Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Estudos Brasileiros
 
Instituto de Estudos Brasileiros
 
Disciplina: IEB0250 - Estado e Cultura no Brasil: Políticas para as Artes
State and Culture in Brazil: policy for arts

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 75 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2010 Desativação:

Objetivos
A disciplina aborda diversos momentos históricos em que o Estado brasileiro constituiu modelos de políticas culturais com vistas a promover tipos específicos de criação artística. Nesse sentido, pretende-se debater os vínculos entre a produção cultural e o imaginário nacional, promovendo a reflexão sobre a especificidade das relações entre cultura e poder no Brasil. Visa-se compreender a interação entre elites sociais e políticas e grupos de artistas, por meio da análise das encomendas, dos projetos culturais e dos estilos institucionalmente preponderantes em momentos particulares da história do país. A partir do debate sobre a aplicabilidade e os limites das proposições teóricas e metodológicas estabelecidas pela sociologia da cultura, pretende-se compreender as construções culturais como produtos de complexas interações entre artistas, grupos de artistas e elites sociais e políticas, cristalizadas por meio de instituições culturais e discursos estéticos, que são assim tomados como práticas culturais contextualizadas.
 
The discipline comprises diverse historic moments in which the Brazilian State constituted models of cultural policies seeking the promotion of specific types of artistic creation. In this sense, it is intended to debate the bonds between cultural production and the national imaginary promoting the consideration of the specificity of the relations between culture and power in Brazil. It is aimed at the comprehension of the interaction between social and political elites and groups of artists by means of analysis of the orders, the cultural projects and the institutionally preponderant styles in particular moments of the country´s history. From the debate about the applicability and the limits of the theoretical and methodological propositions established by sociology of culture, it is intended to comprehend cultural constructs as products of complex interactions among artists, groups of artists and social and political elites, crystallized through cultural institutions and aesthetic discourses which are, thus, taken as contextualized cultural practices.
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
125510 - Ana Paula Cavalcanti Simioni
 
Programa Resumido
A disciplina aborda diversos momentos históricos em que o Estado brasileiro constituiu modelos de políticas culturais com vistas a promover a criação artística. Nesse sentido, pretende-se debater os vínculos entre a produção cultural e o imaginário nacional, analisando os diversos modos de mecenato estatal e as respostas oferecidas pelos artistas às demandas políticas.
 
 
 
Programa
1. Instituições culturais no Brasil pós-Independência;
2. O Primeiro Reinado e a institucionalização das práticas acadêmicas;
3. O Segundo Reinado e a construção do Romantismo como discurso nacional
no Brasil
4. A pintura de paisagem e a pintura de história no Brasil: representações da
nação “oficiais”?;
5. A Primeira República brasileira e a III República francesa: diálogos e
dissonâncias na importação de modelos durante a Belle Époque no Brasil;
6. Vanguardas nacionais e modelos internacionais: Modernismo(s), relações
de mecenato e distinção;
7. Intelectuais, artistas e elites dirigentes entre 1930 e 1945;
8. A oficialização do Modernismo na Era Vargas;
9. O SPHAN e a institucionalização do patrimônio brasileiro;
10. Encomendas públicas e consagração dos modernistas: as gestões J. K.;
11. Artistas e Estado nos anos 1960: o mercado dos bens simbólicos.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, debates sobre textos, visitas a exposições e análise de
imagens e/ou filmes.
Critério
Participação nas aulas/seminários e atividades extra-classes; Leitura dos textos
recomendados; Realização das provas e trabalhos indicados.
Norma de Recuperação
Aprovação com média igual ou superior a 5,0. Recuperação para os alunos que
que obtiverem média entre 3,0 e 4,9, para tanto, realização de prova ou
trabalho na época discriminada pela Pró-Reitoria de Graduação.
 
Bibliografia
     
AMARAL, Aracy. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira. São Paulo: Studio Nobel, 2003.
AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22. São Paulo: Ed. 34, 1998.
ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Metrópole e cultura: São Paulo no meio do século XX. Bauru: EDUSC, 2001.
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras 1997.
CANDIDO, A. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: T.A. Queiroz, 2000.
CANDIDO, A. O Romantismo no Brasil. São Paulo, Humanitas, 2002.
CARVALHO, José Muiro de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.
COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX?. São Paulo: SENAC, 2005.
DIAS, Elaine. “A representação da Realeza no Brasil: uma análise dos retratos de D. João VI e D. Pedro I, de Jean-Baptiste Debret”. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 14, n. 1, 2006.
DUARTE, Paulo Sergio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Campos Gerais, 1998.
FABRIS, Annateresa. “Modernidade e vanguarda: o caso brasileiro”. In: Modernidade e modernismo no Brasil. Campinas: Mercado das letras, 1994;
FABRIS, Annateresa.Cândido Portinari. São Paulo: EDUSP, 1996.
FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo. Trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/MINC/IPHAN, 2005.
MARQUES, Luiz. 30 Mestres da pintura no Brasil. 30 anos Credicard. São Paulo: MASP, 2001.
MICELI, Sergio. Nacional Estrangeiro, história social e intelectual do modernismo artístico em São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
MICELI, Sergio. Intelectuais a Brasileira. São Paulo: Cia das Letras, 2005.
MIGLIACCIO, Luciano. O século XIX. Catálogo da mostra do redescobrimento. (AGUILAR, Nelson, org). São Paulo: Associação Brasil 500, 2000.
ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. Cultura Brasileira e Indústria Cultural. São Paulo: Brasiliense, 2001.
RICUPERO, Bernardo. O Romantismo e a idéia de nação no Brasil (1830-1870). São Paulo: Martins Fontes, 2004.
RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Artistas da revolução, do CPC à era da tv. São Paulo: Record, 2000.
SCHWARCZ, Lilia Katri Moritz. “A natureza como paisagem: imagem e representação no Segundo Reinado”. In: Revista USP, jun-jul-ago 2003, nº 58.
SCHWARCZ, Lilia. “Complexo de Zé Carioca. Notas sobre uma identidade mestiça e malandra”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº29, ano 10, outubro de 1995.
SCHWARZMAN, Simon et al. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: EDUSP, 1984;
SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão. Tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Cia das Letras, 2003.
SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. “A viagem dos artistas brasileiros a Paris em finais do século XIX”. Revista Tempo Social. Revista do departamento de Sociologia da USP, vol 17, nº1, junho de 2005.
VAISSE, Pierre. La Troisième République et les peintres: Recherches sur les rapports des pouvoir publics et de la peinture en France de 1870 à 1914. Paris: Flammarion,1995;.
WILLIAMS, Daryle. Culture Wars in Brazil. The First Vargas Regime, 1930-1945. London: Duke University Press, 2001.
 

Clique para consultar os requisitos para IEB0250

Clique para consultar o oferecimento para IEB0250

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP