Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0925 - Estágio Supervisionado em Terapia Ocupacional II
Supervised internship in Occupational Therapy II

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 7
Carga Horária Total: 270 h ( Estágio: 270 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
O estágio supervisionado visa o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao exercício profissional do terapeuta ocupacional no contexto das redes de atenção voltadas às pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas, a crianças e adolescentes com transtornos globais do desenvolvimento e a crianças e adolescentes em situação de adoecimento, hospitalização e vulnerabilidade social. Visa também a aplicação e avaliação das perspectivas ético-teóricas-técnicas do agir profissional em Terapia Ocupacional considerando necessidades, projetos e recursos das pessoas em seus contextos de vida.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
587795 - Daniela Figueiredo Canguçú
88242 - Elisabete Ferreira Mângia
3112891 - Fernanda Stella Risseto Mieto
56552 - Maria Fernanda de Silvio Nicacio
3566790 - Sandra Maria Galheigo
 
Programa Resumido
A disciplina tem como objetivo proporcionar ao estudante o exercício da prática profissional supervisionada, a reflexão contextualizada e a análise sobre: interação, convivência, cuidado, acompanhamento e desenvolvimento de projetos terapêuticos singulares nos contextos de vida nos territórios, de projetos coletivos e de fortalecimento de protagonismo; cotidiano, autonomia, participação social e exercício de direitos da população atendida; cotidiano e lógica institucionais; papel profissional nos contextos institucionais, redes intra e intersetorial e junto à população atendida/familiares/redes sociais; trabalho em equipe; políticas públicas.
 
 
 
Programa
I. Gestão do Cuidado: Observação, descrição e análise da dinâmica institucional e das estratégias de cuidado construídas no cotidiano do serviço; Desenvolvimento de técnicas de atenção e acolhimento para o cuidado qualificado nos cenários de atuação de modo a promover ações para a formulação e desenvolvimento de projetos de atenção e acompanhamento individuais e coletivos; Acompanhamento e desenvolvimento de projetos terapêuticos singulares centrados nas necessidades do usuário. II. Participação e coordenação em projetos: protagonismo na experiência com os conhecimentos, metodologias, procedimentos e agenciamento de recursos comunitários e da formação em Terapia Ocupacional, de modo a produzir melhorias no acesso e na qualidade das ações desenvolvidas; com uma escuta ativa das pessoas, famílias, grupos e comunidades, articuladas às políticas públicas sociais e de saúde; III. Trabalho em Equipe: compromisso de trocas para conhecer, participar, compartilhar informações e colaborar no desenvolvimento das ações desenvolvidas pelas equipes interprofissionais presentes nas redes de atenção, de acordo com as necessidades da situação e/ou processo; IV. Papel profissional: apropriação do seu papel profissional e dos demais membros da equipe; respeito à diversidade de papéis e competências profissionais; desenvolvimento da capacidade de integrar competências na gestão do cuidado; Apropriação de perspectivas ético-teóricas-técnicas do agir profissional em Terapia Ocupacional, considerando necessidades, projetos e recursos das pessoas em seus contextos de vida. V. Construção participativa das redes assistenciais, de modo a compreender o papel dos cidadãos, gestores, trabalhadores e instâncias do controle social na elaboração das políticas públicas brasileiras; Desenvolvimento de ações intersetoriais, em particular relativas à habitação, trabalho/economia solidária, educação e direitos humanos; VI. Participação social: Participação em atividades de planejamento e execução de ações interdisciplinares, interunidades, intersetoriais e/ou movimentos sociais/comunitários, com articulação dos campos de ensino e aprendizagem nas redes assistenciais e intersetoriais, na promoção da integração de ações e serviços pautados em princípios humanísticos, éticos e participativos. VII. Registro, elaboração e comunicação da experiência: desenvolvimento e aprimoramento de atividades de comunicação verbal, escrita e de leitura; necessárias para apoiar e sustentar tanto as dinâmicas de formação em Terapia Ocupacional e as interações com usuários, equipe, serviços e comunidade; VIII. Espaços de supervisão e estudo dirigido: compromisso com o processo de ensino-aprendizagem, que estimule o pensamento crítico, o agir ético, o protagonismo, a autonomia e a co-responsabilização na construção dos saberes e práticas.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação deve permitir aos estudantes, docentes e supervisores um olhar abrangente para o processo de aprendizagem, que englobe o conjunto das vivências, reflexões e registros elaborados durante a experiência prática. Será realizada avaliação processual de desempenho, critério-referenciada.
Critério
A avaliação processual do desempenho do estudante estará referenciada nas dimensões de desenvolvimento e aperfeiçoamento de habilidades para o exercício do papel profissional a serem desenvolvidas no estágio, de acordo com o programa da disciplina, tais como: compromisso com o trabalho, e nas interações com usuários, familiares e equipes; pontualidade e assiduidade; postura responsável e ética, considerando a centralidade do usuário no desenvolvimento da prática e da construção de projetos terapêuticos. Os estudantes também serão avaliados por outros instrumentos tais como: elaboração e apresentação de seminários e discussões temáticas; elaboração de registros e documentação das vivências e atividades desenvolvidas; elaboração de relatórios teórico-práticos; apresentação de diário de campo descritivo-reflexivo, conforme orientações e cronograma proposto na disciplina.
Norma de Recuperação
Não há.
 
Bibliografia
     
BARRETO, K. Ética e técnica no acompanhamento terapêutico. BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da União, Lei nº 8.069, de 13.07.1990, Brasília. Disponível em: http://redesocialsaopaulo.org.br/downloads/ECA.pdf BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 3088 de 23 de dezembro de 2011 (republicada em 2013).Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM 854 de 22 de agosto de 2012. Ficam alterados, na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde os seguintes atributos dos procedimentos a seguir especificados, a partir da competência outubro de 2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos / Ministério da Saúde, Conselho Nacional do Ministério Público. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.100 p. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=11359&Itemid=693 BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 44 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/centros_atencao_psicossocial_unidades_acolhimento.pdf. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caminhos para uma política de saúde-mental infanto-juvenil/ Ministério de Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005. 76p BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Linha de cuidado para a atenção às pessoas com transtornos do espectro do autismo e suas famílias na Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde. 2004. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas/ Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Coordenação Nacional de DST e Aids. – Brasília: Ministério da Saúde; 2003. BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília/DF, 2006, 143p BRUNELLO, M. I. ; A.P., J. ; ANGELI, A. . A criação de um espaço para a existência: O Espaço Lúdico Terapêutico. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 17, n. 1, 2006. BRUNELLO, M.I.B. Transtorno emocional infantil. In: Galvão, C. Cavalcanti, A. Terapia Ocupacional: Fundamentação e Prática, cap.31, p. 308-313, Ed. Guanabara, 2007. CASTRO, E. Inscrições da relação terapeuta-paciente no campo da terapia ocupacional. Rev Ter Ocup USP. V.16, n.1, 2005. CASTRO, E.; LIMA, E. CASTIGLIONI, E. SILVA, S. Análise de atividades: Apontamentos para uma reflexão atual. CASTRO, E.D. Inscrições da relação terapeuta-paciente no campo da Terapia Ocupacional. Rev. Ter. Ocup.Univ. São Paulo v.16n.1 São Paulo jan./abr. 2005 COUTO, M. C. V, DUARTE, C. S.; GODINHO, P. G. Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psic. Clin. Rio de Janeiro, vol. 27, n.1, p. 17 – 40, 2015. COUTO, M. C. V.; DUARTE, C. S.; GODINHO, P. G. A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Rev. Bras. Psiquiatr. v.30 n.4 São Paulo dez. 2008 DELL’ACQUA, G.; MEZZINA, R. Resposta à crise: estratégia e intencionalidade da intervenção no serviço psiquiátrico territorial. In: DELGADO, J. (org.) A loucura na sala de jantar. São Paulo, 1991. p. 53-79. FIGUEIREDO, L.C. As diversas faces do cuidar: considerações sobre a clínica e a cultura. FIGUEIREDO, L.C As diversas faces do cuidar: novos ensaios de psicanálise contemporânea, 1º edição, 2009. FOUCAULT, M. O nascimento do hospital. LIMA, R.; COUTO, M.C.V.; DELGADO, P.G.; OLIVEIRA, B.D. Indicadores sobre o cuidado a crianças e adolescentes com autismo na rede de CAPSi da região metropolitana do Rio de Janeiro. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 24(3):715-739, 2014. MACHADO, L.D; LAVRADOR, M.C.C. Por uma clínica da expansão da vida. Interface-Comunic., Saude, Educ., v.13, supl.1, p.515-21, 2009 MÂNGIA, EF; NICÁCIO, F. Terapia Ocupacional em saúde mental: tendências principais e desafios contemporâneos. In: CARLO, M.M.R.P.; BRATALOTI, C.C. (org.) Terapia Ocupacional no Brasil. Fundamentos e perspectivas. São Paulo, Plexus, 2001. MATTOS, R. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2004. MERHY E CECCIM. Um agir micropolítico e pedagógico intenso; a humanização entre laços e perspectivas. Interface. v.13, sup. 1, p.531-542, 2009.FIGUEIREDO, L. As diversas faces do cuidar: considerações sobre a clínica e a cultura. In: MAIA, M. Por uma ética do cuidado. Rio de Janeiro: Garamond, 2009. SAFRA, G. Desenraizamento e exclusão no mundo contemporâneo. In: VAISBURG, TA. Trajetos do sofrimento: desenraizamento e exclusão. IPUSP, 2002. NICÁCIO, F.; CAMPOS, GWS. Afirmação e produção de liberdade: desafio para os centros de atenção psicossocial. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2007; v. 18, n. 3, p.143-151. set./dez., 2007. NICÁCIO, F; MÂNGIA, EF.; GHIRARDI, MI. Projetos de inclusão no trabalho e emancipação de pessoas em situação de desvantagem: uma discussão de perspectivas. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 16, n. 2, p. 62-6, 2005. OURY, J. Itinerários de formação. Revue Pratique, n.1, p.42-50, 1991 – Tradução de Jairo Goldberg – Mimeo. RIBEIRO, E. L., ARRIGONI, R. e LEAL, B. M. M. L. A chegada ao centro de atenção psicossocial infanto-juvenil. In: RIBEIRO, E.L.;. LYKOUROPOULOS, C.B. (orgs). O Capsi e o desafio da gestão em rede; Editora Hucitec, SP, 2016, Cap.4, pag. 69-86. ROTELLI, F. A instituição inventada. In: NICACIO, F. (org) Desinstitucionalização. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Hucitec, 2001. p.89-99. SAFRA, G. O brincar. In: Desvelando a memória do humano: o brincar, o narrar, o corpo, o sagrado, o silêncio. São Paulo: Sobornost, 2006. SANT’ANNA, D. Pacientes e passageiros. IN: SANT’ANNA, D. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001. SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação à cidadania possível. [La fine dell’intrattenimento: manualediriabilitazionepsichiatrica]. Trad. Lúcia H. Zanetta, M. do Carmo Zanetta, Willians Valentini. Belo Horizonte/Rio de Janeiro, Te Corá/Instituto Franco Basaglia, 1999. (Capítulo 5). TYKANORI, R.. Em busca da cidadania. In: BRAGA CAMPOS, F C.; HENRIQUES, CMP. (org.). Contra a maré, à beira mar: a experiência do SUS em Santos. São Paulo, Scritta, 1996. p.39-49. UNITED NATIONS.UN Human Rights Council. Resolution on Mental Health and Human Rights. 2016. Disponível em: https://documents-dds-ny.un.org/doc/UNDOC/LTD/G16/135/78/PDF/G1613578.pdf?OpenElement. VENTURINI, E. "O caminho dos cantos": morar e intersetorialidade na saúde mental. Fractal: Revista de Psicologia, v. 22, n. 3, p. 471-480, set./dez. 2010. VICENTIN, M.C.G. Infância e adolescência: uma clínica necessariamente ampliada. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, vol. 17, nº1, Jan/Abril, 2006. VOLNOVICH, J.; HUGUET, C.R. (orgs) Grupos, Infância e Subjetividade. Rio de Janeiro: Relume-Damará, 1995 WINNICOTT, D. O brincar e a realidade. São Paulo: Imago, 1975.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0925

Clique para consultar o oferecimento para MFT0925

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP