Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0924 - Estágio Supervisionado em Terapia Ocupacional I
Supervised internship in Occupational Therapy I

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 8
Carga Horária Total: 300 h ( Estágio: 300 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
O estágio supervisionado visa o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao exercício profissional do terapeuta ocupacional junto a pessoas ou coletivos com limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social, em distintos contextos e níveis de atenção à saúde como unidade básica de saúde, domicílio, comunidade, centro de convivência, hospitais e/ou ambulatórios; Visa também a aplicação e avaliação das perspectivas ético-teóricas-técnicas do agir profissional em Terapia Ocupacional considerando necessidades, projetos e recursos das pessoas em seus contextos de vida. Objetivos específicos: • Compreender como as alterações do desenvolvimento, presença de deficiência, doenças crônicas e crônico-degenerativas e/ou sofrimento psíquico, vulnerabilidade social e processo de envelhecimento, em diferentes condições sócio-histórico-culturais, podem produzir limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social de pessoas ou coletivos e demandarem ações específicas de saúde, de reabilitação e de Terapia Ocupacional; • Acompanhar e desenvolver ações em Terapia Ocupacional junto a pessoas ou coletivos com limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social, em distintos contextos e níveis de atenção à saúde como unidade básica de saúde, domicílio, comunidade, centro de convivência, hospitais e/ou ambulatórios; • Desenvolver o papel de terapeuta ocupacional de forma a responder às necessidades e demandas das pessoas acompanhadas em distintos contextos e níveis de atenção à saúde; • Contribuir com os profissionais, equipes e serviços de saúde no apoio à realização de atividades que facilitem a efetivação da autonomia e independência cotidiana, constituição de redes de apoio e à participação social de pessoas ou coletivos; • Compreender os diferentes recursos terapêuticos e metodologias de intervenção em terapia ocupacional junto a pessoas com limitações na realização de atividades cotidianas e à participação social, seus familiares e/ou cuidadores e comunidade, utilizados nos diferentes contextos e níveis assistenciais do campo da saúde.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
83981 - Eucenir Fredini Rocha
2089970 - Fatima Correa Oliver
1373516 - Maria Helena Morgani de Almeida
3199961 - Rosé Colom Toldrá
 
Programa Resumido
A disciplina tem como objetivo proporcionar ao estudante o exercício da prática profissional supervisionada, a reflexão contextualizada e a análise sobre: interação, convivência, cuidado, acompanhamento e desenvolvimento de projetos terapêuticos singulares nos contextos de vida nos territórios, de projetos coletivos e de fortalecimento de protagonismo; cotidiano, autonomia, participação social e exercício de direitos da população atendida; cotidiano e lógica institucionais; papel profissional nos contextos institucionais, redes intra e intersetorial e junto à população atendida/familiares/redes sociais; trabalho em equipe; políticas públicas.
 
 
 
Programa
1. Questões pertinentes ao acesso aos direitos fundamentais pelas pessoas com limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social acompanhadas nos serviços, tais como: o direito à saúde e aos seus bens e tecnologias, o direito de ir e vir no espaço público e político, à liberdade de expressão, ao respeito a integridade pessoal e autonomia e aos demais direitos sociais; 2. Estratégias da Terapia Ocupacional que contribuem para a eliminação de preconceitos, discriminação, exclusão social, segregação, intolerâncias dirigidas às pessoas ou coletivos com limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social; 3. Princípios, diretrizes, objetivos e tecnologias da Terapia Ocupacional, nos distintos contextos e níveis da atenção à saúde e reabilitação relacionados às necessidades de saúde e de reabilitação das pessoas e grupos populacionais; 4. Especificidades do processo de trabalho e da formação do Terapeuta Ocupacional no que se refere a compreensão e utilização de diferentes recursos e tecnologias da Terapia Ocupacional no campo da saúde e da reabilitação, nos diferentes níveis assistenciais, com ênfase naquelas dirigidas às pessoas ou grupos com limitações na realização de atividades cotidianas e restrições à participação social, decorrentes de distintas condições; 5. Terapia Ocupacional e as diferentes estratégias de acompanhamento da pessoa, sua família e seu entorno social baseadas em ações dialogadas para realização de atividades cotidianas de maneira a reduzir e compensar dificuldades pessoais e do entorno, promover participação social, o que inclui estratégias para promover o acesso e utilização (no domicilio, na escola, no trabalho, no lazer e em outros espaços e equipamentos sociais), do repertório de tecnologias assistivas desenvolvidas com base nos princípios de acessibilidade e de desenho universal; 6. As diferentes modalidades de intervenção utilizadas pela Terapia Ocupacional no âmbito da saúde e reabilitação como os atendimentos de caráter individual, compartilhados com outros profissionais, no serviço, no domicilio, junto a familiares, grupos, comunidades e no espaço territorial; 7. A Terapia Ocupacional e o trabalho em equipe e em ações intersetoriais: elaboração de projeto terapêutico e de participação social, ações compartilhadas e colaborativas com outros profissionais da saúde e de outros setores.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação deve permitir aos estudantes, docentes e supervisores um olhar abrangente para o processo de aprendizagem, que englobe o conjunto das vivências, reflexões e registros elaborados durante a experiência prática. Será realizada avaliação processual de desempenho, critério-referenciada.
Critério
A avaliação processual do desempenho do estudante estará referenciada nas dimensões de desenvolvimento e aperfeiçoamento de habilidades para o exercício do papel profissional a serem desenvolvidas no estágio, de acordo com o programa da disciplina, tais como: compromisso com o trabalho, e nas interações com usuários, familiares e equipes; pontualidade e assiduidade; postura responsável e ética, considerando a centralidade do usuário no desenvolvimento da prática e da construção de projetos terapêuticos. Os estudantes também serão avaliados por outros instrumentos tais como: elaboração e apresentação de seminários e discussões temáticas; elaboração de registros e documentação das vivências e atividades desenvolvidas; elaboração de relatórios teórico-práticos; apresentação de diário de campo descritivo-reflexivo, conforme orientações e cronograma proposto na disciplina.
Norma de Recuperação
Não há.
 
Bibliografia
     
ALMEIDA MHM, BATISTA MPP, CAMPOS ACV. Autonomia e independência como indicadores de saúde para idosos. In Campos ACV, Berlezi EM, Correa AHM. Org Envelhecimento um processo multidimensional. Ed INIJUI, 2014. Pg 149-171. ALMEIDA MHM, BATISTA MPP, MARQUES C, RODRIGUES E, GALLETTI MC. Abordagens grupais na assistência aos idosos. In Campos ACV, Berlezi EM, Correa AHM. Teorias e práticas socioculturais na promoção do envelhecimento ativo Org. Ed INIJUI, 2014. Pg 13 -29 ALMEIDA MHM, BEGER ML, WATANABE H. Oficina de memória para idosos: estratégia para a promoção da saúde. Rev Interface, 2007, 11(22), p. 271-80. ALMEIDA MHM, SILVA SNP, RATIER APP. Atenção ao idoso no domicílio: O enfoque da Terapia Ocupacional. In: Accioly MR e Lemos ND. Gerontologia: Os desafios nos diversos cenários da atenção. São Paulo: Manole, 2010 p. 459- 68. ALMEIDA MHM. Elaboração e validação do instrumento CICAc: classificação de idosos quanto à capacidade para o autocuidado Rev Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 2004, 15(3), p121-20 ALMEIDA. MHM. Terapia Ocupacional em doenças neuro-degenerativas. IN: Santana F. Cuidados Paliativos: Diretrizes, Humanização e Alívio dos Sintomas. São Paulo: Atheneu, 2011. P. 485-8 AOKI, M. Reabilitação com ênfase no território: demandas das pessoas com deficiência e participação comunitária. (Dissertação). Universidade de São Paulo, Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional da USP; 2009. 34-47. BASSIT AZ. História de mulheres: reflexões sobre a maturidade e a velhice. In: Minayo MC. Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002. p. 175-89. BATISTA MPP, LANCMAN S E ALMEIDA MHM. Cuidadores formais de idosos: contextualização histórica no cenário brasileiro. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2014; 17(4):879-885 BATISTA MPP.,SOUZA FG. DE, SCHWARTZG., EXNER C., ALMEIDA MHM. Utilização no cotidiano de tecnologias da informação e comunicação por idosos participantes da Universidade Aberta da Terceira Idade da Universidade de São Paulo. Revista Kairós Gerontologia, 18(4), pp. 405-426. 2015 BOBATH, K. Uma base Neurofisiológica para o tratamento da Paralisia Cerebral. Ed. Manole. SP. BORN. T. Cuidado ao Idoso em Instituições. IN: Papaléo Netto. Gerontologia. São Paulo: Atheneu, 1996. P. 403-13. BRANDÃO, ANA PAULA; TRINDADE, AZOILDA LORETTO. Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro. Fundação Roberto Marinho, 2010. BRASIL. Lei nº 10.741. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, DF, 2003. BRASIL. Ministério da Saúde. A tenção domiciliar no SUS: resultados do laboratório de inovação em atenção domiciliar / Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 184 p. : il. – (Série Técnica NavegadorSUS, n. 9). Disponível em http://apsredes.org/site2013/wp-content/uploads/2014/12/WEB_ATENCAO_DOMICILIAR.pdf Acesso em 10 fev 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Guia prático do cuidador. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 64p. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_cuidador.pdf#page=2&zoom=auto,-130,130. Acesso em 10 fev 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 1395/GM. Política de Saúde do Idoso. Brasília, DF, 1999. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n º 2.528. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília, DF, 2006 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2010.152 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Caderno de Atenção Básica, n. 27) BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção às pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo e suas famílias na Rede de Atenção Psicos¬social do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Implantação das Redes de Atenção à Saúde e outras estratégias da SAS / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 160 p. : il Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_redes_atencao_saude_sas.pdf Acesso em 10 fev 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas, Área Técnica Saúde do Idoso. – Brasília , 2010. BRITO FC, LITVOC J. Conceitos Básicos. In Brito FC & Litvoc J. Envelhecimento: Prevenção e Promoção da Saúde. São Paulo. Atheneu, 2004. p. 1-16. CALDEIRA, V. A. Prática de terapia ocupacional em unidade básica de saúde na atenção às pessoas com deficiência. (dissertação). Universidade de São Paulo, Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional da USP; 2009. p. 12-37. CAMPOS, G. W. S. et al. Reflexões sobre a atenção básica e a estratégia de saúde da família. In CAMPOS, G. W. S.; GUERREIRO, A. V. P. (org.) Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo, Hucitec, 2008, p. 132 - 153. CARDOSO V, GONÇALVES LHT. Instrumentos de avaliação da autonomia no desempenho das atividades de vida diária do cliente idosos. Arq. Catarinenses de Med, 24(4), 1996, p.21-47 CARLETTI, S.M.M., REJANI M. I. Atenção Domiciliaria ao Paciente Idoso. In Netto, M. P. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo, Ateneu, 1996. CARVALHO, V.L.C.M. de O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO. Aula 5 (apostila) Curso Virtual “Educação para a Tolerância: Contribuições Psicanalíticas” – out a dez 2010. 13p. Disponível em: http://www.pucsp.br/prosaude/downloads/bibliografia/cuidado_como_base_etica_constucao_ser_humano.pdf CASSIANO J. A contribuição da terapia ocupacional para manutenção da capacidade funcional do idoso. In: Drummond AF & Rezende MB. Intervenção da terapia ocupacional. Ed UFMG, 2008, pg 139-58 CAVALCANTE, F.G. et al. Diagnóstico situacional da violência contra crianças e adolescentes com deficiência em três instituições do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva. 2009;14(1):45-56. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a10v14n1.pdf . Acesso em 27/01/2014. CRUZ, Daniel Marinho Cezar da. Terapia Ocupacional na reabilitação pós-acidente vascular encefálico. São Paulo: Editora Santos, 2012, 458 p. DAVID, Myriam. A criança dos 0 aos 6 anos vida afetiva, problemas familiares. Lisboa Moraes, 1983, 201 p. DAVIES, P. M.; Hemiplegia. Tratamento para pacientes após AVC e outras lesões cerebrais. 2 ed., Barueri, Editora Manole, 2008. DEBERT GG. O significado da velhice na sociedade brasileira. Acta Paul Enfer, v. 13, 2000. DIAS EG, DUARTE YAO, ALMEIDA MHM, LEBRÃO ML. “Caracterização das Atividades Avançadas de Vida Diária (AAVDs)”. Rev. Ter.Ocup.USP. 22(1) p.45-51, 2011. EGGERS, O. Terapia Ocupacional no tratamento de hemiplegia do adulto. Rio de Janeiro, Colina, 1984, 217p. FERREIRA, T. G.; OLIVER, F. C. A atenção domiciliar como estratégia para ampliação das relações de convivência de pessoas com deficiências físicas. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2010, 21 (3): 189-197. Disponível em http://revistas.usp.br/rto/article/view/14104/15922 Acesso em 27/01/2014. FERREIRA, V. J. A. O que todo professor precisa saber sobre neurologia. São José dos Campos: Pulso Editorial, 2005. Cap.V, Epilepsia, p. 67-78. FINNIE, N. A. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral. Ed. Manole, 1980. FREITAS EV, PY L e col. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002 FURLAN, P O caso “grupo terapêutico”, os grupos de encontro e a clínica na atenção básica. In: MAXIMINO, V; LIBERMAN, F (org) Grupos em Terapia Ocupacional: formação, pesquisa e ações. São Paulo: Summus Editoria p. 275 – 28 HEYMEYER, URSULA; GANEM, LORAINE. O bebê, o pequerrucho e a criança maior. Guia para a interação com crianças com necessidades especiais São Paulo Memnon, 2004, 160p. MARSIGLIA, Regina Maria Giffoni Universalização do acesso ao Sistema Único de Saúde no Brasil: desafios para a Atenção Primária à Saúde. Cad. Ter Ocup UFSCar São Carlos v. 20 no. 3 Disponível em http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/676/390 Acesso em 10 fev 2016 MERHY, EE; FEUERWERKER, LCM; CERQUEIRA, MP Da repetição a diferença: construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. Disponível em http://www.eeaac.uff.br/professores/merhy/capitulos-21.pdf MORÁN JP; ULLOA, F Perspectiva crítica desde latinoamérica: hacia una desobediencia epistémica en terapia ocupacional contemporánea/Perspectiva crítica desde a América Latina: uma desobediência epistêmica na Terapia Ocupacional contemporânea. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 2, p. 421-427, 2016. http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoARF0726 NERI AL. Cuidar de idosos no contexto da família: questões psicológicas e sociais. Campinas: Alínea; 2002. NERI AL. Palavras Chaves em Gerontologia. Campinas: Alínea Editora. 2001 NERI AL. Teorias evolutivas. Palavras Chaves em Gerontologia. Campinas: Alínea Editora. 2001 NETTO AJ. Gerontologia Básica. São Paulo: Lemos. 1997 NICOLAU, SM. Grupos na atenção básica: enraizar-se em uma comunidade. In: MAXIMINO, V; LIBERMAN, F (org) Grupos em Terapia Ocupacional: formação, pesquisa e ações. São Paulo: Summus Editorial p. 264-274. OLIVAN, G. G. Qué se puede hacer para prevenir la violencia y el maltrato de los niños con discapacidades? An Pediatr (Barc) 2005;62(2):153-7. OLIVER, F.A.; GHIRARDI, M. I. G.; ALMEIDA, M. C.; TISSI, M. C.; AOKI, M. Reabilitação no território: construindo a participação na vida social. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2001; 12(1/3): 15-22. OLIVER, F.C. AOKI; TISSI, M.C.; VARGEM, E.F.; FERREIRA, T.G. Oficinas de Trabalho – sociabilidade ou geração de renda? Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2002: 13 (3): 86-94. OLIVER, F.C.; ALMEIDA, M.C.; TISSI, M.C.; CASTRO, L.H.; FORMAGIO, S. Reabilitação baseada na Comunidade: construindo estratégias de ação no contexto sociocultural. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 1999; 10(1):1-10. OMS - Organização Mundial da Saúde. Envelhecimento Ativo: uma Política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. OMS - Organização Mundial da Saúde. Guia global : cidade amiga do idoso.2008 ONU - Organização das Nações Unidas. Plano de ação internacional sobre o envelhecimento. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Brasília, 2003. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, D.C.: OPAS, © 2005. ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Rehabilitación basada en la comunidad: guías para la RBC.2010. Disponível em http://www.who.int/disabilities/cbr/guidelines/en/index.html PARHAM. L. A recreação na terapia ocupacional pediátrica. São Paulo. Santos. 2002. PEDUZZI, M.; OLIVEIRA, M.A.C. Trabalho em equipe multiprofissional. In: Milton de Arruda Martins; Flair José Carrilho; Venancio Avancini Ferreira Alves; Euclides Ayres de Castilho; Giovanni Guido Cerri; Chao Lung Wen. (Org.). Clínica médica. 1a. ed. Barueri-SP: Manole, 2009, v. 1, p. 171-178. PEREIRA, M.P.B.; BARCELLOS, C. O território no Programa de Saúde da Família. Hygeia. 2006; 2 (2): 47-55. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/16847 Acesso em 27/01/2014. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Decreto no. 6949 de 28 de agosto de 2009. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm PY L, TRIEN F. Finitude e Infinitude: Dimensões do tempo na experiência do envelhecimento. In: Freitas e col. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: Guanabara. 2002. P. 1013 a 1019. REIS, F; GOMES, ML; AOKI M. Terapia ocupacional da Atenção Primária em Saúde: reflexões sobre as populações atendidas. Cad. Ter Ocup UFSCar São Carlos Disponível em http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/678/392 Acesso em 10 fev 2016 RIBEIRO A. Sexualidade na Terceira Idade. In: Papaléo Neto. Gerontologia. SP. Atheneu, 1996. P 124-135. ROCHA, E. F. Reabilitação de Pessoas com deficiência: a intervenção em discussão. Ed. ROCA, São Paulo, 2006. ROCHA, EF FEIJÓ, LA, OLIVEIRA, RH. Terapia ocupacional na Atenção Primária à Saúde: atribuições, ações e tecnologias. Cad. Ter Ocup UFSCar São Carlos Disponível em http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/679/393 Acesso em 10 fev 2016 ROCHA, Eucenir Fredini; OLIVER, F. C.; CASTIGLIONE, Maria Do Carmo; SANTORELLI, M. E.; LOPES, M. E.; SOUZA, Marlito de. Acesso e Acessibilidade das pessoas com deficiência e/ou incapacidades aos serviços de saúde no SUS. In: Lima, IMSO; Teixeira, CF; Pinto , I.. (Org.). Política, Saúde e Cidadania: direitos das pessoas com deficiências. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2011, v. , p. -. SAMEA, M. O dispositivo grupal como intervenção em reabilitação: reflexões a partir da prática em Terapia Ocupacional. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2008; 19 (2): 85-90. Acesso em 26/08/2010. http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rto/v19n2/04.pdf SÃO PAULO Rede de Cuidados à pessoa com Deficiência. Secretaria Municipal de Saúde. Secretaria estadual da Saúde. São Paulo, 60p. Disponível em http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/PlanodeacaoRedePessoacomDeficiencia.pdf Acesso em 10 fev 2016 SÃO PAULO. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Saúde. Caderno Temático da Criança, 2003. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/arquivos/publicacoes/CadernoCrianca.pdf Acesso em 12/08/2014 SATO AT, BATISTA MPP, ALMEIDA MHM. “Programas de estimulação da memória e funções cognitivas relacionadas”: opiniões e comportamentos dos idosos participantes. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 25, p. 51, 2014. SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – SDH/PR. Por uma cultura de direitos humanos: direito ao mais alto patamar de saúde física e mental. Brasília, 2013. SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE. Cuidados Domiciliares na Atenção Básica para Pessoas com Perdas Funcionais e Dependência. Dezembro de 2004. SLUZKI, C E. A rede social na prática sistêmica. Alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997 SOUSA, A. M. C. de e FERRARETO, I. Paralisia Cerebral: aspectos práticos. São Paulo: Mennon STOTZ, E. N. Participação social. In: PEREIRA, Isabel Brasil; LIMA, Júlio César França. (Org.). Dicionário de educação profissional em saúde. 2ed. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2009. Disponível em http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/parsoc.html Acesso em 10 fev 2016 VOOS, D.E. et all Facilitação Neuromuscular proprioceptiva: Padrões Técnicas. 3a.ed. Editorial Médica Panamericana. YASSUDA MS. Memória e envelhecimento saudável. In: Freitas e col. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: Guanabara. 2002. P. 914-19.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0924

Clique para consultar o oferecimento para MFT0924

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP