Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0708 - Atividades e Recursos Terapêuticos: Processos Criativos
Activities and Therapeutic Resources: creative processes

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2017 Desativação:

Objetivos
Oferecer ao aluno condições para: - Estudar os processos criativos, sua relação com o cotidiano e a cultura; Refletir sobre a importância dos processos de criação para o desenvolvimento humano, a saúde e o exercício da Terapia Ocupacional; Estudar as relações entre criação e resistência no contemporâneo; Experimentar processos de criação, na realização de atividades artísticas plásticas, conhecendo e explorando técnicas, procedimentos e diferentes linguagens; Discutir os sentidos da arte, suas relações com a produção de saúde e com as políticas de participação sociocultural; Desenvolver a leitura da expressão plástica, através da experiência de apreciação dos trabalhos realizados pelo grupo e de obras de arte; Desenvolver a prática da observação, do registro e da reflexão sobre processos de criação.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
93832 - Elizabeth Maria Freire de Araujo Lima
 
Programa Resumido
•1. A importância dos processos criativos nas ações em Terapia Ocupacional; 2. Artes e Terapia Ocupacional; 3. A criação no cotidiano, nas artes e na cultura; 4. As relações entre o fazer artístico, a produção de saúde e a construção da participação sócio-cultural; 5. Participação sócio-cultural e processos colaborativos; 6. Relações entre estética, clínica e política; 7. Técnicas e procedimentos de atividades do campo das artes visuais.
 
 
 
Programa
Os processos criativos nas ações em Terapia Ocupacional Processos Criativos e Terapia Ocupacional: práticas artísticas, produção de saúde e construção da participação sócio-cultural; Terapia Ocupacional e Artes: genealogias A criação no cotidiano, nas artes e na cultura; Arte como experiência: experiência estética e processos colaborativos Estética e política: arte contemporânea, participação e processos colaborativos Estudo de diferentes atividades artísticas: materiais, técnicas, procedimentos, linguagens, processos, trajetória e poética de artistas e coletivos; Realização e apresentação de Projeto Poético individual ou em grupo.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do aluno é feita de forma progressiva e acompanhada ao longo do desenvolvimento da disciplina. O aluno será avaliado de acordo com: freqüência às aulas; cumprimento das tarefas propostas e seu envolvimento e responsabilidade com elas; realização das atividades em laboratório e participação nas discussões; desenvolvimento de projeto poético individual ou grupal e seminários.
Critério
Participação, pontualidade e assiduidade nas aulas e na entrega dos trabalhos solicitados; Estudo da bibliografia recomendada, discussão em classe e apresentação de seminário; Realização e apresentação de um projeto poético individual ou grupal; Realização de seminário; O estudante deverá demonstrar engajamento e comprometimento com o processo proposto.
Norma de Recuperação
A frequência mínima para aprovação é de 70%. Para ser aprovado é necessário também ter, no mínimo, média final 5,0. Se isto não for alcançado, o aluno deverá fazer prova ou trabalho de recuperação antes do início do próximo semestre letivo.
 
Bibliografia
     
ALMEIDA, M.V.M. O Estado da Arte: uma proposta estética para a Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro, Centro de Letras e Artes – UFRJ, dissertação de mestrado, 1997. ANGELI, A. A.C. Respiros: por um estado de jogo entre o teatro e a clínica. 153 fls. Dissertação. (Mestrado em Psicologia Clínica). PUC/SP, São Paulo, 2008. BONDIA, J.L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n.19, 2002, p.20-28. BOURRIAUD, N. Estética relacional. SP: Martins Fontes, 2011 1 a ed. 152 p. BUORO, A. B. O olhar em construção: uma experiência de ensino e aprendizagem da arte na escola. São Paulo: Cortez Ed., 1998. CASTRO, E.D. Habitando os campos da arte e da terapia ocupacional: percursos teóricos e reflexões. Revista de Terapia Ocupacional da USP, v. 13/1, 2002. ______. Arte, Corpo e Terapia Ocupacional: aproximações, intersecções e desdobramentos. Rev. de Terapia Ocupacional da USP, v.11, n.1, pp.7-12, 2000. _____ & SILVA,R.J.G. Processos Criativos e Terapia Ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da USP, vol. 1, nº 2; 71-75, nov/1990. CASTRO, E. D.; LIMA, E. M. F. A. Resistência, inovação e clínica no pensar e no agir de Nise da Silveira. Interface (Botucatu)[online]. 2007, vol.11, n.22 DEWEY, J. Arte como experiência. Tradução de Vera Ribeiro, SP: Martins Fontes, 2010. –. (Coleção Todas as Artes). 646 pág. INFORSATO, E. Clínica Barroca: exercícios de simpatia e feitiçaria. 2005. 169fls. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica). PUC/SP, São Paulo, 2005. KASTRUP, V. Experiência Estética para uma Aprendizagem Inventiva: notas sobre a acessibilidade de pessoas cegas a museus. Informática na Educação: Teoria e Prática. Porto Alegre, v.13, n.2, jul./dez. 2010. LIBERMAN, F. Delicadas Coreografias: Instantâneos de uma Terapia Ocupacional. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica). PUC/SP, São Paulo, 2007. LIMA, E. M. F. A. Terapia Ocupacional: um território de fronteira? Revista de Terapia Ocupacional da USP, v. 8/2-3, 1997 _________. Exposição IN PACTO e o “viver junto”: criação e convivência. Catalogo da Exposição IN PACTO. 2007. _________. Arte, Clínica e Loucura: território em mutação. São Paulo: Ed. Summus, 2009. _________. Arte e Cultura na Produção de Saúde: ativação da sensibilidade, promoção de encontros e invenção de mundos. Anais do II Seminário Nacional de Humanização: “Trocando experiências. Aprimorando o SUS” Brasília, agosto de 2009. LIMA, E.M.F.A; PELBART, P.P. Arte, clínica e loucura: um território em mutação. Rio de janeiro: História, ciência, saúde – Manguinhos. v. 14, n.3, p. 709-735, jul-set. 2007. LIMA, E. M. F. A. et al. Ação e criação na interface das artes e da saúde. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, Dez 2009, vol.20, no.3, p.143-148. MECCA, R. CASTRO, E D. Experiência estética e cotidiano institucional: novos mapas para subjetivar espaços destinados à saúde mental. Revista Interface (Botucatu) v.12 n.25. Botucatu abr/jun.2008. NICÁCIO, M. F. O Processo de transformação da saúde mental em Santos: Desconstrução de saberes, instituições e cultura. São Paulo, PUC/SP, 1994. Mestrado. (Capítulo: Tamtam, Tamtam). PAREYSON, L. Estética: teoria da formatividade. Petrópolis: Vozes, 1973. _________. Os problemas da estética Petrópolis: Vozes, 1973. PEDROSA, M. Arte, necessidade vital. In: ARANTES, O. (org.) Forma e percepção estética. São Paulo: EdUsp, 1996. SILVA, J. A. Habitando uma vitrine membrana. Revista Interface, v.17, n.45, p.497-508, abr./jun. 2013 SILVEIRA, N. Museu de Imagens do Inconsciente. Rio de Janeiro, Fundação Nacional de Arte, Instituto Nacional de Artes Plástica (Col. Museus Brasileiros, 2), 1980. ______. O mundo das imagens. São Paulo, Ática, 1992. TAKATORI, M.; BONTEMPO, E.; BENETTON, M.J. O brincar e a criança com deficiência física: a construção inicial de uma história em terapia ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 9, n.2. 2001. VALENT, I. U.; CASTRO, E. D. Por entre as linhas dos dispositivos: desafios das práticas contemporâneas na interface Terapia Ocupacional e Cultura. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 2016. WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Ed. Imago, 1975
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0708

Clique para consultar o oferecimento para MFT0708

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP