Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Energia e Ambiente
 
Disciplinas do Instituto de Energia e Ambiente
 
Disciplina: IEE0002 - Gestão e Estratégia na Industria do Petróleo e do Gás Natural
Management and Strategy in the Oil and Natural Gas Industry

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2006 Desativação:

Objetivos
Petróleo e gás natural são insumos essenciais para as atividades econômicas. Nos últimos anos a indústria do petróleo e gás natural tem apresentado grandes desenvolvimentos tecnológicos, mas igualmente em seu processo de gestão. Dentro da Escola Politécnica, muitas disciplinas têm sido oferecidas focando-se em diferentes aspectos tecnológicos da indústria, contudo a compreensão de seus processos de gestão nem sempre é suficientemente abrangente, pois são questões que muitas vezes ultrapassam a dimensão puramente de engenharia. Esta disciplina focará principalmente nessa dimensão de Gestão e Econômica da indústria. Ao mesmo tempo, espera-se apresentar uma visão abrangente e estratégica, permitindo aos estudantes refletirem sobre o papel futuro do petróleo e do gás natural na matriz energética brasileira e mundial, bem como entender os principais desafios dessa indústria.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
364052 - Edmilson Moutinho dos Santos
2069741 - Virginia Parente de Barros
 
Programa Resumido
Fornecer uma visão geral de alguns elementos de gestão da indústria do petróleo e do gás natural. O curso também apresenta aplicações de análise econômica à indústria do petróleo e do gás natural, discutindo sobre critérios de análise de investimento; problemas de preço e outros temas pontuais que permitirão aos estudantes identificarem e refletirem sobre os principais desafios da indústria do petróleo e gás natural, bem como sobre o papel futuro reservado ao petróleo e ao gás na matriz energética brasileira e mundial.
 
 
 
Programa
Fornecer uma visão geral de alguns elementos de gestão da indústria do petróleo e do gás natural. O curso também apresenta aplicações de análise econômica à indústria do petróleo e do gás natural, discutindo sobre critérios de análise de investimento; problemas de preço e outros temas pontuais que permitirão aos estudantes identificarem e refletirem sobre os principais desafios da indústria do petróleo e gás natural, bem como sobre o papel futuro reservado ao petróleo e ao gás na matriz energética brasileira e mundial. Entre outros, a disciplina cobrirá os seguintes tópicos:
- Recursos naturais e sua explotação;
- Conceitos de reservas;
- Conceito de rendas minerais;
- Discussão sobre a sustentabilidade das reservas de petróleo e gás no plano nacional e global;

- O papel do petróleo e do gás no desenvolvimento
- Padrões de desenvolvimento e o papel do petróleo e do gás;
- Os impactos econômicos e sócio-ambientais;
- Dimensões estratégicas do petróleo e gás natural;

- Análise de Investimentos em Projetos de Petróleo e Gás Natural
- Revisão dos conceitos de Análise de Investimento – Aplicações ao petróleo e gás natural;
- Análise sob incerteza;

- Gestão de riscos;
- O Financiamento dos projetos;
- Preços e Mercados
- Introdução aos preços e aos mercados de petróleo e gás natural;

- Gestão – Estratégia e Flexibilidade

- Tópicos Avançados de Atualidade da Gestão do Petróleo e Gás Natural.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, desenvolvimento de exercícios em sala e fora de sala de aula, discussão de casos práticos.
Critério
Provas em classe, entrega mínima de exercícios e casos práticos elaborados fora de sala de aula.
Norma de Recuperação
Freqüência mínima de 70% e nota igual ou superior a 3,00 e inferior a 5,00 possibilita prova de recuperação.
 
Bibliografia
     
ALMEIDA, E.L.F.; TREBAT, N. (2003). Drivers and Barriers to Cross-Border Gas Trade in Southern Cone. In: Coloquio Energía, Reformas Institucionales y Desarrollo en América Latina, 5 a 7 de noviembre, 2003, Universidad Nacional Autónoma de México – UNAM; Ciudad de México, México.

BEAUDREAU, B. (1999). List of References in Energy and Economic Growth. Disponível em: http://www.nuff.ox.ac.uk/Economics/Growth/refs/energy.htm. Acesso em 09 de abril de 2004.

BEN (2003). Balanço Energético Nacional / 2003. Ministério de Minas e Energia, Brasília, 2003. Disponível em: http://www.mme.gov.br.

BROWN, Stephen P. A.; YÜCEL, Mine K. (2003). Oil Prices and U.S. Aggregate Economic Activity: A Question of Neutrality. Disponível em: http://www.dallasfed.org/research/efr/1999/efr9902b.pdf. Acesso em 15 de abril de 2004.

CARRENO, A.S. (2003). Manual de Energia – Electricidad y Gas Natural. Salesiano S.A., GasAtacama, Chile.

CLUVER, F.H., COOPER, C.J., KOTZé, D.J. (1999). The role of energy in economic growth. INSTITUTE FOR ENERGY STUDIES, Rand Afrikaans University, Johannesburg, South Africa. Disponível em: http://www.worldenergy.org/wec-geis/publications/default/tech_papers/17th_congress/1_1_17.asp. Acesso em 09 de abril de 2004.

CORNOT-GANDOLPHE, S. (2002). Flexibility in Natural Gas Supply and Demand. OECD, IEA, Paris, 2002.

DAVIS, P. (2002). 2020: The Impossible Forecast. In: Presentation given at the IEA Energy Experts' Meeting. Abu Dhabi. 28 January, 2002.

ERRERA, S.; BROWN, S. (1999). Fundamentals of Trading Energy Futures and Options. Pennwell Books, Tulsa, Oklahoma.

EXXONMOBIL (2003). ExxonMobil's 2003 Economic and Energy Outlook. Disponível em: http://www.exxon.mobil.com. Acessado em: 15 de janeiro de 2004.

EWERT, K.S. (1988). The International Debt Crisis. Published in the Freeman Ideas on Liberty. September. Disponível em: http://www.fee.org/vnews.php?nid=1961.

GOLDSMITH, Edward, R. Allen, M. Allaby, J. Davoll, and S. Lawrence. (1972). Blueprint for Survival. Houghton Mifflin Co., Boston.

IEA – International Energy Agency (1998). Natural Gas Pricing in Competitive Markets, Paris: OECD.

IEA – International Energy Agency (2002). World Energy Outlook 2002, Paris: OECD.

IEA – International Energy Agency (2003). World Energy Investment Outlook 2003, Paris: OECD.

IFP – Institut Français du Pétrole (2004). Oil and Gas Exploration and Production – Reserves, Costs and Contracts. Editions Technip, Paris, França.

INE – Instituto Nacional de Estadísticas (2003). PRINCIPALES INDICADORES ECONÓMICOS DE BOLIVIA Y BRASIL. Disponível em: http://www.ine.gov.bo. Acessado em 25 de abril de 2004.

JOHNSTON, D. (1994). International Petroleum Fiscal Systems and Production Sharing Contracts, Pennwell Books, Tulsa, Oklahoma.

JOHNSTON, D.; BUS, J. (1998). International Oil Company Financial Management in Non-technical Language, Pennwell Books, Tulsa, Oklahoma.

LACHAL, B.; ROMERIO, F. (edit.) (2003). L’énergie, controversies et perspectives. Centre universitaire d’édute des problèmes de l’énergie, Genève, Suisse (ISBN: 2-940220-03-4).

LOWE, J.S. (1995). Oil and Gas Law. West Publishing Co., St. Paul, Minn., USA.

MARTIN, J.M. (1966). Processus D’Industrialisation et Développement Énergétique du Brésil. Travaux Memoires de L’Institut des Hautes Études de L’Amérique Latine, Université de Paris, Paris.

MARTIN, J.M. (2003;1). La Restructuration des Industries de l’Energie dans la Mondialisation Économique. In: Coloquio Energía, Reformas Institucionales y Desarrollo en América Latina, 5 a 7 de noviembre, 2003, Universidad Nacional Autónoma de México – UNAM; Ciudad de México, México.

MEADOWS, Donella H., D.L. Meadows, J. Randers and W.W. Behrens (1972). The Limits to Growth: A Report for the Club of Rome's Project on the Predicament of Mankind. Universe Books, New York.

MORAE, G.I.; LOPES, L.A. (2004). A energia fóssil como uma armadilha no longo prazo: o adensamento energético da inflação. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO, 24 e 25, Itajubá, Brasil. Anais: Itajubá: Unifei 1 CD.

MOUTINHO DOS SANTOS, E. (2001); The Brazil and Gas Sector - Outlook and Opportunities. CWC Publishing Ltd. And Imedia Printed. Londres, 2001, v.1. p. 250.

MOUTINHO DOS SANTOS, E.; ZAMALLOA, G.C..; FAGÁ, M. T. W.; VILLANUEVA, L. D. (2002); Gás Natural: Estratégias para uma energia nova no Brasil. Editora Annablume, São Paulo, 2002, v.1. p. 367 (com apoio de Petrobras e FAPESP).

OLIVEIRA, A. [2000 – 2002]. The Political Economy of the Brazilian Power Industry Reform. Disponível em: http://pesd.stanford.edu/docs/2003mtg_mrkt_rfm/Brazil.pdf. Acesso em 12 de abril de 2004.

ORBAN III, J. (1991). Let’s talk an Oil Deal (series Your Key to Oil Patch Lingo). Meridian Press, Oklahoma City.

ORBAN III, J. (1997). Money in the Ground – Insider’s Guide to Oil and Gas Deals. Meridian Press, Oklahoma City, 4th Edition.

PARENTE, V.; MOUTINHO DOS SANTOS, E. (2004). Mecanismos de tributação com estímulo ao mercado do gás natural: Os casos da CIDE e da CDE. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO, 24 e 25, Itajubá, Brasil. Anais: Itajubá: Unifei 1 CD.

PERCEBOIS, J. (1989). Economie de l’Energie. Ed. Economica, Paris, pp. 689.

PINHEIRO, A.C. et al (2001). Brazilian Economic Growth, 1900–2000 Lessons and Policy. Disponível em: . Acesso em 08 de abril de 2004.

POULALLION, P. (2004). O gás natural – A energia da ruptura. In: Fórum da Energia. Disponível em: http://www.energiabrasil.com.br. Acesso em 18 de abril de 2004.

RAZAVI, H. (1996). Financing Energy Projects in Emerging Economies. Pennwell Books, Tulsa, Oklahoma .

ROBERTSON, S. (2004). LGN spending will reach $39 billion by 2007. Oil and Gas Journal, Jan 12, 2004. p. 62-65.

SCHURR, S.; NETSCHERT, B. (1960). Energy and the American Economy, 1850-1975, Johns
Hopkins University Press, Baltimore.

SEBA, R. D. (1998). Economics of Worldwide Petroleum Production. OGCI Publications. Tulsa, Oklahoma, USA.

SECEX - Secretaria de Comércio Exterior - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Dados de Produção, Importação e Consumo de Gás Natural. Disponível em: http://www.gasbrasil.com.br/atualidades/boletins/67/index.asp. Acessado em: 25 de abril de 2004.

SHELL (2001). Exploring the Future: Energy Needs, Choices and Possibilities – Scenarios to 2050. Shell International, London, 2001.

Shell Brasil Ltda. (2003). Energia para Gerações (coord. ALQUÉRES, J.L.). Rio de Janeiro, 92p (ISNB: 8589683-01-X)

SINTEF Energy Research – Disponível em: http://www.energy.sintef.no/publ/xergi/2000/4/art-4.htm & http://www.sintef.no/eway/default0.asp?pid=199&oid=0&trg=LeftPage_4143&MainPage_3296=4143:0::0:0:0:3296;::0:0:0&LeftPage_4143=3004:31250::0:3550:1:3296;4143;::10:0:0&lang=eng. Acesso em: 02 de maio de 2004.

STERN, David I.; CLEVELAND, Cutler J. (2003). Energy and Economic Growth. Department of Economics, Rensselaer Polytechnic Institute. Disponível em: http://www.rpi.edu/~sternd/Energy.pdf. Acesso em 09 de abril de 2004.

STERN, D. I. (1993). Energy use and economic growth in the USA, A multivariate approach,
Energy Economics 15: 137-150.

TAYLOR SEN, C. (2004). LNG poised to consolidate its place in global gas trade. Oil and Gas Journal, June 23, 2003, p.72-81.

TENDÊNCIAS (2003). Setor Elétrico Brasileiro – Cenários de Crescimento e Requisitos para a Retomada de Investimentos. Elaboração: Tendências Consultoria Integrada. 203 f. (2003).

TOMAN, M. A.; JEMELKOVA, B. (2003). Energy and economic development: an assessment of the state of knowledge, Energy Journal 24(4): 93-112.

UNDP – United Nations Development Program; WEC – World Energy Council (2000). World Energy Assessment: energy and the challenge of sustainability [edited by José Goldemberg]. (ISBN: 92-1-126126-0).

ZAMALLOA, G.A.C. (2004). Avaliação de alternativas tecnológicas (GNL e GTL) para a viabilização de jazidas de gás natural remotas em países em desenvolvimento – Estudo de caso: Jazida de Camisea no Peru. 2004. 219f. Tese (Doutorado em Energia) – Programa Interunidades de Pós-Graduação em Energia da Universidade de São Paulo.

WCED - World Commission on Environment and Development (Gro Harlem Brundtland, Chair). 1987. Our Common Future. Oxford University Press, Oxford

YERGIN, D. Énergie: En quête de l’énergie du futur. Le Point: Editions Affaires avec Business Week, 26 février 2004, p. 1640-1642.

Periódicos:

Offshore Technologies
Oil and Gas Journal
Petroleum Economist
Revista Brasil Energia
Revista Petro & Química
 

Clique para consultar os requisitos para IEE0002

Clique para consultar o oferecimento para IEE0002

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP