Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
 
Disciplinas Interdepartamentais
 
Disciplina: RCG5026 - Estágio Profissional em Terapia Ocupacional na Atenção à Criança e ao Adolescente II
Professional Practice in Occupational Therapy in the Care of Children and Adolescents II

Créditos Aula: 1
Créditos Trabalho: 5
Carga Horária Total: 165 h ( Estágio: 150 h )
Tipo: Anual
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Instrumentalizar os alunos para lidar com recursos da prática da terapia ocupacional na atenção à infância e adolescência em situação de normalidade ou de disfunções ocupacionais, assim como em situação de vulnerabilidade e/ou exclusão social. As práticas ocorrerão em ambiente hospitalar (enfermarias e ambulatórios) e comunitário (Programa Saúde da Família, creche e organizações sociais).
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5141942 - Amanda Mota Pacciulio Sposito
3522126 - Maria Paula Panuncio Pinto
 
Programa Resumido
A prática terapêutica ocupacional diante do desenvolvimento ocupacional da criança e do adolescente em situação de normalidade ou de disfunções ocupacionais, assim como em situação de vulnerabilidade e/ou exclusão social.
 
 
 
Programa
Conhecer o espaço de atuação Integrar conteúdos teóricos à prática, utilizando práticas baseadas em evidência Realizar contato com a equipe multidisciplinar Realizar contato com a população a ser atendida Realizar a Avaliação da população a ser atendida Entrevista com os responsáveis Aplicação de protocolos de avaliação Elaborar o plano de intervenção terapêutico ocupacional Aplicar o plano de intervenção terapêutico ocupacional Elaborar relatórios e documentação dos casos clínicos Reavaliar a população atendida Reavaliar o plano de intervenção terapêutico ocupacional
 
 
 
Avaliação
     
Método
Avaliação do desempenho da prática profissional, sob a supervisão de um terapeuta ocupacional, através das habilidades cognitivas, procedimentais e atitudinais efetuadas nos diferentes contextos de atendimento, segundo o regimento das práticas profissionalizantes. Apresentação de seminários. Apresentação de estudo de caso e participação nas discussões dos mesmos. Elaboração de relatórios de atendimento terapêutico ocupacional. É obrigatória a freqüência de 100% em todas as atividades práticas programadas.
Critério
Será aprovado o estudante que obtiver nota igual ou superior a 5,0 (cinco) e frequência de 100% em todas as atividades práticas, conforme o regulamento para o Internato do Curso de Medicina da FMRP-USP.
Norma de Recuperação
Poderá realizar recuperação, que incluirá a avaliação cognitiva e de habilidades práticas, o estudante que obtiver nota inferior a 5,0 (cinco) e superior a 3,0 (três) e com freqüência de 100% em todas as atividades práticas. Será aprovado o estudante que obtiver média igual ou superior a 5,0 (cinco), calculada pela média aritmética entre a nota regular da disciplina e a nota de recuperação.
 
Bibliografia
     
ROSENBAUM et al. A report: the definition and classification of cerebral palsy April 2006. Developmental Medicine and Child Neurology, v.49, s.2, p.8-14, 2007. PANÚNCIO-PINTO, Maria Paula. Terapia Ocupacional aplicada à área social: apostila básica. Uberaba: UNIUBE, 2002 (104 páginas) pp 39-63. PANÚNCIO-PINTO, Maria Paula. O sentido do silêncio dos professores diante da violência doméstica sofrida por seus alunos: uma análise do discurso. Tese de doutorado. São Paulo:IP/USP, 2006. (pp 42 – 56, 59-72) http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-24062006-064656/ Motta, Alessandra Brunoro and Enumo, Sônia Regina Fiorim Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicol. estud., Abr 2004, vol.9, no.1. SOUZA, Bianca Lopes de; MITRE, Rosa Maria de Araújo O brincar na hospitalização de crianças com paralisia cerebral. Psic.: Teor. e Pesq., Jun 2009, vol.25, no.2, p.195-201. SOUZA, Carolina Molina Lucenti de;BATISTA, Cecilia Guarnieri. Interação entre crianças com necessidades especiais em contexto lúdico: possibilidades de desenvolvimento. Psicol. Reflex. Crit., 2008, vol.21, no.3 PFEIFER, Luzia Iara; ROMBE, Patrícia Gonçalves; SANTOS, Jair Licio Ferreira A influência socieconômica e cultural no brincar de pré-escolares. Paidéia (Ribeirão Preto), Ago 2009, vol.19, no.43, p.249-255. PALISANO, R. et al.: Gross Motor Function Classification System Expanded and Revised. CanChild Centre for Childhood Disability Research, McMaster University, 2007 ELIASSON, A.C.; ROSBLAD, B.; KRUMLINDE-SUNDHOLM, L.; BECKUNG, E., ARNER, M., OHRVALL, A.M., ROSENBAUM, P.: Manual Ability Classification System (MACS) for children with cerebral palsy: scale development and evidence of validity and reliability. Developmental Medicine and Child Neurology. 48:549-554, 2006 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS) e ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE (OPAS). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Universidade de São Paulo; 2008. MANCINI, M. C. Inventário de Avaliação Pediátrica de Incapacidade (PEDI): manual da versão brasileira adaptada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. 208 p. MOURA-RIBEIRO, M. V. L. de; GONÇALVES, V. M. G. Neurologia do desenvolvimento da criança. Rio de Janeiro: Revinter, 2006. CAVALCANT, A.; GALVÃO, C. Terapia Ocupacional Fundamentação e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 2007. FERLAND, F. O modelo lúdico: O brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. São Paulo: Rocca, 2006. AOTA. Occupational Therapy Practice. Framework: Domain & Process. 2nd. The American Journal Occupational Therapy. Nov/Dec 2008, volume 63, n. 6. 625-683
 

Clique para consultar os requisitos para RCG5026

Clique para consultar o oferecimento para RCG5026

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP