Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Medicina
 
Cirurgia
 
Disciplina: MCG0514 - Estágio Em Cirurgia Geral
General Surgery – Practical Training

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 5
Carga Horária Total: 180 h ( Estágio: 150 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2016 Desativação:

Objetivos
O conteúdo do Estágio Hospitalar em Cirurgia Geral, tem como objetivo fornecer elementos cognitivos de cirurgia geral e desenvolver aptidões psicomotoras e afetivas para o cuidado do doente em tratamento cirúrgico.
 
The course is committed to:

• Provide students with cognitive elements of general surgery and develop psychomotor and affective skills for patient care in surgical treatment.
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
518741 - Edivaldo Massazo Utiyama
79461 - Rolf Gemperli
 
Programa Resumido
O programa didático foi baseado na competência, que foi definida como a capacidade de mobilizar, articular e colocar em ação os seguintes domínios: conhecimento; habilidade e atitude, todos necessários ao desempenho eficiente e efetivo das atividades requeridas no contexto do trabalho profissional do médico. conforme a Lei de Diretrizes Curriculares Nacionais – MEC/2001.

1. Competências gerais:

Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde,tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo;

Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;
Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não-verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação;

Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;

Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativa, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a ser empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde;

Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico/profissional, a formação e a cooperação através de redes nacionais e internacionais.

2. Domínios: Conhecimento, habilidades e atitudes:

a. Conhecimento (Conhecer, compreender, analisar, planejar, aplicar e avaliar o resultado)

• as principais alterações semiológicas no paciente cirúrgico e analisar, planejar, aplicar e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar adequadamente o risco operatório do paciente para a cirurgia e analisar, planejar, aplicar e avaliar a sua importância.
• Identificar e compreender o preparo adequado do paciente para a cirurgia e analisar, planejar, aplicar e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar as alterações metabólicas no paciente cirúrgico e analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar alterações da coagulação e hemostasia e analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar as indicações da transfusão de hemoderivados e analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar as principais complicações conseqüentes ao ato cirúrgico e sua repercussão no organismo humano e analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Identificar e interpretar os exames subsidiários mais importantes no pré-operatório e pós-operatório da cirurgia e analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Identificar e compreender os principais tipos de anestesia, analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Conhecer as principais medicações e suas interações utilizadas em pacientes cirúrgicos, bem como as dosagens e vias de administração. Analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Diagnosticar e compreender a indicação do tratamento operatório adequado ao paciente portador de hérnia da parede abdominal.
• Diagnosticar e compreender a indicação do tratamento operatório ao paciente portador de melanoma. Analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Diagnosticar, estadiar e indicar tratamento cirúrgico adequado ao paciente portador de sarcomas. Analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.
• Diagnosticar, estadiar e indicar tratamento cirúrgico adequado ao paciente portador de neoplasia maligna e benigna. Analisar, planejar, corrigir e avaliar a sua importância.

b. Habilidade técnica
• Vestir-se adequadamente ao ambiente do Centro Cirúrgico
• Demonstrar habilidades para instrumentação cirúrgica.
• Executar cateterização venosa periférica e central, sondagem vesical e nasogástrica.
• Participar como auxiliar da operação.
• Reconhecer estruturas anatômicas “in loco”, tato dos diferentes tecidos e reconhecer patologias cirúrgicas.
• Executar e cuidar de curativos, drenos abdominais, torácicos, catéteres venosos, sonda vesical e sonda nasogástrica nos pacientes cirúrgicos.
• Cuidar de ostomias.
• Executar história e exame físico
• Executar a avaliação pré-operatória
• Executar a prescrição do paciente
• Executar a evolução diária do paciente
• Executar os cuidados no pós-operatório
• Executar a alta do paciente
• Executar propedêutica geral e específica da região inguinal.
• Executar procedimentos cirúrgicos: suturas; biópsias e exérese de lesões cutâneas no centro cirúrgico, cirurgia ambulatorial e serviço de emergência.

c. Atitudes
• Reconhecer a importância de preservar a privacidade e integridade do paciente, poupando-lhe sofrimentos ou constrangimentos desnecessários, ao executar procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
• Reconhecer a importância de minimizar a ansiedade do paciente, dos seus familiares, informando-os com clareza e respeito sobre o andamento do diagnóstico, tratamento, complicações, e das eventuais seqüelas que poderão ocorrer.
• Reconhecer a importância de preencher adequadamente o prontuário de modo a permitir que a evolução do paciente possa ser acompanhada por toda a equipe assistencial, e que os dados permitam, à revisão, auferir eventuais informações necessárias do ponto de vista ético, médico-legal, pesquisa clínica e administrativa.
• Reconhecer que a prestação de assistência não se limita a prescrição de medicamentos ou de procedimentos, mas também inclui a supervisão de como estão sendo aplicados e quais os efeitos sobre a evolução do paciente.
• Colocar os interesses do paciente acima de conveniências pessoais. Neste sentido, ter a necessária flexibilidade para tomar iniciativas que contribuam para o bem estar físico e psicológico do paciente.
• Apresentar as visitas médicas de maneira formal, demonstrando respeito aos seus pares e superiores e preservando a integridade e privacidade dos pacientes.
• Manter um clima de respeito para com seus pares e superiores e assim como para os demais integrantes da equipe assistencial.
• Ter maturidade de reconhecer sua própria participação no processo de aprendizado, esforçando-se para cumprir as metas educacionais, ainda que não possa contar sempre com a desejável supervisão do docente.

Métodos de ensino

Todos os recursos didático darão ênfase ao processo do ensino-aprendizagem e avaliação.
• Aula: apresentação dos objetivos do tema, recordar e fornecer conhecimento e conceitos, enfatizar sua compreensão, salientar a aplicação e a avaliação do resultado. Estimular aprendizado contínuo
• Reuniões gerais e de grupos (discussões de casos e aulas)
• Prática Clínica: Ambulatório (discussão de casos); Enfermaria (discussão de caso e visita a beira do leito)
• Habilidade técnica (ambulatório, enfermaria, centro cirúrgico, pronto socorro)

Atividades concomitantes durante o estágio

1. Aula de Oncologia são realizadas na 2ª. sexta feira do estágio.
Discutidas as terapias neoadjuvante e adjuvante
2. Aula de radiologia na 5a. feira às 11:00 h
Os alunos levam exames radiológicos de seus pacientes e discutem os achados, vantagens e desvantagens do método
3. Aula de Técnica Cirúrgica às 3a. e 5a. feira às 13:00 h
Os alunos treinam habilidades dos procedimentos básicos
4. Reunião Clínica do Serviço de Cirurgia Eletiva das 8h00 às 10h00
Os alunos assistem e são estimulados a participar da reunião. Comumente ficam inibidos, então à tarde é oferecida a oportunidade para os alunos solucionar as duvidas da reunião
5. Aulas na 2a. feira, 4a. feira e 6a. feira às 14:00 h
6. Ambulatório assistencial
Atendimento de casos novos, discussão do diagnóstico diferencial e exames subsidiários, avaliação pré-operatória e preparo pré-operatório
7. Cirurgia ambulatorial
Auxilia ou realiza procedimentos ambulatoriais de pequeno porte

Atividades teóricas do estágio

1.Reunião Clínica do Serviço de Cirurgia Geral
2.Reunião Clínica dos grupos Parede, Oncologia e Geral e Não trauma
3.Visita no leito dos grupos de parede, Oncologia e Geral Não Trauma
4. Aula ou discussão de caso na 2a. feira, 4a. feira e 6a. feira às 14:00 h

Atividades práticas:

1. Internação: Anamnese (Identificação, queixa e duração, antecedentes pessoais, familiares, hábitos, ISDA, exame físico geral, exame específico, hipótese diagnóstica, diagnóstico principal, diagnóstico secundário, plano terapêutico
2. Avaliação pré e pós-operatória
3. Evolução
4. Prescrição
5. Prontuário
6. Visita na enfermaria
7. Ambulatório
8. Centro cirúrgico
9. Cirurgia ambulatorial

Relação de Temas.
Esta lista é apenas uma recomendação, o aluno não deve restringir-se exclusivamente a estes temas e referências

1. Prontuário
• Reconhecer a importância do prontuário e inserir as informações de maneira correta
2. Evolução
• Transmitir ao prontuário as informações coletadas na anamnese e exame físico do paciente, bem como exames complementares, lista de problemas, plano de cuidados.
3. Prescrição médica
• Significado do soro de manutenção
• Conhecer as principais medicações utilizadas em enfermaria cirúrgica
• Habituar-se com as doses e vias de utilização
4. Avaliação de risco pré-operatório
. Risco cardiológico
. Risco respiratório
. Risco de infecção
. Risco de TVP e TEP
. Risco anestésico
. Grau de desnutrição
. Gravidade do paciente
. Aplicar os conhecimentos no preparo pré operatório dos pacientes internados.
5. Resposta neuro-endócrina e metabólica ao trauma cirúrgico
• Reconhecer através de exame físico, parâmetros laboratoriais e hemodinâmicos a resposta ao trauma cirúrgico.


6. Hidratação, distúrbios hidreletrolíticos e ácido-básico
• Avaliar hidratação dos pacientes, prescrever soro de manutenção e expansão, reconhecer e corrigir distúrbios hidroeletrolíticos.
7. Infecção e cirurgia,uso de antibióticos profiláticos e terapêuticos
• Reconhecer infecção de ferida operatória e de sítio cirúrgico.
• Aprender princípios de drenagem de coleções e abcessos
• Conhecimento e manejo das fístulas
• Uso de antibióticos em cirurgia
8. Suporte nutricional enteral e parenteral
• Aprender princípios em avaliação nutricional
• Aprender como calcular necessidade calórica
• Vias de nutrição
• Conhecer diferentes tipos de dieta e suas composições
9. Uso de sangue e hemoderivados
10. Avaliação e controle da dor no pós-operatório
11. Avaliação e controle de náuseas e vômitos no pós-operatório
12. Avaliação e controle da febre no pós-operatório
13. Avaliação e controle do íleo no pós-operatório
14. Cicatrização da ferida cirúrgica
15. Curativos
16. Cuidados com sondas, drenos e cateteres
• Reconhecer os principais aparatos utilizados na enfermaria cirúrgica
• Aprender a maneja-los de maneira correta
17. Anestesia local e bloqueios regionais
18. Tumores benignos da pele e tecido celular subcutâneo
. Cisto sebáceo
. Cisto pilonidal
. Lipomas
. Nevus
.Dermatofibromas
19. Hernias
• Conhecer fatores de risco
• Conhecer os principais tipos de hérnias: epigástricas, umbilicais, inguinais, femorais e incisionais.
• Conhecer as principais modalidades de tratamento: Lichtenstein, Stoppa, videolaparoscópicas e incisionais
• Telas
20. Laparoscopia
• Principios do pneumoperitônio
• Alterações hemodinâmicas durante a laparoscopia
• Alterações respiratórias durante a laparoscopia
21. Melanomas
• Reconhecer exposição solar como fator de risco
• Saber identificar lesões suspeitas através do exame físico
• Biópsia
• Conhecer os princípios do linfonodo sentinela
• Tratamento do melanoma
22. Sarcomas partes moles
• Conhecer os principais sarcomas
• Princípios no tratamento dos sarcomas
23. Princípios da cirurgia oncológica
• Conhecer as modalidades de biópsias
• Estadiamento
• Princípios de exérese oncológica de tumores
• Princípios de linfadenectomia
• Conhecer os tratamentos adjuvantes
 
 
 
Programa
As características gerais do estágio (MCG0514) correspondem aos seguintes aspectos:
. estágio hospitalar em cirurgia geral
. administrado no IX e X semestres do curso médico da FMUSP ( alunos de graduação do 5o. ano);
. duração de 180 horas, correspondentes a um período de 4 semanas; constituído de 2 créditos-aula (30 horas) e 2 créditos-trabalho (150 horas).
. estruturado na Divisão de Clínica Cirúrgica III (3º, 5o e 8º andar do ICHC da FMUSP).
. sob a égide da Disciplina de Cirurgia Geral e do Trauma do Departamento de Cirurgia da FMUSP
 
 
 
Avaliação
     
Método
Será realizada durante todo o estágio.
Critério
1. Freqüência
Os alunos deverão assinar a freqüência diariamente na secretaria da Divisão de Clínica Cirúrgica III até às 10:00 h

2. Avaliação teórica
Na última sexta-feira, às 16:00, no anfiteatro, os alunos serão submetidos a prova teórica dissertativa. Apresentação de casos, incluindo todos os temas abordados nas aulas teóricas, exigindo conhecimento e demonstração de como fazer.

3. Avaliação prática
Será realizada durante a apresentação do caso, pelo aluno, durante as visitas semanais de cada enfermaria. Ao final da visita o aluno deverá solicitar do preceptor a avaliação conforme boletim individual. Preceptores das enfermarias: PS3º., PS5º., e do 8º. No dia da prova final o aluno deverá entregar o Boletim para o Médico Preceptor responsável compor a nota final.
O aluno que não entregar o Boletim com as devidas avaliações terá, neste quesito, nota zero.

Boletim de Avaliação Prática

PS3º ou PS5º Oncologia Parede Média
Data
Diagnóstico do paciente
Atenção a saúde (prevenção, tratamento, reabilitação S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
Tomada de decisão
(medicação, exames laboratoriais, Imagem eficácia e custo-efetividade) S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
Comunicação
(Acessível, Clara, linear, conclusiva)
S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
Liderança
(Lidera, respeita liderança, compromisso equipe, empatia, tomada decisão, compatibiliza demandas) S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
Educação permanente
(busca do aprendizado, cita livro, artigo) S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
Administração e Gerenciamento
(pessoas e material) S / SC / DC / F S / SC / DC / F S / SC / DC / F
S = sabe 2,5; SC= sabe como 5,0; DC=demonstra como 7,5; F=faz 10

4. Conceito
Pontualidade, apresentação, disciplina, comportamento perante a equipe médica e enfermagem.

5. Nota final
A nota final será obtida através da média das notas de avaliação teórica e prática.

6. OSCE – Avaliação prática com simulação de casos clínicos
Norma de Recuperação
mínimo de 70% de frequência ao estágio, na impossibilidade, deverá cursar o programa novamente no ano eletivo subsequente.
 
Bibliografia
     
CLINICA CIRÚRGICA – Gama Rodrigues, J.J.; Machado, M.C.C.; Rasslan, S. – Ed. Manole 2008.
INFECÇÃO & CIRURGIA – Mitteldorf, C.; Rasslan, S;. Birolini, D. Ed. Atheneu , 2007.

PROCEDIMENTOS BÁSICOS EM CIRURGIA – Utiyama, E.M;. Rasslan, S;. Birolini, D. – Ed. Manole, 2008.

PROPEDÊUTICA CIRURGICA – Utiyama. E.M.; Otoch, J.P.; Rasslan, S.; Birolini, D. – 2ª. Edição, Ed. Manole, 2007.
SABISTON, TRATADO DE CIRURGIA. Ed. Guanabara Koogan S.A., 18 ed., 2006.

Suporte Avançado de Vida no Trauma para Médicos – ATLS. Manual do curso para alunos. 8ª Edição, 2011.

Cirurgia de Emergência. 2ª Edição, 2011. Ed. Atheneu. Dario Birolini, Edivaldo Utiyama, Eliana Steinman.

Infecção & Cirurgia. 1ª Edição, 2007. Ed. Atheneu. Dario Birolini, Cornelius Mitteldorf, Samir Rasslan.
 

Clique para consultar os requisitos para MCG0514

Clique para consultar o oferecimento para MCG0514

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP