Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Estudos Brasileiros
 
Instituto de Estudos Brasileiros
 
Disciplina: IEB0260 - Antropologia da Ciência e da Tecnologia
Anthropology of Science and Technology

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
O curso deve abordar os seguintes temas: Como situar a antropologia nos estudos de ciência? Qual o partido epistemológico e o rendimento de uma antropologia da ciência e da tecnologia na compreensão da modernidade? Como considerar o candente dilema contemporâneo em antropologia a respeito do que seja o dado e o construído nos fenômenos sociais? Como situar a noção de cultura e sociedade (soft sciences) em contraste à noção de ciência e natureza (hard sciencies) face aos impactos epistemológicos dessa abordagem contemporânea inovadora em estudos de ciência?
 
The discipline addresses the following topics: How to place anthropology amid the studies of science? What is the epistemological party and efficiency of an anthropology of science and technology in the comprehension of modernity? How to consider the candent contemporary dilemma of anthropology regarding what is given and what is constructed in the social phenomena? How to place the notions of culture and society (soft sciences) in contrast to the notions of science and nature (hard sciences) in the context of the epistemological impacts of this contemporary and innovative approach to the studies of science?
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2338320 - Stelio Alessandro Marras
 
Programa Resumido
O curso deve abordar os seguintes temas: Como situar a antropologia nos estudos de ciência? Qual o partido epistemológico e o rendimento de uma antropologia da ciência e da tecnologia na compreensão da modernidade? Como considerar o candente dilema contemporâneo em antropologia a respeito do que seja o dado e o construído nos fenômenos sociais? Como situar a noção de cultura e sociedade (soft sciences) em contraste à noção de ciência e natureza (hard sciencies) face aos impactos epistemológicos dessa abordagem contemporânea inovadora em estudos de ciência?

 
 
 
Programa
1. Antropologia e ciência; 2. Epistemologias sociológicas contemporâneas; 3. Reemergência contemporânea da natureza na política;4. Cultura da natureza e natureza da cultura, e 5. Domínios de conhecimento e desafios da interdisciplinaridade.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas teóricas, seminários e discussão de textos.
Critério
A avaliação será realizada por meio de prova e trabalho.
Norma de Recuperação
De acordo com a Resolução COG 3583 de 29/09/89 terão direito à recuperação os alunos que tiverem alcançado frequência regimental e nota 3,0 (três). A avaliação será realizada por meio de prova.
 
Bibliografia
     
BRONOWSKI, Jacob
1977. O senso comum da ciência. Belo Horizonte/São Paulo: Ed. Itatiaia/Ed. da Universidade de São Paulo.
COLLINS, Harry & PINCH, Trevor
2003. ?O Golem: o que você deveria saber sobre ciência. São Paulo: Editora Unesp.
DAWKINS, Richard
1979. O gene egoísta. Belo Horizonte/São Paulo: Ed. Itatitaia/Edusp.
DARWIN, Charles
2002. A origem do homem e a seleção sexual. Curitiba: Hemus.
2004. A origem das espécies. Rio de Janeiro: Ediouro.
s/d. The variation of animals and plants under domestication. In: www.gutemberg.org/etext
DESCOLA, Philippe
2005. ?Le monde plié en quatre (Entretien par Natalie LeviSalles). Liberation (17 novembre)
GLEICK, James
1989. Caos – a criação de uma nova ciência. Rio de Janeiro: Elsevier.
GOULD, Stephen Jay
1999. Darwin e os grandes enigmas da vida. São Paulo: Martins Fontes.
INGOLD, Tim
2003. ?A evolução da sociedade. In A. C. Fabian (org.): Evolução: sociedade, ciência e universo. Bauru, SP: Edusc.
ACOB, François
1981. Le jeu des possibles – essai sur la diversité du vivant. Paris: Fayard.
LATOUR, Bruno
1994. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Ed. 34.
1996. "Do humano nas técnicas: entrevista com Bruno Latour". In: Ruth Scheps (org.): O império das Técnicas. Campinas: Papirus.
2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora da Unesp.
2001. A esperança de Pandora – ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: Edusc.
2002. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru, SP: Edusc.
2004a. Políticas da natureza – como fazer ciência na democracia. Bauru, SP: Edusc.
2004b. Por uma antropologia do centro. (Entrevista por Renato Sztutman e Stelio Marras). In: Revista Mana: Estudos de Antropologia Social 10(2). Rio de Janeiro: Museu Nacional/PPGAS/UFRJ.
2005. Reassembling the social – an introduction to Actor-Network-Theory. Oxford: Oxford University Press.
2006. ?Como terminar uma tese de sociologia: pequeno diálogo entre um aluno e seu professor (um tanto socrático). In: Cadernos de Campo 15(14-15). São Paulo: Departamento de Antropologia/PPGAS/FFLCH/USP.
s/d. Guerre des mondes: offres de paix. In: http://www.bruno-latour.fr/articles/article/081.html
LATOUR, Bruno & WOOLGAR, Steve
1997. A vida de laboratório – a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
LATOUR, Bruno; SCHWARTZ, F.; CHARVOLIN, F. E.
1998 ?Crise dos meios ambientes: desafios às ciências humanas. In: Hermetes Reis de Araújo (org.): Tecnociência e cultura: ensaios sobre o tempo presente. São Paulo: Estação Liberdade.
LÉVI-STRAUSS, Claude
1989. O pensamento selvagem Campinas. São Paulo: Papirus.
MARRAS, Stelio
2002. ?Ratos e homens – e o efeito placebo: um reencontro da Cultura no caminho da Natureza. In: Revista Campos 2. PPGAS/UFPR.
2006. ?Como não terminar uma tese: pequeno diálogo entre o estudante e seus colegas. In Cadernos de Campo 15(14-15). São Paulo: Departamento de Antropologia/PPGAS/FFLCH/USP (jan.-dez.).
2008. ?Do natural ao social: as substâncias em meio estável. In S. L. Goulart, M. Fiore, B. C. Labate, E. MacRae, H. Carneiro (orgs): Drogas: novas perspectivas. Salvador: UFBA.
MAYR, Ernst
2005. Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. São Paulo, Companhia das Letras.
MONOD, Jacques
1971. O acaso e a necessidade. Ensaio sobre a filosofia natural da biologia moderna. Petrópolis, RJ: Vozes.
PIGNARRE, P.
1999. O que é o medicamento? Um objeto estranho entre ciência, mercado e sociedade. São Paulo: Editora 34.
PINKER, Steve
2004. Tábula rasa: a negação contemporânea da natureza humana. São Paulo: Companhia das Letras.
PRIGOGINE, Ilya
1996. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editora Unese.
PRIGOGINE, Ilya & STENGERS, Isabelle
1984. A nova aliança: metamorfose da ciência. Brasília: Editora da UnB
SHAPIN, Steven & SCHAFFER, Simon
1985. Leviathan and the Air-Pump: Hobbes, Boyle, and the Experimental Life, Princeton: Princeton University Press.
SIMONDON, Gilbert
1964. L’individu et as gênese physico-biologique: l’individuation forme et d’information. Paris: PUF.
STENGERS, Isabelle
2002. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34.
STRATHERN, Marilyn
1996. "Cutting the Network. In: Journal of the Royal Anthropological
TARDE, Gabriel Tarde.
2007. Monadologia e sociologia – e outros ensaios. São Paulo, Cosac Naify, 2007
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo
1999. Entrevista para a revista Sexta Feira 4: Corpo.
WAGNER, Roy
s/d. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify. no prelo.
 

Clique para consultar os requisitos para IEB0260

Clique para consultar o oferecimento para IEB0260

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP