Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0923 - Prática Supervisionada em Terapia Ocupacional III
Supervised Practice in Occupational Therapy III

Créditos Aula: 6
Créditos Trabalho: 2
Carga Horária Total: 150 h ( Estágio: 150 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
Objetivos gerais: Possibilitar a construção de experiências práticas supervisionadas centradas no conhecimento, vivência, discussão e reflexão sobre: - As populações atendidas em Terapia Ocupacional em seus contextos de vida, redes sociais, especialmente no que se refere à autonomia, cotidiano, participação social e exercício de direitos; - Os funcionamentos institucionais, sua inserção territorial e suas propostas, - O desenvolvimento de estratégias de interação, comunicação, convivência e mediação de relações pessoas-contextos nos cenários de práticas. Objetivos Específicos: Permitir a compreensão das bases conceituais e operativas das redes de serviços setoriais e intersetoriais, seus componentes e as articulações entre estes. Favorecer a compreensão dos funcionamentos institucionais, sua inserção territorial e suas propostas, bem como do trabalho das equipes profissionais e do terapeuta ocupacional nas ações de interface. Participar e acompanhar momentos de trabalho das equipes, desenvolver ações breves voltadas diretamente aos usuários, famílias e comunidade, assim como produzir reflexões sobre a prática de terapia ocupacional no contexto em que desenvolve seu plano de estudos.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
93832 - Elizabeth Maria Freire de Araujo Lima
325889 - Erika Alvarez Inforsato
90422 - Marta Carvalho de Almeida
2743076 - Selma Lancman
 
Programa Resumido
1. Serviços ou projetos e suas redes - Responsabilidades, características e arranjos organizativos - Apoio técnico, logístico e equipe - Gestão, controle social e participação sociocultural - Território, recursos da comunidade e sua integração à rede - Estratégias de articulação/cooperação entre serviços (setorial e intersetorial) - Atenção integral ao usuário - Ações interdisciplinares de construção de redes e cooperação com o território - Políticas públicas intersetoriais 2. Os usuários e suas redes - O acolhimento do usuário - Diretrizes da construção do cuidado/intervenção - Acessos e itinerários dos usuários nas redes (setorial e intersetorial) 3. Equipes de trabalho, trabalho em equipe - Composição, organização, funcionamento e gestão - Ações em equipe: planejamento, execução e avaliação - Atenção contínua e responsabilização: possibilidades e desafios - Condições de trabalho 4. A terapia ocupacional: perspectivas da prática intersetorial - Terapia Ocupacional, práticas comunitárias e territoriais - Terapia Ocupacional e Trabalho - Terapia Ocupacional e Assistência Social - Terapia Ocupacional, Arte, Corpo e Cultura
 
 
 
Programa
1. Serviços ou projetos e suas redes - Responsabilidades, características e arranjos organizativos - Apoio técnico, logístico e equipe - Gestão, controle social e participação sociocultural - Território, recursos da comunidade e sua integração à rede - Estratégias de articulação/cooperação entre serviços (setorial e intersetorial) - Atenção integral ao usuário - Ações interdisciplinares de construção de redes e cooperação com o território - Políticas públicas intersetoriais 2. Os usuários e suas redes - O acolhimento do usuário - Diretrizes da construção do cuidado/intervenção - Acessos e itinerários dos usuários nas redes (setorial e intersetorial) 3. Equipes de trabalho, trabalho em equipe - Composição, organização, funcionamento e gestão - Ações em equipe: planejamento, execução e avaliação - Atenção contínua e responsabilização: possibilidades e desafios - Condições de trabalho 4. A terapia ocupacional: perspectivas da prática intersetorial - Terapia Ocupacional, práticas comunitárias e territoriais - Terapia Ocupacional e Trabalho - Terapia Ocupacional e Assistência Social - Terapia Ocupacional, Arte, Corpo e Cultura
 
 
 
Avaliação
     
Método
a) Participação e Frequência nas atividades propostas em serviços e ou projetos de atenção, em reuniões de orientação, em supervisão e atividades de estudo; b) Documentação das atividades; c) Leitura e discussão de textos; d) Registros das vivências constando elaborações singulares das atividades desenvolvidas; e) Seminários Temáticos; f) Avaliação Final.
Critério
a) Participação e interesse nas atividades práticas e nas discussões em grupo; b) Qualidade das relações desenvolvidas (com supervisor, usuários e equipe), compreensão e participação na estrutura institucional; c) Qualidade das reflexões e elaborações produzidas; d) Entrega de relatório final de avaliação da disciplina.
Norma de Recuperação
Não há recuperação.
 
Bibliografia
     
Brasil. Ministério da Saúde. A investigação das relações saúde-trabalho, o estabelecimento do nexo causal da doença com o trabalho e as ações decorrentes. In: Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, p.27-36; 2001. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora – Portaria no. 1823, de 23 de agosto de 2012. CASTRO, E. D. et al. Território e diversidade: trajetórias da terapia ocupacional em experiências de arte e cultura na cidade de São Paulo. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 24, n. 1, p.3-12, 2016. Dejours, C. Por um novo conceito de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 14(54): 7-11, 1986. Lancman S; Ghirardi MIG. Pensando novas práticas em Terapia Ocupacional, Saúde e Trabalho. In: Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.13, n.2, p.44-50, maio/ago. 2002. Leão, LHC; Vasconcellos, LCF. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST): reflexões sobre a estrutura de rede. In: Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 20(1): 85-100, jan-mar, 2011. LIMA, Elizabeth Araújo; YASUI, Silvio. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde em Debate, v. 38, n. 102, p. 593-606, jul-set, 2014. MAMBERTI, Sérgio. Políticas Públicas: cultura e diversidade – pronunciamento do secretário Sergio Mamberti na IV Conferência de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados. 2005. Disponível em: . Acesso em26/02/13. MAXIMINO, V.; LIBERMAN, F. (orgs.) Grupos e Terapia Ocupacional: formação, pesquisa e ações. São Paulo: Summus, 2015. BARROS, D.D. Terapia ocupacional social: o caminho se faz ao caminhar. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 15, n. 3, p. 90-7, set./dez., 2004 FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. [partes selecionadas] SARTI, C.A. Famílias enredadas. In: ACOSTA, A.R. e VITALE, M.A.F. (Orgs.) Família - Redes, Laços e Políticas Publicas. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2010. TEIXEIRA, S.M. Políticas públicas para a família: o desafio da superação do subdesenvolvimento em serviços de apoio à família. Rev. SER Social, Brasília, v. 12, n. 27, p. 63-87, jul./dez. 2010. Uma visão histórica da violência contra crianças e adolescentes. In: FALEIROS, V. P. e FALEIROS, E. S.. ESCOLA QUE PROTEGE: Enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008, 2ª edição. Cap 1. p. 15-26. A violência contra crianças e adolescentes e suas principais formas. In: FALEIROS, V. P. e FALEIROS, E. S.. ESCOLA QUE PROTEGE: Enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008, 2ª edição. Cap 2. p. 29-53. BAJOIT, G. Olhares sociológicos, rostos da pobreza e concepções do trabalho social. In: C. M. Balsa; L. W. Boneti; M. Soulet. Conceitos e dimensões da pobreza e da exclusão social: uma abordagem transnacional. Ijuí: Editora Unijuí, 2006a, pp. 91-102. MARANDOLA Jr E.; HOGAN, D. J. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 1, p. 33-43, jan./mar. 2006 YAZBEK, M. C. Pobreza no Brasil contemporâneo e formas de seu enfrentamento. Serv. Soc. Soc. [online]. 2012, n.110, pp.288-322. (10) FREIRE, Madalena. Educando o olhar da observação. In: ______. Observação, registro e reflexão. Instrumentos Metodológicos I. 2ed. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996. p.1-21. ALMEIDA, M. C. Tópicos sobre os primeiros contatos profissional-usuário em terapia ocupacional. ago-nov. de 2013. 2p. Material Didático. OLIVEIRA, R. C. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: ______. O trabalho do antropólogo. São Paulo: Editora Unesp, 2000. p.17-35. LOPES, R.E. et al. Educação profissional, pesquisa e aprendizagem no território: notas sobre a experiência de formação de terapeutas ocupacionais. O Mundo da Saúde. v.34, n.2, São Paulo, p.140-147. 2010. BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social. 2013. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/tipificacao.pdf . Leitura das páginas 16 a 24. BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Concepção de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social. 2013. Leitura das páginas 9 a 11; 17 a 26; 35 a 47. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/assistencia_social/arquivos/Protecao_Basica/smads-concepconviv.pdf SIERRA, V.M e MESQUITA, W.A. Vulnerabilidades e fatores de risco na vida de crianças e adolescentes. Rev. São Paulo em Perspectiva, v.20, n.1, jan./mar. 2006. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n01/v20n01_11.pdf HILLESHEIM, B e CRUZ, L. R. Risco, vulnerabilidade e infância: algumas aproximações. Rev. Psicologia & Sociedade, v.20, n.2, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v20n2/a06v20n2.pdf
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0923

Clique para consultar o oferecimento para MFT0923

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP