Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Saúde Pública
 
Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade
 
Disciplina: HCV0120 - Antropologia da Saúde
Health Anthropology

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 45 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2019 Desativação:

Objetivos
Fornecer perspectivas básicas da antropologia para compreender os processos de saúde e doença, cuidado e morte, incluindo o campo científico-político da saúde, como objetos sociais e culturais.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
8177110 - José Miguel Nieto Olivar
 
Programa Resumido
Essa disciplina se propõe pensar as relações entre Antropologia e Saúde Pública/Coletiva, bem como fornecer insumos para que os e as estudantes compreendam os processos de saúde e doença, incluindo o campo científico-político da saúde como objetos sociais e culturais. Por esse caminho, a disciplina recupera a relação histórica, epistémica e política da antropologia com o campo da saúde pública no Brasil. A partir daí avança por módulos temáticos que vão permitindo, ao mesmo tempo, investigar diversas abordagens teóricas, problemas concretos e relações disciplinares.
 
 
 
Programa
Antropologia e Saúde. Pensamento simbólico, cura e eficácia. Corpo múltiplo, corpo-perspectiva. Sexualidade, Gênero, Raça, Violência. Parto. Ciência, técnica e poder.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do desempenho do estudante, que tem como foco as diferentes dimensões do processo ensino-aprendizagem (Conhecimento; Habilidades; Atitudes), será realizada pelos seguintes instrumentos: participação ativa nas aulas, grupos de debate e trabalho final (etnografia).
Critério
A disciplina está estruturada em dois tipos de atividades: exposição teórica e grupos de debates. As exposições teóricas buscam refletir sobre as contribuições da antropologia para se pensar as múltiplas dimensões que envolvem a saúde e a doença como objetos sociais, a partir de textos de referência na área. Já os grupos de debate são voltados para o aprofundamento das leituras dos discentes, bem como para a discussão coletiva dos conteúdos e conceitos.
Norma de Recuperação
O discente que for para recuperação poderá realizar prova/trabalho. A nota final será a média (aritmética) da nota final e de recuperação. Será oferecida recuperação aos alunos que obtiverem média 30 e frequência mínima de 70% .
 
Bibliografia
     
LANGDON, E.J. et ali. “Um balanço da antropologia da saúde no Brasil e seus diálogos com as antropologias mundiais”. Anuário Antropológico/2011-I, 2012: 51-89 Russo, J e Carrara, S. “Sobre as ciências sociais na Saúde Coletiva –com especial referência à antropologia”. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 25 [ 2 ]: 467-484, 2015. FASSIN, D. Os sentidos da saúde. Antropologia das políticas de vida. (Original: Le sens de la santé. Anthropologie des politiques de la vie. Anthropologie médicale. Ancrages locaux, défis globaux. Québec: Les Presses de l’Université Laval; Paris: Anthropos, 2005, 467 pp. Collection Sociétés, cultures et santé.) Duarte, LFD. “Investigação antropológica sobre Doença, Sofrimento e Perturbação: uma introdução”. In: Duarte, LFD & Leal, O. Doença, Sofrimento e Perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1998. Fonseca, Claudia. Situando os CEP: o sistema CEP (Brasil) em perspectiva. Horizontes Antropológicos, 21 (44) 2015: 333-369. Levi-Strauss, Claude. “A eficácia simbólica”. In: Antropologia Estrutural 1. São Paulo: Cosac Naif, 2008. Souza, Martha, et ali. “Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil.” Ciência & Saúde Coletiva, 19(7):2277-2286, 2014 Alves, PC; Rabelo, M. “Repensando os estudos sobre representações e práticas em Saúde/Doença”. In: Alves & Rabelo. Antropologia da Saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Rio de Janeiro: Editora Relume Dumará, 1998. MAUSS, Marcel. “As técnicas do corpo”. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p. 401-424. FOUCAULT, Michel. “Os corpos dóceis” [capítulo I da terceira parte]. Vigiar e Punir. Petrópolis: Ed. Vozes, 1999. P. 117-142 (70-83 do PDF). HARAWAY, Donna. "A partilha do sofrimento: relações instrumentais entre animais de laboratório e sua gente". Horizontes Antropológicos, (17), 35, 2011: 27-64. Pelúcio, Larissa; Miskolci, R. “A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes”. Sexualidad, Salud y Sociedad, n.1 - 2009 - pp.125-157. Gregori, Maria Filomena. “Risco e êxtase nas práticas eróticas”. cadernos pagu (47), 2016:e164716 Olivar, JM. “Banquete de homens: sexualidade, parentesco e predação na prática da prostituição feminina”. RBCS Vol. 26 n° 75 fevereiro/2011: 89-102 Seeger, A., Da Matta, R., Castro, EV. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. Volume temático (n.32) do Boletim do Museu Nacional (Série Antropologia), 1978. LIMA, Tania Stolze. “O que é um corpo?”. Religião e Sociedade, 22 (1) 2002: 9-20 Fleischer, Soraya. “A puxação no parto: manipulando barrigas, manipulando significados”. In Parteiras, Buchudas e Aperreios: uma etnografia do atendimento obstétrico não oficial na cidade de Malgaço, Pará”. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Porto Alegre: UFRGS, 2007: 97-150. Belaunde, Luisa. “’Yo solita haciendo fuerza´: historias de parto entre los yine (piro) de la amazonía peruana”. In Luisa Belaunde Sexualidades Amazónicas: género, deseos y alteridades. Lima: La Siniestra, 2018: 163-184. Campos, Ana Maria. “Os partos”. In Ana Maria Campos, O parto na fronteira amazônica Brasil e Peru: etnografia sobre a assistência obstétrica no município de Benjamin Constant / Amazonas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Manaus: UFAM, 2018: 82-106. McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: gênero, classe e raça no embate imperial. Campinas: Editora da Unicamp. CAPÍTULO A SER DEFINIDO DAVIS, Angela. “Estupro, racismo e o mito do estuprador negro”. In Angela Davis. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016: 177-205 CARNEIRO, Rosamaria. “O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas”. MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 394-424, JUL/DEZ. 2017 Fonseca, Claudia. “Deslocando o gene: o DNA entre outras tecnologias de identificação familiar”. MANA 22(1): 133-156, 2016. Haraway, Donna. “Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizontes: Autêntica editora, 2009: 33-118. Preciado, PB. “Micropolíticas de género en la era farmacopornográfica: experimentación, intoxicación voluntaria y mutación”. In Testo Yonqui. Madrid: Espasa, 2008: 233-285.
 

Clique para consultar os requisitos para HCV0120

Clique para consultar o oferecimento para HCV0120

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP