Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0926 - Estágio Supervisionado em Terapia Ocupacional III
Supervised internship in Occupational Therapy III

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 7
Carga Horária Total: 270 h ( Estágio: 270 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
O estágio supervisionado visa o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao exercício profissional do terapeuta ocupacional para o desenvolvimento de ações nos campos: Social ou Trabalho ou das Artes e da Cultura e suas interfaces. Visa também a aplicação e avaliação das perspectivas ético-teóricas-técnicas do agir profissional em Terapia Ocupacional considerando necessidades, projetos e recursos das pessoas em seus contextos de vida.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
93832 - Elizabeth Maria Freire de Araujo Lima
325889 - Erika Alvarez Inforsato
90422 - Marta Carvalho de Almeida
2743076 - Selma Lancman
 
Programa Resumido
A disciplina tem como objetivo proporcionar ao estudante o exercício da prática profissional supervisionada, a reflexão contextualizada e a análise sobre: interação, convivência, cuidado, acompanhamento e desenvolvimento de projetos terapêuticos singulares nos contextos de vida nos territórios, de projetos coletivos e de fortalecimento de protagonismo; cotidiano, autonomia, participação social e exercício de direitos da população atendida; cotidiano e lógica institucionais; papel profissional nos contextos institucionais, redes intra e intersetorial e junto à população atendida/familiares/redes sociais; trabalho em equipe; políticas públicas.
 
 
 
Programa
O estágio será desenvolvido em uma das seguintes áreas: Terapia Ocupacional Social; Terapia Ocupacional, Saúde e Trabalho; Terapia Ocupacional na interface Arte, Corpo, Saúde e Cultura nas quais serão abordados os temas a seguir: I. Caracterização da população atendida e compreensão das problemáticas emergentes; II. Gestão do Cuidado: desenvolvimento de técnicas de atenção e acolhimento para o cuidado qualificado nos cenários de atuação de modo a promover ações para a formulação e desenvolvimento de projetos de atenção e acompanhamento individuais e coletivos; III. Participação e coordenação em projetos: protagonismo na experiência com os conhecimentos, metodologias, procedimentos e agenciamento de recursos comunitários e da formação em Terapia Ocupacional, de modo a produzir melhorias no acesso e na qualidade das ações desenvolvidas; com uma escuta ativa das pessoas, famílias, grupos e comunidades, articuladas às políticas públicas sociais e de saúde; IV. Trabalho em Equipe: compromisso de trocas para conhecer, participar, compartilhar informações e colaborar no desenvolvimento das ações desenvolvidas pelas equipes interprofissionais presentes nas redes de atenção, de acordo com as necessidades da situação e/ou processo; V. Papel profissional: apropriação do seu papel profissional e dos demais membros da equipe; respeito à diversidade de papéis e competências profissionais; desenvolvimento da capacidade de integrar competências na gestão do cuidado. VI. Construção participativa das redes assistenciais, de modo a compreender o papel dos cidadãos, gestores, trabalhadores e instâncias do controle social na elaboração das políticas públicas brasileiras; VII. Participação social: Participação em atividades de planejamento e execução de ações interdisciplinares, interunidades, intersetoriais e/ou movimentos sociais/comunitários, com articulação dos campos de ensino e aprendizagem nas redes assistenciais e intersetoriais, na promoção da integração de ações e serviços pautados em princípios humanísticos, éticos e participativos. VIII. Registro, elaboração e comunicação da experiência: desenvolvimento e aprimoramento de atividades de comunicação verbal, escrita e de leitura; necessárias para apoiar e sustentar tanto as dinâmicas de formação em Terapia Ocupacional e as interações com usuários, equipe, serviços e comunidade; IX. Espaços de supervisão e estudo dirigido: compromisso com o processo de ensino-aprendizagem, que estimule o pensamento crítico, o agir ético, o protagonismo, a autonomia e a co-responsabilização na construção dos saberes e práticas.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação deve permitir aos estudantes, docentes e supervisores um olhar abrangente para o processo de aprendizagem, que englobe o conjunto das vivências, reflexões e registros elaborados durante a experiência prática. Será realizada avaliação processual de desempenho, critério-referenciada.
Critério
A avaliação processual do desempenho do estudante estará referenciada nas dimensões de desenvolvimento e aperfeiçoamento de habilidades para o exercício do papel profissional a serem desenvolvidas no estágio, de acordo com o programa da disciplina, tais como: compromisso com o trabalho, e nas interações com usuários, familiares e equipes; pontualidade e assiduidade; postura responsável e ética, considerando a centralidade do usuário no desenvolvimento da prática e da construção de projetos terapêuticos. Os estudantes também serão avaliados por outros instrumentos tais como: elaboração e apresentação de seminários e discussões temáticas; elaboração de registros e documentação das vivências e atividades desenvolvidas; elaboração de relatórios teórico-práticos; apresentação de diário de campo descritivo-reflexivo, conforme orientações e cronograma proposto na disciplina.
Norma de Recuperação
Não há.
 
Bibliografia
     
Abrahão, J; Sznelwar, LI; Silvino, A; Sarmet, M; Pinho, D. Introdução à Ergonomia: da pratica à teoria. São Paulo, Ed. Blucher, 2009. ALMEIDA, MC. Et al. Processos e práticas de formalização da Terapia Ocupacional na Assistência Social: alguns marcos e desafios. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos. v.20, n.1, p.33-41, 2012. AZEREDO, VG. Entre paredes e redes: o lugar da mulher nas famílias pobres. Rev. Serv. Soc. Soc. São Paulo, n.103, p. 576-590, jul/set. 2010. BARROS, D; ALMEIDA, MC; VECCHIA, TC. Terapia Ocupacional Social: diversidade, cultura e saber técnico. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. v.18, n.3, p.128-134, set/dez. 2007. BOSI, E. Entre a Opinião e o Estereótipo. In: BOSI, E. O Tempo Vivo da Memória: Ensaios de Psicologia Social. 2ed. Ateliê Editorial. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. 4ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador- Relatório Final. 2015. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/04Abr20_Relatorio_4cnstt_final.pdf Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora – Portaria no. 1823, de 23 de agosto de 2012. CARVALHO, IMM.; ALMEIDA, PH. Família e Proteção Social. São Paulo em Perspectiva. v.17, n.2, p.109-122. 2003. CASTRO, E. D. et al. Território e diversidade: trajetórias da terapia ocupacional em experiências de arte e cultura na cidade de São Paulo. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 24, n. 1, p.3-12, 2016. CASTRO, Eliane Dias de. Inscrições da relação terapeuta-paciente no campo da terapia ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da USP, vol.16, n.1, p. 14-21, jan/abr.,2005. CRAS BUTANTÃ. Programas de Transferência de Renda e Benefícios. Dejours, C. A centralidade do trabalho para a construção da saúde. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2016 maio/ago.;27(2):228-35. Dias, EC. Organização da Atenção à Saúde no Trabalho. In: Ferreira, JM. Saúde no Trabalho: temas básicos para o profissional que cuida dos trabalhadores. São Paulo: Ed. Roca, 2002; p.3-28. FAVARETTO, Celso. “A cena contemporânea, criação e resistência”. In: FONSECA, T. M. G.; PÉLBART, P. P.; ENGELMAN, S. (orgs.) A vida em cena. Porto Alegre – RS: Ed. UFRGS, 2008. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. [partes selecionadas] GHIRARDI, MIG. Terapia Ocupacional em processos econômico-sociais. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v.20, n.1, p.17-20, 2012. Lancman S, Ghirardi MIG. Pensando novas práticas em Terapia Ocupacional, Saúde e Trabalho. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.13, n.2, p.44-50, maio/ago. 2002. LIMA, AC e ALMEIDA, AMF. Permanências e mutações na definição intergeracional do trabalho infantil. Educ. Soc., Campinas. v.31, n.111, p.347-369, abr-jun, 2010. LIMA, Elizabeth M. F. A. Por uma arte menor: ressonâncias entre arte, clínica e loucura na contemporaneidade. Rev. Interface, Botucatu , v.10, n.20, p.317-329, Dec. 2006. MARIANO, AS e CARLOTO, CM. Gênero e Combate à Pobreza: Programa Bolsa Família. Estudos Feministas. Florianópolis. V.17, n.3, p.901-908. Set./dez. 2009. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Orientações Técnicas: Gestão do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil no SUAS. Brasília – 2010. Cap. 1. p. 16 – 38. PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides. “Clínica, política e as modulações do capitalismo.” Rev. Lugar Comum, RJ, ISSN 14158604, n. 19-20, jan-jun de 2004, pp. 159-171. PELBART, Peter Pál. “Poder Sobre A Vida, Potências Da Vida”. In: ______ Vida Capital. Ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. Dossiê Temático: Terapia Ocupacional, Saúde e Trabalho: perspectivas e desafios. 2016 maio/ago.;27(2). Saint-Arnaud, L. Guia para um programa de práticas integradas para apoiar o retorno ao trabalho e a promoção da permanência no emprego. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2016 maio-ago.;27(ed. especial):1-40. SANT‘ANNA, D. “Passagens para condutas éticas na vida cotidiana”. In: ______Corpos de Passagem. São Paulo: Estação Liberdade, 2001, p.87-101. SILVA, MOS. Pobreza, desigualdade e políticas públicas: caracterizando e problematizando a realidade brasileira. Revista Katálysis. v.13, p.155-163, 2010. TEIXEIRA, S.M. Trabalho Interdisciplinar nos CRAS: um novo enfoque e trato à pobreza?. Rev. Textos e Contextos. Porto Alegre. v.9, n.2, p.286-297, ago./dez.2010.
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0926

Clique para consultar o oferecimento para MFT0926

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP