Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Engenharia de São Carlos
 
Hidráulica e Saneamento
 
Disciplina: SHS0375 - Impactos e Adequação Ambiental 1
Environmental Impacts and Management I

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 75 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2013 Desativação:

Objetivos
Propiciar os conhecimentos básicos sobre o uso dos recursos ambientais pelas atividades antrópicas e os impactos associados, alinhado aos princípios do desenvolvimento sustentável. Tem como objetivos específicos: Desenvolver capacidade de integração de conteúdos multidisciplinares inerentes à atuação do engenheiro ambiental; Desenvolver familiaridade com coleta e análise de dados na área ambiental; Desenvolver capacidade de desenvolvimento de trabalho em grupo e atuação coletiva.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1766149 - Tadeu Fabricio Malheiros
 
Programa Resumido
Modificação ambiental e sustentabilidade. Utilização dos recursos ambientais nas atividades antrópicas e caracterização dos impactos ambientais associados.
 
 
 
Programa
Discussão aplicada sobre o conceito de desenvolvimento sustentável e a questão ambiental. Resgatar aspectos das interfaces do componente ambiental com os outros componentes do desenvolvimento sustentável. Abordagem, de forma integrada, sobre a utilização dos recursos ambientais nos diferentes processos produtivos e de funcionamento dos sistemas antrópicos, relacionando com qualidade ambiental, poluentes e contaminantes, critérios e padrões de qualidade ambiental, critérios e padrões de emissão, enquadramento e classificação do recurso natural em função do uso. Caracterização das diferentes ações e impactos ambientais associados.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aula expositiva, exercícios dirigidos, viagens para aula prática, trabalho prático e seminários.
ATIVIDADES DISCENTES: Projeto, exercício dirigido, viagens para aula prática, trabalho prático e estudo.
Critério
Média ponderada de exercícios e provas.
Norma de Recuperação
Os critérios de avaliação da recuperação devem ser similares aos aplicados durante o semestre regular do oferecimento da disciplina;
1) A nota final (MF) do aluno que realizou provas de recuperação dependerá da média do semestre (MS) e da média das provas de recuperação (MR), como segue:
d) MF=5 se 5 ≤MR ≤ (10 - MS);
e) MF = (MS + MR) / 2 se MR > (10 – MS)
f) MF = MS se MR < 5.
2) O período de recuperação das disciplinas deve se estender do início até um mês antes do final do semestre subsequente ao da reprovação do aluno em primeira avaliação.
 
Bibliografia
     
Banco Mundial. Brasil: gestão dos problemas da poluição. A agenda ambiental marrom. Volume I: relatório da política, 1998.Banco Mundial. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2006. Equidade e Desenvolvimento. Washington (DC): Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento e Banco Mundial; 2005. Brown LR. Eco-Economia: construindo uma economia para a terra. Salvador: UMA; 2003. Castells M. A questão urbana. (Tradução de Arlene Caetano). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.Coimbra, JAA. O outro lado do meio ambiente: uma incursão humanista na questão ambiental. Campinas. SP: Millennium, 2002. 560p.Comissão Européia - Direcção-geral XI Ambiente, Segurança Nuclear e Protecção Civil. Grupo de Peritos sobre o Ambiente Urbano. Cidades Européias Sustentáveis. Relatório. Bruxelas: Comissão Européia; 2006. Heller L. Saneamento e saúde. Brasília:OPAS/OMS-Representação do Brasil, 2000.Hogan DJ, Cunha JMP, Baeninger R, Carmo RL. Migração em São Paulo: aspectos relevantes da dinâmica recente. Campinas, SP: Núcleo de Estudos da População/Unicamp, 2000.IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Informações Básicas. Perfil dos Municípios Brasileiros. Meio Ambiente - 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2008. ICLEI – Local Governments for Sustainability. Mudanças climáticas e desenvolvimento limpo. Oportunidades para governos locais. Um guia do ICLEI. Rio de Janeiro: ICLEI; sd. Jannuzzi PM. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. Campinas, SP: Editora Alínea, 2001.Leff E. Saber Ambiental. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2001 (Tradução: Lúcia Mathilde E. Orth.)Malheiros TF, Philippi JR, A, Coutinho SMV. Interfaces dos serviços de água e esgoto In: Regulação - Indicadores para a prestação de serviços de água e esgoto. Fortaleza: ABAR - Associação Brasileira de Agências de Regulação, 2006, v.1, p. 91-122Malheiros TF. Meio Ambiente e qualidade de vida. Texto Didático. São Carlos; 2008. Martine G (org). População, meio ambiente e desenvolvimento: verdades e contradições. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1996.Ministério do Meio Ambiente. Construindo a sustentabilidade: lições aprendidas no programa piloto. 2002. MMA- Ministério do Meio Ambiente e IBAM – Instituto Brasileiro de Administração Municipal. A mobilidade urbana no planejamento da cidade. Brasília: MMA e IBAM; sd. Philippi JR A, Malheiros TF, Salles CP, Silveira VF. Gestão Ambiental Municipal - subsídios para estruturação de sistema municipal de meio ambiente. Salvador : CRA, 2004. Philippi JR A, Malheiros TF. Águas Residuárias: Visão de Saúde Pública e Ambiental. In: Philippi Jr A (org). Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um Desenvolvimento Sustentável. Barueri, SP: Manole, 2005.Philippi JR A, Malheiros TF. Controle da Qualidade do Ar. In: Philippi Jr A (org). Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um Desenvolvimento Sustentável. Barueri, SP : Manole, 2005. Philippi JR A, Malheiros TF. Gestão Ambiental Local: Estratégia para integrar qualidade ambiental urbana e desenvolvimento humano. In: Santana AP (org). Cidade e saúde. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2007. Philippi JR A, Malheiros TF. Saneamento Ambiental e Ecologia Aplicada. In: Philippi Jr A, Café Alves A (org). Curso Interdisciplinar de Direito Ambiental. Barueri, SP : Manole, 2005. Philippi JR A, Malheiros TF. Saneamento e Saúde Pública: Integrando Homem e Ambiente. In: Philippi Jr A (org). Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um Desenvolvimento Sustentável. Barueri, SP : Manole, 2005. Philippi JR A, Malheiros TF. Saneamento, saúde e ambiente: fundamentos para sustentabilidade. In: Gerenciamento do Saneamento em Comunidades Planejadas. Curitiba : Alphaville Urbanismo, 2005, v.1, p. 88-101. Philippi JR A, Malheiros TF. Saúde Ambiental. In: Philippi Jr A, Pelicione MCF (org). Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri, SP : Manole, 2005. PNUMA - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, MMA – Ministério do Meio Ambiente, IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. GEO Brasil 2002– Perspectivas do Meio Ambiente no Brasil. Organizado por Santos TCC, Câmara JBD. Brasília: Edições IBAMA; 2002.PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Relatório-Síntese da Avaliação Ecossistêmica do Milênio - Minuta Final. Nova Iorque: PNUMA; 2006. Rivero, O de. O Mito do Desenvolvimento: os países inviáveis no século XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002 (tradução de Ricardo Aníbal Rosenbusch).Sachs I. A revolução energética do século XXl. ESTUDOS AVANÇADOS 21 (59), 2007, p.21 – 38.Viana G, Silva M, Diniz N. (org) O desafio da sustentabilidade: um debate socioambiental no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.WWI – Worldwatch Institute. Estado do Mundo 2004 – Relatório do WWI sobre o Avanço em Direção a uma Sociedade Sustentável. Salvador: UMA; 2004.
 

Clique para consultar os requisitos para SHS0375

Clique para consultar o oferecimento para SHS0375

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP