Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0869 - Terapia Ocupacional e a Saúde da pessoa com deficiência I
Health of People with Disabilities and Occupational Therapy I

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2017 Desativação:

Objetivos
Apresentar o campo de atenção à saúde e reabilitação da pessoa com deficiência física. Estudar e instrumentalizar o aluno de Terapia Ocupacional para a compreensão e atuação junto às pessoas com deficiência física (jovens e adultos) quanto à: Identificação e caracterização das necessidades terapêuticas decorrentes de quadros agudos, crônicos e progressivos nas diferentes fases da vida; Compreensão dos aspectos de funcionalidade, incapacidade derivados dos diferentes quadros de deficiência; Estudo dos instrumentos de avaliação, métodos, técnicas e recursos terapêuticos/tecnologia assistiva na atenção à saúde e reabilitação da pessoa com deficiência física.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3199961 - Rosé Colom Toldrá
 
Programa Resumido
Estudo e capacitação do aluno para atuar junto às pessoas com deficiência física (jovens e adultos) decorrentes de processos agudos, crônicos e progressivos. Identificação dos aspectos de funcionalidade, incapacidade. Estudo dos instrumentos de avaliação, métodos, técnicas e recursos terapêuticos na atenção em reabilitação da pessoa com deficiência.
 
 
 
Programa
a. Impacto da deficiência no indivíduo jovem e adulto. b. Processo de reabilitação e o acompanhamento das fases emocionais após aquisição de uma deficiência física. c. Estudo das principais condições que causam deficiência e incapacidade no jovem e na fase adulta. d. Perspectivas de intervenção em Terapia Ocupacional com pessoas que adquiriram deficiências de forma súbita ou traumática (acidente vascular encefálico, lesão medular, traumatismo craneoencefálico), nos quadros de deficiência e incapacidades decorrentes de doenças crônicas progressivas (distrofia muscular progressiva, esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, síndrome pós-polio e outras). d.1. Repercussões das incapacidades no desempenho das atividades. d.2. Princípios de tratamento em Terapia Ocupacional na concepção neuroevolutiva, auto-cuidado na perspectiva do método Self-Healing e outros abordagens. Aplicação das técnicas terapêuticas nas diferentes momentos do processo de reabilitação. d.3. Ações educativas e de reabilitação em diferentes contextos e serviços do Sistema Único de Saúde. d.4. Indicação e utilização de recursos tecnológicos/tecnologia assistiva. d.5. Acompanhamento e orientações à família/cuidadores. e. Rede de apoio social e a inclusão social de pessoas jovens e adultas com deficiência. f. Papéis sociais, adaptações da rotina de vida, barreiras do contexto e a convivência com a deficiência no decorrer da vida.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Estudos dirigidos Seminários; Estudos de caso; Leituras de textos; Dinâmicas grupais e reflexões da prática profissional; Avaliação escrita; Frequência, pontualidade e assiduidade.
Critério
Interesse e participação nas atividades e discussões; Prova escrita. Frequência, pontualidade e assiduidade.
Norma de Recuperação
Realização de prova escrita e/ou trabalho escrito no início do semestre seguinte.
 
Bibliografia
     
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. A Pessoa com deficiência e o Sistema Único de Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2011. BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Neurológica descrita na Portaria GM/MS nº 1.161, de 7 de julho de 2005. CARLO, M. R. P.; LUZO, M. C. M. Terapia Ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004. CRUZ, D. M. C. Terapia Ocupacional na reabilitação pós-acidente vascular encefálico: atividades de vida diária e interdisciplinaridade. São Paulo: Santos Editora, 2012. CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia Ocupacional: fundamentação & prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. DELBONI, M. C. C. MALENGO, P. C. M.; SCHMIDT, E. P. R. Relação entre os aspectos das alterações funcionais e seu impacto na qualidade de vida das pessoas com sequelas de Acidente Vascular Encefálico (AVE). O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010; 34(2): 165-175. FIKE, M. L. El papel de la terapia ocupacional en la rehabilitación psicológica de los incapacitados físicos. En: Krueger, D.M. (org) Psicología de la rehabilitación. Barcelona, Herder, p. 261-274, l988. FREITAS, E. D. de. Manual prático de reeducação motora do membro superior na hemiplegia. São Paulo, Memnon,2000. GAGLIARDI, R. J. Acidente Vascular Cerebral ou Acidente Vascular Encefálico? Qual a melhor nomenclatura? Rev Neurocienc,18(2):131-132, 2010. HOPKINS, H.L., SMITH. Willard / Spackman Terapia Ocupacional. Madrid, Editorial Médica Panamericana S.A., 2001. NEISTADT, M. E.; CREPEAU, E. B. Willard & Spackman Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde [Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais]. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/EDUSP; 2003. PEDRETTI, L. W.; EARLY, M. B. Terapia Ocupacional: Capacidades Práticas para as Disfunções Físicas. São Paulo: Editora Roca. 2005. ROCHA, E. F. Reabilitação de Pessoas com Deficiência. A Intervenção em Discussão. São Paulo: Roca, 2006 SENRA, L. A.; PRIETO, C. D.; MARECA, R. H. Terapia ocupacional en pacientes ingressados em UCI com daño neurológico y en estados de mínima consciência. TOG (A Coruña), 11 (19), 2014, p. 1-24. SCHNEIDER, Meir; LARKIN, MAUREEN; SCHNEIDER, DROR. Manual de Auto-cura: patologias específicas: Método Self-Healing 2ª Parte. São Paulo: Ed. Triom, 1999. SCHNEIDER, Meir. Manual de Auto-cura: Método Self-Healing. São Paulo: Ed. Triom, 1998. SCHNEIDER, Meir. Movimento para a auto-cura. São Paulo: Cultrix, 2005. TEXEIRA, E.; SAURON, F.N.; SANTOS, L.S.B. e OLIVEIRA, M.C. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. Ed. Roca e AACD, São Paulo, 2002 TOLDRÁ, R. C. Aprender a vivir: la construcción de la identidad de la persona con discapacidad física. Barcelona. Tese (Doutorado em Ciências Sociais e Saúde) – Universidad de Barcelona, 1996. TOLDRÁ, R. C. Terapia Ocupacional e o Método Self-Healing: criando novas possibilidades de viver o corpo. In: PÀDUA. E.M.M.; Magalhães, L. V. Casos, Memórias e vivências em Terapia Ocupacional. Campinas: Ed. Papirus, 2005. TOLDRÁ, R. C. Reflexões acerca da Terapia Ocupacional na Atenção à Pessoa Portadora de Deficiência Física. In: PÁDUA, E. M M.; MAGALHÃES, L.V. Terapia Ocupacional: teoria e prática. Campinas: Ed. Papirus, 2003. p 49-60. TOLDRÁ; R. C; SOUTO, A. C. F. Atenção ambulatorial de média complexidade em saúde e reabilitação de pessoas com deficiência física no âmbito da Terapia Ocupacional: reflexões a partir da prática. Cadernos Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos, v. 21, n. 2, p. 299-306, 2013. TROMBLY C. A.; RADOMSKI, M. V. Terapia Ocupacional para disfunção física. São Paulo: Editora Santos, 2005. 1176 p.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0869

Clique para consultar o oferecimento para MFT0869

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP