Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"
 
Ciências Biológicas
 
Disciplina: LCB2330 - Sistemática de Plantas Medicinais e Aromáticas
Medicinal and Aromatic Plant Systematics

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
Fornecer subsídios para a caracterização morfo-taxonômica das principais famílias botânicas, cujas espécies são utilizadas como fitoterápicos ou plantas aromáticas; Capacitar o aluno a reconhecer e identificar as espécies vegetais, mais empregadas em "medicina popular" e fitoterapia; Fornecer embasamento em reconhecimento de espécies vegetais medicinais e aromáticas, para que o aluno possa participar de disciplinas aplicadas correlacionadas a esta área. Esta disciplina tem um perfil voltado ao Curso de Graduação em Engenharia Agronômica.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2692712 - Lindolpho Capellari Junior
 
Programa Resumido
Introdução / História; Sistemas de classificação (Cronquist, Engler, APG III; Gifford & Foster) relacionados às Plantas Medicinais e Aromáticas; Principais Famílias de Pteridófitas, Gimnospermas e Angiospermas com Significativo Número de Espécies Medicinais; Excursão: visita técnica a um setor de pesquisas em plantas medicinais e aromáticas ou a um local com cultivo de plantas medicinais.
 
Introduction and history; Medicinal and aromatic plant classification systems (Cronquist, Engler, APG II; Gifford & Foster); Active principles and pharmacology; Field trips: technical visits to a research site in medicinal and aromatic plants and also to an agriculture site in the Atlantic Forest.
 
 
Programa
1. Parte Teórica: História das plantas medicinais e aromáticas em diversas culturas; Sistemas de Classificação; Evolução e arranjo filogenético das fanerógamas; Principais famílias onde são encontradas plantas medicinais tradicionais e potenciais (Angiospermas, Gymnospermas e Pteridófitas); 2. Parte Prática: as aulas práticas constam de reconhecimento das famílias das principais espécies de plantas medicinais e aromáticas, utilizando-se material botânico recém-colhido e/ou previamente fixados; 2.1. Morfologia e Sistemática: análise morfológica, esquematização floral e utilização de chaves analíticas dicotômicas para identificação das famílias. 2.2. Trabalho: coleta de material vegetal e confecção de exsicatas (unidades de herbário). 2.3. Excursões: CPQBA/UNICAMP, Campinas/SP ou Instituto Plantarum, Nova Odessa/SP (sujeito a alteração).
 
 
 
Avaliação
     
Método
Quatro trabalhos práticos - coleções herborizadas (5 espécies por mês).
Critério
Notas de 0 (zero) a 10 para os trabalhos. As notas mensais terão pesos variáveis, sendo a primeira a de menor valor e a última, a de maior.
Norma de Recuperação
A recuperação será feita pelos alunos que não atingiram a média suficiente para a aprovação, porém ficaram com média igual ou maior que a nota mínima exigida (média final entre 3,0 e 4,9) e com freqüência às aulas de no mínimo 70% do total de aulas ministradas. Após o término do período letivo, os alunos que forem reprovados com média entre 3,0 - 4,9 deverão entregar uma deverão entregar uma grande coleção de exsicatas (plantas herborizadas) representativas de classes, ordens e famílias estudadas no curso seguindo normas fornecidas pelo professor no final da disciplina (entrega no dia marcado para a prova de recuperação).
 
Bibliografia
     
ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group: Classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnaean Society, London, England. 141, 399-436. BAILEY, L.H. 1949. Manual of Cultivated Plants. Macmillan Co., New York, EUA. 116p. BARROSO, G.M.; GUIMARÃES, E.F.; ICHASO, C.L.F.; COSTA, C.G.; PEIXOTO, A.L. 1978. Sistemática de Angiospermas no Brasil. Livros Técnicos e Científicos Editora S/A. Rio de Janeiro, RJ. vols. 1, 2 e 3. BREMNESS, L. 1993. Plantas Aromáticas – Guia Prático. Companhia Editora do Minho S.A., Minho, Portugal. 240p. BREMNESS, L. 2001. Plantes Aromatiques et Médicinales. Kyodo Printing Co. Singapura, Singapura. 304p. CORRÊA, J.R.C.; MING, L.C.; SCHEFFER, M.C. 1994. Cultivo de Plantas Medicinais, Condimentares e Aromáticas. 2ª ed. FUNEP. Jaboticabal, SP. 151p. CRONQUIST, A. 1981. An Integrated System of Classification of Flowering Plants. Columbia Univ. Press., New York, EUA, 1262 p. ____. 1988. The Evolution and Classification of Flowering Plants. The New York Botanical Garden, New York, EUA, 555p. FELTY, S.L. 1985. Ervas Aromáticas. Livraria Nobel, São Paulo, SP. 64p. FERRI, M.G.; MENEZES, N.L.; MONTEIRO, W.R. 1981. Glossário Ilustrado de Botânica. Ed. Nobel. São Paulo, SP. 197p. GIACOMETTI, D.C. 1989. Ervas Condimentares e Especiarias. Livraria Nobel, São Paulo, SP. 158p. LAWRENCE, G.H.M. 1977. Taxonomia das Plantas Vasculares. Fundação Calouste Gulbenrian, Lisboa, Portugal. 855p. Vol. 2. LORENZI, H. 2008 Plantas Daninhas do Brasil. 4ª ed., Editora Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Nova Odessa, SP. 425p. _____.1992 Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Ed. Plantarum de Estudos da Flora Ltda. Nova Odessa, SP. 368p. LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. 2008. Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e Exóticas Cultivadas. 2ª ed., Ed. Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Nova Odessa, SP. 512p. LORENZI, H. 2003. Árvores Exóticas no Brasil. Ed. Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Nova Odessa, SP. 425p. MATTOS, F.J.A.; LORENZI, H.; SANTOS, L.F.L.; MATOS, M.E.O.; SILVA, M.G.V.; SOUSA, M.P. 2011. Plantas Tóxicas – Estudo de Fitoxicologia Química de Plantas Brasileiras. Ed. Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Nova Odessa, SP. 425p. MARANCA, G. 1986. Plantas Aromáticas na Alimentação. Livraria Nobel. São Paulo, SP. 123p. NEGRAES, P. 2003. Guia de A-Z de Plantas: Condimentos. Copyright BEÍ, São Paulo, SP. 267p. PANIZZA, S. 1998. Plantas que Curam - Cheiro de Mato. 6ª ed. IBRASA, São Paulo, SP. 279p. RIGUEIRO, M.P. 1992. Plantas que Curam. Edições Paulus, São Paulo, SP. 183p. RIZZINI, T.; MORS, W.B. 1976. Botânica Econômica Brasileira. Ed. Pedagógica e Universitária Ltda., São Paulo, SP, 207p. RODRIGUES, V.E.G.; CARVALHO, D.A. 2001. Plantas Medicinais no Domínio dos Cerrados. Ed. UFLA, Lavras, MG. 180p. SCHAFFNER, W. 1993. Les Plantes Médicinales et leurs Propriétes – Manual d’Herboriste. Delachaux et Niestlé, Lausanne, Suisse. 215p. SOUZA, V.C.; LORENZI, H. 2012. Botânica Sistemática – Guia Ilustrado para Identificação das Famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3ª ed. Editora Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Na. Odessa, SP. 768p. SOUZA, V.C.; LORENZI, H.; LUPO, R. 2014. Chave de Identificação: Para as Principais Famílias de Angiospermas e Gimnospermas Nativas e Cultivadas do Brasil. 3ª ed. Ed. Plantarum de Estudos da Flora Ltda., Nova Odessa, SP, 32p. il. TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. 1997. Herbarium – Compêndio de Fitoterapia. Ed. Herbarium Laboratório Botânico Ltda., Curitiba, PR, 317p. TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, P.V.P. 2000. Plantas Tóxicas do Brasil. Ed. Helianthus, Rio de Janeiro, RJ. 312p. VOLÃK, J.; STODOLA, J. 1983. Plantes Médicinales. Librairie Grund, Paris, France, 319p. YARZA, O. 1982. Plantas que Curam Plantas que Matam. Hemus Editora Ltda., São Paulo, SP. 229p. _____. 1999. Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Reader’s Digest Brasil Ltda., Rio de Janeiro, RJ. 416p.
 

Clique para consultar os requisitos para LCB2330

Clique para consultar o oferecimento para LCB2330

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP