Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Medicina
 
Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
 
Disciplina: MFT0929 - Grupos Redes e Coletivos: Teorias e Técnicas
Groups, networks and collectives: Theories and techniques

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 30 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2018 Desativação:

Objetivos
A disciplina tem por objetivo favorecer a compreensão dos processos grupais através da aproximação com diferentes teorias e técnicas das abordagens grupais e dos modos de intervenções em redes e coletivos. A formação oferecida busca possibilitar o desenvolvimento de competências, com ênfase nos conhecimentos que favoreçam a comunicação, a participação em equipes e a interação com a comunidade. Para tanto serão abordados os seguintes temas: a constituição e o funcionamento dos pequenos grupos; a compreensão dos processos grupais e a investigação de algumas das principais teorias e técnicas sobre grupos; diferentes tipos de grupos e organizações nos quais os terapeutas ocupacionais estão envolvidos e seus funcionamentos: oficinas, coletivos, redes e equipes; a relação teoria e prática no trabalho com grupos.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
93832 - Elizabeth Maria Freire de Araujo Lima
 
Programa Resumido
O conceito de grupo, os processos grupais e seus princípios organizadores. Histórico da utilização do dispositivo grupal nas práticas terapêuticas. Teorias e técnicas do trabalho com grupos: abordagem psicanalítica dos grupos; grupo operativo; teoria sistêmica; análise institucional. Redes, Coletivos, Equipes.
 
 
 
Programa
1.Grupos, Organizações, Redes e Coletivos: conceitos e definições 2. Histórico dos Grupos: como surge e se desenvolve a ideia de grupo e as práticas grupais. 3. Marcos referenciais: Psicanálise e grupos; Grupo Operativo; Teoria Sistêmica; Análise Institucional 4. Coletivos e outras configurações grupais 5. Redes sociais, redes de suporte, redes de atenção 6. Equipe 7. Grupos na contemporaneidade, 8. Observação de processos grupais.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação do aluno considera a participação, pontualidade e assiduidade em aulas, participação nas discussões dos temas apresentados e nas dinâmicas propostas. Avaliação do trabalho de observação de processo grupal, com devolutiva e discussão em classe; avaliação da apresentação de seminário em grupo.
Critério
- Participação, pontualidade e assiduidade nas aulas e na entrega dos trabalhos solicitados; - Estudo da bibliografia recomendada, discussão em classe e apresentação de seminário; - Trabalho final: relato da observação de um processo grupal com discussão e articulação teórica; - O estudante deverá demonstrar engajamento e comprometimento com o processo proposto.
Norma de Recuperação
Para ser aprovado é necessário ter, no mínimo, média final 5,0. Se isto não for alcançado, o aluno deverá fazer prova de recuperação antes do início do próximo semestre letivo. A freqüência mínima é 70%.
 
Bibliografia
     
BAREMBLITT, G. Grupos: teoria e técnica. Rio de Janeiro: Graal/Ibrapsi, 1982. BARROS, R. D. B. Grupos: afirmação de um simulacro. Porto Alegre: Editora UFRGS. 2007 BARTHES, R. Como viver juntos. São Paulo: Martins fontes, 2003. BLEGER, J. Temas de psicologia: entrevistas e grupos. S. Paulo: Martins Fontes, 1989. Claudia BORGES, C. D.; FARIA, J. G. Redes Sociais e Atenção em Saúde Mental: Uma Revisão da Literatura. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, v. 9, n. 1, p. 159-174, nov. 2017. CONSTANTINIDIS, T.C. Possibilidades e limites na constituição de um grupo de terapia ocupacional com pacientes psicóticos: uma leitura a partir de Pichon-Rivière. São Paulo: IPUSP. Mestrado, 2000. ESCÓSSIA, L; KASTRUP, V. O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 295-304, mai./ago. 2005 FERNANDES, W.J.; SVARTMAN, B.; FERNANDES, B.S. (orgs.) Grupos: configurações vinculares. Porto Alegre: Artmed Ed, 2003. FRANCO, T.B.; As Redes na Micropolítica do Processo de Trabalho em Saúde, in Pinheiro R. e Mattos R.A. (Orgs.) , Gestão em Redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde; Rio de Janeiro, CEPESC-IMS/UERJ-ABRASCO, 2006. FRANCO,T. B.; PINTO, S.; MAGALHÃES, M. Tecendo Redes: Os Planos da Educação, Cuidado e Gestão na Construção do Sus. Ed. Hucitec. 2012. FREUD, Sigmund. Psicologia de grupos e análise do ego. Edição Standart Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, v. XVIII. Rio de Janeiro, Imago, 1990. GALVANI, Debora. Pessoas em situação de rua na cidade de São Paulo: itinerários e estratégias na construção de redes sociais e identidades. Faculdade de Medicina da USP. Mestrado em Ciências da Reabilitação. 2008. GUATTARI, F. Psicanálise e transversalidade : ensaios de análise institucional. Aparecida, SP: Idéias e Letras, 2004. HUGUET, C.R. & VOLNOVICH, J. (org) Grupos, Infância e Subjetividade, Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1995. KAES, R. O grupo e o sujeito no grupo: elementos para uma teoria psicanalítica do grupo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997. LANCETTI, A. (org.). Saúde e Loucura 4: grupos e coletivos. São Paulo, Hucitec, 1995. MÂNGIA, E. F., & MURAMOTO, M. t. O estudo de redes sociais: apontamentos teóricos e contribuições para o campo da saúde. Revista de Terapia Ocupacional, 16(1), 22-30. 2005. MURAMOTO, Melissa Tieko. A sustentabilidade da vida cotidiana: um estudo das redes sociais de usuários de um serviço de saúde mental no município de Santo André. Faculdade de Medicina da USP. Mestrado em Ciências da Reabilitação. 2008. NICÁCIO, F., & CAMPOS, G. W. Instituições de “portas abertas”: novas relações usuários -equipes-contextos na atenção em saúde mental de base comunitária/territorial. Revista de Terapia Ocupacional, 16(1), 40-46. 2005. OSORIO, L. C. Psicologia Grupal: uma nova disciplina para o advento de uma era. Porto Alegre: Artmed, 2003. PELBART, P.P. Elementos para uma cartografia da grupalidade. http://www.rizoma.net/interna.php?id=189&secao=mutacao PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo; Martins Fontes: 1986. ________. A teoria do vínculo. São Paulo; Martins Fontes: 1982. SAINDON, O. Redes: pensar de outro modo. In: ____ Devires da Clínica. Ed. Hucitec, 2008. VIRNO, Paolo. Gramática da Multidão: Para uma Análise das Formas de Vida Contemporâneas. http://geocities.yahoo.com.br/autoconvocad/gramatica_da_multidao.html
 

Clique para consultar os requisitos para MFT0929

Clique para consultar o oferecimento para MFT0929

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP