Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0724 - Terapia Ocupacional em Saúde Mental II
Occupational Therapy in Mental Health II

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2017 Desativação:

Objetivos
conhecer e refletir sobre a complexidade da problemática da loucura e as relações produzidas no contexto social, e a singularidade dos processos e das narrativas de história de vida das pessoas com a experiência do sofrimento psíquico e da exclusão social. Compondo a construção desta compreensão, possibilitar o estudo, pautado no referencial da desinstitucionalização, das relações entre as pessoas, as instituições e os contextos na atenção psiquiátrica e em saúde mental e, em particular, das formas de tutela, das relações e validação/invalidação, e dos processos que propiciam a produção de autonomia e o exercício de direitos, fundamentais na atenção em Terapia Ocupacional. possibilitar o estudo e a reflexão sobre a inserção da Terapia Ocupacional nas políticas públicas de saúde mental, propiciando a compreensão dos processos de superação das instituições asilares e de produção de projetos territoriais de saúde mental no contexto do SUS e, em particular, o conhecimento e a análise sobre a atenção em Terapia Ocupacional nas instituições e ações inovadoras de saúde mental e nas proposições intersetoriais, enfocando o quadro conceitual, as modalidades de atenção e a produção de projetos singulares.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
56552 - Maria Fernanda de Silvio Nicacio
 
Programa Resumido
1. A construção do olhar para as pessoas com a experiência do sofrimento psíquico; 2. A inserção da Terapia Ocupacional nas políticas públicas de saúde mental; 3. Desinstitucionalização; 4. Dimensões da atenção em Terapia Ocupacional nas ações e instituições inovadoras de saúde mental e nas proposições intersetoriais.
 
 
 
Programa
A construção do olhar para as pessoas com a experiência do sofrimento psíquico: relação com as pessoas com a experiência do sofrimento psíquico em seu contexto; diferentes sentidos do adoecer para as pessoas e as narrativas de história de vida; formas de tutela; relações de validação/invalidação; relação sujeitos, serviços, contextos e recursos na atenção psiquiátrica e em saúde mental. A inserção da Terapia Ocupacional nas políticas públicas de saúde mental: reforma psiquiátrica: marcos conceituais, principais atores e modelos assistenciais; trajetórias da reforma psiquiátrica e inserção da terapia ocupacional. Desinstitucionalização: a superação das instituições asilares e a produção de projetos territoriais de saúde mental no contexto do SUS; as ações e as instituições inovadoras de atenção em saúde mental e as proposições intersetoriais: centros de atenção psicossocial, centros de convivência e projetos culturais, cooperativas sociais, e ações territoriais e comunitárias; multidimensionalidade e complexidade da atenção centrada nas pessoas em seu contexto. Dimensões da atenção em Terapia Ocupacional nas ações e instituições inovadoras de saúde mental e nas proposições intersetoriais: produção de projetos singulares: validação do outro e diálogo com as histórias de vida das pessoas em seu contexto e rede de relações; a construção de projetos terapêuticos singulares que possibilitem a produção de autonomia e a participação na vida social, a ampliação de poder contratual, a potencialização de redes sociais e o exercício de direitos; o significado de reabilitar e a perspectiva da reabilitação psicossocial como construção de cidadania; a atenção às situações de crise; o território, a rede social e as atividades que tecem a vida cotidiana; os projetos de inserção no trabalho: superação do “trabalho protegido” e a proposição das Cooperativas Sociais; os projetos culturais.
 
 
 
Avaliação
     
Método
frequência e participação nas aulas; seminários temáticos; estudo da bibliografia recomendada e análise de textos; trabalhos escritos.
Critério
Participação nas aulas; Pontualidade na realização das atividades propostas; Apropriação e capacidade de discussão de conteúdos teóricos nas aulas, seminários e trabalhos escritos.
Norma de Recuperação
prova escrita e/ou trabalho escrito sobre temática da disciplina de acordo com calendário escolar.
 
Bibliografia
     
AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro, Panorama/ENSP, 1998. 2ª edição revisada e ampliada. BASAGLIA, F.O Tutela, diritti e disugualianza dei bisogni.In: GIANNICHEDDA, M. G.; BASAGLIA, F. O (orgs.) Psichiatria, tossicodipendenze e perizia.Milano, Centri Studi e Iniziative per la Riforma dello Stato, 1987.p.38-52. BRASIL. I Conferência Temática de Cooperativismo Social. Trabalho e direitos: cooperativismo social como compromisso social, ético e político. Relatório final. Brasília, 2010. 17 p. BRASIL, LEIS, etc. Lei 9867, de 10 de novembro de 1999.“Dispõe sobre a criação e o funcionamento das Cooperativas Sociais, visando à integração social dos cidadãos conforme especifica”. BRASIL, LEIS, etc. Lei 10.216, de 06 de abril de 2001.“Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial”. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria/GM 336 de 19 de fevereiro de 2002. In: BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Legislação em saúde mental. 1990-2004. Série E. Legislação de Saúde. 5. ed. ampliada. Brasília, 2004. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 3088 de 23 de dezembro de 2011 (republicada em 2013).Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM 130 de 26 de janeiro de 2012 (republicada em 2013). Redefine o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 h (CAPS AD III) e os respectivos incentivos financeiros. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM 854 de 22 de agosto de 2012. Ficam alterados, na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde os seguintes atributos dos procedimentos a seguir especificados, a partir da competência outubro de 2012. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental no Brasil. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, 2005. 60 p. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE. Saúde mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília, 2007. 85p. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE. Saúde mental no SUS: as novas fronteiras da reforma psiquiátrica. Relatório de Gestão 2007-2010. Brasília, 2011. 106p. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde mental e economia solidária. Brasília, Editora do Ministério da Saúde. 2005. 133p. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Relatório Final do GT Saúde Mental e Economia Solidária, instituído pela Portaria Interministerial n. 353 de 7 de março de 2005. Brasília, 2006. 32 p. BRUNELLO, M.I.B. Loucura: um processo de desconstrução da existência. São Paulo. Dissertação (mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 1992. DE LEONARDIS, O.; MAURI, D.; ROTELLI, F. L’ impresa sociale. Milano, ANABASI, 1994. 218p. DELL’ACQUA, G. & MEZZINA, R. Resposta à crise: estratégia e intencionalidade da intervenção no serviço psiquiátrico territorial. In: DELGADO, J. (org.) A loucura na sala de jantar. São Paulo, 1991. p. 53-79. DELGADO, P.G.G. Saúde mental e direitos humanos: 10 anos da lei 10.216/2011. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 63, n.2, p. 114-21, 2011. GOLDBERG, J. Clínica da Psicose: um projeto na rede pública.Rio de Janeiro, Te Corá & Instituto Franco Basaglia, 1994. KINKER, F.S. Trabalho como produção de vida. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 8,n. 1, p.42-8, jan./abr., 1997. MÂNGIA, E. F.; NICÁCIO, F. Terapia Ocupacional em saúde mental: tendências principais e desafios contemporâneos. In: CARLO, M.M.R.P.; BRATALOTI, C.C. (org.) Terapia Ocupacional no Brasil. Fundamentos e perspectivas. São Paulo, Plexus, 2001. NICÁCIO, F. O processo de transformação da saúde mental em Santos: desconstrução de saberes, instituições e cultura. São Paulo: 1994. Dissertação (mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. NICÁCIO, F. Utopia da realidade: contribuições da desinstitucionalização para a invenção de serviços de saúde mental.Campinas: 2003. Tese de Doutoramento. UNICAMP. NICÁCIO, F; CAMPOS, G.W.S. A complexidade da atenção às situações de crise: contribuições da desinstitucionalização para a invenção de práticas inovadoras em saúde mental. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 15, n. 2, p. 71-81, maio/ago., 2004. NICÁCIO, F.; CAMPOS, G.W.S. Instituições de “portas abertas”. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 16/1, p.40-6, jan./abr. 2005. NICÁCIO, F.; KINKER, F.O desafio de viver fora: construindo a Cooperativa Paratodos. In: CAMPOS, F.C.B.; HENRIQUES, C.M.P. (org.) Contra a maré, à beira mar: a experiência do SUS em Santos.São Paulo, Hucitec, 1997. 2ª edição revista e ampliada. p.167-177. NICÁCIO, F; MÂNGIA, E.F.; GHIRARDI, M.I. Projetos de inclusão no trabalho e emancipação de pessoas em situação de desvantagem: uma discussão de perspectivas. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 16, n. 2, p. 62-6, 2005. OLIVER, F. C.; NICÁCIO, F. Da instituição asilar ao território: caminhos para produção de sentido nas intervenções em saúde. In: Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 10, n. 2/3, 1999. ROTELLI, F. Otto piú otto principi: per una strategia de psichiatria comunitaria, collettiva, territoriale (versus salute mentale). In: _____. Per lanormalità. Trieste, Asterios Editore, 1999. p. 94-101. SARACENO, B. Reabilitação Psicossocial: uma estratégia para a passagem do milênio. In: PITTA, A (org.) Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996. p. 13-8. SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação à cidadania possível. [La fine dell’intrattenimento: manuale di riabilitazione psichiatrica]. Trad. Lúcia H. Zanetta, M. do Carmo Zanetta, Willians Valentini. Belo Horizonte/Rio de Janeiro, Te Corá/Instituto Franco Basaglia, 1999. TYKANORI, R. Contratualidade e reabilitação psicossocial. In: PITTA, A (org.) Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996. p. 55-9. TYKANORI, R.. Em busca da cidadania. In: BRAGA CAMPOS, F. C.; HENRIQUES, C. M. P. (org.). Contra a maré, à beira mar: a experiência do SUS em Santos. São Paulo, Scritta, 1996. p.39-49. VASCONCELOS, E.M; LEME, C.C.C.P.; WEINGARTEN, R.; NOVAES, P. R. Reinventando a vida: narrativas de recuperação e convivência com o transtorno mental. Rio de Janeiro, EncantArte, 2005. 246p. Bibliografia complementar ROTELLI, F. Instituição Inventada. In: NICÁCIO, F. (org.) Desinstitucionalização. São Paulo, Hucitec, 1990. p. 89-99. SARACENO, B; ASIOLI, F; TOGNONI, G. Manual de Saúde Mental. São Paulo, HUCITEC, 1994.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0724

Clique para consultar o oferecimento para MFT0724

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP