Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Museu Paulista
 
Museu Paulista
 
Disciplina: MUP0101 - Introdução ao Estudo da Cultura Material
Introduction to the material culture studies

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Tendo em vista o uso de fontes materiais na produção do conhecimento histórico, na disciplina são apresentados os paradigmas teóricos e metodológicos que orientam, nas ciências humanas, a reflexão sobre o lugar da materialidade nas relações sociais. Aos alunos são também fornecidos estudos de caso que lhes permitam identificar, na bibliografia, o modo de trabalho dos pesquisadores, bem como apropriar-se das ferramentas que os estudos oferecem, possibilitando o uso em suas próprias pesquisas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2086192 - Vânia Carneiro de Carvalho
 
Programa Resumido
Pretende-se apresentar os paradigmas teóricos e metodológicos que orientam, nas ciências humanas, a reflexão sobre o lugar da materialidade nas relações sociais. Apesar do significativo aumento de pesquisas relacionadas à cultura material, faz-se necessário identificar as especificidades das fontes materiais por meio de discussões epistemológicas e exercícios de análise, evitando-se o tratamento ilustrativo, periférico e de viés logocêntrico, ainda recorrente para esse tipo de documentação. Espera-se oferecer aos alunos um quadro amplo, mas seletivo, das experiências com as fontes materiais, para que, por meio delas, o aluno se sinta capacitado e estimulado a empreender sua própria pesquisa. Propõe-se como ponto de partida a análise morfológica das fontes materiais e, a partir dela, novas questões que possam levá-los a uma melhor articulação das evidências imediatas da documentação com suas implicações nos agenciamentos que tais documentos desempenharam em contextos historicamente definidos.
 
 
 
Programa
1. A trajetória das fontes materiais nas ciências humanas: um quadro geral dos problemas. 2. O modelo tipológico de análise do artefato. 3. O modelo estruturalista: 3.1. A influência da linguística saussuriana e da Escola de Praga. 3.2. A aplicação dos princípios lingüísticos ao estruturalismo de Lévi-Strauss. 3.3. O uso da análise estruturalista nos estudos de cultura material. 4. A busca da especificidade das fontes materiais: 4.1. A contribuição da Etologia para os estudos de cultura material. 4.2. O processo de hominização sob a ótica da materialidade e da cultura. 4.3. Os conceitos de condutas motoras, estereótipos motores, síntese corporal. 4.4. O objeto na cadeia se ações: agenciamento. 4.5. O objeto e seu programa de ação. 5. Estudos de caso (serão vistos ao longo de seminários e em aulas expositivas): 5.1. Estudos de caso de artefatos na perspectiva histórica. 5.2. Estudos de caso em situações de coleção privada e institucional. Forma de avaliação: um seminário com entrega de mapa conceitual do texto e uma prova escrita.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Apresentação de um seminário, leituras programadas obrigatórias e de apoio e prova escrita.
Critério
No seminário avalia-se a capacidade do aluno de sistematizar as informações de um texto acadêmico, tecer comentários sobre esse texto e apresentá-lo oralmente para a classe. As leituras de apoio, não são obrigatórias, mas aos interessados servem para ampliar as discussões apresentadas na aula expositiva. A prova requer uma reflexão mais abrangente sobre as principais questões que foram apresentadas nas aulas expositivas e nos seminários.
Norma de Recuperação
Prova escrita sobre tema discutido em aula ou seminário.
 
Bibliografia
     
APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.
BOIVIN, Nicole. Material Cultures, Material Minds. The Impact of Things on Human Thought, Society, and Evolution. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.
BUCHLI, Victor. Material Culture: Critical Concepts in the Social Sciences. London/New York: Routledge, 2004 (introdução do volume I).
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: IBRAM, 2007.
HICKS, Dan; BEAUDRY, Mary C. The Oxford Handbook of Material Culture Studies. Oxford: Oxford University Press, 2010.
KNAPPETT, Carl. Thinking Through Material Culture. An Interdisciplinary Perspective. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2005.
MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Do teatro da memória ao laboratório da História: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista: história e cultura material, 1994, vol.2, no.1, p.9-42.
MILLER, Daniel (ed.). Materiality. London: Duke University Press, 2005, 1-50.
NOVAK, Joseph D.; CAÑAS, Alberto J. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.5, n.1, p. 9-29 , jan.-jun. 2010. Disponível em
REDE, Marcelo. História a partir das Coisas: Tendências Recentes nos Estudos de Cultura Material. Anais do Museu Paulista: história e cultura material, São Paulo, v. 4, p. 265-282, 1996.
REDE, Marcelo. História e cultura material. In: Ciro Flamarion Cardoso e Ronaldo Vainfas (org.). Domínios da História. Rio de Janeiro, Elsevier, 2012, p. 133-150.
REDE, Marcelo. Estudos de cultura material: uma vertente francesa. Anais do Museu Paulista: história e cultura material, 2001, vol.8-9, n.1, p.281-291.
SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
WARNIER, Jean-Pierre. Construire la culture matérielle. L’homme qui pensait avec ses doigts. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.
 

Clique para consultar os requisitos para MUP0101

Clique para consultar o oferecimento para MUP0101

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP