Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"
 
Economia Administração e Sociologia
 
Disciplina: LES1415 - Metodologia do Ensino em Ciências
Teaching Methods in Sciences

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 4
Carga Horária Total: 180 h ( Estágio: 120 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2020 Desativação:

Objetivos
Espera-se que o aluno vivencie o cotidiano escolar da escola básica em um estágio supervisionado e indique, ao final, ter desenvolvido características profissionais necessárias à docência em Ciências e suas interfaces com as especificidades das Ciências Biológicas e Agrárias. O perfil esperado é saber ensinar considerando a docência uma profissão comprometida com os educandos e com a educação democrática e de qualidade, considerando o caráter permanente de aprendizagem docente. A reflexão sobre a prática por meio do conteúdo teórico-prático da disciplina possibilita reorientação das ações na escola, se necessário e apoia a interpretação e a proposição de intervenções com vistas a construção pessoal da docência. Neste estágio, ocorre a imersão no cotidiano escolar, com acompanhamento da docência, além da realização de intervenções educacionais planejadas em um Projeto de Estágio individual relacionado aos conteúdos das Ciências, na escola, considerando suas interfaces e a interdisciplinaridade.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5553650 - Vânia Galindo Massabni
 
Programa Resumido
1)Conteúdo teórico-prático: orientações para a documentação do estágio e boa realização do mesmo e discussões e embasamento teórico da prática a ser vivenciada em Ciências; 2) Estágio supervisionado envolvendo observação, participação e regência de aulas, com registro da vivência. Elaboração de projeto em comum acordo com a escola e em consonância com os pressupostos teóricos aprendidos durante a Licenciatura.
 
 
 
Programa
3.1.Conteúdo teórico-prático: orientações para a documentação do estágio e boa realização do mesmo e discussões e embasamento teórico da prática a ser vivenciada. Aspectos a discutir: a) cultura educativa, os alunos, projeto político-pedagógico. b) a escola e seu contexto, infra-estrutura e espaços a serem utilizados em aulas das áreas das Ciências Agrárias e Biológicas e projetos nas Ciências; c) planejamento do ensino com vistas aos processos participativos e democráticos na escola e de valorização do aluno; d) autoridade e autoritarismo docente; e) ensinar e critérios e formas de avaliar em Ciências; f) exemplos de estágios em parceria com escolas; g) relação das situações observadas ao conhecimento teórico (Psicologia, Didática, entre outros) para interpretar as ocorrências escolares e avançar na aprendizagem docente; h) expressão pessoal (formas de agir, crenças, concepções, preconceitos e valores) e a docência nas áreas de Ciências e correlatas; i) análise da gestão da matéria e gestão da classe (tempos e espaços da aula) em Ciências; j) orientação para escolha dos conteúdos e metodologias de ensino para o estágio, considerando os currículos, necessidades dos alunos e premissas de ação, com ênfase nas hortas escolares e espaços verdes da escola. 3.2. Estágio supervisionado: Unidade 1- Observação e análise do contexto escolar e seu registro (Diários). Reflexões sobre a prática observada em diante do contexto educacional mais amplo. Conjuntamente, pode ocorrer o Estágio de Participação. Visa colher elementos e impressões para as regências, colaborar nas atividades de em sala de aula; preparar material didático, exercitando a Língua Portuguesa, se escrito, e com uso das TICs; d) auxilio ao docente na escola, na sua área e(discussões, material de apoio, orientação aos alunos, atividades de reforço, preparo de aulas práticas, correções, entre outras, sempre sob supervisão do professor). Unidade 2- a) Elaboração e Execução do Projeto de Estágio com regências de aulas (Estágio de Docência Supervisionada em Ciências); b) Regência de aulas e apresentação dos resultados do estágio. Cada aluno apresentará um projeto de intervenção para desenvolver na escola básica, de forma a valorizar a interdisciplinar, criatividade, criticidade e envolvimento do aluno da escola, em comum acordo com a instituição e atendendo orientações do curso. O aluno terá a oportunidade de experimentar e refletir as aulas e demais ações desenvolvidas em um relatório de estágio e em um seminário, de forma a contemplar a expressão e uso da Língua Portuguesa falada e escrita. Para as Ciências Agrárias, valorizam-se ações vinculadas à área agrária, incluindo regências em disciplinas correlatas que possuam o conteúdo específico de agrárias, como solos, plantio, geoprocessamento, agricultura, formas sustentáveis de cultivo, arborização e educação ambiental, questões do uso da terra, o trabalho rural, e produtividade, entre outras.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do estágio de regência envolverá a realização de um projeto de estágio supervisionado em prática de ensino, um relatório deste estágio e a apresentação do mesmo. Envolverá também um diário com reflexões pessoais e artigos relacionados aos temas do estágio de observação e de participação.
Critério
Será avaliado o empenho do aluno em reformular sua prática, criando, reformulando sua ação, considerando a reflexão –na -ação e sobre a ação, com o auxílio dos colegas, do professor, do professor-supervisor e de pesquisas e leituras especializadas que auxiliem na solução dos problemas encontrados no desempenho da profissão. Será considerada a abordagem dada ao conteúdo específico (Agrárias e Biológicas) em sala de aula e no uso dos espaços escolares. Será avaliada a entrega do diário e seu detalhamento e reflexões, segundo critérios qualitativos e quantitativos, carga horária exigida, projeto, relatório e seminário no prazo estabelecido.
Norma de Recuperação
Não há.
 
Bibliografia
     
AQUINO, J.G. Indisciplina na escola, alternativas. Teorias e Práticas. SP. Summus Ed. 1996.BRASIL. BARRETO, E. S. de Sá; SOUSA. S. Z. L. Estudos sobre ciclos e progressão escolar no Brasil: uma revisão. Educação e Pesquisa. São Paulo: FEUSP. v. 30, n.1. jan./abr. 2004, pp.31-50. BECKER, F. O que é Construtivismo? Série Idéias (20). São Paulo: FDE, 1994. p. 87 a 93. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. (disponível em: www.mec.gov.br) BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Parte III (Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf CARVALHO, A. M. P. e GIL PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 4a ed. São Paulo: Cortez, 2000. (Coleção Questões da Nossa Época, 26). CARVALHO, A.M.P. Prática de ensino - os estágios da formação do professor. São Paulo, Pioneira, 1985. DIAS DA SILVA, M.H.G.F. Passagem sem rito: as quintas séries e seus professores. Campinas: Papirus, 1997. FAZENDA, I.C.A. O papel do estágio nos cursos de formação de professores. In: PICONEZ, S. C. B. (Coord.) A prática de ensino e o estágio supervisionado. 11 ed. Campinas: Papirus, 2005, p. 53-62. FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia- saberes necessários à prática educativa. 37ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996 GAUTHIER, C. et. al. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Ed. Unijuí, 1998. Papirus, 1985. GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000. KRASILCHICK, M.; MARANDINO, M. Ensino de Ciências e cidadania. São Paulo: Moderna, 2004. MARIN, A .J. (Coord) Didática e trabalho docente. SP. J.M. Editora, 1996. MASSABNI, V. G.; RAVAGNANI, M. C. A. N. Progressão Continuada: qual construtivismo está em jogo? Paidéia, 2008, v. 18, n.41, p. 469-484 NACARATO, A.M.; VARANI, A.; CARVALHO, V. O cotidiano do trabalho docente: palco, bastidores e trabalho invisível abrindo as cortinas. In: GERALDI, C.M.G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. de A. (Orgs). Cartografias do trabalho docente: professor(a)- pesquisador(a). Campinas: Mercado das Letras, 2003. PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999. PIMENTA, S. G. e LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004. PIMENTA, S.G. O estágio na formação de Professores: unidade Teoria e Prática? SP. Cortez. 1995. São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: Biologia. Coord. Maria Inês Fini, São Paulo. 2008 SÃO PAULO, Secretaria de Estado de Educação (2011). Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias. Disponível: Acesso em: 29/05/11. SÃO PAULO. Conselho Estadual de Educação. Deliberação CEE 9/97. Institui, no sistema de ensino do Estado de São Paulo, o regime de progressão continuada no ensino fundamental. SAVIANI, N. Saber escolar, currículo e didática = problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. Campinas, SP. Ed. Autores Associados, 1998. VEIGA, I. P. A. (Org.) Técnicas de ensino: por que não? 13. ed. Campinas: Papirus, 2002. ZABALZA, M. A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed. 2004.
 

Clique para consultar os requisitos para LES1415

Clique para consultar o oferecimento para LES1415

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP