Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Saúde Pública
 
Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade
 
Disciplina: HCV0127 - Corpo, Indivíduo e Sociedade
Body, Individual and Society

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 30 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2020 Desativação:

Objetivos
Oferecer recursos analíticos para a compreensão do corpo e da alimentação como fenômenos sociais, em relação com a produção social da diferença e com a construção do trabalho do/a nutricionista.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
8177110 - José Miguel Nieto Olivar
 
Programa Resumido
Essa disciplina se propõe discutir as contribuições das ciências sociais para as investigações sobre corpo, alimentação e processo saúde e doença, refletindo sobre as relações da alimentação e do trabalho do/a nutricionista com a construção social dos corpos, das noções de individualidade e das práticas sociais. Ademais busca entender as relações entre os diferentes marcadores sociais da diferença, a noção de corpo e as práticas de alimentação.
 
 
 
Programa
Referencial teórico. Corpo como objeto de conhecimento social na saúde pública e nutrição. Gênero, racismo, violência. Práticas e saberes corporais. Comensalidade.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do desempenho do estudante, que tem como foco as diferentes dimensões do processo ensino-aprendizagem (Conhecimento; Habilidades; Atitudes), será realizada pelos seguintes instrumentos: grupos de debate e trabalho final (escrito e com apresentação oral).
Critério
A disciplina está estruturada em dois tipos de atividades: aulas teóricas e grupos de debates. As aulas teóricas buscam refletir sobre as contribuições das ciências humanas para se pensar as múltiplas dimensões que envolvem a noção de corpo e suas relações com a vida social, a partir de textos de referência na área. Já os grupos de debate são voltados para o aprofundamento das leituras dos discentes, bem como para a discussão coletiva dos conteúdos e conceitos.
Norma de Recuperação
O discente que for para recuperação poderá realizar prova/trabalho. A nota final será a média (aritmética) da nota final e de recuperação. Será oferecida recuperação aos alunos que obtiverem média 30 e frequência mínima de 70%
 
Bibliografia
     
RUSSO, Jane. “Do corpo objeto ao corpo-pessoa: desnaturalização de um pressuposto médico”. Saúde, corpo e sociedade. Rio de Janeiro: Editora Ufrj, 2006. P. 183-193. SARTI, Cynthia. “Corpo e doença no trânsito dos saberes”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. V. 25, nº 74, out. 2010, p. 77-91 MAUSS, Marcel. “As técnicas do corpo”. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p. 401-424. FOUCAULT, Michel. “Os corpos dóceis” [capítulo I da terceira parte]. Vigiar e Punir. Petrópolis: Ed. Vozes, 1999. P. 117-142 (70-83 do PDF). Alves, PC; Rabelo, M. “Repensando os estudos sobre representações e práticas em Saúde/Doença”. In: Alves & Rabelo. Antropologia da Saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Rio de Janeiro: Editora Relume Dumará, 1998. LIMA, Tania Stolze. “O que é um corpo?”. Religião e Sociedade, 22 (1) 2002: 9-20 Fleischer, Soraya. “A puxação no parto: manipulando barrigas, manipulando significados”. In Parteiras, Buchudas e Aperreios: uma etnografia do atendimento obstétrico não oficial na cidade de Malgaço, Pará”. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Porto Alegre: UFRGS, 2007: 97-150. Belaunde, Luisa. “’Yo solita haciendo fuerza´: historias de parto entre los yine (piro) de la amazonía peruana”. In Luisa Belaunde Sexualidades Amazónicas: género, deseos y alteridades. Lima: La Siniestra, 2018: 163-184. McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: gênero, classe e raça no embate imperial. Campinas: Editora da Unicamp. CAPÍTULO A SER DEFINIDO DAVIS, Angela. “Estupro, racismo e o mito do estuprador negro”. In Angela Davis. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016: 177-205 CARNEIRO, Rosamaria. “O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas”. MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 394-424, JUL/DEZ. 2017 Sahlins, Marshal. “O pensamento burguês”. In: Cultura e Razão Prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. Mintz, Sidney. “Comida e antropologia: Uma breve revisão”. RBCS Vol. 16 nº 47 outubro/2001 Haraway, Donna. “Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizontes: Autêntica editora, 2009: 33-118. Preciado, PB. “Micropolíticas de género en la era farmacopornográfica: experimentación, intoxicación voluntaria y mutación”. In Testo Yonqui. Madrid: Espasa, 2008: 233 Fausto, Carlos. “Banquete de gente: comensalidade e canibalismo na Amazônia”. Mana vol.8 no.2 Rio de Janeiro Oct. 2002 Olivar, JM. “Banquete de homens: sexualidade, parentesco e predação na prática da prostituição feminina”. RBCS Vol. 26 n° 75 fevereiro/2011: 89-102 Marini, Marisol. “’Você poderá vomitar até o infinito…’: psicanálise, sujeito e transtornos alimentares”. cadernos pagu (46), janeiro-abril de 2016:373-409
 

Clique para consultar os requisitos para HCV0127

Clique para consultar o oferecimento para HCV0127

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP