Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0710 - Atividades e Recursos Terapêuticos: Linguagens
Activities and Therapeutic Resources: Languages

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2010 Desativação:

Objetivos
- instaurar-se numa relação crítica com o conceito de linguagem - inscrito no rol das atividades humanas com atribuida importância para a comunicação -, relacionar algumas de suas formas de expressão, e os elementos que constituem seus processos, para apreensão e manejo profissional em Terapia Ocupacional;
- entrar em contato com as diferentes linguagens e estabelecer suas relações com a construção do cotidiano, com a produção de subjetividade, com as artes e com a cultura, e questionar sua importância na multiplicidade de processos de tratamento com suas singulares demandas, relações de alteridade, e necessidades de acesso e implicação no decurso cultural de cada entomo; • analisar a importância da ação, do gesto, do fazer, como formas de expressão e de construção de repertório, de experimentação e de invenção para o exercício da Terapia Ocupacional;
- planejar, propor, coordenar e vivenciar atividades com algumas linguagens: narrativas, textos poéticos, músicas, dança, teatro, periormance, fotografia e vídeo, colocando em relevo seu caráter expressivo, comunicacional e artístico, conhecendo métodos e técnicas específicas e algumas imagens de experiências no panorama cultural contemporâneo;
- exercitar-se em fazeres expressivos, em sua apreciação e na apreensão de suas circunstâncias artísticas e culturais através de trabalhos individuais e grupais, da análise destes, e de algumas produções artisticas presentes na cultura atual;
- mapear, explorar e apropriar-se dos recursos do território cultural de sentido individual e coletivo;
- estabelecer interlocuções entre propostas clinicas e socioculturais para a construção de práticas contemporâneas no campo da Terapia Ocupacional;
- estudar, acompanhar e analisar a utilização destas atividades e recursos de ação e intervenção no campo da Terapia Ocupacional;
- efetivar observações, registros e críticas desses recursos, em relação a sua importância para a expressão singular e coletiva da população atendida e para a construção de novas tecnologias e redes de pertencimento sociocultural.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
87182 - Eliane Dias de Castro
 
Programa Resumido
A disciplina oferecerá um conteúdo conceitual discursivo, laboratórios de experimentação de atividades, e a elaboração de projetos de intervenção, nos quais os estudantes entrarão em contato com um campo introdutório de conceitos e discursos relacionados à: Unidade I: atividades humanas, às múltiplas linguagens, à comunicação, expressão e construção de repertório, experimentação e criação; Unidade II: : relações sociais, produção subjetiva, participação sócio-cultural, produções culturais e contextualização artística-cultural; e, Unidade III: articulação entre propostas clínicas e culturais no universo da cultura e na terapia ocupacional atual e participarão da construção de novas tecnologias e redes de inclusão sócio-cultural no território. Além das unidades em foco, num movimento transversal, irão experimentar-se em técnicas e métodos de atividades para analisá-Ias no âmbito da cultura e da Terapia Ocupacional. Estas unidades serão operacionalizadas de forma justapostas.
 
 
 
Programa
Unidade I - Construção de um campo problemático: aulas expositivas, leitura e discussão de textos, resenhas e seminários A partir do estudo dos movimentos que antecedem as propostas territoriais nos trabalhos de Promoção da Saúde, buscaremos instrumentalizar os estudantes com conceitos das Artes, da Psicologia, da Filosofia, da Reabilitação Psicossocial e da Terapia Ocupacional que auxiliem na compreensão da importância da cultura na atuação em terapia ocupacional na contemporaneidade. Serão produzidas articulações do pensamento com as práticas clínicas e sociais, tendo como perspectiva que este entrecruzamento potencializa a vida e participa do processo de construção de redes para o trânsito cultural da população atendida no campo da Terapia Ocupacional. Os questionamentos se farão em torno da importância na construção dos direitos e de outras, tecnologias mais sutis, relacionadas à sensibilização e conseqüente abertura dos meios de formação, criação, difusão e fruição cultural instituídos, desejando e facilítando o acesso de populações fragilizadas (seja por questões de deficiências, sofrimento psíquico ou risco social). Alguns seminários serão preparados, no sentido de apresentar a produção relacionada aos campos das Artes, da Cultura e da T erapía Ocupacional.
Unidade II: laboratórios de atividades: Participação de oficinas; Coordenação de Grupo; Exploração do Território Cultural; Cartografias e Exercícios Críticos. Nos laboratórios de atividades serão propostas experimentações nas linguagens do corpo, da música, da dança, do teatro, da performance, da fotografia e video, e da literatura produzindo um repertório de linguagens agenciadoras da expressão. Serão realizadas atividades culturais no território que possibilitarão uma ampliação da experiência estética e de circulação, a partir dos quais serão preparados materiais com relatos e roteiros para apresentação ao grupo que estabeleça uma intertocução critica com algumas produções culturais. O trabalho de coordenação de grupo envolverá o mapeamento e a cartografia de experiências e interesses, e a produção de saberes que resultem em propostas que convidem à exerci cios de invenção, e possam servir de referência para novas experiências.
Unidade III - Elaboração de Projeto Grupal de Intervenção Artística-Cultural: A elaboração de projetos de intervenção social exige uma articulação entre conhecimentos e pesquisas teóricas, procedi mentais e atitudinais, fundamentais para a realização de propostas híbridas onde ações clínicas e culturais problematizam a atuação na terapia ocupacional atual. A partir de metodologias ativas o estudante é convidado a refletir, avaliar, decidir e atuar, reconhecendo-se como integrantes de proposições e agentes transformadores de processos coletivos, na construção da participação social, onde arte e cultura passam a compor cenários da vida cotidiana.

 
 
 
Avaliação
     
Método
-Implicação, pontualidade e assiduidade às aulas expositivas e laboratórios de atividade, na entrega de relatórios e na elaboração e apresentação dos projetos grupais e individuais exigidos e estudo da bibliografia recomendada.
Critério
1) Relatório Individual - Cartografias e Coordenação das Atividades; 2) Relatório individual - Exercícios Críticos de Atividade Cultural; 3) Estudo Teórico Individual - Linguagens e Terapia Ocupacional - resenha de 5 textos (um de cada linguagem) de referência teórica da disciplina e comentários; 4) Diário de Campo Grupal de Intervenção; 5) Seminário Teórico Grupal.
Norma de Recuperação
(critérios de aprovação e épocas de realização das provas ou trabalhos):
- Relatório sobre o processo de aprendizagem.
- Trabalho Escrito.
 
Bibliografia
     

ARANHA, M. L. A.& MARTINS, M. H. P. Filosofando. Introdução à Filosofia. São Paulo, Moderna, 1993.
ARTAUD, A. Unguagem e vida. (Trad. J. Guinsburg, Silvia Fernandes, Regina Corma Rocha e Maria Lúcia Pereira). São Paulo, Ed. Perspectiva, 1995. __ - O Teatro e seu Duplo (Trad. Teixeira Coelho). São Paulo, Martins Fontes, 1999.
BARRETO, K. Ética e Técnica no Acompanhamento Terapêutico. São Paulo, Unimarco Editora, 2a.ed, 2000.
BENJAMIM, W. Experiência e Pobreza. In: Magia e Técnica. Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo, Brasiliense, 19994. p. 114 -119.
BOAL, A. - ° arco-íris do desejo - método Boal de TeatíO e Terapia. R. J.,Civilização Brasileira, 1996.
___ - 200 Exercícios e Jogos para o Ator e Não-Ator com vontade de dizer algo através do Teatro. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1995.
BRITO, R. Experiência Crítica. São Paulo, Cosac & Naif, 2005.
BlRUNELLO, M. I; CASTRO, E. D.; LIMA, M. E. Atividades Humanas e Terapia Ocupacional. In Bartalotti, C. C. e Carlo, M. M. R. ( org.) Terapia Ocupacional no Brasil: Fundamentos e Perspectivas. São Paulo, Summus, 2001.
CAMPELLO, C. (org.). Tenso equilíbrio na dança da sociedade. São Paulo, Sesc:2005.
CASTIGLlONI, M. do C. et alli. Análise de Atividades, in: DE CARLO, M. M.R. & LUZO, M. C. M.(org,) Terapia Ocupacional.Reabilitação Física e Contextos Hospitalares. São Paulo, Ed, Roca, 2004.
CASTRO, E. A apropriação de si através da dança. São Paulo, ECA/USP, 1992.
_____ Arte, Corpo e Terapia Ocupacional: Aproximações, lntersecções e Desdobramentos._Revista de Terapia
OcupacionalUSP, vol.11, n.1: 7 -12,jan/abr, 2000. I
A Dança, o trabalho corporal e a apropriação de si mesmo. Revista de Terapia Ocupacional USP, São Paulo, 3 (%): 24-32, jan/dez, 1992.
Atividades Artísticas e Terapia Ocupacional: criação de linguagens e inclusão social. SãoPaulo, ECAlUSP, Tese de doutorado, 2001.
Habitando o campo das Artes e da Terapia Ocupacional: percursos teóricos e reflexões. Revista de Terapia OcupacionalUSP, vol.13, n.1: 1 -8,janlabr, 2002.
Dança, corporeidade e saúde mental: experimentações em Terapia Ocupacional. In: larcuri, l. (org.) Arteterapia de corpo e alma. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2004 (Coleção arteterapia).
CHAUí, M. Janela da Alma, espelho do mundo !n: Novaes, A. (org.) O Olhar.São Paulo: companhia das Letras, 1988.
CORRÊA, G. C. Do livro de receitas: como produzir um homem. In: PASSETTI, E. (org). Kafka-Foulcault: sem medos. São Paulo, Ate!iê Editoria!, 2004, pp.45-54.
COSTA, A .L. B. & alli Dança: uma herança à disposição de todos. In: Ramos, R. (org.) Danças Circulares Sagradas. Uma proposta de Educação e Cura. S. Paulo, Triom/Anhembi Morumbi,1998.
DESOFICINA DA PALAVRA: Juliano Pessanha et alli.Espaço Cultural Alberico Rodrigues. Praça Benedito Calixto, SP, SP. FARAH, l.M. - "Inclusão: como é isso na prática - Grupos Terapêuticos: Uma estratégia de suporte para esse processo". Temas sobre Desenvolvimento, vol. 6 n.35, nov/dez-97.
FERRÉZ. Palavrarmas. In: Campello, C. Tenso equilíbrio na dança da sociedade. São Paulo: Sesc, 2005. FERRAZ, S. Música e Repetição: aspectos da diferença na música do séc. xx. São Paulo, EDUC/FAPESP, 1998.
FERRAZ, S. Música e Repetição: aspectos da diferença na música do séc. XX. São Paulo, EDUC/FAPESP, 1998.
FRAYZE-PEREIRA, JA Psicologia e Fotografia: Revelações. In: Saúde Loucura. São Paulo,Hucítec, no.2, 1990.
GALLETT1, M. C .. Oficina em Saúde Mental: instrumento terapeutico ou intercessor clínico? 1. ed. Goiania: Editora da UCG, 2004. v. 1000. 146 p.
GULLAR, F. Arte e Linguagem. In: Argumentação contra a morte da alte. Rio de Janeiro, Ed. Revan, 1993.
GUERVÓS, LH.S. Nos limites da linguagem: Nielzsche e a expressão vital da dança. São Paulo, Cadernos Nietzsche, n.14, 2003.
HOLM, A.M. Fazer e Pensar Arte (Trad. Ana Angélica Albano e Ou Moreira). São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo¬ MAM,2005.
INFORSATO, E. Clínica Barroca. Exercicios de Simpatia e Feitiçaria. Dissertação (mestrado). São Paulo, PUC-SP, 2005. KEHl, M. R. A Frátria órfã. In: A função fratema. Rio: Relume Demurá, 2000.
LIBERMAN, F. Danças em Terapia Ocupacional. São Paulo, Summus, 199B.
_______ . Delicadas coreografias: instantâneos de uma terapia ocupacional. Tese de Doutorado. São Paulo, PUC/SP, 2007. LIMA, S. C. F. A fotografia e a Imagem in: Collage - em nova superfície. São Paulo: Massao Ohno Editora Parma Ltda. 1984. UMA, E. A. Terapia Ocupacional: um territólÍode fronteira? São Paulo, Revista de Terapia Ocupacional da USP, 8(2-3): 98-
101,1998. \'
MALUF, J.C.G. Afinando diferenças - o processo de construção artística do coral Cênico Cidadãos Cantantes -1996-2004.
(Dissertação) Mestrado. São Paulo, UNESP, 2006.
MARQUES, M.R.M. Atelier Bricoleur - intelVenção no atendimento das psicoses. São Paulo, Rev. de Terapia Ocupacional da USP, v.2, nA, 1991, pp. 201-10.
_______ . O caminho da expressão e atuação. ln: Colóquio de Psicologia da Arte. São Paulo, IPUSP, 2007. Endereço Eletrônico: htlp:lfwww.ip.usp.brllaboratoriosllapalversaoportugueslcoloquio/trabalhos.htm
MASETTI, M. - Soluções de Palhaços - Transformações na realidade hospitalar. S. Paulo, Palas Atena, 1998. MORAIS, F. - Arte é o que eu e você chamamos Arte. Rio de Janeiro. Ed. Record, 199B.
NEVES, M. R. de S. Dança: arte do movimento para crianças deficientes auditivas.(Dissertação) Mestrado. São Paulo. PUC/SP, 1977.
PÉLBART, P.P. - Subjetividade Contemporânea. In: Ã vertigem por um fio. Políticas da Subjetividade Contemporânea. Fapesp, lIuminuras, 2000.
______ . Teatro Nômade. Revista de Terapia Ocupacional da USP, V. 9/2, p. 62 - 69,1998.
PIlLAR, A. e VlElRA, D. O vídeo e a metodologia triangular no ensino da arte. Porto Alegre: UFRS/Fundação FOCHPE, 1992. PRECIOSA, R. Arte-Vida-Viagem. In: Produção Estética: notas sobre roupas, sujeitos e modos de \iida.São Paulo, Ed. Anhembi¬ Morumbi, 2005.
RAMOS, R. (org.) Danças Circulares Sagradas. Uma proposta de Educação e Cura. S. Paulo.Triom! Anhembi Morumbi, 1998. ROLNIK, S. Quarar a Alma in A Quietude da Terra. Museu de Arte Moderna da Bahia. Salvador, 2000.
SAFRA, G. Desenraizamento e Exclusão no Mundo Contemporâneo ln: Vaisberg, T. & Ambrosio, F. F. Trajetos do Sofrimento:
Desenraizamento e Exclusão no Mundo Contemporâneo. lPUSP, USP, 2002.
_________Psicanálise do Self e Sofrimento Humano. ln: Vaisberg, T. & Ambrosio, F. F. Trajetos do Sofrimento: Rupturas e
(re) Criações de Sentido. IPUSP, USP, 2002.
Curando com histórias. São Paulo; Edições Sobomóst, 2005.
Da ação ao gesto in: A Face estética do Self. SP, Uni marco ed .. 1999. Self e linguagem in: A Face estética do Self. SP, Unimarco ed, 1999.
Os objetos e as coisas in: A pó-ética da vida contemporânea. SP, Idéias & Letras, 2004.
SANTANNA, D. Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. ___ COlpOS de Passagem. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.
SASSAKI, R.K. -Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro, WVA, 1997.
I SPOLlN, V. -Improvisação para o Teatro. São Paulo, Perspectiva. 1963.
STEIN, D. Diário de um bebê . Porto Alegre, Artes Médicas, 1991.
VALERY, P. (1938) Primeira Aula do Curso de Poética. ln: Variedades (org. João Alexandre Balboza; trad. Maíza Martins de Siqueira). São Paulo, lluminuras, 2007.
WINNI1COTT, D.W. (19(3) Comunicação e falta de comunicação levando ao estudo de certos opostos. ln: O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. (Trad. lrineo Constantino Schuch Ortiz). Porto Alegre, Artes Médicas, 1983.
WISNIK, J. Miguel. O som e o sentido. São Paulo, Cia. das Letras, 1989.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0710

Clique para consultar o oferecimento para MFT0710

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP