Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Saúde Pública
 
Saúde Materno-infantil
 
Disciplina: HSM0120 - Antropologia da Saúde
Anthropology of Health

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 45 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2013 Desativação: 31/12/2018

Objetivos
Introduzir aos alunos os conhecimentos antropológicos aplicado à saúde pública, notadamente na compreensão dos processos de adoecimento das coletividades, as formas de percepção desses processos, os sistemas de cura e intervenções terapêuticas tanto oficiais como populares.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
8177110 - José Miguel Nieto Olivar
 
Programa Resumido
O corpo, a saúde e a doença são fenômenos essenciais das intervenções terapêuticas tanto populares como oficiais. As formas de adoecimento das coletividades e as consequentes práticas terapêuticas são marcadas por uma diversidade social e cultural, que definem as práticas de saúde. As concepções oficiais e populares de doença e de cura, as relações entre religião e enfermidade e as formas de relação entre a clientela e os sistemas de saúde, são temas que compõem o campo de reflexões da antropologia da saúde. Nessa disciplina, busca-se aprofundar a compreensão das diferentes concepções do processo saúde-doença, evidenciando a diversidade sociocultural que permeia o campo da saúde pública.
 
 
 
Programa
1. Apresentação
2. A antropologia e questão do “outro”
3. A noção de cultura e a diversidade cultural
4. A linguagem como mediação da experiência humana
5. Corpo, cultura e significação
6. Aspectos socioculturais da saúde e da doença
7. Processos terapêuticos, cultura e significado
8. Processos terapêuticos nas sociedades contemporâneas
9. Organização dos serviços de saúde
10. Antropologia e saúde pública
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do desempenho do estudante, que tem como foco as diferentes dimensões do processo ensino-aprendizagem (Conhecimento; Habilidades; Atitudes), será realizada pelos seguintes instrumentos: grupos de debate e trabalho final (escrito e com apresentação oral).
Critério
A disciplina está estruturada em dois tipos de atividades: exposição teórica e grupos de debates. As exposições teóricas buscam refletir sobre as contribuições da antropologia para se pensar as múltiplas dimensões que envolvem a saúde e a doença como objetos sociais, a partir de textos de referência na área. Já os grupos de debate são voltados para o aprofundamento das leituras dos discentes, bem como para a discussão coletiva dos conteúdos e conceitos.
Norma de Recuperação
O discente que for para recuperação poderá realizar prova/trabalho. A nota final será a média (aritmética) da nota final e de recuperação. Será oferecida recuperação aos alunos que obtiverem média 30 e frequência mínima de 70% .
 
Bibliografia
     
SARTI, Cynthia. “Corpo e doença no trânsito dos saberes”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. V. 25, nº 74, out. 2010, p. 77-91. GUEDES, Carla et ali. “A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico”. Ciência & Saúde Coletiva, 11(4):1093-1103, 2006. LOYOLA, M. A. “O lugar das ciências sociais na Saúde Coletiva”. Saúde Soc. São Paulo, v.21, n.1, p.9-14, 2012 LANGDON, E.J. et ali. “Um balanço da antropologia da saúde no Brasil e seus diálogos com as antropologias mundiais”. Anuário Antropológico/2011-I, 2012: 51-89 Russo, J e Carrara, S. “Sobre as ciências sociais na Saúde Coletiva –com especial referência à antropologia”. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 25 [ 2 ]: 467-484, 2015 LANGDON, EJ. “Uma avaliação crítica da atenção diferenciada e a colaboração entre antropologia e profissionais da saúde”. In: Langdon, E.J., e GARNELO, Luiza (org). Saúde dos povos indígenas: reflexões sobre antropologia participativa. Contracapa: ABA, 2004. Levi-Strauss, Claude. “A eficácia simbólica”. In: Antropologia Estrutural 1. São Paulo: Cosac Naif, 2008. Renshaw, John. “’A eficácia simbólibica’ revisitda. Cantos de cura ayoreo”. Revista de Antropologia, Vol 49 (1), 2006. Sahlins, Marshal. “O pensamento burguês”. In: Cultura e Razão Prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. Souza, Martha, et ali. “Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil.” Ciência & Saúde Coletiva, 19(7):2277-2286, 2014 Ferreira, J; Espírito Santo, Wanda. “Os percursos da cura: abordagem antropológica sobre itinerários terapêuticos dos moradores do complexo de favelas de Manguinhos, RJ”. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 22 [ 1 ]: 179-198, 2012 Alves, PC; Rabelo, M. “Repensando os estudos sobre representações e práticas em Saúde/Doença”. In: Alves & Rabelo. Antropologia da Saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Rio de Janeiro: Editora Relume Dumará, 1998. Seeger, A., Da Matta, R., Castro, EV. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. Volume temático (n.32) do Boletim do Museu Nacional (Série Antropologia), 1978. Rohden, Fabiola. “Ensaio bibliográfico. O corpo fazendo a diferença”. MANA 4(2):127-141, 1998. Duarte, LFD. “Investigação antropológica sobre Doença, Sofrimento e Perturbação: uma introdução”. In: Duarte, LFD & Leal, O. Doença, Sofrimento e Perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1998. Garnelo, Luiza; Wright, Robin. “Doença, cura e serviços de saúde. Representações, práticas e demandas Baníwa”. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(2):273-284, mar-abr, 2001 HARAWAY, Donna. "A partilha do sofrimento: relações instrumentais entre animais de laboratório e sua gente". Horizontes Antropológicos, (17), 35, 2011: 27-64. Rabelo, M. “Narrando a Doença Mental no Nordeste de Amaralina: relatos como realizações práticas”. In: Rabelo, M; Alves, PC; Souza, I. Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1999: 77-88. Foucault, Michel. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977. PREFÁCIO. McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: gênero, classe e raça no embate imperial. Campinas: Editora da Unicamp. CAPÍTULO (O imperio do sabonete) Camargo, K. “(Ir)racionalidade médica: os paradoxos da clínica”. PHISIS Revista de saúde coletiva, (2), 1, 1992. Machado, Paula. “’Quimeras da ciência: a perspectiva de profissionais da saúde em casos de intersexo”. RBCS Vol. 20 nº. 59 outubro/2005. Marini, Marisol. “’Você poderá vomitar até o infinito…’: psicanálise, sujeito e transtornos alimentares”. cadernos pagu (46), janeiro-abril de 2016:373-409 Knauth, D; Machado, P. “Corrigir, Prevenir, Fazer corpo’: a circuncisão masculina como estratégia de prevenção do HIV/AIDS e as intervenções cirúrgicas em crianças intersex”. Sexualidad, Salud y Sociedad n.14 -‐ ago. 2013 -‐ pp.229-‐241. Pelúcio, Larissa; Miskolci, R. “A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidents”. Sexualidad, Salud y Sociedad, n.1 - 2009 - pp.125-157.
 

Clique para consultar os requisitos para HSM0120

Clique para consultar o oferecimento para HSM0120

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP