Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos
 
Disciplinas do Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos
 
Disciplina: IAU0314 - Cultura, Ambiente e Sustentabilidade I
Culture, Environment, and Sustainability I

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 30 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2024 Desativação:

Objetivos
- discutir as noções de natureza e cultura a partir de disciplinas diversas – economia, antropologia, filosofia, ecologia;
- estudar os impactos ambientais antrópicos ao longo da história da humanidade e os conceitos de justiça ambiental e antropoceno;
- estudar a história do pensamento conservacionista, suas principais noções e conceitos utilizados no seu estudo;
- levantar, analisar e discutir os diversos aspectos e pontos de vista em relação à questão ambiental contemporânea a partir de estudos de caso de desastres ambientais e viagens didáticas;
- levantar e analisar os dados históricos, sócio-ambientais e de manejo de unidades de conservação;
- estudar os aspectos sócio-econômicos e político-culturais da noção de sustentabilidade.
- viagens didáticas para a aplicação dos aspectos teóricos em um caso prático;
- promover atividades de extensão que fomentem a compreensão dos aspectos teóricos estudados, através de interações e colaborações com a comunidade, estimulando assim a aplicação prática e o engajamento dos alunos no ambiente em que estão inseridos.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
55801 - Carlos Roberto Monteiro de Andrade
5206266 - Marcel Fantin
 
Programa Resumido
As relações entre natureza e cultura em diversas sociedades e períodos históricos;
A questão ambiental, seus aspectos históricos e teóricos, suas implicações nas sociedades contemporâneas.
O pensamento conservacionista, seu histórico e principais formulações;
Desenvolvimento econômico e impactos ambientais: a noção de sustentabilidade.
 
 
 
Programa
1- Natureza e cultura 
- a natureza para sociedades diversas, em culturas nômades e culturas sedentárias;
- a natureza para o homem moderno;
- as novas políticas da natureza no século XX;
- a arte e a construção de um modo de se olhar a natureza;

2- A história da questão ambiental 
- desastres ambientais da antiguidade;
- o desflorestamento na história da Europa e das Américas;
- o Movimento Conservacionista na Europa e nos EUA;
- a conservação da natureza no Brasil;
- a emergência da questão ambiental no século XX;
- novos campos disciplinares: da ecologia à história ambiental;
- desastres ambientais.

3- A conservação da natureza no Brasil: estudo de unidades de conservação 
- conceito, histórico e legislação;
- estudo de casos de manejo de unidades de conservação; 

4- Economia e política da sustentabilidade 
- histórico da noção de sustentabilidade;
- movimento Conservacionista e Ambientalista no século XX;
- do livro “Primavera Silenciosa” à "Rio + 20"; a "Agenda 21";
- conceitos de justiça ambiental e antropoceno;
- teorias do desenvolvimento sustentável.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Realização de seminários, viagens didáticas e visitas a campo; Elaboração de resenha de livro e trabalho prático a partir de atividade extensionista.
Critério
Média ponderada das notas nos seminários, monografia, resenha, trabalho extensionista e prova.
Norma de Recuperação
Prova.
 
Bibliografia
     
Bibliografia básica:
ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campello Amaral; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 160 p. ISBN: 9788576171591, 2009. AA.VV. (2001); Seminário Nacional sobre Desastres Ambientais. Brasília: CONFEA.
AB’SABER, Aziz (2003); Os Domínios de Natureza no Brasil. Cotia: Ateliê.
BARROS, Wanderbilt Duarte de (1952); Parques Nacionais do Brasil, Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura.
______ (1955); Parque Nacional do Itatiaia, Rio de Janeiro: Serviço de Informação Agrícola.
BENJAMIN, A.H. (org.) (2001); Direito Ambiental das Áreas Protegidas. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 190-231.
BRITO, Maria Cecília Wey de (2000); Unidades de Conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume e FAPESP.
CALIJURI, Maria do Carmo e CUNHA, Davi Gasparini Fernandes (Coord.) (2013); Engenharia Ambiental: conceitos, tecnologia e gestão, Rio de Janeiro: Elsevier.
CARSON, Rachel (1964); Primavera Silenciosa, São Paulo: Ed. Melhoramentos.
CAVALCANTI, C. (2001); Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez.
CROSBY, Alfred W. (1993); Imperialismo Ecológico: a experiência biológica da Europa 900-1900, São Paulo: Companhia das Letras.
CRUTZEN, P.; STOERMER, E. The Anthropocene. IGBP Global Change News, v. 41, p. 17-18, 2000.
CRUTZEN, P. Geology of Mankind. Nature, v. 415, p. 23, Jan. 2002.
DEAN, Warren (1996); A Ferro e Fogo. A história da devastação da mata atlântica brasileira, São Paulo: Companhia das Letras.
FOX, Stephen (1981); The American Conservation Movement. John Muir and his legacy, Boston: The Univ. of Wisconsin Press.
Guias Philips (1999); Parques Nacionais Brasil, São Paulo, Empresa das Artes, Publifolha. 
GUHA, Ramachandra & MARTINEZ-ALIER, Juan (1997); Varieties of Environmentalism. Essays North and South. London: Earthscan Publications Ltd.
KAPLAN, Jed O.; KRUMHARDT, Kristen M., ZIMMERMANN, Niklaus (2009); “The prehistoric and preindustrial deforestation of Europe”. Quaternary Science Reviews 28, 3016–3034.
MARQUES, Luiz (2015); Capitalismo e Colapso Ambiental. Campinas: UNICAMP.
NOVAES, Washington (2002); A Década do Impasse – da Rio 92 à Rio + 10, São Paulo: Estação Liberdade.
PÁDUA, José Augusto (2002); Um Sopro de Destruição. Pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888), Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
PHILIPPI JR., A.; ALVES, A. C. (2005). Curso Interdisciplinar de Direito Ambiental. São Paulo: Manole.
RIBON, Michel (1991); A Arte e a Natureza, Campinas: Papirus.
SACHS, Ignacy (1986); Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir, São Paulo: Vértice.
SÁNCHES, S. S. (2000); Cidadania Ambiental: Novos Direitos no Brasil. São Paulo: Humanitas.
________ (2000); Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável, Rio de Janeiro: Garamond.
SANTOS, Margaret Ferreira dos (1996); “A implementação do desenvolvimento sustentável a partir da ótica conservacionista”, In: Cadernos de Arquitetura, FAAC/UNESP, Bauru: ano 1, n°1, jan-jun, pp.51-9.
¬¬¬________ (1999); Por uma Sociedade Conservacionista: Idéias e expoentes da conservação da natureza no Brasil, São Carlos: EESC/USP, Tese de doutorado.
________ (2005); “Manifestações pela conservação da natureza no Brasil (1784-1889)”. In: Revista UNIARA, Araraquara: nº16, pp.15-46.
SERRA, Cristina (2018); Tragédia em Mariana: a história do maior desastre ambiental no Brasil. Rio de Janeiro: Record.
STEFFEN, Will; CRUTZEN, Paul J. ; McNEILL, John R.  (2007); The Anthropocene: Are Humans Now Overwhelming the Great Forces of Nature. Journal of the Human Environment, 36(8):614-621.
TIEZZI, Enzo (1988); Tempos Históricos, Tempos Biológicos: a Terra ou a morte. Os problemas da nova ecologia, São Paulo: Nobel.
THOMAS, Keith (1988); O Homem e o Mundo Natural. Mudança de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800), São Paulo: Companhia das Letras.
VASCONCELLOS, Gilberto Felisberto e VIDAL, J. W. Bautista (2002); Poder dos Trópicos, São Paulo: Casa Amarela.

Bibliografia complementar:
Consórcio do Grande ABC. 1° Inventário Regional de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Grande ABC, 2016a, 56 p.
Consórcio do Grande ABC. Plano de ação de enfrentamento às mudanças climáticas do Grande ABC, 2016b, 56 p.
Franco, M. de A. R., Osse, V. C., & Minks, V. (2013). Infraestrutura verde para as mudanças climáticas no C40. Revista LABVERDE, (6), 220-235. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i6p220-235.
Speranza, J. et al. Monitoramento da Implementação da política climática brasileira: implicações para a contribuição nacionalmente determinada, Working Paper, São Paulo: WRI Brasil, Novembro, 2017, p18
Valverde, M.C. A interdependência entre vulnerabilidade climática e socioeconômica na região do ABC Paulista, Ambiente & Sociedade, 20/3, jul./set. 2017.
Viola, E. A Politica Climática Global e o Brasil: 2005-2010, Revista, Tempo do Mundo, agosto, 2010, 2/2 p93.
GONÇALVES, Nádia Gaiafatto; QUIMELLI, Gisele Alves de Sá. Princípios da Extensão Universitária: contribuições para uma discussão necessária. CRV, 2020.
OLIVEIRA, Irlane Maria de; CHASSOT, Attico. Saberes que Sabem à Extensão Universitária. Paco Editorial, 2019.
 

Clique para consultar os requisitos para IAU0314

Clique para consultar o oferecimento para IAU0314

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2024 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP