Kate. Política sexual. Lisboa: Dom Quixote, 1974. (Trechos) MOORE, Henrietta. “Compreendendo Sexo e Gênero”. (há uma tradução disponível, não publicada, realizada Júlio Assis Simões). NICHOLSON, Linda. “Interpretando o gênero”. Estudos Feministas v. 8, n. 2 (2000). PISCITELLI, Adriana. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, 2002. ROWBOTHAM, Sheila. Além dos fragmentos: o feminismo e a construção do socialismo. São Paulo: Brasiliense, 1981. RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres. Recife: SOS-Corpo. RUBIN, Gayle; BUTLER, Judith. “Tráfico sexual – entrevista”. Cadernos Pagu, n º 21, 2003, p.157-209. SAFFIOTI, Heleieth. Mulher Brasileira: Opressão e Exploração. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984. SEGATO, Rita L. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos CES (18), 2012, p.106-131. SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise”. Educação & Realidade, v.15 , n.2, jul./dez.1990. SMITH, Dorothy E. Women’s perspective as a radical critique of Sociology. In: HARDING, Sandra. Feminism and Methodology. Indiana University Press, 1987, p. 84-96. SOUZA-LOBO, Elisabeth. A classe operária tem dois sexos. 2ªEd. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2011. TELLES, Maria Amélia. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Alameda, 2016. VANCE, Carole. A antropologia redescobre a sexualidade: um comentário teórico. Physis 1995, vol.5, n.1, pp.7-32. VARIKAS, Eleni. Pensar o gênero e o sexo. Campinas: Editora Unicamp, 2016. WITTIG, Monique. El pensamiento heterosexual y otros ensayos. Madrid: Egales, 2006.
 

Clique para consultar os requisitos para FSL0660

Clique para consultar o oferecimento para FSL0660

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP