Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0781 - Terapia Ocupacional e Programas Hospitalares
Occupational Therapy and Hospital Settings

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
I - Possibilitar ao aluno a reflexão e a compreensão dos (das):
• processos de adoecimento e do cuidado, destacando-se aqueles relativos às intervenções hospitalares;
• descontinuidades no viver e no cotidiano do sujeito e de sua rede social, ocasionados pelo processos de adoecimento e hospitalização, que podem vir a se agravar pelas condições de vulnerabilidade social a que estão submetidos;
• norteadores teórico-metodólogicos para a assistência hospitalar a partir da perspectiva da integralidade e da humanização do cuidado;
• práticas e saberes da terapia ocupacional no hospital e em seus contextos, apoiados nos princípios de uma clínica ampliada que reconhece e acolhe as necessidades singulares das pessoas sob cuidados clínicos ou cirúrgicos e de sua rede social;
• desafios para a construção e fortalecimento de uma atenção hospitalar, fundada em ações de cuidado interdisciplinares, intersetoriais e em rede.
II - Possibilitar ao aluno o conhecimento dos (das):
• domínios, populações, quadro clínicos e espaços mais comuns nas práticas da terapia ocupacional no hospital;
• dinâmicas de atendimento e abordagens próprias a cada domínio, população, quadro clínico e espaço de atendimento.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3566790 - Sandra Maria Galheigo
 
Programa Resumido
O campo da produção do cuidado em saúde, a terapia ocupacional e as práticas no hospital. As origens e trajetórias da intervenção do terapeuta ocupacional no hospital geral. A humanização da atenção, a Política Nacional de Humanização (HumanizaSUS) e a integralidade do cuidado na assistência hospitalar. Reflexões relativas às questões do viver, do adoecer, do cuidar e ser cuidado, do estar hospitalizado e do morrer. A atenção da terapia ocupacional nos diferentes espaços da estrutura hospitalar e em diferentes programas. Dinâmica de atendimento no hospital. A terapia ocupacional e os processos saúde-doença-cuidado dirigidos a pessoas de diferentes faixas etárias e quadros clínicos.
 
 
 
Programa
1. O campo da produção do cuidado em saúde, a terapia ocupacional e as práticas no hospital: uma discussão sobre a constituição do campo.
2. As origens e as trajetórias do hospital geral na assistência à saúde: a internação como segregação, a hegemonia do hospital na assistência à saúde, a especialização e a complexificação da intervenção hospitalar, o hospital como reflexo da falta de acesso às políticas públicas; os movimentos de desospitalização, a internação de curto prazo, o domicílio como lugar do cuidado.
3. As origens e trajetórias da intervenção do terapeuta ocupacional no hospital geral: as origens da terapia ocupacional nos hospitais de longa permanência e nos Centros de Reabilitação, a entrada do terapeuta ocupacional no hospital geral e as tendências atuais de sua intervenção.
4. A humanização da atenção, a Política Nacional de Humanização (HumanizaSUS) e a integralidade do cuidado como eixo da gestão e da assistência hospitalar.
5. As reflexões relativas às questões do viver, do adoecer, do cuidar e ser cuidado e do estar hospitalizado (no hospital ou no domicílio) e do morrer, com ênfase no(a/os):
• processo de adoecimento e hospitalização, suas conseqüências psicossociais e impacto no cotidiano da pessoa e de sua família/rede social;
• experiência da (o): gravidez, parto, nascimento, adoecimento, sofrimento, morte e luto.
• impactos destes processos na pessoa, na família e sua rede social e na equipe.
6. A terapia ocupacional e os processos saúde-doença-cuidado, com destaque para:
• o desenvolvimento de práticas e saberes da terapia ocupacional no hospital e em seus contextos, apoiados nos princípios de uma clínica ampliada que reconhece e acolhe as necessidades singulares das pessoas sob cuidados clínicos ou cirúrgicos e de sua rede social;
• os desafios para a construção e fortalecimento de uma atenção hospitalar, fundada em ações de cuidado interdisciplinares, intersetoriais e em rede.
• o trabalho em equipe no hospital: a multiprofissionalidade e a interprofissionalidade.
• Normas de higienização e biossegurança.
7. A atenção da terapia ocupacional nos diferentes espaços da estrutura hospitalar (enfermarias, quartos, isolamentos, UTIs, brinquedotecas, espaços de lazer e convivência, ambulatórios, salas de espera e casas de apoio), e de acordo com programas variados (atendimento domiciliário, internação domiciliar, humanização hospitalar, dentre outros).
8. A dinâmica de atendimento no hospital, os processos de triagem, identificação de prioridades, confecção do mapa de atendimento, avaliação e intervenção (individual, grupal, familiar, domiciliar, institucional), encaminhamento, referência e contra-referência.
9. A atuação do terapeuta ocupacional junto a pessoas de diferentes faixas etárias e quadros clínicos, a saber:
• neonatos pré-termo acompanhados nas unidades intensivas de neonatologia e pelos programas de seguimento;
• crianças, adolescentes e adultos hospitalizados e/ou sob cuidados clínicos e cirúrgicos na média e alta complexidade;
• pessoas com neoplasia ou portadores de HIV/AIDS;
• pessoas sob cuidados paliativos;
• um panorama dos domínios em expansão: o cuidado da pessoa ostomizada, com nefropatia crônica ou transtornos cardio-respiratórios.
 
 
 
Avaliação
     
Método
- Assiduidade e efetiva participação nas atividades propostas;
- 1 prova escrita dissertativa;
- Apresentação (escrita e oral) de trabalhos de pesquisa e seminários.
Critério
- Complexidade das reflexões desenvolvidas e das respostas apresentadas (através dos seminários, trabalhos escritos, provas e discussões grupais).
- Presença e participação nas aulas, sejam estas expositivas ou dinâmicas grupais para discussão de textos e apresentação de trabalhos, e em outros processos educativos.
Norma de Recuperação
- É necessário ter, no mínimo, média final 5,0. Se isto não for alcançado, o aluno deverá fazer prova de recuperação antes do início do próximo semestre letivo. A freqüência mínima é 75%.
 
Bibliografia
     
Alves, C.; Rodrigues, R.; Dittz, E. Oficina de Culinária: resgate da cotidianidade das mães acompanhantes de recém-nascidos de uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rer. Min. Enferm., v. 12, n.1, pp. 127-130, 2008.
Angeli, A. A. C., Luvizaro, N., Galheigo, S. M. O Cotidiano, O Lúdico E As Redes Relacionais: A Artesania Do Cuidar Em Terapia Ocupacional No Hospital. Interface – Comunic., Saúde, Educação, v.16, n.40, jan./mar. 2012, p. 261-272.
Ayres, J. O cuidado, e os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade, v.13, n.3, p.16-29, set-dez 2004.
Benevides, R.; Passos, E. Humanização na saúde: um novo modismo? Interface Comunic., saúde, Educ., v.9, n.17, 389-397, mar/ago 2005.
Benevides, R.; Passos, E. Réplica Interface Comunic., saúde, Educ., v.9, n.17, 404-406, mar/ago 2005.
Braga, N. Redes Sociais de Suporte e Humanização dos cuidados em saúde. In: Deslandes, S. (org.) Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006, p.163-184.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde. 2004.
Campos, G.W. Humanização na Saúde: um projeto em defesa da vida? Interface Comunic., saúde, Educ., v.9, n.17, 398-400, mar/ago 2005.
Cardoso, M.F., Corrêa, L. e Medeiros, A.C., M.A. A Higienização dos Brinquedos no ambiente hospitalar. Revista Prática Hospitalar, São Paulo, Ano VII, n. 42, nov.-dez. 2005
Castro et al. Análise de Atividades: apontamentos para uma reflexão atual. In: De Carlo, M. e Luzo, M.C. (orgs.) Terapia ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Rocca, 2004, pp.47-73.
Castro, E. D. Inscrições da relação terapeuta-paciente no campo da terapia ocupacional. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 16, n. 1, p. 14-21, 2005.
Cavalcanti, A.; Galvão, C. (Org.). Terapia Ocupacional - fundamentação & prática. 1a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2007.
Cecílio, L.C. e Merhy, E. E. “Integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar” Inhttp://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/capitulos-07.pdf. Acessado em: 24/02/14.
Costa, A. Integralidade na Atenção e no cuidado à saúde. Saúde e Sociedade, v.13, n.3, p.5-15, set-dez 2004.
De Carlo et al. Terapia Ocupacional em Dor e Cuidados Paliativos - constituição do campo e formação profissional. Revista Dor (São Paulo), São Paulo - Brasil, v. 6, n. 2, p. 560-566, 2005.
De Carlo, M. e Luzo, M.C. (orgs.) Terapia ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Rocca, 2004.
De Carlo, M. M. R. P. et al. Terapia Ocupacional em contextos hospitalares. Revista Prática Hospitalar, Săo Paulo, Ano VIII, n. 43. p.158-164, jan.- fev. 2006.
De Carlo, M.; Queiroz, M. Dor e Cuidados Paliativos - Terapia Ocupacional e Interdisciplinaridade. São Paulo: Rocca,2008.
Deslandes, S. (org.) Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.
Deslandes, S.. Análise do Discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciên.Saúde Coletiva, Rio de janeiro, v.9, n.1, p.07-14, 2004.
Dittz, E., Melo, D e Pinheiro, Z. A terapia ocupacional no contexto da assistência à măe e à família de recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva. Revista de Terapia Ocupacional da USP.17(1):42-47, 2006.
Dittz, E.; Maloy-Diniz, L. Dor neonatal e desenvolvimento neuropsicológico. Rer. Min. Enferm., v. 10, n.3, pp. 266-270, 2006.
Dittz, e.; Mota, J.; Sena, R. O cotidiano no alojamento materno, das mães de crianças internadas numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Brasileira de Saúde materno-Infantil, v. 8, n.1, p.75-81, 2008.
Ferreira, J. O Programa de Humanização da Saúde: dilemas entre o relacional e o técnico. Saúde e Sociedade v.14, n.3, p.111-118, set-dez 2005.
Figueiredo, L. As diversas faces do cuidar: considerações sobre a clínica e a cultura. In: MAIA, M. Por uma ética do cuidado. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.
Fortes, P. Ética, direitos do usuário e políticas de humanização da atenção à saúde. . Saúde e Sociedade, v.13, n.3, p.30-35, set-dez 2004.
Furtado, J.P. Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões.Interface (Botucatu) 2007, vol.11, n.22, pp. 239-255.
Galheigo, S M. Domínios e temáticas no campo das práticas hospitalares em terapia ocupacional: uma revisão da literatura brasileira de 1990 a 2006. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo v. 18, nº 3, 2007.
Galheigo, S M. Terapia Ocupacional e o cuidado integral a saúde de crianças e adolescentes: a construção do Projeto ACCALANTO. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.19, n.3, 2008.
Galheigo, S M. Terapia ocupacional, a produção do cuidado em saúde e o lugar do hospital: reflexões sobre a constituição de um campo de saber e prática. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.19, n.1, 2008.
Galheigo, S.M.; Angeli, A. Terapia Ocupacional e o cuidado integral a saúde de crianças e adolescentes: a construção do projeto ACCALANTO. Revista de Terapia Ocupacional da USP, v. 19, nº 3, 2008.
Galheigo, S.M.; Tessuto, L. Trajetórias, percepções e inquietações de terapeutas ocupacionais do Estado de São Paulo no âmbito das práticas da terapia ocupacional no hospital. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 2010
Galheigo, SM; Castro. ED. Humanização e Cuidado – Referenciais para a prática da terapia ocupacional junto à pessoa com câncer. In: Othero, Marilia BenseTerapia Ocupacional - Práticas em Oncologia, 2010.
Kudo et al.(orgs), Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional em Pediatria, 2.ed. São Paulo: Sarvier, 1994.
Kudo, A.; Maria, P. Intervenção da Terapia Ocupacional em Pediatria. In: Silva, A. et al (org). Instituto da criança 30 anos ações atuais na atenção interdisciplinar em pediatria. São Caetano do Sul: Yendis, 2006.
Kudo, A.; Maria, P. O Hospital pelo olhar da criança. São Caetano do Sul: Yendis, 2009.
Machado, L.D.; Lavrador, M.C. Por uma clínica da expansão da vida. Interface Comunic., saúde, Educ., v.13, supl.1, p.515-21, 2009.
Marinho, S.; Aram, M. As práticas de cuidado e a normalização das condutas. Interface, v.15, n.36, jan/mar, 2011.
Mariotti, M.; Carvalho, J. Avaliaçăo do impacto de um programa de terapia ocupacional na qualidade de vida do portador de insuficiência renal crônica em hemodiálise: estudo piloto. Anais do X Congresso Brasileiro e de Terapia Ocupacional. Goiânia, ATOGO, CD-ROM, PP. 1-9, 2007.
Mastropietro, A.P., Santos, M. e Oliveira, E. Sobreviventes do transplante de medula óssea: construço do cotidiano. Revista de Terapia Ocupacional da Univ Săo Paulo. V. 17, n.2, p.64-17, maio/ago., 2006
Menezes, R. Em Busca da Boa Morte: antropologia dos cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.
Meyerhof, P. O Neonato de Risco: proposta de intervençăo no ambiente e no desenvolvimento. In: Kudo et al.(orgs), Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional em Pediatria, 2.ed. Săo Paulo: Sarvier, 1994, pp.204-222.
Meyerhof, P. O neonato pré-termo no berçário de cuidados especiais. Temas sobre desenvolvimento, v. 5, n.30, p. 15-19, 1997.
Mitre, R.M. O brincar no processo de humanização da produção de cuidados pediátricos. In: Deslandes, S. (org.) Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas, Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006, pp. 283-300.
Moreira, M. E. L; Braga, N. A; Morsch, D.S. Quando a Vida Começa Diferente - o bebê e sua família na UTI Neonatal. Rio de Janeiro. Ed Fiocruz. 2006.
Othero, B. e De Carlo, M. A família diante do adoecimento e da hospitalização infantil: desafios para a terapia ocupacional. Prática Hospitalar, v. VIII-4, p. 101, 2006.
Othero, M. ; Costa, D. G. . Propostas Desenvolvidas em Cuidados Paliativos em um Hospital Amparador - Terapia Ocupacional e Psicologia. Prática Hospitalar, v. IX, nº 52, p. 157-160, 2007.
Othero, M. Terapia Ocupacional em Oncologia. São Paulo: Editora Rocca, 2010.
Palm, R. Oncologia. In: Cavalcanti, A.; Galvăo, C. (Org.). Terapia Ocupacional - fundamentaçăo & prática. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S.A., 2007, p. 487-492.
Reis, A; Marazina, I; Gallo, P. A humanização na saúde como instância libertadora. Saúde e Sociedade, v.13, n.3, p.36-43, set-dez 2004.
Santos, C., Marques, E. e Pfeifer, L.I. A brinquedoteca sob a visão da terapia ocupacional: diferentes contextos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCAR, v.14, .n.2, 2006, pp.91. -102.
Seki, Natalie Hidemi, GALHEIGO, Sandra Maria. O uso da música nos cuidados paliativos: humanizando o cuidado e facilitando o adeus. Interface (Botucatu) [online]. 2010, vol.14, n.33, pp. 273-284.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0781

Clique para consultar o oferecimento para MFT0781

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP