Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Instituto de Estudos Brasileiros
 
Instituto de Estudos Brasileiros
 
Disciplina: IEB0267 - Antropologia e Biologia: Conexões Interdisciplinares
Anthropology and Biology: interdisciplinary connections

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
1. Promover conexões entre antropologia, biologia e filosofia a partir de experimentos interdisciplinares contemporâneos entre as áreas.
2. Re-iluminar o objeto das disciplinas em questão com vistas a abrir suas fronteiras.
3. Reconhecer outras imagens de natureza e de humano que emergem dessas experiências de pensamento sensíveis ao empírico etnográfico e etológico.
4. Exercitar desconfiança em relação aos abismos entre filosofia e ciência a partir de dados etnográficos e etológicos de campo.
 
1. Fostering connections between anthropology, biology and philosophy from the standpoint of contemporary interdisciplinary experiments across the fields.
2. Shedding new light on the object of each discipline, seeking to open up their borders.
3. Acknowledging different images of nature and the human emerging from these experiences of thought that take into ethnographic, ethological and empirical approaches.
4. Based on ethological and ethnographic data coming from fieldwork, unpacking the divide between philosophy and science.
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2338320 - Stelio Alessandro Marras
 
Programa Resumido
Este curso pretende apresentar um rol de discussões atuais sobre os já inevitáveis trânsitos entre disciplinas até há pouco tempo estáveis em seus objetos.
Qual imagem de natureza e de humano pode emergir dessas experiências de pensamento situado em campo?
Como tornar operacionais, para as novas pesquisas, conceitos como o de “emergência”, “naturezasculturas”, “simetria”, “emaranhamento”, “affordances”, “embodiment”, “enaction”, “co-respondências”, “cosmopolítica”?
 
This course aims to present various current debates about the already inevitable crossings between disciplines whose objects used to be significantly stable until recently.
What image of nature and the human can emerge from such field-situated experiences of thought?
How to make concepts such as "emergence", "naturecultures", "symmetry", "entanglement", "affordances", "embodiment", "enaction", "co-respondence" and "cosmopolitics" become operational to new research?
 
 
Programa
Este curso pretende apresentar um rol de discussões atuais sobre os já inevitáveis trânsitos entre disciplinas até há pouco tempo estáveis em seus objetos. Os autores mobilizados buscam precisamente experimentar esses trânsitos, mas atentos a não reduzir os fenômenos a pressupostos, de um lado, sociológicos, e, de outro, naturalistas.
Qual imagem de natureza e de humano pode emergir dessas experiências de pensamento? Como falar do natural e do social sem se valer da divisão entre res extensa e res cogitans, entre exterioridade dos não-humanos e interioridade dos humanos?
Como tornar operacionais, para as novas pesquisas, conceitos como o de “emergência”, “naturezasculturas”, “simetria”, “emaranhamento”, “affordances”, “embodiment”, “enaction”, “co-respondências”, “cosmopolítica”?
 
This course aims to present various current debates about the already inevitable crossings between disciplines whose objects used to be significantly stable until recently. It resorts to thinkers that undertake these crossings consciously enough to avoid reducing the studied phenomena to sociological or naturalist assumptions.

What image of nature and the human can emerge from such field-situated experiences of thought? How to speak of the natural and the social without recourse to the division between res extensa and res cogitans, between the externality of the nonhuman and the interiority of the human?

How to make concepts such as "emergence", "naturecultures", "symmetry", "entanglement", "affordances", "embodiment", "enaction", "co-respondence" and "cosmopolitics" become operational to new research?
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas e discussão de textos.
Critério
Participação em aula, aferição de leituras, frequência e avaliação de trabalho escrito que incorpore conceitos e discussões do curso.
Norma de Recuperação
De acordo com a resolução COG 3583 de 29/09/89, terão direito à recuperação os alunos que tiverem alcançado freqüência regimental e nota 3,0 (três). Avaliação: prova oral, escrita e entrega de trabalho.
 
Bibliografia
     
Agambem, G.: L'Ouvert: de l'homme et de l'animal. Paris, Payot & Rivages, 2002.
Arhem, Kaj. “The cosmic food-web: human-nature relatedness in the Northwest Amazon”. In Descola, P. & Pálsson, G. (eds), Nature and Society: Anthropological Perspectives, Routledge, 1996.
Bateson, Gregory: Mente e Natureza: uma unidade necessária. Rio de Janeiro, Ed. Francisco Alves, 1986.
Buchanan, Brett. Onto-Ethologies: The Animal Environments of Uexküll, Heidegger, Merleau-Ponty, and Deleuze. State University of New York Press, 2008
Cowperthwaite, Gabriela. “Blackfish – Fúria animal” (filme documentário). Estados Unidos, 2013, 83 minutos.
Descola, P. La selva culta : simbolismo y praxis en la ecología de los Achuar. Quito, Ed. Abya-Yala, 1996.
Gibson, J. J. The ecological approach to visual perception. Hillsdale, New Jersey, Lawrence Erlbaum Associates, 1986.
HARAWAY, Donna. The companion species manifesto: dogs, people, and significant otherness. Chicago, Prickly Paradigm Press, 2003.
HARAWAY, D. When species meet. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008
Ingold. T. “Beyond biology and culture: the meaning of evolution in a relational world”. In Social Anthropology, vol. 12, número 2, Cambridge University Press, junho de 2004, pp 209-221.
Ingold, T. “Pare, olhe, escute! Visão, audição e movimento humano”. Ponto Urbe, Ano 2, versão 3.0, NAU-USP, jul./ 2008
Kohn, Eduardo. “How Dogs Dream: Amazonian Natures and the Politics of Transpecies Engagement,” American Ethnologist 34(1):3-24.
Latour, Bruno: Jamais fomos modernos – ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 1994.
MACIEL, M. E. (org.): Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis, Editora da UFSC, 2011.
Oliveira, C. Joana. Entre plantas e palavras. Modos de constituição de saberes entre os Wajãpi (AP). São Paulo, Universidade de São Paulo, Tese de doutoramento FFLCH/USP, 2012.
SONIGO, P. &. STENGERS, I. L'Évolution. Paris, EDP Sciences, 2003.
STENGERS, I. The cosmopolitical proposal. In: LATOUR, B.; WEIBEL, P. (Org.). Making things public: atmospheres of democracy. Cambridge: MIT Press, 2005. p. 994-1003
STRUM, Shirley S.; LATOUR, Bruno. Redefining the social link: from baboons to humans, em Social Science Information 26(4), 1987, 783-802.
Viveiros de Castro, Eduardo. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. In Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1996.
 

Clique para consultar os requisitos para IEB0267

Clique para consultar o oferecimento para IEB0267

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP