Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Museu de Arte Contemporânea
 
Museu de Arte Contemporânea
 
Disciplina: MAK0145 - Iconografia Musical e as Relações entre Música e Artes Visuais na Contemporaneidade
Musical Iconography and the relationship between music and visual arts in contemporary times

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2019 Desativação:

Objetivos
Desenvolver a capacidade de leitura da imagem, do objeto e do elemento artístico, especialmente o musical, construído no tempo e no espaço. Relacionar as transformações nas artes visuais e na música com as modificações operadas na vida social, cultural e política ao longo do período histórico. Contribuir para o enriquecimento e valorização da memória visual dos futuros profissionais, especialmente das artes visuais, do design, da música, das ciências e do patrimônio, tornando-a um instrumento ativo e crítico do processo criativo. Identificar e caracterizar os produtores artísticos e as obras distinguindo as modificações estilísticas, as influências recebidas e o modo como foram originalmente interpretadas. Compreender o percurso das transformações artísticas ocorridas no decorrer da história distribuindo-as por uma periodização analítica e compreensiva.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
122500 - Edson Roberto Leite
 
Programa Resumido
Estudo da origem e elaboração das imagens e as respectivas relações simbólicas e/ou alegóricas em sua aproximação com disciplinas como musicologia, organologia, história e história da arte, incorporando elementos da antropologia, etnomusicologia, sociologia, semiótica e psicologia da música revelando a arte como fonte de reflexões, que impacta as coletividades e produz mudanças na mentalidade das sociedades em que opera. Análise do patrimônio documental iconográfico musical como poderosa ferramenta que permite estabelecer uma nova relação entre a musicologia, a informação e os diversos aspectos nas relações entre globalização, regionalização e cultura local e que aponta para a importância e a complexidade de trabalhar com um conjunto alargado e múltiplo de dados, um sistema complexo e dinâmico, com perspectivas multi, trans e interdisciplinares. Problematização da análise iconográfica observando as transformações funcionais, estéticas ou ideológicas que vinculam as representações com seus supostos originais, demonstrando a complexidade epistemológica e interdisciplinar e a integração dessa temática à patrimonial, especialmente de comunidades tradicionais. Estudo da iconografia e das relações entre música e artes visuais na contemporaneidade enquanto processadoras de informações e que compreendem a relação entre a música e a imagem, como narrativa entre os dois elementos, e que podem auxiliar no entendimento do mundo que nos cerca através da análise dos traços característicos de cada sociedade, compreendidos como reflexos da história e que contém os símbolos de seu tempo.
 
 
 
Programa
01. Percurso histórico, princípios e diretrizes conceituais; 02. Padrões de composição: organização, modalidades e conjuntos da narrativa; 03. Realidade figurativa e de imaginário: a materialidade do efêmero; 04. O campo dos sentidos: entre o sonoro e o visual; 05. Análise e interpretação iconográfica: o papel criativo no diálogo com a obra de arte; 06. A arte e seus períodos históricos: representações plásticas; 07. As belas artes; 08. Iconografia musical no Brasil; 09. Esculturas sonoras; 10. Partituras gráficas; 11. Charges musicais; 12. As imagens da música popular; 13. Novas mídias: cinema, publicidade, videoclipes etc.; 14. Iconografia musical e as relações entre música e artes visuais no acervo do MAC USP; 15. Iconomania.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas teóricas e práticas; exibição de vídeos; leituras (livros, revistas, periódicos); palestras; exercícios e trabalhos individuais e/ou em grupos.
Critério
Média das provas individuais e dos trabalhos.
Norma de Recuperação
Prova escrita.
 
Bibliografia
     
ALBERTI, Leon Battista. De La Peinture. Paris: Macula Dédale, 1993. ANTUNES, Jorge. A correspondência entre os sons e as cores. Brasília: Thesaurus, 1982. ARGAN, Giulio Carlo. A história da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992. BAZIN, Germain. História da História da Arte: de Vassari a nossos dias. São Paulo: Martins Fontes, 1989. BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. O amor pela arte: os museus de arte na Europa e seu público. São Paulo: Edusp; Zouk, 2003. BORJA, Juan de. Empresas Morales. Bruselas: Francisco Foppens, 1680. BOSSEUR, Jean-Yves. Musique et Beaux-Arts. De l’Antiquité au XIXe Siécle. Paris: Minerve, 1999. BOWLES, Edmund A. La pratique musicale au moyen age. Genève; Paris: Minkoff & Lattès, 1983. BRANDÃO, Antônio Jackson de S. O gênero emblemático. Revista Travessia, Cascavel, Paraná: Unioeste, v. 3, n. 3, 2009, p. 124-138. BRILLIANT, Richard. Visual Narratives: Storytelling in Etruscan and Roman Art. Cornell: Cornell Univserity Press, 1984. BRYSON, Norman; HOLLY, Michael Ann; MOXEY, Keith (Eds.). Visual Theory. Cambridge: Polity Press, 1991. CASNOK, Yara Borges. Música: entre o audível e o visível. São Paulo: Unesp, 2008. CASTRO, Beatriz Magalhães. Três séculos de iconografia da música no Brasil de Mercedes Reis Pequeno: visualidade e construção de identidades na prática musical brasileira. In: BLANCO, Pablo Sotuyo (Org.). Estudos luso-brasileiros em iconografia musical. Salvador: EDUFBA, 2015, p. 11-32. CAUQUELIN, Anne. Teorias da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2005. CERQUEIRA, Fábio Vergara. Um campo emergente: a arqueologia da música e suas interfaces com o patrimônio. In: Revista Arqueologia Pública. Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 101-114, Jun. 2016. CODEVILLA, Fernando Franco. Entre o sonoro e o visual: relações e processos nas artes. 2015. 327 p. Tese (Doutorado em Artes) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Artes, 2015. COOK, Nicholas. Beyond the Score: Music as Performance. New York: Oxford University Press, 2013. COTTE, Roger J. V. Música e simbolismo: ressonâncias cósmicas dos instrumentos e das obras. São Paulo: Cultrix, 1995. CURY, Marília Xavier. Exposição, montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2005. DANIELOU, Alan. La Musique et la Communication. La situation de la musique et des musiciens dans les pays d’Orient. Firenze: Léo. S. Olschki, 1971. DANTO, Arthur. Após o fim da arte: a arte contemporânea e os limites da história. São Paulo: Odysseys, 2006. ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2010. ETZEL, Eduardo. O barroco no Brasil. São Paulo: Melhoramentos, 1974. GOMBRICH, Ernst Hans. Arte e Ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes, 1986. GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre cenografias: o museu e a exposição de arte no século XX. São Paulo: Edusp; Fapesp, 2004. HANSLICK, E. Do belo musical: uma contribuição para a revisão estética musical. Campinas: Unicamp, 1989. HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70, 2012. HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. HOLLIDAY, Peter J. (Ed.). Narrative and Event in Ancient Art. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Lisboa: Ed. 70, 2007. KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte e na pintura em particular. São Paulo: Martins Editora, 2000. KEMP, Wolfgang. The Narratives of Gothic Stained Glass. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. KLEE, Paul. Sobre a Arte Moderna e outros ensaios. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. LAVIN, Marilyn Arombert. The Place of Narrative: Mural Decoration in Italian Churches, 431-1600. Chicago e Londres: Chicago University Press, 1990. LEE, Renselaar W. Ut Pictura Poesis: La teoria humanística de la pintura. Madrid: Cátedra, 1982. LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Ed. Unicamp, 1996. MACHADO, Arlindo. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo: Edusp, 1993. MÂLE, Émile. L’art religieux de la fin du Moyen Age em France: étude sur l’iconographie du Moyen Age et sur ses sources d’inspiration. Paris: Armand Colin, 1908. MALHAUX, André. Le musée imaginaire. Lisboa: Edições 70, 2011. PANOFSKY, Erwin. O significado nas artes visuais. Lisboa: Presença, 1989. PAREYSON, Luigi. Estética: teoria da formatividade. Petrópolis: Vozes, 1993. PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1984. PARRAT, Jacques. Des relations entre la peinture et la musique dans l’art contemporain. Nice: Z’éditions, 1999. QUINO. Artes e partes. Lisboa: Dom Quixote, 1982. RINGBOM, Sixten. Les Images de Dévotion (XII-XVe siècles). Paris: Monfort, 1995. SANCLEMENTE, Ruth Piquer. Amor docet musicam: la construcción de un tópico iconográfico. In: Cuadernos de Iconografia musical. V. III, n. 2, Nov. de 2016. SCHAFER, Raymond Murray. A afinação do mundo: a paisagem sonora. São Paulo: Unesp, 2001. SOURIAU, Étienne. A correspondência das artes: elementos de estética comparada. São Paulo: Cultrix; Edusp, 1983. STRAVINSKY, Igor. Poética musical. Barcelona: Acantilado, 2006. SUASSUNA, Ariano. Iniciação à Estética. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008. VERA, Alejandro. La Música entre escritura y oralidad: la guitarra barroca, el guitarrón chileno y el canto a lo divino. Revista Musical Chilena, Año LXX, enero-junio, 2016, n. 225, S. 16. WOLFFLIN, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1989. ZAMBONI, Sílvio. A pesquisa em arte: um paralelo entre arte e ciência. Campinas: Autores associados, 2001. ZANINI, Walter (Org.). História da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walter Moreira Salles, 1983, 2v.
 

Clique para consultar os requisitos para MAK0145

Clique para consultar o oferecimento para MAK0145

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP