Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
 
Disciplinas Interdepartamentais
 
Disciplina: RCG5027 - Estágio Profissional em Terapia Ocupacional na Atenção ao Adulto II
Professional Practice in Occupational Therapy in the Care of Adults II

Créditos Aula: 1
Créditos Trabalho: 5
Carga Horária Total: 165 h ( Estágio: 150 h )
Tipo: Anual
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Possibilitar o desenvolvimento e/ou ampliação do repertório de habilidades cognitivas (conceituais), procedimentais e atitudinais para a aplicação prática de métodos e recursos da Terapia Ocupacional na atenção ao adulto, em diferentes áreas e contextos de desempenho ocupacional, em diferentes níveis de atenção à saúde, no campo social e educacional.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5746391 - Amanda Polin Pereira
2157430 - Carla da Silva Santana Castro
5971692 - Gabriela Rezende
3160040 - Leonardo Martins Kebbe
64516 - Marysia Mara Rodrigues do Prado de Carlo
5068523 - Regina Celia Fiorati
 
Programa Resumido
a) Reconhecer as características, necessidades e demandas das populações atendidas e dos contextos de atuação e desenvolver ações em consonância com as políticas públicas de saúde, educação e do campo social. b) Elaborar, implementar e avaliar o plano de intervenção / ação de Terapia Ocupacional na atenção a adultos e desenvolver ações integradas e interdisciplinares, junto a equipes multiprofissionais
 
 
 
Programa
a) Reconhecer as características, necessidades e demandas das diferentes populações atendidas e dos contextos de atuação (saúde física/funcional, saúde mental, saúde do trabalhador, contextos hospitalares e sociais); b) Apresentar o projeto/serviço nos níveis de atenção primário, secundário e terciário e em diferentes níveis de complexidades; c) Reconhecer e desenvolver ações em consonância com as políticas públicas de saúde, educação e do campo social. d) Desenvolver ações inter-setoriais e comunitárias, de fortalecimento das redes de suporte social e) Desenvolver ações integradas e interdisciplinares, junto a equipes multiprofissionais, com contribuições específicas da área de conhecimentos da Terapia Ocupacional f) Elaborar, implementar e avaliar o plano de intervenção / ação de Terapia Ocupacional na atenção a adultos . Realizar entrevista, avaliação e reavaliação das populações atendidas . Aplicação de protocolos de avaliação . Elaborar e reavaliar o plano de intervenção terapêutico ocupacional . Elaborar relatórios e documentação dos casos clínicos . Elaborar e implementar plano de intervenção terapêutico ocupacional . Realizar registros de dados e Relatórios . Realizar preparação de alta e encaminhamento (contra-referência) . Promover articulação territorial e/ou sócio-familiar
 
 
 
Avaliação
     
Método
Avaliação do desempenho da prática profissional, sob a supervisão de um terapeuta ocupacional, através das habilidades cognitivas, procedimentais e atitudinais efetuadas nos diferentes contextos de atendimento, segundo o regimento das práticas profissionalizantes. Apresentação de seminários. Apresentação de estudo de caso e participação nas discussões dos mesmos. Elaboração de relatórios de atendimento terapêutico ocupacional. É obrigatória a freqüência de 100% em todas as atividades práticas programadas.
Critério
Será aprovado o estudante que obtiver nota igual ou superior a 5,0 (cinco) e frequência de 100% em todas as atividades práticas, conforme o regulamento para o Internato do Curso de Medicina da FMRP-USP.
Norma de Recuperação
Poderá realizar recuperação, que incluirá a avaliação cognitiva e de habilidades práticas, o estudante que obtiver nota inferior a 5,0 (cinco) e superior a 3,0 (três) e com freqüência de 100% em todas as atividades práticas. Será aprovado o estudante que obtiver média igual ou superior a 5,0 (cinco), calculada pela média aritmética entre a nota regular da disciplina e a nota de recuperação.
 
Bibliografia
     
ALESSI, Neiry Primo (et al.) (1994) Saúde e Trabalho no Sistema Único de Saúde. São Paulo: HUCITEC. BAREMBLITT, G. Grupos: Teoria e Técnica. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1986. BARROS, D.D., GHIRARDI, M. I. G., LOPES, R. E. Terapia Ocupacional e sociedade. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 10, n.2\3, p.69-74. BARROS, D. D. Operadores de saúde na área social. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v.1, n.1, p.11-16. BARROS, D.D., GHIRARDI, M. I. G., LOPES, R. E. Terapia Ocupacional social. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 13, n.3, p.95-103. BOTEGA, N.J (Org.). Prática psiquiátrica no hospital geral: interconsulta e emergência. 2 ed. Porto Alegre: Artmed editora, 2006. CASTEL, R., WANDERLEY, L.E.W. e WANDERLEY, M. B. Desigualdade e a Questão Social. São Paulo - EDUC, 2000. CASTEL, R. "Da indigência à exclusão, a desfiliação. Precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional". CAVALCANTI, A., GALVÃO, C. Terapia Ocupacional ¿ Fundamentação & Prática, 1ªed, RJ, Guanabara Koogan, 2007, 531p. DE CARLO, M.R.P., LUZO, M.C.M. (org.) Terapia Ocupacional - Reabilitação Física e contextos hospitalares, SP, Ed. Roca, 2004. DE CARLO, M.R.P., QUEIROZ, M.G.E. (org.) Dor e Cuidados Paliativos - Terapia Ocupacional e Interdisciplinaridade, SP, Ed. Roca, 2008. GALHEIGO, S. M. (2003) O Social - Idas e Vindas de um campo de ação em Terapia Ocupacional, In - PADUA, E.M.M. de e MAGALHÃES, L.V. (2003) Terapia Ocupacional - Teoria e Prática. Campinas, São Paulo - Papirus Editora. GALHEIGO, S. M. A transdisciplinaridade enquanto princípio e realidade das ações de saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 10, n.2\3, p.49-54. HOPKINS, H.L. e SMITH, H.D. Willard/Spackman - Terapia Ocupacional, 8ªed, Madrid, Editorial Médica Panamericana, 1998. KILSZTAJN, Samuel. Economia Social no Brasil. São Paulo: Editora SENAC. KON, Anita (2001) Divisão do trabalho no Brasil: a questão do gênero. In: DOWBOR, Ladislau e KILSZTAJN, Samuel. Economia Social no Brasil. São Paulo: Editora SENAC. KÜBLER – ROSS, Elisabeth. Sobre a morte e o morrer. S.P.: Martins Fontes, 1998. LANCMAN, Selma & GHIRARDI, Maria Isabel Garcez (2002) Pensando novas práticas em Terapia Ocupacional, Saúde e Trabalho. Revista de Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo, v.13, n.2, p.44-50, mai/ago. LANCMAN, Selma (2004) (org.) Saúde, Trabalho e Terapia Ocupacional. São Paulo: ROCA. LANCETTI, A. (Org.) SaúdeLoucura, n.4. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 21-48. LOPES, R. E. (et al) Relato de Experiência - O vídeo como elemento comunicativo no trabalho comunitário. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFScar, v.10, n.1, p.61-66, 2002. LOPES, R. E. e LEAO, A. Terapeutas Ocupacionais e os centros de convivência e cooperativas - novas ações de saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v.13, n.2, p.56-63. MACHADO, Luciana Moro. "Os sentidos da vida na rua: reflexões de uma terapeuta ocupacional social nas ruas do Rio de Janeiro". Rio de Janeiro, UFRJ, 2000. Dissertação de Mestrado. 153p. MAGALHÃES, Lílian Vieira (2003) Terapia Ocupacional e LER: uma experiência de trabalho grupal, In: PÁDUA, Elisabete M. Marchesini de e MAGALHÃES, Lílian Vieira (org) Terapia Ocupacional - Teoria e Prática, Campinas, São Paulo: Papirus. MAGALHÃES, Lílian Vieira (1999) Trabalho e saúde no próximo milênio: reflexões a partir das lesões por esforços repetitivos. Revista do centro de Estudos de Terapia Ocupacional. Ano 4, n. 4, p.02-05. MENDES, René (2003) Patologia do Trabalho. 2ª. Edição. São Paulo: Editora Atheneu. MORAIS, L.V A Terapia Ocupacional no Hospital Geral: Um Espaço para a Saúde. Revista do CETO, São Paulo: 2001, ano 06, n.06 p 9- 13. NASCIMENTO, B.A. O Mito da Atividade Terapêutica. Rev. de Terapia Ocupacional da USP, v.1, n.1, pp.17-21, 1990. Terapia Ocupacional e a Saúde do Trabalhador NEISTADT, ME; CREPEAU, EB Terapia Ocupacional –Willard & Saprkman, 9a. ed. Guanabara Koogan 2002 PEDRETTI, L.W. Occupational Therapy - Practice Skills for Physical Disfunction. 5ªed, Mosby, 2000. PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev. Saúde Pública, vol. 35, n 1, São Paulo, Feb, 2001. PESSINI, L; BERTACHINI, L. (org.) Humanização e Cuidados Paliativos. Ed do Centro Universitário São Camilo e Ed. Loyola, 2006, 319p. RUIZ, Roberto (et al) (2003) Um mundo sem LER é possível. Sorocaba, SP: Rel-UITA. SATO, Leny (2002) Prevenção de agravos à saúde do trabalhador: replanejando o trabalho através das negociações cotidianas. Revista Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.18, n.5, p.1147-1166, set-out. SELIGMANN-SILVA, Edith. (1994) Desgaste mental no trabalho dominado. 1a. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Cortez Editora. 322p. TROMBLY, C.A. Terapia Ocupacional para a disfunção física. 2ª. Ed. Trad. Terezinha Oppido. Livraria SANTOS Editora Imp. Ltda. 1989. WATANABE, Marisol & NICOLAU, Stella Maris (2001) A Terapia Ocupacional na interface da Saúde e do Trabalho, In: DE CARLO, Marysia M. R. Prado e BARTALOTTI, Celina Camargo. Terapia Ocupacional no Brasil - fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus Editora.
 

Clique para consultar os requisitos para RCG5027

Clique para consultar o oferecimento para RCG5027

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP