Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Saúde Pública
 
Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade
 
Disciplina: HCV0112 - Introdução ao Pensamento Científico e sua Complexidade
Introduction to Scientific Thought and its Complexity

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 45 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2019 Desativação:

Objetivos
Introduzir o aluno à compreensão das rupturas epistemológicas que caracterizam o processo histórico gerador do sistema capitalista no mundo ocidental, e que possibilitou a emergência e consolidação da Ciência Moderna, sua concepção de pensamento científico e dos fundamentos ontológicos, epistemológicos e lógicos que o sustentam. Promover a reflexão e debate sobre a Saúde Coletiva como campo de conhecimento interdisciplinar, que requerem, para a produção de conhecimento, disciplinas pertencentes às áreas das Ciências Naturais, Formais e Sociais e Humanas. Promover a reflexão e debate sobre exemplos de temas relativos a fenômenos complexos - característicos do campo - que apresentam desafios de natureza teórica, metodológica, assim como tecnológica para a geração de conhecimento.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
8750457 - Cristiane da Silva Cabral
8177110 - José Miguel Nieto Olivar
 
Programa Resumido
Trata-se de uma disciplina que procura, por um lado, apresentar e discutir temas relacionados ao processo histórico relativo à consolidação do pensamento científico, constitutivo da ciência moderna, seus fundamentos ontológicos, epistemológicos e lógicos. Por outro, como o campo da Saúde Pública incorpora esse modo científico de pensar, qual a contribuição das Ciências Formais, Naturais, assim como das Ciências Sociais e Humanas
 
 
 
Programa
1- Ciência, Tecnologia e Dilemas Éticos no Mundo Contemporâneo. 2- Ciência, Filosofia e Senso Comum: caracterização das especificidades desses conhecimentos e reflexões sobre a questão da ruptura epistemológica que passa a caracterizar o conhecimento gerado pelo paradigma da ciência moderna como referência e critério de verdade científica. 3- A Ciência Moderna: surgimento, consolidação e fundamentos filosóficos do pensamento científico que a caracteriza. 4- Os lugares das Ciências Formais, Naturais e Sociais e Humanas no Paradigma da Ciência Moderna. 5- O problema da racionalidade e da objetividade nas Ciências Naturais e nas Ciências Sociais e Humanas. 6- Características e relações existentes entre linguagem científica, metodologia e tecnologia de pesquisa nos processos de investigação. 7- A pesquisa científica no campo da Saúde Coletiva e a questão dos desafios para a abordagem dos fenômenos complexos que lhes são característicos. 8- A Saúde Coletiva como campo multidisciplinar e interdisciplinar. 9- Temas e Problemas de Saúde Coletiva hoje: desafios teóricos, metodológicos e tecnológicos para a investigação.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas estimulando a participação ativa do aluno , com diálogos reflexivos, leitura e elaboração de resenhas, trabalhos em grupo, seminários que possibilitem aprofundamento em temas específicos de interesse dos alunos.
Critério
Freqüência, Participação em classe, Resenhas, Apresentação de Seminário.
Norma de Recuperação
Será oferecida recuperação aos alunos que obtiverem média 30 e freqüência mínima de 70%
 
Bibliografia
     
ALVARENGA, A.T. A Saúde Pública como campo de investigação interdisciplinar e a questão metodológica. Saúde e Sociedade, São Paulo, 3(2):22-41,1994. ALVARENGA, A.T. Congressos Internacionais sobre Transdisciplinaridade: reflexões sobre emergências e convergências de ideias e ideais na direção de uma nova ciência moderna. Saúde e Sociedade, São Paulo, 14(3):9-29, 2005. ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Brasiliense, 1981. ANDERY, M.A. e col. Para compreender a ciência - uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. ANDRADE, E. O sujeito do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2012. BACHELARD, G. O novo espírito científico. Lisboa. Portugal. Edições 70, 1996. BOCHENSKI, JM. Diretrizes do pensamento filosófico. São Paulo: EPU, 1973. BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: ENESP, 2004. CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. São Paulo, Ed. Forense Universitária, 1996. CAPONI, S. Da herança à localização cerebral: sobre o determinismo biológico de condutas indesejadas. Physis, 17(2), 343-352, 2007. CASTANÕN, G. Introdução à Epistemologia. São Paulo: EPU, 2007. CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2011, 14ª edição, 2ª impressão. COELHO, M.T.D.; ALMEIDA FILHO, N. Normal-patológico, saúde-doença; revisitando Canguilhem. Physis, 9(1), 13-36, 1999. DUARTE Jr., JF. O que é realidade? São Paulo: Editora Brasiliense, 1984. EWING, A.C. As questões fundamentais da Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1984. FOUREZ, G.A. A construção das Ciências - Introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo. Editora UNESP, 1995. GRANGER, GG. A ciência e as ciências. São Paulo: Ed.UNESP, 1994. JAPIASSU, H. Como nasceu a Ciência Moderna - e as razões da filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2007. KOYRÉ, A. Estudos de História do Pensamento Científico. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 1991. LATOUR, B. A esperança de pandora. Ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2001. LOWY, I. Ludwik Fleck e a presente história das ciências, História, ciências e saúde - Manguinhos, vol 1 (1): 7-18, jul-out, 1994. MARCONDES, D. A Verdade. São Paulo: Martins Fontes, 2014. MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. PORTOCARRETO, V. As Ciências da Vida - de Canguilhem a Foucault. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 2009. PORTOCARRETO, V. (org.). Filosofia, história e sociologia das ciências I: abordagens contemporâneas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1994. [Disponível em SciELO Books http://books.scielo.org] ROHDEN, F. Diferenças de gênero e medicalização da sexualidade na criação do diagnóstico das disfunções sexuais, Estudos Feministas, Florianópolis, 17(1): 89-109, janeiro-abril/2009. SAES, S.F.A. A Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2013. SANTOS, B.S. Um discurso sobre as Ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, São Paulo, 2(2):46-71, 1988. SANTOS, B.S. Um Discurso Sobre as Ciências. São Paulo: Cortez, 2010. 7 ed. SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Bauru-SP: EDUSC, 2001. TESSER, C.D. A verdade na biomedicina, reações adversas e efeitos colaterais: uma reflexão introdutória, Physis, 17(3), 465-484, 2007. TOSSATO, C.R. O conhecimento científico. São Paulo: Martins Fontes, 2013. VAN DER GEEST, S.; WHYTE, S.R. O encanto dos medicamentos: metáforas e metonímias, Soc. e Cult., Goiânia, v. 14, n. 2, p. 457-472, jul./dez. 2011. VANNUCCHI, A. Filosofia e Ciências Humanas. Ed. Loyola: 1977. VAZ, H.C. de L. Ética e razão moderna, Síntese Nova Fase, v. 22, n. 68, 53-85, 1995.
 

Clique para consultar os requisitos para HCV0112

Clique para consultar o oferecimento para HCV0112

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP